Blogsfera

Requião critica Uber e é cobrado nas redes


O senador Roberto Requião mostrou estar em descompasso com seus seguidores na internet. Bem ao seu estilo, criticou o Uber ao propor uma enquete em uma rede social:

— Uber escraviza motoristas, nada tem a ver com o custo, aumenta preço com a procura, manda seus lucros para fora. Vc (sic) é a favor do Uber?

A maioria discordou do senador. Quando atingiu 13 mil votos, 90% dos participantes tinham se declarado a favor do aplicativo, e só 10% contra.

Com sua opinião perdendo de lavada, Requião retirou a enquete do ar.

Dez milhões de zumbis


Viver nos Estados Unidos dói. Até Trump está sentindo e, como não pode prender todo mundo, decretou estado de emergência de saúde pública para enfrentar a “crise dos opiáceos” que assola o país, com mais de seis milhões de dependentes de analgésicos tarja preta à base de ópio. São drogas muito potentes, ótimas contra a dor, mas, se usadas abusivamente, exigem doses cada vez mais fortes até o usuário se tornar dependente. Substituída pelos opiáceos, a hipófise para de produzir endorfina, o hormônio analgésico natural que nos permite viver sem dor.

É cruel. Como o corpo não produz mais endorfina, quando um dependente para de tomar a droga, cada músculo, cada nervo, cada articulação doem. Insuportavelmente. E só o que pode tirar a dor é… um analgésico, justamente a origem do problema. Não há o que fazer, a não ser gritar, chorar e aguentar o tranco, até a vontade passar, ou voltar à droga e começar tudo de novo. E morrer.

Os efeitos colaterais são dramáticos: como os analgésicos e as receitas médicas fajutas, mesmo em um país de fiscalização rigorosa, foram se tornando cada vez mais caros, muitos dependentes passaram a consumir a heroína vendida mais barato nas ruas, derivada do ópio que provoca efeitos — e consequências — semelhantes. Hoje, quatro milhões de americanos são dependentes de heroína.

Balanço macabro: 65 mil mortes por overdose no ano passado. Vítimas mais ilustres de opiáceos: Michael Jackson e Prince, que não compravam as drogas, contratavam os médicos que as prescreviam e aplicavam.

Parece uma metáfora dos Estados Unidos de hoje, com dez milhões de zumbis (um Portugal, uma Cuba) não em busca de prazeres fugazes na noite, como os consumidores de metanfetamina e outras drogas sintéticas, mas apenas para não sentir dor e dormir.

Enquanto isso, mais de 20 estados liberaram o consumo medicinal da maconha, por seus efeitos calmantes e analgésicos, sem problemas na criminalidade ou na saúde pública. Não, a maconha não é a porta de entrada para drogas mais pesadas: a maioria dos dependentes de analgésicos e de heroína entra pela porta do álcool e da cocaína.

A eleição presidencial começa a tomar forma


Ao cabo de intermináveis 160 dias, a crise política deflagrada em 17 de maio parece ter chegado ao fim, na semana passada. É hora de avaliar danos e verificar em que medida a travessia de 2018 ficou mais difícil. Com o país já a 11 meses das eleições, a sucessão presidencial passa a ser agora a questão crucial.

Boa parte do ano foi consumida em manobras para bloquear denúncias da Procuradoria-Geral da República contra o presidente. No final das contas, além de passar incólume pelo julgamento do Tribunal Superior Eleitoral, Temer conseguiu que a Câmera preservasse seu mandato. O que não é pouco.

Mas a preservação do mandato lhe saiu muito cara. A janela de oportunidade para aprovação da reforma previdenciária parece ter sido perdida. O capital político com que contava Temer no Congresso foi, em boa parte, dilapidado. A bancada governista encolheu, tornou-se menos confiável, mais conflagrada e incomparavelmente mais voraz. O vale-tudo para reforçar o apoio ao bloqueio das denúncias contribuiu para corroer ainda mais a imagem do presidente.

Como a travessia dos próximos 12 meses poderá ser afetada? As metas fiscais tiveram de ser relaxadas. E é quase certo que a reforma previdenciária terá de ser adiada. O governo ainda parece acreditar que, até dezembro, terá tempo para melhorar em alguma medida as perspectivas do quadro fiscal. Mas, com a proximidade do ano eleitoral, já não parece haver, no Congresso, disposição para aprovar medidas que possam contrariar o eleitorado.

É bem verdade que inflação abaixo da meta, taxa real de juros prestes a cair a menos de 3% e a perspectiva de uma retomada relativamente vigorosa da economia, em 2018, podem compensar, em alguma medida, as apreensões com o quadro fiscal mais adverso e ajudar a travessia.

Mas o destravamento de decisões de investimento ainda depende de um desfecho favorável na disputa presidencial do ano que vem. Ainda há muita água para passar debaixo da ponte. Mas, em meio a poucas certezas e muitas dúvidas, a configuração da disputa começa a tomar forma.

Enredado em sérias dificuldades com a Justiça, Lula parece empenhado em ser candidato a qualquer custo. E aposta na possibilidade de “gerar uma comoção nacional”, caso venha a ser condenado em segunda instância. O PT continua alegando não ter plano B. E vem tentando se eximir de qualquer culpa pelo desastre em que meteu o país. Seu último programa veiculado na televisão é um primor de mistificação. Atribui o descalabro deixado por Dilma Rousseff à “crise internacional de 2015”, ano em que a economia mundial cresceu 3,1%, e as economias emergentes, nada menos que 4%!

No lado oposto do espectro, o discurso extremado de Bolsonaro continua lhe assegurando bom desempenho nas pesquisas de intenção de votos. Ainda há quem acredite que sua candidatura poderá vir a ser sufocada por falta de recursos. Mas o mais provável, por ora, é que Bolsonaro tenha votação expressiva, que candidatos de centro terão de levar em conta, caso queiram chegar ao segundo turno.

O que mais importa, no momento, é como o centro do espectro de forças políticas deverá se apresentar na disputa presidencial. Por sorte, já há sinais de que os principais pré-candidatos de centro perceberam, afinal, que o mais prudente, tendo em vista o que lhes espera, à esquerda e à direita, é unir forças e tentar construir uma ampla coalizão, multipartidária, em torno de um deles.

Não se pode subestimar as enormes dificuldades envolvidas nesse desafio. Mas não há como deixar de enfrentá-las. E parece a cada dia mais claro que a única argamassa que pode dar solidez a uma coalizão tão ampla e heterogênea — que vá de tucanos “cabeças pretas”, de um lado, à tropa de choque de Temer, do outro — é o compromisso comum com a manutenção, no próximo mandato presidencial, da política que vem sendo levada à frente pela equipe econômica do atual governo. Política que Lula vem prometendo, país afora, desmantelar.

É isso que estará em jogo em 2018. E não há tempo a perder.

Emendas de Gleisi prevê R$ 400 mil para MST e CUT

Duas emendas da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) prevê a destinação R$ 400 mil para o MST e para CUT. Para o MST, serão R$ 200 mil para realização de feiras e eventos, capacitação de assentados, promoção, divulgação e comercialização dos produtos da reforma agrária

E para CUT, são mais R$ 200 mil para produção de conteúdo de áudio visual – veiculação em tv aberta, tv a cabo, rádio e distribuição nas redes sociais de internet pela Fundação Sociedade Comunicação, Cultura e Trabalho. A fundação controla a TVT (TV dos Trabalhadores), mais conhecida como TV Lula.

Gleisi será a rainha da bateria do Bloco Unidos do Petrolão

Gleisi Hoffmann, conhecida pelo codinome Amante no Departamento de Propinas da Odebrecht, é presidente do PT e senadora pelo Paraná. Só ficou fora da Casa do Espanto enquanto chefiou a Casa Civil de Dilma Rousseff. Evolui com desenvoltura por alas diferentes do PT e seus satélites. Não se intimida com homens, e sabe ser alternadamente autoritária e obediente. Manda no maridão Paulo Bernardo, mas jamais descumpre uma ordem de Lula.

Todos esses trunfos e pré-requisitos, somados ao alentado prontuário, fazem de Gleisi Hoffmann uma candidata imbatível em 2018. Será ela a rainha da bateria do Bloco Unidos do Petrolão. Se ainda estiver em liberdade, naturalmente.

Ratinho Junior mostra Assembleia Legislativa às cranças


O deputado Ratinho Junior (PSD) apresentou nesta quarta-feira, 1º de novembro, o funcionamento dos trabalhos da Assembleia Legislativo à grupo de estudantes do ensino fundamental do Paraná. Ratinho Junior respondeu às perguntas dos alunos.

