NOVO LAUDO É INCONSISTENTE, AFIRMA AVOGADO DA FAMÍLIA DE IGAUÇUENSE MORTO EM ABORDAGEM DA RECEITA NA PONTE DA AMIZADE

Novo laudo revela que Ademir Gonçalves Costa, de 29 anos, não foi vítima de agressões durante a abordagem dos servidores da Receita Federal, mas não revela o motivo da morte.

O jovem morreu no dia 28 de janeiro de 2017 após passar por violenta fiscalização de agentes da Receita Federal na Aduana da Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu.

Os agentes sempre negaram as agressões e, após muita polêmica, a 5ª Vara Federal de Foz do Iguaçu determinou a exumação de seu corpo para nova perícia em outubro de 2017.

Por telefone, os advogados de defesa da família de Ademir disseram que o laudo é inconclusivo porque não responde a causa da morta de vítima.

Em que pese o mais recente laudo apontar a não existência de fraturas ou sinais de agressões profundas no cadáver de Ademir Costa (foto al lado), o rosto dele apresentava vários sinais de contusões, quando seu corpo chegou no IML de Foz do Iguaçu (ver detalhes na foto ao lado).

O resultado do exame toxicológico realizado pelo IML do governo do Paraná, situado em Curitiba, deverá ser divulgado nos próximos dias.  Existiria a suspeita de que servidores da Receita Federal por ser usado “spray” com substâncias com toxinas que possam ser o motivo da morte de Ademir Costa.

O Epsódio

Ademir voltado do Paraguai na garupa de uma moto quando foi abordado. Na ocasião, ele chegou a ser filmado por pessoas que passavam pelo local: ele estava deitado no chão de bruços, algemado e com as calças abaixadas.  Vários minutos depois, ele começou a passar mal. Chegou a ser socorrido, mas não resistiu.

Imagens – Assista vídeo mostrando a abordagem

(Com Agências)

Seja o Primeiro a comentar on "NOVO LAUDO É INCONSISTENTE, AFIRMA AVOGADO DA FAMÍLIA DE IGAUÇUENSE MORTO EM ABORDAGEM DA RECEITA NA PONTE DA AMIZADE"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*