SETOR PRODUTIVO VÊ REFIS ESTADUAL CHANCE DE RETOMADA DO CRESCIMENTO

Regras para pagamento de dívidas tributárias atrasadas foram publicadas no dia 21. Condições são consideradas boas para as empresas, mas prazo para adesão é curto

Depois de exaustivas negociações entre o setor produtivo e o poder público, que duraram pelo menos dois anos e passaram por três governos diferentes, finalmente a Secretaria Estadual da Fazenda do Paraná publicou, no último dia 21, o decreto que regulamenta um tratamento diferenciado para pagamento de dívidas tributárias do ICMS – o Refis.

De quebra, o governo ainda instituiu um programa especial de parcelamento de débitos não tributários, como os decorrentes de autos de infração. E outras novidades, como as possibilidades de incluir no acordo impostos que não chegaram a ser declarados anteriormente pelas empresas, bem como o pagamento das dívidas com precatórios.

A parte mais problemática, no entanto, é o prazo. As empresas têm que aderir ao acordo antes de 20 de fevereiro. Ainda assim, especialistas recomendam que as empresas corram para avaliar a adesão que, na maioria dos casos, é bastante benéfica.

“As condições são favoráveis e imperdíveis”, avalia o advogado tributarista Fabio Grillo. Ele destaca que, com a possibilidade de quitar também os débitos não tributários, muitas empresas podem economizar muito ao encerrar processos que geram despesas de manutenção com assistência jurídica e contábil. “Esses processos podem ser eliminados a um custo relativamente barato”, afirma.

Pessoas jurídicas com valores em aberto perante o fisco estadual ficam inscritas no Cadastro Informativo Estadual (Cadin), uma espécie de lista negra que as impede de receber valores de bancos de fomento, eventuais benefícios fiscais e participar de regimes especiais de importação e exportação. Grillo lembra que elas perdem, ainda, o direito de emitir Certidão Negativa de Débitos perante o estado, documento essencial para participar de licitações públicas.

O advogado e contador Cláudio Batista recomenda que as empresas que pretendem aderir ao programa corram para quitar os impostos declarados a partir de outubro de 2018 – essa é uma das condições para adesão. “Foi uma jogada interessante do governo para fazer caixa”, explica.

Quanto à possibilidade de quitar débitos não tributários que estejam em discussão judicial ou administrativa, Batista recomenda que as empresas avaliem, com seus advogados e contadores, a possibilidade de êxito. “Se for baixa, vale a pena [incluir no acordo]”, conclui.

Retomada

O setor produtivo está aliviado com o lançamento do programa. O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, que participou junto com o G7 (grupo que reuniu instituições do setor produtivo paranaense) das conversas com o Poder Público, acredita que as empresas que se endividaram durante a crise poderão retomar o crescimento após fecharem seus acordos no programa.

Campagnolo classifica como “suprassumo” da lei a possibilidade de incluir as dívidas não tributárias, bem como de usar precatórios nos pagamentos. “Era uma reivindicação do setor produtivo. Então as empresas não podem perder essa oportunidade”, ressalta.

Para o presidente da Fiep, não faz sentido o temor de que as medidas acabem desestimulando as empresas que pagam os tributos em dia. “Esse normalmente é um coro que vem dos técnicos e consultores. Dificilmente são os empresários que dizem isso. Temos um regime tributário perverso. As empresas não se endividam por má vontade”, defende.

Condições:

O contribuinte pode recolher o crédito tributário de quatro formas diferentes:
– em parcela única, com a redução de 80% do valor da multa e 40% dos juros

– em até 60 parcelas mensais reduzindo 60% da multa e 25% dos juros

– em até 120 parcelas, com redução de 40% na multa e 20% nos juros

– em até 180 parcelas, com desconto de 20% no valor da multa e 10% nos juros

O recolhimento em parcela única deve ser feito até 24 de abril de 2019 às 18h.

Os parcelamentos que já estejam em curso podem ser rescindidos para que ocorra outro parcelamento nos novos termos.

Débitos não tributários inscritos em dívida ativa até 31/12/2017 poderão ser pagos da seguinte forma:

– em parcela única, com a redução de 80% do valor atualizado dos encargos moratórios incidentes sobre o débito principal

– em até 60 parcelas mensais com a redução de 60% do valor atualizado dos encargos

– em até 120 parcelas mensais com a redução de 40% do valor atualizado dos encargos

Como aderir:

– Pelo site da Secretaria da Fazenda do Paraná, com identificação autenticada do devedor.

– Na impossibilidade de identificação autenticada, o pedido deverá ser protocolado na Agência da Receita Estadual do domicílio tributário do interessado.

(Com Gazeta do Povo)

Seja o Primeiro a comentar on "SETOR PRODUTIVO VÊ REFIS ESTADUAL CHANCE DE RETOMADA DO CRESCIMENTO"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*