Francischini rebate posição do CFP contra Lei de diagnóstico sobre autismo: “Estão desprezando a luta de milhares de famílias”

O deputado federal Fernando Francischini (Solidariedade/PR), relator da Lei 13.348 – que torna obrigatório o exame de diagnóstico precoce para autismo em crianças até 18 meses -, e presidente da Frente Parlamentar em defesa dos diretos dos Autistas, repudia veementemente a posição político-ideológica do Conselho Federal de Psicologia que tenta suspender a implantação do exame, proposta por essa Lei, que passará a ser oferecido gratuitamente pelo SUS. 

“A posição do Conselho Federal de Psicologia despreza a luta de anos de milhares de famílias que buscam direitos tão importantes e que agora foram duramente conquistados. Uma criança com síndrome espectro-autista tem déficit de desenvolvimento na Comunicação, na Interação Social, e no Comportamento Repetitivo ou sistemático. Quanto mais cedo o acompanhamento mais seu desenvolvimento terá progresso”, diz Francischini.

A posição do CFP, postada no site do órgão, defende que no Reino Unido e Estados Unidos a recomendação é não rastrear agravos psíquicos. 

“O Conselho resumiu todo o texto da Lei, fruto de pesquisa e luta de anos, como “rastreamento de agravos psíquicos”. Não se pode diminuir a importância dessa Lei. Ela moderniza e democratiza o fornecimento de diagnósticos precoces do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)”, rebate o deputado.

Diferentemente do citado no texto do CFP, há exemplo de absoluto sucesso sobre o diagnóstico precoce do TEA nos Países Baixos. Lá, o rastreamento precoce do autismo é executado por equipes multidisciplinares de profissionais da Saúde – pediatras, psicólogos, psiquiatras da infância, neurologistas, neuropsicólogos e psico-pedagogos.

“Essa mesma metodologia será futuramente plenamente aplicável no Brasil. Nosso país é capaz de identificar, por meio de profissionais capacitadas, os primeiros sinais de autismo em bebês de até 18 meses”, explica o parlamentar, pai de uma criança com síndrome espectro-autista.

Francischini lidera um grande grupo famílias, autistas e profissionais de Saúde que fazem coro em pedir a imediata interdição do posicionamento do CFP. Interromper um avanço tão importante no processo de identificação de sinais de eventuais distúrbios psíquicos em bebês até 18 meses significa um retrocesso na saúde pública do Brasil tão defendida todos estes anos pelo deputado. 

Autismo, território de incertezas 

No Brasil, o avanço nas pesquisas no campo do autismo ainda é irrisório. A imprecisão do diagnóstico nos dias de hoje e a então falta de um exame genético torna mais moroso o desenvolvimento de crianças com TEA.

No final de 2014, pesquisadores do Projeto Genoma defenderam que o diagnóstico e tratamento precoce são fundamentais para melhoria no quadro do paciente autista.
Nessa época, houve uma importante descoberta na área: o gene TRPC6 seria a chave da predisposição ao autismo. Eventuais alterações nesse gene levariam a problemas neurológicos. E mais: concluíram que tais variações podem ser corrigidas com uma substância chamada hiperforina, presente na erva-de-são-joão. 

Para que o tratamento esteja ao alcance de todos, é importante mais que nunca a sociedade organizada, políticos, famílias e órgãos competentes irmanarem-se na cruzada pelo melhor tratamento a ser disponibilizado na rede pública de Saúde.

Avançam discussões para implantação de consórcio de resíduos sólidos
 
O presidente da Sanepar, Mounir Chaowiche, e o secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMA), Antonio Carlos Bonetti, se reuniram com prefeitos, secretários e técnicos dos municípios do Oeste para mais uma rodada de negociações sobre a gestão dos resíduos sólidos. O encontro técnico, organizado pela Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (AMOP), Sanepar e SEMA, foi realizado ontem (31), em Cascavel. Participaram representantes de 45 municípios, entre eles o prefeito de Matelândia e presidente da associação, Rineu Menoncin.
O Governo do Estado, por meio SEMA e da Secretaria do Estado do Desenvolvimento Urbano (SEDU) está incentivando a formação de consórcios intermunicipais que tragam soluções sustentáveis e ambientalmente corretas para a destinação dos resíduos. Mounir disse que o governo do Estado busca o ordenamento melhor das questões dos resíduos e a eliminação dos lixões e pequenos aterros, centralizando através de um local único o tratamento dos resíduos de vários municípios. “Com isso, a proposta torna-se viável economicamente para os municípios, com a oferta do melhor tratamento dos resíduos e com o aproveitamento da transformação do gás em energia elétrica”, destacou o presidente.
A ideia é a de que o primeiro consórcio nesta modelagem seja implantado no Oeste do Paraná. O secretário Boneti disse que o objetivo principal é auxiliar os municípios nas questões de responsabilidade ambiental e que o Oeste foi escolhido para ser o pioneiro na proposta de solução coletiva por ter uma associação forte e atuante. “O consórcio na AMOP pode ser protagonista de modelo único e exemplar para outras regiões do Estado e para o país”, apontou o secretário.
Para o presidente da AMOP, o consórcio chega como uma excelente alternativa para os municípios que enfrentam um grande problema com a destinação final de seus resíduos. Ele acredita que a proposta terá adesão em bloco da maior parte dos municípios do Oeste. “Esperamos que com o consórcio consigamos resolver de vez a questão dos resíduos sólidos que é tão séria para o meio ambiente”, explicou Rineu Menoncin.
Após as apresentações, da proposta do Programa Paraná Resíduos feita pela SEMA, do modelo de gestão proposto pela Sanepar, e do trabalho de transformação do lixo em gás e energia feito pela CS Bioenergia, os participantes acordaram em enviar, por meio da AMOP, a lista dos municípios que têm interesse em participar do consórcio intermunicipal, até a próxima quinta-feira (09). O gerente da Unidade de Gestão de Resíduos Sólidos (UGRS), Charles Carneiro, informou que a partir do fechamento do número exato de participantes, a Sanepar, que assume a responsabilidade pelo tratamento e destinação dos resíduos sólidos urbanos, fará a análise de viabilidade técnico-financeira e rota tecnológica. “A Sanepar apoia firmemente a construção do consórcio intermunicipal e propõe arranjos tecnológicos com vistas à valorização energética dos resíduos”, destaca Charles.
O presidente Mounir disse que “com a consolidação do consórcio queremos entrar em 2018 com a região da AMOP sendo a primeira a aderir a essa nova modelagem de gestão adequada de resíduos sólidos que o governo traz para o Paraná, cuidando da saúde e do meio ambiente”. Mounir garantiu ainda que, assinado o contrato, a Sanepar vai de imediato realizar o tratamento dos resíduos até que a usina de tratamento dos resíduos esteja concluída. “A Sanepar traz a solução mais adequada e moderna onde o tratamento promove a reciclagem e transforma o orgânico no gás e na posterior produção de energia”, ressaltou o presidente.
Participaram também do fórum, o prefeito de Iguatu, Vlademir Barella, representando a Associação dos Municípios do Paraná (AMP), a presidente da CS Bionenergia, Fabiana Campos, Paulo Ferreira, do BRDE, que apresentou linhas de crédito para que as prefeituras possam executar projetos dentre os quais o da destinação dos resíduos sólidos, e Valdair Baggio, assessor do deputado estadual José Carlos Schiavinatto, grande incentivador do consórcio.
Legendas:
Fotos 1, 2, 3, 4 – Representantes dos municípios do Oeste discutem soluções para os resíduos sólidos
Fotos 5 e 6 – AMOP, Sanepar e SEMA buscam a formalização de consórcio para gestão dos resíduos
Foto 7 – Mounir Chaowiche diz que a Sanepar propõe tratamento adequado e busca a transformação dos resíduos em energia

Foto 8 – Oeste terá gestão modelo para o país, destaca Bonetti

 
 “Baixa o Uber, Requião. Sai mais barato”
Roberto Requião quer acabar com o Uber e demais aplicativos de mobilidade urbana, mas não abre mão de seu carro oficial com motorista.

O Ranking dos Políticos, plataforma que acompanha o desempenho dos parlamentares, levantou que Requião gastou mais de R$ 128 mil, entre janeiro e outubro, com aluguel de carros, gasolina e motorista particular.

É quase R$ 13 mil por semana. Baixa o Uber, senador. Sai mais barato.

 

Advogados apresentam patrimônio milionário de Marisa Letícia

A relação milionária do patrimônio de Marisa Letícia Lula da Silva já está juntada nos autos de inventário em São Bernardo do Campo.

Para quem nunca trabalhou, nunca recebeu herança e nunca ganhou na loteria, o patrimônio é assustador.

Quase R$ 12 milhões de reais.

Abaixo veja a relação dos bens. Sem contar os que porventura está no nome de ‘laranjas’ como Glaucos CostaMarques.

