PUTIN CAÍA NAS PESQUISAS, ENTÃO MUDOU A PERGUNTA. DEU CERTO

Após crítica do Kremlin, a empresa estatal usou uma nova metodologia. Resultado: a confiança no presidente saltou de 30,5% para 72%

Quando Vladimir Putin acordou, a impopularidade não estava mais lá. Na semana passada, o presidente da Rússia havia amargado o pior índice de confiança popular desde que governa. Após meses em queda livre, uma pesquisa do instituto governamental VTsIOM mostrava que apenas 30,5% dos russos declaravam confiar nele. Então, na quinta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, visivelmente incomodado, pediu esclarecimentos aos sociólogos. A pesquisa, disse, “não era consistente”. A VTsIOM tomou nota, e 24 horas depois divulgou um novo levantamento, segundo o qual 72,3% dos russos confiam em Putin. Em uma noite, o líder russo, que experimentava o descontentamento da população por causa da situação econômica, subiu quase 43 pontos percentuais. Mais do que cozinhar a pesquisa, a entidade estatal decidiu simplesmente mudar a receita, usando uma pergunta radicalmente distinta. E deu certo.

Há 13 anos, o Centro de Estudos da Opinião Pública de Toda a Rússia (VTsIOM) pede aos entrevistados que citem os políticos nos quais confiam. Sem dar pistas. Depois das críticas do Kremlin, que não entendia por que a confiança em Putin havia caído, enquanto a aprovação se mantinha razoavelmente alta (até demais para os padrões ocidentais), o instituto de pesquisas alterou o sistema e lançou uma nova pergunta, desta vez com resposta fechada: “Você confia no presidente Putin? Sim ou não”.

A nova pergunta foi “com toda probabilidade” uma reação ao chamado de atenção do Kremlin, analisa Denis Volkov, subdiretor do Centro Llevada, um reputado instituto de pesquisas independente. O especialista argumenta que não há nada de errado em fazer uma nova pergunta, mas alerta que os resultados não são e não serão comparáveis. “Não é a maior queda de confiança no presidente, ele já teve quedas mais agudas antes, mas suponho que, para o Kremlin seja difícil se deparar com manchetes de que ‘só 30,5% dos russos confiam em Putin’”, afirma, por telefone.

O diretor do instituto estatal de pesquisas, Valery Fyodorov, alegou que talvez a fórmula anterior — pergunta aberta e sem pistas — fosse “extremamente genérica”. Afirmou que a pesquisa anterior não deixará de ser feita, mas que a nova questão é um bom complemento. O Kremlin se mostrou satisfeito com os novos dados, mas o porta-voz Peskov salientou que em caso de novas dúvidas “certamente” as apresentará.

Até a polêmica da semana passada, a confiança no presidente russo vinha caindo continuamente. Seu nível de aprovação, embora também reduzido, se mantém estável em 65,8%. São cifras muito similares às reveladas nas pesquisas do Llevada — que foi declarado pelo Kremlin como um “agente estrangeiro”, e portanto com atividades limitadas. Qual é a diferença entre nível de aprovação e de confiança? “A aprovação, neste caso, é mais geral, é como estar medianamente de acordo com a gestão, e a confiança se aproxima mais da intenção de voto”, explica Volkov.

Assim, se houvesse eleições amanhã, o Kremlin teria motivos para se preocupar — não fosse pelo fato de que nenhum outro político faz sombra, nem mesmo nas pesquisas, ao presidente russo, que governará até 2024. Depois de Putin, de 66 anos, os mais bem situados em nível de confiança são seus ministros de Defesa, Serguei Shoigu (15,1%), e de Relações Exteriores, Serguei Lavrov (12%). Vladimir Jirinovski, do Partido Liberal Democrático, conta com 9,5% de confiança. Alexei Navalni, o líder da oposição extraparlamentar, tem 1,4%. Com a nova pergunta, Putin é o único político que supera 50% de confiança.

O mal-estar da opinião pública com a situação econômica está passando fatura ao Governo, e isso se nota nas pesquisas, aponta a analista Maria Snegovaya. No fim de maio de 2018, depois de arrasar nas eleições de março, a confiança em Putin se situava em 46,9%. Mas desde então veio caindo. “Há uma perda de confiança nas autoridades, em geral, impulsionada pelo fato de os salários reais estarem há cinco anos diminuindo (valem 13% menos que há meia década), uma situação que a Rússia contemporânea não tinha vivido desde os anos noventa”, disse Snegovaya.

O efeito das sanções ocidentais à Rússia depois da anexação da Crimeia em 2014, a inflação e o aumento de impostos tampouco ajudaram Putin. E a isto se acrescenta um grande mal-estar por reformas como a que aumentou a idade de aposentadoria (de 60 para os 65 anos no caso dos homens; e de 55 para 60 no das mulheres) e por leis que restringem os direitos civis — como as multas por “ofensas” às autoridades.

O chamado efeito Crimeia já não funciona mais. Depois de anexar essa península antes pertencente à Ucrânia, em 2014, com um referendo considerado ilegal pela comunidade internacional, Putin alcançou a histórica marca de 70% de confiança popular. Agora, voltou-se às cifras anteriores à anexação, observa Andrei Kolesnikov, do Centro Carnegie de Moscou. “Esse consenso em torno da Crimeia não desapareceu, mas já está frio, congelado, não é uma lava emocional quente”, afirma o analista político. “O Kremlin já não pode mobilizar as pessoas empregando o antigo conjunto de ferramentas militaristas antiocidentais. Toda a atenção agora está na agenda social”, acrescenta.

O presidente russo, consciente disso, anunciou em fevereiro uma ampla bateria de medidas de apoio econômico e social à população, mas pouco foi concretizado. Os movimentos sociais estão ganhando musculatura. E os protestos, embora ainda minoritários e incipientes, aumentaram. Como as manifestações em Arkhangelsk e outros pontos contra os depósitos de lixo ilegais, ou a enorme mobilização que em maio conseguiu — por enquanto — paralisar a construção de uma gigantesca igreja em uma zona verde de Ekaterimburgo.

A economia está estancada. Estima-se que 48,2% das famílias russas não tenham capacidade financeira para comprar bens duráveis, como uma geladeira ou um celular, segundo o instituto nacional de estatísticas russo Rosstat. Só têm liquidez suficiente para bens básicos, como alimentos e roupa. Uma parcela significativa da população na Rússia vive no vermelho, cada vez mais endividada. Os russos sentem cada vez menos bem-estar, segundo o índice do instituto VTsIOM: em março de 2014, 74% se diziam “satisfeitos” com sua vida. Hoje, só 50% se sentem assim.

(Com El País)

Seja o Primeiro a comentar on "PUTIN CAÍA NAS PESQUISAS, ENTÃO MUDOU A PERGUNTA. DEU CERTO"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*