Fronteira: LAVA JATO MIRA DARIO MESSER, O DOLEIRO DE TODAS AS CORRUPÇÕES NO BRASIL E PROTEGIDO PELO PRESIDENTE DO PARAGUAI

Protegido do presidente paraguaio, Horácio Cartes com quem aparece na foto em destaque, o doleiro brasileiro Dario Messer, procurado pela Interpol e alvo da Operação Lava Jato, construiu um currículo invejável no obscuro mundo do mercado financeiro ilegal. Acusado de ter coordenado um esquema que movimentou mais de 1,6 bilhão de dólares em 52 países, ele foi chamado pelo colega de profissão e delator Alberto Youssef de “o doleiro dos doleiros” no Brasil.

Toninho Barcelona, outro gatuno das transações por baixo dos panos, disse que ele era “o principal doleiro do Partido dos Trabalhadores”. Mas sua atuação é alvo da polícia muito antes do PT chegar ao poder e também inclui outros partidos. Desde os anos 1990, tem a Justiça em seu encalço.

Mesmo assim, ampliou seus tentáculos e fincou raízes no Paraguai, onde tem relação estreita com o milionário presidente desse país, Horacio Cartes, que se refere a ele como “um irmão”. Cartes, na verdade, já era velho conhecido do pai de Dario, Mordko Messer, que teria ensinado o ofício de doleiro ao filho.

É difícil mencionar um escândalo de corrupção brasileiro no qual Messer não tenha ajudado a azeitar as negociações e pagamentos. Segundo informações do Ministério Público Federal, ao menos 1 bilhão de dólares teriam sido movimentados pelo doleiro entre 1998 e 2003.

Mas o nome de Dario veio à tona a partir das investigações do caso Banestado (antigo Banco do Estado do Paraná), ocorrido na segunda metade dos anos de 1990 e que envolveu remessas de dinheiro ilegais para o exterior via contas correntes, onde Alberto Youssef, o mesmo que deu o ponto de partida à Lava Jato, era personagem central.

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito que apurou o escândalo do banco paranaense recomendou, em 2004, o indiciamento de Messer por sua atuação no envio de valores para outros países. A menção ao seu nome o elevou ao status de gigante do setor.

Durante o mensalão foi acusado de receber dólares petistas em uma de suas empresas offshore localizada no Panamá. Em troca, repassou quantia equivalente a uma conta no Banco Rural que seria utilizada pelo PT e pelo PP. O esquema teria contado com a participação de outro veterano em escândalos, o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza.

Messer também não é estranho aos escândalos internacionais. Seu nome apareceu nas planilhas vazadas do banco HSBC, no caso conhecido como Swiss Leaks. A quantia localizada em sua conta corrente, no entanto, destoa dos grandes valores movimentados pelo doleiro: apenas 69.000 dólares. Não existem provas de que o dinheiro depositado tinha origem ilegal.

Na condição de doleiro mor no Brasil, Messer servia como fiador de transações realizadas por outros doleiros menores, fazendo com que, ainda que indiretamente, ele tivesse participação em centenas de operações ilegais. Por isso as autoridades brasileiras o consideram uma espécie de “instituição financeira” própria.

Segundo a revista Veja, por exemplo, o doleiro Benjamin Katz, tido como um dos operadores do ex-deputado Eduardo Cunha, era cliente de Messer. Ele também teria participado do esquema que lavou dinheiro para o ex-governador do Rio Sérgio Cabral.

O ofício de intermediar remessas, empréstimos e pagamentos no exterior escapando do radar do fisco e sem ser detectado pelas autoridades foi aprendido com o pai, o polonês Mordko Messer, considerado um pioneiro no ramo dos doleiros e morto em data desconhecida. A família chegou a ser dona de um banco, o Dimensão, e possui casas de câmbio e outros empreendimentos no Brasil, Paraguai e os Estados Unidos. É proprietária de um apartamento de dois quartos no Upper East Side, em Manhattan, um dos bairros mais nobres de Nova York.

Dario Messer tem moradia fixa atualmente no Paraguai, para onde se mudou quando a operação Lava Jato começou, em 2014. “Até ontem (quarta-feira), ele tinha toda a liberdade de se movimentar de um lugar a outro pois não tinha nenhuma restrição”, disse ao EL PAÍS Luis Arias, delegado da Interpol em Assunção, capital paraguaia. Segundo ele, Messer tinha uma carta de naturalização desde que chegou ao Paraguai, documento este que veio depois de as autoridades paraguaias levantarem os antecedentes de Messer no Brasil. Segundo a Interpol brasileira, ele não respondia a problemas judiciais no país àquela altura. “Foi assim que ele conseguiu sua naturalização”, completa Arias.

A Interpol paraguaia recebeu nesta quinta a notificação contra Messer e agora o Ministério Público deve solicitar a um juiz a captura internacional do doleiro. Veículos paraguaios informaram que a polícia acredita que ele está no pais mas que a Interpol não conhece seu paradeiro concreto.

Conexão Paraguaia

As relações da família Messer com o presidente paraguaio, Horacio Cartes, são antigas. Durante evento do Congresso Mundial Judeu em Buenos Aires, realizado em março de 2016, Cartes afirmou que em um momento difícil de sua vida ele foi acolhido por Mordko, a quem chamou de “segundo pai”.

“Deus colocou em meu caminho uma família e uma grande pessoa, que me acolheram em seus corações e sentimentos, e me fizeram sentir parte da família. Me ajudaram e me ensinaram coisas fundamentais. Eles ganharam meu eterno carinho de filho, minha gratidão e admiração”, disse Cartes. Anos depois, em 2010, o paraguaio chamou Dario de “irmão de alma” em entrevista ao jornal local Última Hora.O doleiro mesmo particiopou de uma viagem oficial do presidente a Israel em 2013.

Messer tem um imóvel no exclusivo Paraná Country Club (foto acima), na cidade de Hernandarias, situada a poucos quilômetros da fronteira paraguaia com Foz do Iguaçu, onde apartamentos valem centenas de milhares de dólares e casas custam até alguns milhoes da mesma moeda. De acordo com o jornal ABC Color, em 2017 Cartes “criou decretos para beneficiar seu ‘irmão’ Dario”, dentre eles o veto a um projeto que declarava o terreno do Paraná Club como sendo uma reserva natural.

A ligação de Messer com o presidente paraguaio, que deve deixar o cargo no próximo 15 de agosto após a eleição realizada no país no mês passado, causou uma importante repercussão política no país. Vários ministros e até o presidente eleito, Mario Abdo Benítez, tiveram que responder por essa conexão. “Os amigos são os amigos, é a única coisa que eu posso dizer”, afirmou o ministro de Relações Exteriores, Eladio Loizaga. “A Justiça funciona ou não funciona? Ela funciona em nosso país”, acrescentou diante das perguntas dos jornalistas.

 

(Con El País)

 

 

(Com El País)

Seja o Primeiro a comentar on "Fronteira: LAVA JATO MIRA DARIO MESSER, O DOLEIRO DE TODAS AS CORRUPÇÕES NO BRASIL E PROTEGIDO PELO PRESIDENTE DO PARAGUAI"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*