De qualquer forma, os advogados fazem uma ressalva de que não tiveram acesso a todas as aplicações financeiras. Com certeza é alguma ‘jogada’ para esconder os valores maiores, que no futuro deverão arrolar.

De todo modo, vejam o que por ora foi declarado:

1 – Apartamento residencial no Edifício Green Hill, em São Bernardo do Campo

Valor: R$ 602.435,01

2 – Apartamento residencial, número 92, no Edifício Kentucky, em São Bernardo do Campo

Valor: R$ 179.606,73

3 – Apartamento residencial, número 102, no Edifício Kentucky, em São Bernardo do Campo

Valor: R$ 179.606,73

4 – Fração do Sítio Engenho da Serra, em São Bernardo do Campo

Valor: R$ 413.547,57

5 – Direito de aquisição de uma fração do Sítio Engenho da Serra, em São Bernardo do Campo

Valor: R$ 130.000,00

6 – Automóvel Ford Ranger 2013/2013

Valor: R$ 104.732,00

7 – Automóvel Ômega CD 2010/2011

Valor: R$ 57.447,00

8 – Conta-corrente no Bradesco

Valor: R$ 26.091,51 (posição de fevereiro/2017)

9 – Crédito junto à Bancoop referente a sua demissão do quadro de sócios

Valor: R$ 320.999,20 (posição de fevereiro/2017)

10 – 98 mil cotas sociais da LILS Palestras, Eventos e Publicações

Valor: R$ 145.284,91

11 – Poupança na Caixa

Valor: R$ 126.827,43

12 – Poupança no Itaú

Valor: R$ 21.438,70

13 – Poupança no Bradesco

Valor: R$ 2.946,69

14 – Aplicação financeira Invest Plus, no Bradesco

Valor: R$ 16.605,25

15 – Aplicação financeira LCA, no Banco do Brasil

Valor: R$ 98.378,89

16 – Renda Fixa, no Banco do Brasil

Valor: R$ 191.926,45

17 – Renda Fixa, no Banco do Brasil

Valor: R$ 52.709,96

18 – Renda Fixa, no Banco do Brasil

Valor: R$ 39.929,24

19 – Previdência Privada VGBL, no Banco do Brasil

Valor: R$ 7.190.963,75

20 – Previdência Privada VGBL, no Banco do Brasil

Valor: R$ 1.848.331,34

Total: 11.749.806,36

Beto Richa sanciona projeto de Traiano que reduz burocracia nos repasses do estado

O governador Beto Richa sancionou hoje (31) e transformou em Lei o Projeto nº 376/2017, de autoria dos deputados Ademar Traiano (PSDB) e Plauto Miró (DEM), que estabelece que as certidões negativas, que atualmente precisam ser apresentadas pelas prefeituras ao governo do Estado em todas as fases dos convênios e financiamentos, somente serão exigidas na hora de firmar os convênios ou os aditivos. O sistema atual tem levado a incontáveis paralisações de obras importantes devido a interrupção da liberação de recursos pelo estado.

Para Traiano, ao sancionar o projeto, o governador Beto Richa demonstrou grande sensibilidade para com um grave problema que atinge um grande número de municípios e leva a paralisação de obras importantes. “No curso da execução de obras, não é incomum que as prefeituras tenham alguma dificuldade de receber parcelas de financiamentos, devido à dificuldade de obter certidões negativas. O nosso projeto corrige isso. A certidão, a partir de agora, só será obrigatória no ato de assinatura do convênio e dos aditivos. Nos pagamentos não será exigida”.

Segundo o projeto, sancionado pelo governador nesta terça-feira, a demonstração, por parte dos municípios, do cumprimento das exigências para a realização dos pagamentos do governo às prefeituras “dar-se-á exclusivamente no momento da assinatura do respectivo convênio, ou na assinatura dos correspondentes aditamentos de valor, e deverá ser feita por meia de apresentação, ao órgão concedente, de documentação comprobatória de regularidade”.

Requião fora da propaganda do PMDB
 

No final de novembro, o PMDB nacional veiculará sua propaganda política em que apoiará a realização de reformas, como a tributária, e a retomada do processo de privatização. Que ninguém espere as aparições de Roberto Requião (PR), Renan Calheiros (AL) e Kátia Abreu (TO). As informações são de Murilo Ramos na Época.

“Muita água passará debaixo da ponte até que se consolide a preferência do eleitor”

 O senador Álvaro Dias, que já foi filiado a vários partidos e hoje preside o Podemos (antigo PTN), aparece com algo em torno de 3% dos votos válidosna mais recente pesquisa do Ibope. O pré-candidato ao Planalto em 2018 disse que não está muito preocupado com esse resultado.
“Esses números não são importantes, a não ser para satisfazer a curiosidade sobre maior ou menor visibilidade dos nomes pesquisados. São provisórios, sofrerão alterações significativas”, afirmou a O Antagonista.Para Dias, pesquisas na atual conjuntura servem para medir os índices de rejeição e permitem a análise sobre o potencial de crescimento de candidatos. “A verdade é que esses números dizem respeito ao passado e ao presente. Muita água passará debaixo da ponte até que se consolide a preferência do eleitor.”
Richa regulariza 1.000 imóveis em Guaratuba

O governador Beto Richa assinou nesta segunda-feira, 30, a ordem de serviço para a regularização de 1.000 imóveis em Guaratuba que estavam sem documentação. Oo programa Morar Legal Paraná da Cohapar vai regularizar 40 mil imóveis até 2018. O investimento em Guaratuba é de R$ 1 milhão com recursos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza. “Os programas de habitação promovem cidadania e a qualidade de vida dos paranaenses”, disse Richa. 

 
Beto Richa ressaltou que nos últimos sete anos, 83 mil famílias foram atendidas com casas populares e 25 mil com regularizações fundiárias. “O Paraná vive uma verdadeira revolução habitacional. Somente no Litoral cerca de 3 mil imóveis foram regularizados”, afirmou. Ele destacou também outras ações do Estado para o desenvolvimento do Litoral, como recursos para infraestrutura urbana, revitalização de orlas os investimentos em saneamento em Matinhos e Pontal do Paraná.
Lula tenta autorização para fazer casa em São Bernardo, no ABC paulista
Por meio de emissários, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pressiona a Prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, a liberar a construção de uma casa na zona rural da cidade. As informações são da Folha de S. Paulo.
 
O imóvel seria erguido dentro de uma chácara de 20,5 mil m², que o petista e sua mulher, Marisa Letícia (morta em fevereiro), adquiriram, em setembro de 2016, por R$ 545 mil (corrigidos pela inflação).
 
O terreno engloba o sítio “Los Fubangos”, que já era da família –foi comprado pela ex-primeira-dama nos anos 1990 e frequentado por Lula até assumir a Presidência.
 
Na matrícula, a área de construção prevista é de 596 m², mas, segundo Lula, a casa terá 380 m² –a diferença corresponde a edificações já existentes na área.
 
À época da compra da segunda parte do terreno (65% do total), o petista já era investigado na Lava Jato por suposto favorecimento de empreiteiras nas reformas de um sítio em Atibaia (SP) frequentado por ele e de um tríplex em Guarujá (SP).
 
Após sua condenação no caso do tríplex, em julho, 36% do terreno –área que corresponde ao tamanho do “Los Fubangos”– foi congelado pelo juiz Sergio Moro.
 
Mas, antes disso, em maio, a Cetesb, órgão de licenciamento ambiental do Estado, já havia emitido parecer favorável ao empreendimento, que é localizado próximo à represa Billings. Falta, contudo, o alvará da prefeitura.
 
Procurada, a administração disse que “a Cetesb concedeu anuência, com condições, entre elas a vinculação de matrícula [comprovação de compensação ambiental]”. O projeto está em análise na Secretaria de Obras.
 
A assessoria do ex-presidente não informou se o bloqueio judicial de parte do terreno acarretará mudança no projeto e negou pressão.
 
O pedido de construção de Lula chegou à prefeitura em outubro do ano passado, no final da gestão de Luiz Marinho (PT), amigo do ex-presidente. Em 2017, porém, os trâmites acabaram ficando sob encargo da nova gestão, de Orlando Morando (PSDB).
 
Localizado no distrito de Riacho Grande, o sítio “Los Fubangos” caiu em desuso em 2004, quando animais foram mortos a facadas e o então presidente foi aconselhado a não ir mais ao local.
 
Após deixar o governo federal, Lula, então, passou a frequentar o sítio em Atibaia, mas o retiro também se inviabilizaria com o avanço da Lava Jato.
 
