MILITATES VENEZUELANOS MATAM CIVIS PERTO DA FRONTEIRA

Soldados da Venezuela abrem fogo contra grupo de indígenas opositores que tentava impedir a passagem de um comboio militar em direção à região fronteiriça com o Brasil. Há ao menos dois mortos e vários feridos

Um confronto entre civis e militares perto da fronteira da Venezuela com o Brasil deixou ao menos dois mortos e vários feridos nesta sexta-feira (22/02).O incidente ocorreu um dia após o fechamento da passagem entre os dois países, ordenado pelo presidente venezuelano Nicólas Maduro.

A violência eclodiu na vila de Kumarakapai quando lideranças indígenas tentaram impedir a passagem de um comboio das Forças Armadas venezuelanas em direção à região fronteiriça.

Os indígenas da comunidade pemón queriam impedir que os soldados bloqueassem a entrada da ajuda humanitária no país. Os militares abriram fogo contra o grupo e mataram uma mulher e seu marido, segundo organizações de direitos humanos. Ao menos 15 pessoas ficaram feridas.

“Eu me impus contra eles para apoiar a ajuda humanitária. Eles vieram nos atacando, atirando em pessoas inocentes que estavam em suas casas”, contou o líder comunitário Richard Fernandez à agência de notícias Reuters.

Apesar do fechamento da fronteira, a passagem das ambulâncias em direção ao Brasil foi liberada pelos militares venezuelanos. Os feridos foram levados para Boa Vista, em Roraima.

“Neste momento, cinco pacientes venezuelanos estão sendo atendidos no Hospital Geral de Roraima. Todos feridos por armas de fogo”, disse a Secretaria Estadual de Saúde de Roraima, em nota. Os pacientes foram transportados em duas ambulâncias venezuelanas e acompanhados por um médico do país.

A imprensa informou que, depois do confronto, os indígenas teriam sequestrado três funcionários do governo, entre eles o general José Montoya. Segundo relatos, os reféns só serão liberados se o ministro venezuelano da Defesa, Padrino López, for buscá-los pessoalmente.

Em resposta ao ataque, o autoproclamado presidente interino da Venezuela Juan Guaidó exigiu que as forças militares venezuelanas destacadas na zona sul do país prendam os responsáveis pela ação. Ele afirmou que, se isso não ocorrer, os generais Jesús Mantilla Oliveros e Alberto Mirtiliano Bermúdez serão responsabilizados pelo incidente.

Guaidó assegurou que essa situação “não ficará impune” e pediu aos militares que decidam “nesta hora definitiva” de que lado estão. “A todos os militares: entre hoje e amanhã, vocês vão definir como querem ser recordados. Já sabemos que estão com o povo, deixaram isso muito claro. Amanhã podem demonstrá-lo”, destacou.

O líder oposicionista espera que as Forças Armadas venezuelanas, leais ao regime, desobedeçam às ordens de Maduro para bloquear a entrada de ajuda humanitária. Tal desobediência seria um sinal do enfraquecimento do regime chavista.

Depois de o Brasil anunciar que participaria da iniciativa de enviar alimentos e medicamentos a venezuelanos, Maduro ordenou, na quinta-feira, o fechamento da fronteira com o país. Apesar do bloqueio, o governo brasileiro decidiu manter a ajuda humanitária, mas destacou que os mantimentos devem ser buscados por venezuelanos em Boa Vista e Pacaraima.

O governo brasileiro descartou nesta sexta-feira uma “ação agressiva” na fronteira com a Venezuela. “Temos que aguardar o desenvolvimento dos eventos. O que já está estabelecido é que o Brasil não vai fazer nenhuma ação agressiva”, afirmou aos jornalistas o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, o general Augusto Heleno Ribeiro.

O Brasil continua com os preparativos para o envio, a partir deste sábado, de alimentos e medicamentos para o país vizinho. Um primeiro avião da Força Área Brasileira (FAB) chegou pela manhã ao estado de Roraima, carregado com 22,8 toneladas de leite em pó e 500 kits de primeiros socorros.

A entrada de ajuda humanitária, especialmente os bens fornecidos pelos Estados Unidos, no território venezuelano tem sido um dos temas centrais nos últimos dias da queda de braço entre Maduro e Guaidó.

Maduro nega a existência de uma crise humanitária na Venezuela e alega que o envio de ajuda seria um pretexto para os Estados Unidos promoveram um golpe de Estado no país. Ele também culpa os EUA, devido à imposição de sanções econômicas, pela hiperinflação e pela severa escassez de alimentos e remédios, que levaram à fuga do país de 2,3 milhões de pessoas desde 2015.

(Com DW)

Seja o Primeiro a comentar on "MILITATES VENEZUELANOS MATAM CIVIS PERTO DA FRONTEIRA"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*