GOVERNO NÃO VAI INTERVIR NA VALE ANTES DE INVESTIGAÇÃO, DIZ ONYX LORENZONI

Governo é apenas acionista, diz; Falou após reunião ministerial

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), disse nesta 3ª feira (29.jan.2019) que o governo federal não vai intervir na direção da Vale enquanto a empresa não for investigada. A possível destituição da diretoria da empresa pode ser discutida “se a investigação mostrar que realmente há problema, dolo, falha”, segundo o ministro.

O demista disse ainda que a Vale não é responsabilidade do governo por ser uma empresa privada. Como acionista, cabe ao governo “confiar no seu conselho de administração”, disse. Para o ministro “não há condição de haver qualquer grau de intervenção” e que isso não seria uma sinalização desejável ao mercado.

“Temos que aguardar as investigações. Não cabe ao governo federal apoiar empresa, diretoria. Cabe responder pelo Banco do Brasil, pela Caixa Federal e Petrobras, por aquilo que é sua responsabilidade direta. O governo é acionista de centenas de empresas”, declarou.

A Vale é a dona da barragem que se rompeu em Brumadinho (MG) no dia 25 de janeiro. A tragédia já supera em número de mortos o desastre de Mariana em 2015, causada por 1 empreendimento da mesma companhia. Na 2ª (28.jan), o governo instituiu uma resolução com medidas a serem tomadas para lidar com a crise na cidade mineira.

Reunião do Conselho de Governo

A declaração de Onyx foi dada após reunião ministerial comandada pelo presidente interino, general Hamilton Mourão. Na saída, os ministros Onyx Lorenzoni, almirante Bento Albuquerque (Minas e Energia), Gustavo Canuto (Desenvolvimento Regional) e Ricardo Salles (Meio Ambiente) comunicaram à imprensa os temas debatidos.

Segundo Onyx, a 1ª preocupação do governo é “com as pessoas”; depois verão “como fica a questão da empresa e do setor econômico”.

O almirante Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, declarou que a Vale tem prestado esclarecimentos sobre a crise em Brumadinho e que a empresa “se comprometeu a desativar todas as barragens de seus empreendimentos que se encontram no montante e, caso isso seja não seja possível, serão construídas barragens de contenção para que não ocorra nenhum tipo de dano a vida humana.”

O ministro de Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, afirmou que o governo vai fiscalizar “o mais rápido possível” 3386 barragens consideradas prioritárias para evitar o que aconteceu na cidade mineira. Ele não deu prazos para que a fiscalização seja feita – “Nosso objetivo, mais que cumprir 1 número, é garantir que aquelas que foram vistoriadas estejam com a informação correta”, falou.

Canuto ainda adicionou que a Lei Nacional de Segurança de Barragens será revista. “Não será permitida nenhuma estrutura que não seja necessária à operação essencial da mina, nenhuma casa, nenhum restaurante”, disse.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, comentou sobre as multas impostas à Vale por conta do rompimento em Brumadinho:

“Nosso esforço é que tanto as respostas de reparação ambiental, multas e compensação sejam tomadas em caréter mais efetivo e negociadas nos órgãos que tem atuado nas respectivas fiscalizações”.

Salles também falou sobre o fato da empresa ainda dever multas por causa do desastre de Mariana. “O acordo foi entre a empresa e diversos órgãos de controle, Ministério Público e Poder Judiciário. Foi 1 encaminhamento oportuno segundo a visão daquele momento, o que é diferente do modelo a ser adotado agora.”

A interinidade de Mourão

Hamilton Mourão substitui Jair Bolsonaro na Presidência da República enquanto este se recupera de cirurgia que fez nesta 2ª feira para retirar a bolsa de colostomia. O general fica na Presidência até a manhã de 4ª feira (30.jan).

(Com Poder360)

Seja o Primeiro a comentar on "GOVERNO NÃO VAI INTERVIR NA VALE ANTES DE INVESTIGAÇÃO, DIZ ONYX LORENZONI"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*