A operação passou a investigar a propriedade, o que originou nova ação penal contra o ex-presidente, em agosto deste ano. Lula é réu em sete processos.
Lula e Bolsonaro iriam ao 2º turno, diz pesquisa
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o deputado federal Jair Bolsonaro iriam para o segundo turno se as eleições presidenciais de 2018 fossem hoje, segundo pesquisa Ibope publicada na coluna Lauro Jardim, do jornal O Globo. Em todos os cenários, Lula ficaria com o mínimo de 35% e o máximo 36% das intenções de voto. Bolsonaro ficaria com 15% em cenário com Lula e com 18% se o candidato do PT for Fernando Haddad. As informações são do Estadão.
 
A ex-senadora Marina Silva aparece em terceiro lugar em todos os cenários da pesquisa, que foi realizada entre os dias 18 e 22 deste mês, com intenções de voto entre 8% e 11% dependendo dos adversários. Em seguida, vêm Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e João Doria, com porcentuais entre 5% e 7%. No cenário com Haddad no lugar de Lula, Ciro Gomes chega a ter 11% das intenções de voto.
 
Entre os novos nomes, o apresentador de TV Luciano Huck foi testado na pesquisa, ficando em patamar igual aos do tucano Alckmin e Doria: 5% no cenário em que a disputa é com Lula e 8%, com Haddad. Já o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, teve entre zero e 1% das intenções, dependendo do cenário. Na pesquisa espontânea, Lula também lidera, com 26% das intenções de voto, seguido por Bolsonaro, com 9%. Foram ouvidas 2.002 pessoas em todos os Estados, com margem de erro de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.
Odebrecht vira alvo de nova investigação na Greenfield
Sete meses tinham se passado desde a homologação de sua delação premiada pelo Supremo Tribunal Federal, em janeiro, quando o ex-presidente da Odebrecht Ambiental Fernando Reis tentou fazer uma operação bancária e não conseguiu. Ressabiado, ele avisou o departamento jurídico. A empresa não sabia de nada, mas as contas de Reis estavam bloqueadas por uma ordem judicial expedida pela 10ª Vara Federal do Distrito Federal às 10h33 do dia 18 de agosto, em cumprimento a uma decisão do juiz Vallisney de Oliveira, responsável pela Operação Greenfield.
 
De acordo com documentos do caso, obtidos por ÉPOCA, há suspeitas de que executivos da Odebrecht tenham pagado propina para que a Funcef, o fundo de pensão dos funcionários da Caixa, investisse R$ 300 milhões num projeto da empresa. Foi com base nisso que o Ministério Público Federal pediu ao juiz Vallisney um bloqueio de bens de R$ 141 milhões. Naquele dia de agosto, assim, Fernando Reis não conseguiu movimentar sua conta.
 
Em vez de bater de frente como fez com a Lava Jato, a Odebrecht decidiu cooperar. Seus advogados correram ao Ministério Público Federal e sustentaram que não houve irregularidades da Odebrecht, mas concordaram em apresentar uma fiança de R$ 141 milhões para desfazer o sequestro de bens das pessoas físicas. O juiz Vallisney desbloqueou as contas.
 
O caso remonta à primeira semana de outubro de 2013, quando a carga de trabalho foi intensa nos 11º, 12º e 13º andares da sede da Funcef, em Brasília. Era a reta final para decidir se R$ 300 milhões dos servidores da Caixa seriam investidos numa empresa do grupo Odebrecht. Os funcionários produziam um relatório por dia. Em 2 de outubro, a Gerência de Controles e Riscos alertou sobre uma avaliação equivocada. Sem esperar uma discussão no grupo técnico, no dia seguinte a Diretoria de Investimentos decidiu a favor do aporte. Em 8 de outubro, a Diretoria Executiva fechou o negócio. “Há grande probabilidade desse aporte de capital ter se originado de ilícitos que envolveram tratativas ilegais entre dirigentes da empresa e/ou representantes do poder público federal e/ou funcionários da Funcef”, afirma o Ministério Público. “[As irregularidades] podem configurar as condutas ilícitas de gestão fraudulenta, corrupção, lavagem de dinheiro e/ou tráfico de influência.”
 
Junto com outros dois grandes fundos de empresas estatais, a Petros (de funcionários da Petrobras) e a Postalis (dos Correios), a Funcef é investigada na Operação Greenfield por operações suspeitas. Esses fundos são caixas bilionários, que investem recursos para, no futuro, pagar aposentadorias de servidores públicos. Assim como ocorria na Petrobras, dirigentes a serviço de PT e PMDB direcionavam investimentos para empresas que pagavam propina a políticos. Não à toa, Funcef, Petros, Postalis e Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, acumularam perdas superiores a R$ 110 bilhões nos últimos anos, atribuídas à corrupção. 
O Poder e a Vida
Por delicadeza, perdi a minha vida, cantou o poeta francês Arthur Rimbaud em verso famoso.
 
Pelo poder, muitos políticos perderam a vida. Entre nós, o mais famoso, mas não o único, foi Tancredo Neves.
 
Mineiro de São João Del Rey, Tancredo esteve no centro dos acontecimentos políticos de maior magnitude da história do Brasil desde a morte de da morte de Getúlio Vargas em 1954.
Por mais de um ano, enquanto consolidava sua candidatura à sucessão do último dos generais da ditadura militar de 64, escondeu a doença que o mataria.
 
Foi eleito em janeiro de 1985, internado na véspera de tomar posse em março e passou por sete cirurgias. Seu corpo sem vida subiu a rampa do Palácio do Planalto no dia 22 de abril.
 
O presidente Michel Temer carrega uma sonda amarrada à sua perna direita desde que foi vítima na última quarta-feira de um problema urológico que o fez sangrar.
 
Não deveria ter saído desde logo do Hospital do Exército onda foi internado. Saiu caminhando como se estivesse “inteiro”.
 
Deveria ter repousado no dia seguinte, mas fez questão de dar expediente normal no Palácio do Planalto como se “inteiro” estivesse.
 
Para gravar um vídeo, ficou de pé e tentou disfarçar o incômodo de se apoiar na perna direita.
 
Voará a São Paulo para exames no Hospital Sírio Libanês. Ali é esperado desde a quinta-feira.
 
Há mais de um mês que os médicos constataram que ele tem uma artéria do coração parcialmente obstruída. É candidato a um exame de cateterismo. Preferiu deixar para mais tarde.
 
Pelo poder, mas também por vaidade, arrisca a vida.
A politização do crime
Sinto pena, respeito e até admiração pelos bravos deputados e deputadas que formam a pequena minoria pluripartidária que mantém a integridade e não se alia ao presidente indecente e seus ministros sinistros, nem à imensa banda podre multipartidária, dos réus e indiciados na Lava-Jato, empenhados em salvar a pele e, se possível, faturar algum em espécie, ou conseguir um cargo e nomear alguém para lhes servir. Senão, para que servem os cargos, não é mesmo?
 
Eles são tão venais que, se Dilma tivesse distribuído os bilhões de reais em emendas e os cargos que Temer lhes deu, certamente não teria caído, mesmo tendo quebrado o país e mentido criminosamente para ser reeleita.
 
Até Collor, se tivesse molhado as mãos suadas e ávidas dos geddéis e valdemares, que na época talvez tivessem outros nomes, mas eram os arquétipos de sempre, teria escapado do impechment; afinal, as patifarias de PC Farias hoje iriam para o Juizado de Pequenas Causas.
 
Claro, entre os bandidos estão muitos dos mais inteligentes, que podiam prestar ao país os serviços para que foram eleitos, mas aderiram ao lado escuro da força. Por isso, o “Axioma de Ulysses”: “O próximo Congresso será sempre pior do que o anterior”. Muitos novos honestos que entram acabam se corrompendo, e não se conhece caso de ladrão velho que se regenere.
 
Mas entre os bons e maus, há os burros e inteligentes. Na votação das denúncias da PGR contra Temer na Câmara, a minoria votou contra pelos motivos errados: por tentar fazer reformas indispensáveis. A maioria votou a favor pelas piores razões: se a economia melhorou, então tudo é permitido. Rouba mas faz 2.0.
 
Como sabem que nunca serão presos, mesmo dando corridinhas ridículas com malas de dinheiro, mesmo gravados pedindo dinheiro emprestado a um bandido, mesmo oferecendo-lhe um apartamento, em vez de anunciá-lo no Zap, resta-nos a vingança das urnas.
 
Os que se dizem vítimas da “criminalização da política” são os mesmos que politizaram o crime. E o STF não condena um político há quatro anos.
 
Nosso consolo e esperança são as eleições. Será o ano mais longo da nossa história.
Governo do Estado reafirma apoio a hospitais filantrópicos

Governo do Estado vai manter o compromisso com os hospitais públicos e filantrópicos do Estado através de políticas públicas como o Hospsus. O compromisso foi reafirmado nesta quinta-feira (26) pelo secretário de Estado da Saúde, Michele Caputo Neto, no 10° Seminário da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Paraná (Femipa), em Curitiba.
 
