PARANÁ PREVÊ IMPACTO BILIONÁRIO NO CAIXA COM PROPOSTA DE REAJUSTE A SERVIDORES

Governador Carlos Massa Ratinho Junior durante coletiva de imprensa - Curitiba, 03/07/2019 - Foto: Rodrigo Félix Leal/ANPr

O governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) apresentou nesta última quarta-feira (3) uma proposta para o funcionalismo público que inclui um reajuste salarial de 5,09% parcelado em quatro vezes até janeiro de 2022, além da abertura de quase 6 mil novas vagas, entre outros itens

Segundo a administração estadual, o impacto das medidas pode chegar próximo de R$ 4 bilhões no orçamento dos próximos quatro anos.

As sugestões feitas pelo governo serão apreciadas pelas diferentes categorias do funcionalismo em assembleias a serem realizadas nos próximos dias. Em um primeiro momento, foram recebidas com ressalvas por parte do grupo de grevistas que se concentra em frente ao Palácio Iguaçu desde o dia 25. Os servidores pediam a reposição de 4,94% para este ano, enquanto o governo quer conceder um reajuste para 2019 de apenas 0,5%, referente à primeira parcela da proposta.

Confira a seguir o que está previsto na proposta feita pelo governo e o impacto que cada medida deve ter no orçamento do estado, segundo a administração estadual:

Reajuste geral de 5,09% – R$ 2,1 bilhões até 2022

A intenção do governo é conceder um reajuste geral de 5,09% para os servidores em quatro parcelas: 0,5% a partir de outubro de 2019; 1,5% a partir de março de 2020; 1,5% a partir de janeiro de 2021 (desde que a receita líquida de 2020 tenha crescido no mínimo 6,5% em relação a 2019); e 1,5% a partir de janeiro de 2022 (desde que a receita líquida de 2021 tenha crescido no mínimo 7% em relação a 2020). De acordo com a administração estadual, o impacto total dos reajustes será de R$ 2,1 bilhões no acumulado até 2022.

Os servidores pediam um reajuste imediato de 4,94% referente à reposição da inflação dos últimos 12 meses. Com salários congelados há três anos, as perdas decorrentes da inflação já teriam passado de 17%, segundo o Fórum das Entidades Sindicais (FES), que reúne diversas categorias do funcionalismo estadual.

Reajuste do auxílio-alimentação, vale-transporte e salário mínimo regional – R$ 23,8 milhões em 2019
Outro item da proposta prevê reajustes no auxílio-alimentação (atualmente fixado em R$ 103), no auxílio-transporte (hoje em R$ 162,15, para quem recebe até R$ 2.659,60) e no salário mínimo regional do Paraná, que atualmente varia de R$ 1.306,80 a R$ 1.509,20, dependendo da categoria. Embora não tenha detalhado os índices previstos para aumento nesses itens, o governo do estado afirma que o impacto da medida será de R$ 23,8 milhões no exercício de 2019.

Concursos públicos e contratações – R$ 200 milhões por ano

O governador anunciou ainda a previsão de concursos públicos e contratações de 2.560 policiais militares, 400 policiais civis (50 delegados, 50 papiloscopistas e investigadores), 96 peritos e médicos para a Polícia Científica, 1.269 agentes de cadeia, 400 profissionais para a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), 80 profissionais para a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), 988 professores para a Secretaria Estadual da Educação (Seed), além de quadro próprio para a administração direta, Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Departamento de Estadas de Rodagem (DER), Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) e Teatro Guaíra. Segundo Ratinho, o custo para as contratações será de R$ 200 milhões por ano. Ele não deu detalhes, no entanto, do prazo para a realização dos processos seletivos.

Perícia médica para o interior do estado – R$ 1,6 milhão em 2019

O governo garantiu ainda para 2019 a contratação de clínicas que farão a perícia médica em oito cidades-polo do interior que hoje não dispõem do serviço. No âmbito da saúde ocupacional, a capilaridade do atendimento para perícia médica era uma das reivindicações dos servidores públicos estaduais. A previsão da administração estadual é de que a medida gere um impacto de R$ 1,6 milhão no orçamento de 2019.

Manutenção do programa de promoções e progressões, anuênios e quinquênios – R$ 1,3 bilhão até 2022
Em relação à carreira dos servidores, Ratinho afirmou que manterá o programa de promoções e progressões, anuênios e quinquênios, que o governo do estado estudava congelar. Por causa do programa, o governo diz que, mesmo sem reajuste, o gasto com folha de pagamento de ativos aumenta 2,3% ao ano, o que representaria cerca de R$ 325 milhões para o atual exercício. Até 2022, o impacto acumulado com a manutenção do programa será de R$ 1,3 bilhão, segundo o governo estadual. “Nós já demos 20 mil promoções neste ano para nossos servidores”, afirmou Ratinho.

Eleição de diretores e substitutivo para o PLC 04/2019

Na proposta Ratinho diz ainda que manterá o processo de escolha de diretores das escolas estaduais por eleição pela comunidade escolar. A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed) trabalhava em uma proposta para um novo processo, que ainda incluiria eleições, mas privilegiaria a competência dos profissionais da rede.

O último item da proposta prevê o envio de um substitutivo geral do projeto de lei complementar 04/2019, conhecido como Lei de Eficiência na Gestão do Estado (Lege). O texto original previa a possibilidade de congelamento, por 20 anos, de promoções, progressões e reposição salarial, dependendo da relação entre investimento e receita do estado.

Condição: fim das licenças prêmio

A condição dada pelo governo para dar o reajuste é que os servidores aceitem o fim da concessão de novas licença prêmio, um recesso remunerado de 90 dias que é garantido a cada cinco anos trabalhados. O estado instituiria um programa para assegurar ou indenizar o usufruto das licenças já adquiridas, que seriam preservadas.

Pouco após a apresentação da proposta, Marlei Fernandes, coordenadora do Fórum das Entidades Sindicais (FES), criticou o texto, considerando inaceitável a condição dada pelo governo, que caracterizaria a revogação de um direito adquirido.

De onde virá o dinheiro

Até apresentar a proposta nesta quarta (3), o governo insistia que não tinha possibilidade de conceder reajuste ao funcionalismo sob o risco de desequilibrar as contas do estado. No dia 20 de junho, Ratinho Junior disse que um reajuste salarial dependeria do aumento de impostos. No anúncio da proposta, o governador não detalhou exatamente de onde sairá a verba para o aumento da despesa com pessoal, mas disse que contou com o apoio da Assembleia Legislativa (Alep) “para que pudéssemos ter caixa para fazer essa proposta para os servidores”.

O líder do governo na Alep, Hussein Bakri (PSD), garantiu que não haverá aumento de impostos e afirmou que parte da economia virá do fim de novas licenças prêmio e das próximas etapas da reforma administrativa, que começou com a redução no número de secretarias do estado. “O governador já fez uma proposta parcelada levando em conta alguns projetos que vão diminuir o tamanho da máquina”, afirmou. “A população já paga impostos demais. Eu posso garantir que não existe em gestação nenhuma proposta que verse sobre aumento de impostos.”

(Com Gazeta do Povo)

Seja o Primeiro a comentar on "PARANÁ PREVÊ IMPACTO BILIONÁRIO NO CAIXA COM PROPOSTA DE REAJUSTE A SERVIDORES"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*