MAIS DIZ QUE AVANÇO DE PREVIDÊNCIA É MÉRITO DA CÂMARA E COBRA GOVERNADORES

Capitalização virá em outra PEC; Oposição diz que não foi convidada

Com deputados e líderes partidários chamando o protagonismo para a Câmara, foi apresentada nesta 4ª feira (12.jun.2019) uma prévia do que será o parecer de Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a reforma da Previdência. O sistema de capitalização deverá ser analisado apenas no 2º semestre em outra projeto.

A expectativa do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é de votar a proposta no plenário da Câmara na 1ª semana de julho. Ele creditou à Câmara o avanço do projeto.

“Se chegamos aqui hoje com a possiblidade de produzir 1 texto com uma economia relevante, nós devemos ao Parlamento brasileiro, à Câmara e ao Senado”, afirmou.

Sobre a inclusão dos Estados e municípios na reforma, Maia afirmou que o assunto “está longe de um acordo”. “A intenção é incluir os governadores, mas nós precisamos que os governadores sinalizem de maneira clara para este Parlamento e para a sociedade que de fato são a favor da reforma da Previdência.”

A Previdência é o principal projeto do governo de Jair Bolsonaro, mas o comando do Planalto foi criticado por Maia. Sem citar nomes, ele afirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, é “1 dos poucos ministros do governo que dialoga com o Parlamento, que conversa, que ouve e que tem tentado colaborar”.

O relator do texto também afirmou que “seria bom se o governo se empenhasse mais”.

A oposição criticou a divulgação de pontos do relatório fora da comissão especial. “Os deputados da oposição não vão ser convidados para esta reunião?”, questionou a líder da minoria Jandira Feghali (PC do B-RJ).

O líder do PDT na Casa, André Figueiredo (CE), disse que o colegiado entra em “suspeição”, dada a presença do presidente da comissão especial, Marcelo Ramos (PR-AM), no anúncio do acordo.

Acordo

Mais cedo, foi anunciado 1 acordo entre líderes partidários da Câmara para o formato do texto. Foi definido que serão retirados do texto o sistema de capitalização e mudanças na aposentadoria rural e no BPC (Benefício de Prestação Continuada).

Os deputados também optaram por não incluir Estados e municípios no projeto. A inclusão dependerá de uma emenda no plenário com a exigência de que governadores se empenhem na aprovação da reforma. Os deputados federais temem assumir o ônus completo pela reforma enquanto deputados estaduais e governadores não se comprometem com a pauta impopular.

Maia ainda pediu que os deputados ligados a governadores deixem claro que votarão a favor da reforma.

(Com Poder360)

Seja o Primeiro a comentar on "MAIS DIZ QUE AVANÇO DE PREVIDÊNCIA É MÉRITO DA CÂMARA E COBRA GOVERNADORES"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*