“O Governo do Estado reforça seu compromisso em manter o apoio aos hospitais filantrópicos que têm ampliado serviços à população pelo sistema público. Com o Hospsus foi possível elevar a participação dos hospitais públicos e filantrópicos nas redes de atenção à saúde”, disse Caputo Neto.
 
Lançado em 2011, o Hospsus beneficia hospitais de alta complexidade que são referências regionais para as redes Mãe Paranaense e Paraná Urgência, hospitais e maternidades de média e baixa complexidade para qualificação do parto e hospitais municipais e instituições filantrópicas de pequeno porte.
 
Atualmente, o programa atende 263 hospitais públicos e filantrópicos. Nos últimos seis anos estas instituições receberam do Governo do Estado cerca de R$ 710 milhões para custeio dos serviços e cerca de R$ 120 milhões para serem aplicados em obras e compra de equipamentos, o que proporcionou a criação de 792 novos leitos de UTI no Paraná, entre outros importantes resultados.
 
“As instituições filantrópicas são os grandes parceiros do Sistema Único de Saúde Complementar. Constantemente temos buscado melhorias na gestão, em como usar os recursos públicos da melhor forma possível para fazer com que sejam revertidos à sociedade através de compra de equipamentos, melhoria da estrutura, custeio de procedimentos e afins”, salientou o presidente da Femipa, Flaviano Venturini.
Pessuti na presidência do BRDE

O ex-governador Orlando Pessuti (PMDB) assume a presidência do BRDE no próximo dia 14 de novembro em Curitiba. Quem está incomodado é o senador Roberto Requião (PMDB) já que Pessuti deve disputar o Senado pelo PMDB e Requião pode ficar sem legenda. 

O governador Beto Richa (PSDB) e o prefeito Rafael Greca (PMN) confirmaram presença na posse. Com informações de Fernando Tupan no Bem Paraná.
Não vai ter privatização, diz Mauro Ricardo
O secretário da Fazenda Mauro Ricardo reiterou que não vai haver qualquer tipo de privatização das empresas públicas do Paraná, notadamente, Copel e Sanepar, conforme aludiu a Gazeta do Povo. Em entrevista aos repórteres Euclides Lucas Garcia e Rogério Galindo, o secretário foi enfático: “Não há nada disso, basta ler o acordo que fizemos com o BNDES”.

Ricardo Barros garante R$ 12,9 milhões para hospitais universitários do Paraná

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, autorizou nesta quinta-feira, 26, o repasse de R$ 12,9 milhões para custeio dos atendimentos pelo SUS (Sistema Único de Saúde) no Hospital das Clínicas do Paraná e a Maternidade Victor Ferreira do Amaral – vinculados à UFPR. Os recursos são o Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais. No total, o Ministério da Saúde investe R$ 220,85 milhões em 48 hospitais universitários federais de 23 estados.

Dos recursos repassados ao Paraná, R$ 10,86 milhões são para o Hospital das Clínicas e R$ 2 milhões para a Maternidade Victor Ferreira do Amaral.  Aprovados em lei orçamentária, os valores são pagos pelo Ministério da Saúde, em parcela única, para as instituições universitárias que comprovaram o cumprimento das metas de qualidade relacionadas ao porte e perfil de atendimento, capacidade de gestão, desenvolvimento de pesquisa e ensino e integração à rede do SUS. Os pagamentos são efetuados pelo Fundo Nacional de Saúde conforme comprovação dos gastos.

O Ministério da Saúde destina esses recursos para restruturação dos hospitais universitários. Esse reforço contribui para melhorar a qualidade dos equipamentos disponíveis, tanto para ensino e pesquisa como para o atendimento à população. “Temos interesse na estruturação desses hospitais para que eles possam, cada vez mais, ajudar no atendimento do SUS. Os hospitais universitários configuram uma estrutura muito grande, são mais de 40 hospitais em todo o país. Embora focados no ensino, eles fazem uma boa parte de atendimento assistencial à Saúde e, em alguns casos, são a principal referência de atendimento à população”, destacou o ministro Ricardo Barros.

Paraná não vai privatizar nenhuma empresa pública

Mais um factoide tenta tomar conta da discussão política no Paraná em tempos de pré-campanha eleitoral. Não há nada de concreto ou aventado como sugere a matéria “Governo do Estado quer passar empresas para iniciativa privada”, divulgada por blog e imprensa nativa e repercutida pelo senador Roberto Requião (PMDB) e assemelhados.
O Paraná não pretende privatizar nenhuma empresa pública. A notícia original é clara em afirmar que “não há projetos em análise para o Estado do Paraná”, conforme afirmação do BNDES.
 
O acordo de cooperação técnica assinado pelo Paraná com o BNDES foi firmado por outros 14 estados brasileiros e possibilita ao banco fazer estudos de concessão na área de infraestrutura. Alguns estados em situação econômica difícil, como é o caso do Rio de Janeiro, pretende privatizar sua empresa de saneamento. Mas não é o caso do Paraná.
 
O Estado tem que acionar para o acordo ter validade. O que mais interessa ao Paraná, por exemplo, é a duplicação de rodovias através de parceria público-privada. Cabe ao BNDES fazer a estruturação de projetos que visem atrair a iniciativa privada, identificando oportunidades e conduzindo o processo desde a fase de estudos e modelagem até a assinatura do contrato de concessão entre os governos estaduais e as concessionárias.

Parecer que recomenda rejeição da denúncia contra Temer é lido no plenário da Câmara
A segunda-secretária da Câmara dos Deputados, Mariana Carvalho (PSDB-RO), leu nesta terça-feira (24) em plenário o parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que recomenda a rejeição da denúncia contra o presidente Michel Temer. A leitura do parecer levou uma hora e dez minutos.
 
O relatório, elaborado pelo deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-GO), foi aprovado na comissão na semana passada, por 39 votos a 26.
 
A leitura do parecer no plenário é uma das etapas exigidas pelo regimento interno para o relatório ser incluído na pauta de votações da Câmara.
 
Caberá ao plenário, nesta quarta (25), decidir se autoriza o Supremo Tribunal Federal (STF) a analisar a denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente. Temer é acusado de ter cometido os crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça.
 
Também são alvo da denúncia, por organização criminosa, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral).
 
No relatório aprovado pela CCJ, Bonifácio de Andrada afirma que o Ministério Público Federal, “mancomunado com o Judiciário”, causou um “desequilíbrio nas relações entre os poderes da República”.
 
As defesas do presidente e dos ministros argumentam, porém, que a denúncia, baseada em depoimentos de delatores, não apresenta provas.
 
Como será a votação
 
A votação desta quarta será nominal. Os deputados serão chamados nominalmente ao microfone instalado no plenário.
Diante do microfone, os deputados terão de responder “sim” para aprovar o relatório; “não”, para rejeitar; ou “abstenção”.
A sessão só será aberta quando 51 deputados estiverem presentes à Casa e a votação, somente com 342 no plenário.
Próximos passos
 
Para a denúncia seguir para análise do Supremo, o parecer de Bonifácio Andrada tem que ser rejeitado com os votos de, pelo menos, 342 dos 513 deputados.
 
Se a Câmara autorizar o STF a analisar a acusação, a Corte terá, então, de decidi se aceita ou não. Se aceitar, Temer se tornará réu e será afastado do mandato por até 180 dias.
 
Se o plenário rejeitar a continuidade da denúncia, Temer só poderá ser processado após o fim do mandato, em 31 de dezembro de 2018.

