DEPUTADOS DO PSL TOMAM LADO DE BOLSONARO, MAS MINIMIZAM CHANCE DE DEBANDADA

Deputados do PSL divulgaram nota conjunta em apoio ao presidente Jair Bolsonaro, que atravessa semana de embates com o comandante nacional do partido, Luciano Bivar

Eis a íntegra da nota, assinada por 20 dos 53 deputados federais que compõem a bancada do PSL na Câmara – dentre eles Eduardo Bolsonaro (SP), filho do presidente.

No texto, os congressistas cobram “renovação” nas práticas da direção do partido para que a legenda possa contribuir para o estabelecimento de uma “nova política“.

Segundo o grupo, o compromisso é com “o projeto de 1 novo Brasil”, o qual é “encabeçado” por Bolsonaro, eleito em 2018. Os congressistas defendem a construção de “1 país livre da corrupção, em nome dos valores republicanos voltados à consolidação da nossa bandeira de ética na democracia e de justiça social”.

Não há menção no texto sobre a eventual saída dos deputados do partido. De acordo com a legislação brasileira, as cadeiras na Câmara pertencem às legendas, e não aos deputados –o que deixaria eventuais desertores do PSL sem mandato. Só é possível trocar de agremiação sem correr esse risco durante a janela partidária (em março de 2022), ou alegando que houve desvio do programa do partido ou discriminação.

Na noite dessa 3ª feira (8.out.2019), deputados do PSL jantaram com o presidente da legenda, Luciano Bivar, num restaurante em Brasília. O encontro se deu horas após o presidente Bolsonaro ter atacado publicamente Bivar ao dizer a 1 apoiador, na saída do Palácio do Alvorada, que ele está “queimado para caramba“.

Mais cedo, Luciano Bivar disse que Bolsonaro já estava afastado do partido. “A fala dele foi terminal, ele já está afastado. Não disse para esquecer o partido? Está esquecido”, disse à jornalista Andréia Sadi, da Globo News. Em seguida, Bolsonaro disse que não pretende deixar o PSL“de livre e espontânea vontade”.

Deputados do PSL voltaram nesta tarde a participar de uma reunião, desta vez com o próprio Bolsonaro. Os advogados do presidente, Admar Gonzaga e Karina Kufa, também participaram do encontro, no qual defenderam a existência de uma brecha para eventual debandada do PSL. A tese defendida é a de que há “justa causa” para a desfiliação devido ao fato de que a legenda “não tem transparência com recurso partidário, que é recurso público entregue ao partido em face dos votos dedicados aos parlamentares pelos eleitores do Brasil“.

Os signatários da nota defendem que, para construir o país que desejam, é necessária uma “plataforma partidária ampla”. “Esse partido [plataforma], para nós, ainda é o PSL”, afirmaram.

“Mas para que partido contribua para o estabelecimento de uma nova política, é preciso que a atual direção adote novas práticas, com a instauração de mecanismos que garantam absoluta transparência na utilização de recursos públicos e democracia nas decisões”, defenderam.

Na nota, os deputados endossaram também a insatisfação com o presidente do PSL, que é investigado pela PRE-PE (Procuradoria Regional Eleitoral de Pernambuco) por suspeitas de caixa 2 na campanha a deputado federal e não estaria tendo uma conduta transparente em relação aos recursos do fundo partidário do partido.

Os deputados concluíram afirmando que defendem “a construção de 1 partido forte, transparente, democrático e que represente os anseios da sociedade brasileira”.

Migração para o Podemos

O deputado José Nelto (Podemos-GO) informou, por meio do Twitter, que ainda em outubro 7 congressistas do PSL vão “migrar” para o Podemos.

“Ainda neste mês, sete parlamentares do PSL vão migrar para o partido. Aqueles que tem compromisso com a ética, transparência e combate à corrupção serão bem vindos no Podemos. Nós queremos o melhor para o nosso país e vamos continuar trabalhando para isso”, disse.

(Com MSN Notícias)

Seja o Primeiro a comentar on "DEPUTADOS DO PSL TOMAM LADO DE BOLSONARO, MAS MINIMIZAM CHANCE DE DEBANDADA"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*