Política: GOVERNO BRASILEIRO VETA PLANO DO MERCOSUL INCLUSÃO DA EXPRESSÃO ‘CRIMES DE ÓDIO’ CONTRA PESSOAS LGBT

A teoria de gênero defendida pelo pensamento da esquerda estabelece que gênero e orientação sexual são construções sociais, e não apenas determinações biológicas.

O governo brasileiro vetou um plano de ação de direitos humanos do Mercosul devido à inclusão da expressão “crimes de ódio” contra pessoas LGBT e de citação a “identidade de gênero”.

Em reunião da Comissão Permanente LGBT nesta quinta (22), representantes do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e do Itamaraty afirmaram que trecho que propunha a criação de “registro de crimes de ódio e discriminação por razões de identidade de gênero e orientação sexual” era inaceitável.

Também houve oposição à proposta de incluir “identidade de gênero” nos registros administrativos dos países. Procurado, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos afirmou em nota que “no tocante ao termo ‘crime de ódio’, a pasta parte do entendimento de que não há tipificação referente a tal modalidade no direito brasileiro, o que pode causar impedimentos legais de aprovação de diretrizes internacionais para registro de crimes que não são reconhecidos pelo ordenamento jurídico pátrio”.

Segundo Marcelo Ernesto Ferreyra, coordenador para a América Latina da ONG Synergía, dedicada à defesa de direitos humanos, o veto do Brasil inviabiliza o plano para defesa de populações LGBT no bloco.

“Sem acordo não há plano de trabalho, e o grupo de trabalho fica imobilizado”, diz Ferreyra, que participou da reunião como representante da sociedade civil.

No comunicado, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado pela minstra Damares Alves (foto principal da matéria) afirma que “nenhuma medida pode ser aprovada sem o expresso aval da integralidade dos Estados membros” e que o tema só voltará a ser discutido na próxima reunião da comissão, no primeiro semestre de 2021.

Desde 2019, o Itamaraty orienta diplomatas para que, em negociações em foros multilaterais, reiterem “o entendimento do governo de que a palavra gênero significa o sexo biológico: feminino ou masculino”.

A teoria de gênero defendida pelo pensamento da esquerda estabelece que gênero e orientação sexual são construções sociais, e não apenas determinações biológicas. Já para segmentos da direita, a “ideologia de gênero” é um ataque ao conceito tradicional de família. O chanceler Ernesto Araújo é crítico contumaz do termo.

Em discurso em seminário promovido pelo Itamaraty e pela Fundação Alexandre de Gusmão (Funag) em 10 de junho do ano passado, Ernesto criticou o globalismo, afirmando que o conceito promove ideias como a “ideologia de gênero” e tenta criar um mundo no qual “você não tem mais nação, no qual você não tem mais família, no qual você não tem mais homem e mulher”.

(Da Redação com Folhapress)

Seja o Primeiro a comentar on "Política: GOVERNO BRASILEIRO VETA PLANO DO MERCOSUL INCLUSÃO DA EXPRESSÃO ‘CRIMES DE ÓDIO’ CONTRA PESSOAS LGBT"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*