GOVERNO SUPERESTIMA RECEITA PARA NÃO DEPENDER DO CONGRESSO, DIZ ECONOMISTA

Executivo divulgou previsões para 2020; Aumentou projeção de deficit primário

Para o professor da UnB (Universidade de Brasília), Newton Marques, 67 anos, as projeções de receita divulgadas pelo governo estão acima do que a própria equipe econômica espera. O economista afirma que as estimativas são feitas dessa forma para que não seja necessário pedir crédito extra ao Congresso, caso algo fuja do cenário estipulado.

“Os governos, em geral, superestimam a receita. Se eles colocarem de forma pessimista ou subestimada, vai ser 1 tiro no pé porque o Congresso vai dizer ‘como é que eles querem colocar uma despesa dessa se a receita é pequena?’. É justamente para ter a despesas mais elevadas”, disse em entrevista ao Poder360.

Na última 2ª feira (15.abr.2019), o governo federal apresentou o PLDO (Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2020 com previsão de deficit de R$ 124,1 bilhões para o ano. O valor é pior do que o projetado anteriormente, de R$ 110 bilhões negativos.

O economista afirma ainda que esta é a razão para as estimativas de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) para este e o próximo ano do governo estarem acima do que prevê o mercado. A equipe econômica estima alta de 2,2% este ano, já o mercado reduziu a projeção para 1,95%.

“Se colocar mais baixo, não vai poder superestimar a receita. Eles estão fora da realidade, mas tem que ficar mesmo senão o plano deles não tem consistência”, avalia.

Em relação às despesas, o pesquisador reconhece a possibilidade de 1 shutdown (paralisação da máquina pública) se os gastos de manutenção que estão dentro da faixa de despesas não obrigatórias continuarem diminuindo, mas acredita que não acontecerá de fato. “Eles sempre fazem alguma coisa, mas sempre existiu essa possibilidade”, diz.

Leia trechos da entrevista:

Poder360: Durante a divulgação do PLDO, o governo previu atualização do salário mínimo sem aumento real, corrigido apenas pela inflação. Quais são as implicações disso?
Newton Marques: Você tem 1 impacto sobre as rendas mais baixas. O governo vai gastar menos com Previdência, os empresários vão desembolsar 1 salário mais baixo e os trabalhadores vão perder a renda real. Depois de 15 anos, vai ser a 1ª vez que não irá respeitar a regra para reajuste do salário mínimo que era com base no crescimento do PIB de 2 anos atrás mais a inflação.

O governo afirma que considerou apenas a legislação vigente para fazer as previsões, mas dá margem para a aprovação da reestruturação de carreira dos militares. Que mensagem isso passa para os demais servidores?
Eles podem alegar que está defasado [o salário dos militares] ou querem privilegiá-los. Para dar o mesmo desembolso para o setor público, eles teriam que desembolsar mais dinheiro. Com isso, há 1 desembolso menor porque os militares tem a folha de pagamento menor que a dos demais servidores do Executivo. Privilegia a classe que é justamente a que está no poder.

A respeito da pressão dos caminhoneiros, na situação atual das finanças públicas, que tipo de situação pode ocorrer?
O que aconteceu no ano passado foi 1 locaute, não foi uma greve. Os empresários é que financiaram os caminhoneiros porque queriam derrubar o governo. Teoricamente, a força que eles têm agora é menor do que no ano passado. O governo vai manobrar isso. Vai fazer essas coisas, mas não vai fazer nada para subsidiar o diesel.

Sobre a interferência do presidente Jair Bolsonaro no reajuste anunciado pela Petrobras. O quanto afeta a confiança do empresariado?
Isso existe, tanto que a bolsa despencou. A mesma coisa a Previdência. Se não sair como o mercado está esperando vai cair a confiança. A consequência é no investimento. O empresário sente vontade de aumentar seus investimentos sabendo que o governo está fraco? Não é 1 governo forte como se imaginava antes. Então como é que vai investir? A economia fica patinando, não sai do papel.

(Com Poder360)

Seja o Primeiro a comentar on "GOVERNO SUPERESTIMA RECEITA PARA NÃO DEPENDER DO CONGRESSO, DIZ ECONOMISTA"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*