O Brasil perdeu oportunidade de mudar com reforma política, diz desembargador

O Brasil perdeu uma grande oportunidade de avançar, de mudar de fato, com a reforma política que está para ser concluída no Congresso Nacional. A avaliação é do desembargador do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR), Luiz Fernando Tomasi Keppen, ao comentar as mudanças no sistema para o pleito de 2018, alcançadas até o momento.
“Eles (deputados e senadores) mudaram muito pouco perto daquilo que esta sendo proposto como mudança”, disse Keppen, antes de participar na sexta-feira (20), de um debate sobre o novo Código de Processo Civil promovido pela OAB em Palmas, no Sudoeste do Paraná. “Acho que perdemos, na verdade, uma oportunidade para tentarmos encontrar uma outra forma”, frisou.
“O que acontece é nós continuamos fazendo mais do mesmo”, ressaltou Keppen, em entrevista à Comunicação Social da Prefeitura de Palmas. A principal mudança defendida pelo desembargador seria a implantação do Voto Distrital Misto, onde um voto vai para o político e outro para a legenda. No entanto, admitiu pequenos avanços como a criação da cláusula de barreira para partidos e do fundo para financiamento das campanhas eleitorais.
A seguir os principais trechos da entrevista:
Desembargador, faça uma análise breve da reforma política que está sendo concluída pelo Congresso Nacional?
Luiz Fernando Tomasi Keppen – Bom, a reforma política, ela praticamente está sedimentada no Congresso e o alcance dela foi menor do que a sociedade brasileira esperava. Hoje há uma distância muito grande entre quem vota e quem é votado, de modo que o Voto Distrital Misto é uma experiência que poderíamos fazer para ver como reagem o candidato e o povo.
Como se aplicaria este modelo de votação em Palmas, por exemplo?
Keppen – Aí teríamos que dividir o município de Palmas em alguns distritos e algumas regiões e teríamos o vereador do bairro tal, o vereador da região tal e isto dá mais proximidade. Quando surge um problema é aquele vereador daquele bairro. Ele foi eleito naquela circunscrição.
Isto não descaracterizaria, por exemplo, o vereador, ou deputado é eleito para toda a cidade ou todo o estado?
Keppen – O que está acontecendo é o seguinte, daria, como disse, isto seria temperado com a proposta que foi inicialmente apresentada, que é o Voto Distrital Misto. Então, por este sistema, seria uma parte eleita com o voto direto e outra parte com uma relação com o candidato. Você daria um voto no partido e outro voto no candidato. Então, as vezes você escolheria o partido que representaria o município todo, daria para compatibilizar estas duas preocupações. Mas os legisladores não queriam esta situação e penso que alguma coisa de avanço aconteceu, como a cláusula de barreira, que hoje está estabelecida, e também a questão do financiamento de campanhas com este fundo que foi aprovado.
Este fundo é o ideal?
Keppen – Ao contrário do que as pessoas pensam, este fundo pode ser uma solução. Eu disse pode. Talvez a experiência é que vai dizer, na questão da compra de candidatura. Por que, veja só uma coisa, do jeito que as coisas iam aqui no Brasil, só o candidato que tivesse muito dinheiro, já que o financiamento de campanha por empresa está proibido. Quer dizer, o financiamento empresarial está proibido. Então, você tem uma fórmula que garantisse recursos para campanha dos políticos, especialmente daqueles que não teriam condições de angariar. Por que hoje em dia o povo propriamente dito, dificilmente vai ter vontade de fazer doação para a classe política. Então, por conta disto, acho interessante sim, é um custo que a democracia brasileira tem que pagar e é um custo que todos nós vamos ter que pagar e a gente vai ter analisar  efetivamente quais são os resultados desta alteração legislativa.
A reforma do jeito que foi, se encaixa naquela máxima de mudar tudo para não mudar nada?
Keppen – Olha, eles mudaram muito pouco perto daquilo que esta sendo proposto como mudança. As mudanças eram muito maiores, foi mudado pouco perto do que poderia ser mudado. Acho que nós perdemos, na verdade, uma oportunidade para tentarmos encontrar uma outra forma. O Voto Distrital Misto é um sistema que existe em vários lugares do mundo e dá bons resultados. O que acontece é que nós continuamos fazendo mais do mesmo.
Nas últimas eleições (em 2016) foram implantadas algumas mudanças. Elas deram resultados?
Keppen – Pois é, elas deram. A redução do tempo de campanha, por exemplo, havia uma proposta para reduzir mais ainda algumas coisas, permitir algumas outras coisas, só que nada disto foi aprovado. Então, nós vamos manter o mesmo tempo de campanha das últimas eleições que, na verdade tinha algumas imperfeições que poderiam ser aprimoradas. Então, o objetivo da reforma era aprimorar efetivamente a legislação, só que infelizmente nós vamos continuar com praticamente as mesmas regras da eleição passada e especialmente com relação ao sistema de eleições que seria este voto proporcional.
O sistema atual está defasado?
Keppen – O voto proporcional é interessante também por alguns aspectos, mas por outros, provoca esta distorção que é esta distância que nós precisamos enfrentar com muita ênfase, com muito trabalho e disposição esta distância que existe. Hoje, quem vota não se sente, as vezes, após a eleição, a pessoa não sabe nem para quem foi o voto. Então, o que ocorre na verdade é que há uma distância entre o político e o eleitor. Esta distância com o Voto Distrital Misto, teríamos a possibilidade de aproximar o eleitor do político. Agora, seria o regime ideal para nós, aqui no Brasil? Se nós não testarmos, nunca vamos saber se realmente é bom. O que digo é o seguinte, o momento era agora para a gente fazer isto aí. Vamos ver se nas próximas a gente consegue implementar, dar uns passos mais para a frente.
A Justiça Eleitoral conseguiu dar agilidade entre denúncia e julgamento, pelo menos na última eleição. Isto é bom?
Keppen – Claro. Acho o seguinte, não só é bom quanto nós queríamos que, por exemplo, o registro de candidatura, tivesse uma fase antecedente. Então, por exemplo, quem quer ser candidato, pela proposta que estava correndo na Câmara dos Deputados, tivesse uma fase preliminar. Lá por fevereiro, já fazia habilitação. Isto iria dar o que? Mais agilidade ainda de modo que o candidato não tivesse a possibilidade concorrer com sua candidatura indeferida, como tivemos alguns casos.

Roman participa da abertura do 24º Congresso Internacional da Indústria do Trigo

O 24º Congresso Internacional da Indústria do Trigo, promovido pela Associação Brasileira da Indústria do Trigo (ABITRIGO), começou oficialmente nesta manhã (23/10), em Campinas, São Paulo. O deputado federal Evandro Roman participou da cerimônia ao lado do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.
 
Roman destacou a força da agroindústria do país e do Paraná e lembrou que os produtos agrícolas representam 45,8% das exportações totais brasileiras para mais de 150 países.
 
“É de suma importância a união de todos os elos de produção, do campo à indústria de transformação. Estivemos com fornecedores e compradores, representantes da indústria de alimentos e do governo, produtores e moageiros para discutir abertamente os temas que desafiam a todos do setor. Precisamos seguir em busca de caminhos para questões ligadas à regulamentação, financiamento, cultivo e saudabilidade entre outras. E nós estamos atentos e caminhando junto com o Brasil que produz”, destacou Roman.
 
Com o tema A Força dos Moinhos , o 24º Congresso Internacional da Indústria do Trigo acontece entre os dias 22 e 24 de outubro, no Hotel Royal Palm Plaza, e reunirá ministro de estado da agricultura e representantes do governo, executivos e empresários dos principais setores envolvidos na produção, moagem e derivados do cereal.
Richa libera obras de melhorias em sete escolas estaduais

O governador Beto Richa autorizou obras de reformas em sete escolas estaduais de Pato Branco nesta segunda-feira (23). As unidades beneficiadas são os colégios São João, São Roque, Carlos Gomes, Castro Alves, Rui Barbosa, São João Bosco e São Vicente de Paula. “Além de obras estruturais, também vamos modernizar o sistema tecnológico das 2.100 escolas do Paraná”, afirmou Richa.

 
Os recursos liberados fazem parte do programa Escola 1000 e cada unidade recebe R$ 100 mil para melhorias. “No Escola 1000 se discute qual a melhor maneira de aplicar o recurso, para que a solução saia de dentro da escola”, disse o chefe da Casa Civil Valdir Rossoni. No total, o programa destina R$ 100 milhões para revitalizar mil prédios. Até agora, 500 escolas já assinaram contratos de reformas.

Estado vai fornecer serviço biométrico ao Atlético-PR

 

O governador Beto Richa assinou nesta segunda-feira (23) contrato da Celepar com o Clube Atlético Paranaense para prestação de serviço de biometria no Estádio Joaquim Américo (Arena da Baixada). O sistema é pioneiro e amplia a segurança nos jogos e em grandes eventos realizados no estádio.

A ferramenta é mais ampla do que a simples identificação de sócios. O serviço disponibilizado pela Celepar é uma plataforma que, sem descuidar da privacidade dos cidadãos, interliga as catracas do estádio – ou outros locais de eventos e shows – aos bancos de dados do Detran e do Instituto de Identificação do Paraná. “Mais uma vez o Paraná dá exemplo ao Brasil”, disse o governador.

O serviço prestado pela Celepar é fruto do projeto Biometria nos Estádios e Grandes Eventos. A iniciativa envolve, por convênio, o Tribunal de Justiça do Paraná, Secretaria de Estado da Segurança Pública, Instituto de Identificação do Paraná, Detran e a própria companhia.

Com o sistema é possível, por exemplo, obter informações referentes a mandados de prisão em aberto ou proibições de frequentar determinados lugares. O tempo médio de autenticação aferido é dois décimos de segundos.

