Escândalo: ABUSO SEXUAL DE GINASTAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA REPERCUTE MUNDIALMENTE

Atletas que sofreram abuso lembram a dor e se revoltam. ‘Tive ataque epiléptico’, diz o ginásta Diego Hypólito sobre violência no vestiário.

A denúncia de um grupo de ginastas que afirmam ter sofrido abuso sexual durante anos por Fernando de Carvalho Lopes (foto ao lado), ex-treinador da Seleção Brasileira, repercutiu no mundo inteiro.

Nomes que tem levantado a bandeira contra todas as formas de assédio relembraram suas dores e expressaram seu apoio à atitude dos brasileiros, em especial a Petrix Barbosa, um dos poucos que mostrou a cara na reportagem do Fantástico, da “Rede Globo”.

A nadadora Joanna Maranhão, de 31 anos, revelou em 2008 que foi abusada por um ex-técnico quando tinha apenas nove anos. Ao saber do caso na ginástica, disse que a dor do que viveu lá atrás ainda a atormenta.

“Trouxe a público minha história há 10 anos e nunca vai deixar de doer e de me sentir impotente quando me deparo com histórias como essa. Para além do crime e das cicatrizes, das infâncias usurpadas, dos talentos desperdiçados, o que me revolta é o silêncio e a convivência. É esse distanciamento dos que sabiam ou ouviram algo a respeito. Pedofilia é um crime que se alimenta de sombra e silêncio, me perdoe a franqueza mas se você já ouviu alguma história e disse algo como: ‘Bom, melhor não me envolver nisso’. Peço e espero que a imprensa tenha respeito ao enfrentamento desses atletas, que não façam perguntas pedindo pra descrever os abusos porque isso significa reviver tudo e vocês não têm ideia de como dói. Apurem, falem, falem muito, mas tenham empatia com as vítimas e com suas famílias, por favor. Hoje, sigo para uma série de ações de combate à pedofilia pelo Brasil e eu não faço mais do que minha obrigação. Não sou mais forte nem melhor do que qualquer outra vítima, o que eu tive foi suporte de todos os lados para buscar meu equilíbrio. Às vezes eu caio, fico na cama deitadinha sem coragem de sair pro mundo, passam uns dias e vou retornando, e é assim, vai ser pra sempre assim. Só que eu não quero que seja assim pra mais ninguém”, escreveu a atleta, em seu Instagram.

Outra que se manifestou foi a americana Aly Raisman, dona de três ouros olímpicos, um deles na competição por equipes na Rio-2016. Ela foi uma das cerca de 300 ginastas que acusaram Larry Nassar, ex-médico da federação americana de ginástica, julgado e condenado a mais de 360 anos de reclusão por abusar de atletas durante décadas.

“Devastada ao ouvir sobre os muitos ginastas no Brasil que foram abusados. Sobreviventes devem ser ouvidos e a justiça deve ser cumprida. Como deveria ser em todo lugar. Mundo da ginástica, repito, grito o mais alto que posso, ISTO É MAIOR DO QUE NASSAR. Federação Internacional e Comitê Olímpico Internacional, atuem agora. Não podemos esperar mais. Por que alguns apoiam abusadores? É tão repugnante e horripilante. Eu nunca vou entender isso. Os abusadores são monstros. Sociedade, pare de permitir que abusadores escapem de crimes horríveis. Quando será suficiente? Se você não acha que o abuso é um problema, acorde”, disse a ginasta.

VítimaTraumatizada

O Treinador Fernando de Carvalho Lopes, acusado de abuso sexual, com o medalhista olímpico Diego Hypólito

Diego Hypólito  afirmou que sofreu violência de atletas mais velhos no início de carreira. O atleta olímpico contou ao Jornal Nacional, da TV Globo, que só teve coragem de se abrir sobre o ocorrido com a própria mãe após se tornarem públicas as denúncias contra Fernando de Carvalho Lopes, técnico de ginástica artística acusado de abuso sexual.

Segundo Hypólito, ele não foi abusado por Lopes, mas era comum nos treinos sofrer bullying de colegas de profissão — com a conivência dos técnicos. “Me faziam ficar pelado e eu tinha que colocar uma pilha com pasta de dente no ânus”, conta sobre um episódio. “No dia em que isso aconteceu, eu tive um ataque epiléptico. Não consegui completar a prova. Era a questão da humilhação. O bullying era regular e tinha a conivência do técnico.”

Hypólito preferiu não citar os nomes dos atletas envolvidos no episódio de bullying contra ele.

Treinador Afastado

O clube Mesc, de São Bernardo do Campo, afastou nesta segunda-feira o técnico de ginástica artística Fernando de Carvalho Lopes. A instituição emitiu nota em seu site oficial e informou que a decisão foi tomada após denúncias de abuso sexual feitas por dezenas de ginastas no último domingo.

De acordo com depoimentos de diversos atletas e ex-atletas, Lopes cometeu os abusos sexuais durante vários anos em treinos, testes físicos e viagens. A polícia passou a investigar o caso a partir da denúncia de um garoto de 13 anos, identificado como a primeira vítima a relatar o fato.

O técnico já havia sido afastado da seleção brasileira de ginástica artística um mês antes do início dos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, quando surgiram as primeiras acusações. O treinador sempre trabalhou com as categorias de base, começou no vôlei e mudou para a ginástica.

 

 

(Com O Globo e Lance)

1 Comentário em "Escândalo: ABUSO SEXUAL DE GINASTAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA REPERCUTE MUNDIALMENTE"

  1. A pedofolia es um caso de doenza psiquica.e merze ir ao caldeira um treanador pedofilio

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*