Todo o torcedor que não possua CNH e RG emitidos no Paraná necessitará fazer o cadastro biométrico antes de adquirir o ingresso. A regra vale para a torcida do Atlético e da equipe visitante.

Ratinho Junior reúne mil lideranças do PSD em Ponta Grossa


O deputado Ratinho Junior reuniu na noite desta sexta-feira, 20, mais de mil pessoas em Ponta Grossa em mais uma edição do Espaço Democrático, encontro do PSD que debate propostas que vão integrar o plano de governo para as eleições de 2018. “Estamos construindo um projeto bom e inovador para o Paraná com a participação de lideranças e dos moradores de todas as regiões do Estado”, disse Ratinho Junior. O prefeito Marcelo Rangel (PPS) participou do encontro que reuniu ainda lideranças da saúde, educação, segurança, empresários e políticos de diferentes partidos.

Em Ponta Grossa, os assuntos debatidos foram nas áreas de saúde, agronegócio e mobilidade urbana. “Em cada região avaliamos e debatemos questões pontuais. Nos Campos Gerais, tratamos do deslocamento de médicos e ambulâncias na região, incentivos para produção de trigo, necessidade de construção de anéis viários e novas estradas ligando os municípios para o escoamento da produção do campo e da cidade”, disse Ratinho Junior
O número de sugestões enviadas ao portal paranainovador.com.br foi recorde. O portal recebeu mais de 300 sugestões, demandas pontuais da região e ideias de projetos para construção do plano de governo.
 
Base tecnológica – Ratinho Júnior disse que, além desses encontros regionais, está percorrendo o Estado para ouvir todos os representantes do setor produtivo como associações comerciais e industriais, do agronegócio e da classe trabalhadora. “Temos que ter como premissa um estado enxuto, que reduz custos e despesas, com uma forte base tecnológica que possa incrementar novos serviços, melhorar nossa produção no campo e na indústria, criar mais emprego e dar um salto na qualidade de vida dos paranaenses”, disse.
O deputado assegurou que já tem um grupo político formado que se reúne quase toda semana para discutir as eleições do ano que vem e a elaboração de um projeto de governo para o Estado. “Temos um grupo político forte, de pessoas que querem o melhor para o Paraná”, afirmou. Deste grupo fazem parte os partidos PSD e PSC, que formam a base de sua atuação política. Integram esta base política 14 deputados estaduais, cinco federais, além de quase 90 prefeitos e cerca de 800 vereadores.

Força política – 
O presidente do PSD do Paraná, deputado Sandro Alex, ressalta que os encontros regionais são fundamentais na construção do plano de governo de Ratinho Junior. 
“O PSD conversa com as lideranças e moradores de cada cidade e região. Através de propostas de vários segmentos, vamos construir um projeto viável para que o nosso Estado continue crescendo”, avalia Sandro

“O PSD é uma das maiores forças políticas do Estado e estamos trabalhando para somar mais lideranças nesse grande projeto que tem como principal liderança, o deputado Ratinho Junior, que será nosso candidato ao Governo do Estado”, completou.
 
Presidente do Espaço Democrático – o instituto do PSD -, o deputado Guto Silva também destacou a importância dos encontros que vão traçar novos projetos para o desenvolvimento econômico e social do Estado, incluindo áreas como segurança pública, saúde e educação. “Estamos falando de futuro, porque o País do futuro que sempre falaram não foi entregue ainda. Para alcançar isso, precisamos ouvir antes de chegar com um pacote pronto e sem respeitar as características de cada região”, pontuou.

Phelipe Mansur faz doação de salário 

O coordenador regional da Casa Civil no oeste do Paraná, Phelipe Mansur, fez no sábado, 21, a doação oficial do salário à Fundação Nosso Lar, em Foz do Iguaçu.

“Nesse sábado, conforme nosso compromisso assumido, realizamos a doação desse mês. Dessa vez, a instituição foi a Nosso Lar, que fica no bairro Jardim Eliza I”, disse.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, Mansur desejou o retorno das atividades promovidas pela instituição. “Nossos votos que, com esse recurso, a instituição possa rapidamente voltar a realizar seu importante trabalho, que tem como princípio efetivar os Direitos Humanos, especialmente de crianças, adolescentes e jovens”, disse.

Compromisso – A doação faz parte do compromisso político assumido por Mansur com os moradores de Foz do Iguaçu e região. “Em minha plataforma defendo o político voluntário, ou seja, aquela pessoa que atua na política não visando o lucro como um fim, mas doando seu tempo para melhorar a sociedade em que vivemos”, destacou Mansur.

Ao completar ainda:  “Esse é um tema muito difícil pois alguns podem doar o tempo enquanto outros tem que receber, pois não possuem outra fonte de renda. No meu caso, para dar exemplo, tenho publicado em meu site uma prestação de contas de todos os gastos da remuneração que recebo, doando parte do salário para entidades filantrópicas da cidade”.

Agradecimento – Uma das coordenadoras da Fundação Nosso Lar, Rose, agradeceu a ação de Mansur. “Eu quero agradecer, em nome da fundação, por essa doação.  É de realmente muita ajuda para nós. O que nós mais queremos hoje é realmente voltar a trabalhar, atender e garantir os direitos das crianças e adolescentes do nosso município que estão sofrendo muito porque, infelizmente, nós não estamos conseguindo atender tudo”, disse.

“A rede pública não consegue atender todos. Nós queremos estar ajudando também”, concluiu Rose.

para Fundação Nosso Lar em Foz

Adivinhe quem vem para faturar: Palozi, o do faça o que digo, mas não o que eu faço

O deputado Claudio Palozi (PSC) é um político daquele tipo: faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço. Na Assembleia, banca o homem de oposição ao governador Beto Richa. Quando tem inauguração de obras no interior, como nesta sexta-feira (20), ele muda de personalidade e tenta dar uma faturada nas obras que, na Assembleia, nega até que existam. O governador entregou 236 casas em Palotina. Adivinhe quem apareceu no palanque, com o ar mais desenxabido do mundo, para tentar dar uma faturadinha na realização alheia? Foi o indizível Palozi. Meio escondido no palanque, tentava não ser notado por Beto Richa e, ao mesmo tempo, ser notado pelos eleitores. Um flagrante lamentável de oportunismo, jogo duplo, daqueles que dão má fama para os políticos.

Mansur destaca pagamento de R$ 550 milhões para professores

O coordenador geral da Casa Civil no oeste do Paraná, Phelipe Mansur, destacou nesta sexta-feira, 20, a importância do pagamento do Governo do Estado de R$ 550 milhões para os professores da rede estadual de ensino. “A educação é uma área prioritária e o governador Beto Richa cumpre o compromisso de sanar esta dívida e estes recursos acumulados por quase 30 anos”, disse Mansur.

A medida (pagamento) extingue uma ação ajuizada há 28 anos por profissionais contratados pelo regime CLT, entre os anos de 1989 e 1992. Os valores referem-se às diferenças salariais em relação ao piso do magistério estadual.

Segundo explicou Mansur, a solução para o pagamento das indenizações foi acordada entre a Procuradoria-Geral do Estado (PGE), a APP-Sindicato e a Justiça do Trabalho. O acordo prevê o pagamento total da dívida até o final de 2018, quando termina a atual gestão do governador Beto Richa.

A medida, entretanto, vale aos professores que, individualmente, aderirem ao acordo. “Este é o maior acordo judicial, em termos de valores e pessoas beneficiadas, já feito no Paraná”, destacou Phelipe Mansur.

Nada mais inteligente que apoiar o setor produtivo, diz Richa

O governador Beto Richa reafirmou nesta sexta-feira (20) a determinação do Estado de apoiar empreendimentos que criam emprego e renda e garantiu apoio a quem quiser investir no Paraná. “Nada mais inteligente do que apoiar o setor produtivo, com financiamento e incentivo fiscal. O Governo do Paraná dá apoio irrestrito para o incremento e a ampliação da atividade produtiva, que se traduz em riquezas aos municípios e emprego aos paranaenses”, disse Richa na inauguração do frigorífico de peixes da C.Vale, em Palotina.

A inauguração teve a presença do presidente da República, Michel Temer, e do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. O novo frigorífico recebeu investimentos de R$ 110 milhões, vai abater 75 mil tilápias por dia até o fim de 2018, e erão gerados 400 empregos e a produção envolve 300 produtores integrados.
Richa citou que o Estado está ampliando seu parque industrial porque conta com instrumentos como o programa Paraná Competitivo, a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná, fez grandes investimentos no Porto de Paranaguá e em rodovias e tem o apoio BRDE, que financiou cerca de 30% do investimento da C. Vale.

Gestão pública de qualidade combate a desigualdade social, diz Richa

Nesta quinta-feira, 19, em Foz do Iguaçu, o governador Beto Richa afirmou que a melhor forma de combater a desigualdade social é com gestão pública de qualidade. “A gestão responsável e austera amplia a capacidade de investimento público em áreas essenciais para a população”, disse Richa para uma plateia de 1,5 mil empresários na abertura do Congresso Empresarial Paranaense.


“A responsabilidade com as contas públicas é mais eficaz que programas assistencialistas, que não estimulam a melhoria de vida. Já a boa gestão dos recursos garante qualidade de vida para a população”, destacou Richa. Ele ressaltou que o Paraná tem batido recorde de investimentos em todas as áreas em função da gestão responsável.
Richa também destacou o ambiente favorável para negócios no Paraná. Essa condição foi conquistada com o programa de incentivo fiscal Paraná Competitivo, criado para atração de investimentos produtivos. “Somado a isso, fizemos o ajuste das contas públicas, há diálogo e respeito com quem empreende e segurança jurídica”, disse Richa no encontro da Faciape da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil.
O governador reforçou que o equilíbrio financeiro do Estado começou com a redução de despesas da máquina pública. “Conseguimos ampliar as receitas do estado em 2,5% e reduzir os gastos em cerca de 7,5%. Também enxugamos a estrutura do governo, o que nos colocou como o Estado com o menor número de cargos comissionados do País.”

Delegado Francischini ataca discurso conspiratório de Temer e denuncia complô

O deputado Delegado Francischini (SD-PR) anunciou que vai votar pelo recebimento pela Câmara dos Deputados da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB). Francischini ataca discurso conspiratório de Temer e denuncia complô do governo federal em Brasília.

Richa anuncia construção de viadutos em Foz do Iguaçu

O governador Beto Richa anunciou nesta quinta-feira (19) abertura de licitação para obras no cruzamento da BR-277 e a Avenida Costa e Silva, um dos principais acessos a Foz do Iguaçu.“O novo desenho vai aumentar a segurança dos motoristas e desafogar o trânsito na região”, disse Richa. O projeto da obra foi doado pelo Fundo Iguaçu ao Estado em 2016. A projeção é de um custo de R$ 17,59 milhões.


Além de dois viadutos – com 35,94 metros de comprimento e 23,6 metros de largura – o projeto também prevê a construção de novas pistas com extensão de cerca de um quilômetro. “Vamos fazer a licitação para, até o começo do ano que vem, iniciarmos as obras”, afirmou o governador.
Além de eliminar um gargalo no trânsito de veículos em direção à fronteira com o Paraguai, a obra também facilitará o acesso entre os bairros da região Norte de Foz do Iguaçu e o centro da cidade. A capacidade de fluxo de veículos em cinco vezes. A projeção é que com a adequação a demanda de tráfego dos próximos 30 anos seja atendida.
Richa paga dívidas de Alvaro e Requião com professores

O governador Beto Richa liberou o pagamento de R$ 550 milhões para mais de 33 mil professores da rede estadual. A medida põe fim a uma ação ajuizada há 28 anos por professores contratados pelo regime CLT, entre os anos de 1989 e 1992 (governos Alvaro Dias e Roberto Requião), que se refere às diferenças salariais em relação ao piso do magistério estadual.

A solução para o pagamento das indenizações foi acordada entre a Procuradoria-Geral do Estado, a APP-Sindicato e a Justiça do Trabalho e prevê que a dívida será quitada ainda nesta gestão aos professores que, individualmente, aderirem ao acordo.

Este é o maior acordo judicial, em termos de valores e pessoas beneficiadas, já feito no Paraná. “É um grande anúncio, que beneficia 33 mil professores, que tiveram perdas salariais e aguardavam por essa decisão há 28 anos. Aceleramos este acordo com o Tribunal Regional do Trabalho e agora começam as tratativas com os professores”, afirmou o governador.

“É mais uma demonstração de como o nosso governo prioriza a educação. A solução é parecida com o caso da Vizivali, que se arrastava há anos e foi resolvida logo no início da nossa gestão”, afirmou.

Caputo Neto anuncia R$ 2 milhões para reforma de 18 postos de saúde em Cascavel
O Estado vai destinar R$ 2 milhões para reforma de 18 unidades de saúde em Cascavel. A informação, divulgada nesta quarta-feira (18). é do secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto. O investimento faz parte de um amplo programa de fortalecimento da atenção primária responsável pela oferta de serviços básicos, como acompanhamento pré-natal, vacinação, prevenção de doenças, curativos, entre outros procedimentos de menor complexidade. “Isso tudo demonstra o compromisso do governo estadual com a saúde dos cascavelenses. Com estas reformas garantimos melhores condições de atendimento às pessoas que mais precisam”, disse Caputo Neto.

O recurso será repassado pelo Estado na modalidade fundo a fundo, sem a necessidade de convênio com a prefeitura. Os projetos já estão prontos e a prefeitura vai agora iniciar a licitação de cada obra. “Antes mesmo da licitação já estamos depositando cerca de R$ 400 mil referentes à primeira parcela. O dinheiro cai na conta da prefeitura nesta quarta, o que reforça a prioridade que estamos dando a este importante investimento para o povo de Cascavel”, explica Caputo Neto.
De acordo com o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos, a agilidade na liberação dos recursos mostra a sintonia entre governo estadual e município. “Temos o Estado como parceiro em uma série de projetos que impactam diretamente na qualidade de vida dos cascavelenses. Muito em breve teremos novidades também na área hospitalar e na área de especialidades. Por isso, só temos a agradecer por mais este apoio”, declarou.
Hussein Bakri trola Lula para Richa

O deputado Hussein Bakri (PSD) imitou o ex-presidente Lula (PT) nesta quarta-feira, 18, e disse que ele pediu aos petistas para que deixem o governador Beto Richa (PSDB) trabalhar.

 
Pobres saem do sufoco

As famílias de baixa renda, geralmente as mais prejudicadas quando os preços disparam, estão sendo beneficiadas pelo recuo da inflação. Aos poucos, e ainda com muito cuidado, voltam a diversificar as despesas, buscando no comércio algo além do essencial para a sobrevivência. Com alimentos menos caros, sobra mais dinheiro para outros bens e serviços. Elevam-se, portanto, os padrões de consumo. Apesar disso, o normal ainda é reclamar da vida, como se nada tivesse melhorado, mas o movimento nos shoppings e outros indicadores mostram um ambiente de maior animação. Além disso, as pessoas tendem a reconhecer mais prontamente a piora das condições de compras do que qualquer melhora na evolução dos preços. Mas aos poucos se acumulam os sinais positivos. Exemplo: nas lojas de produtos eletroeletrônicos, as vendas de televisores básicos têm crescido mais rapidamente que as de aparelhos mais sofisticados.Mesmo sem corte de preços, a mera redução do ritmo de aumentos contribui para diminuir o sufoco e produzir algum alívio. Inflação menor significa menor corrosão dos ganhos das famílias. Em outras palavras, significa ampliação do poder de consumo. Todos os grupos de famílias foram beneficiados pelo recuo da inflação.Os números normalmente mais divulgados e discutidos são os do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado como referência para as políticas oficiais. Esse índice é baseado em orçamentos de famílias com renda mensal de até 40 salários mínimos. É preciso, sempre, dar mais atenção a outra pesquisa, a do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), referente a famílias com renda mensal de um a cinco salários mínimos.Em setembro, o IPCA subiu 0,16%, numa evolução notavelmente benigna. Sua alta acumulada em 12 meses ficou em 2,54%, ligeiramente acima da contabilizada no período encerrado no mês anterior, 2,46%. No fim de 2016 esse indicador estava acima de 10%. Mas os números do INPC, muito menos divulgados e comentados até pelo próprio governo, são até melhores.Esse índice caiu 0,03% em agosto e recuou mais 0,02% em setembro. O aumento acumulado em 12 meses foi de apenas 1,63%, no período até setembro, resultado mais notável que o do IPCA. Os dois indicadores são calculados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).Nos dois casos, o recuo foi puxado pelos preços da alimentação. Esse detalhe é especialmente importante para as famílias de baixa renda, porque normalmente gastam uma porcentagem maior da renda mensal para levar comida à mesa. No IPCA, o custo da alimentação diminuiu 1,07% em agosto e 0,41% em setembro. No INPC, as quedas nesses meses foram de 1,18% e de 0,57%. Sem dúvida, menores despesas com comida e bebida contribuem para a recomposição dos gastos e a melhora geral do consumo. Mas a melhora das condições das famílias tem decorrido também da evolução favorável dos demais preços, com aumentos menores.Com a queda dos preços dos alimentos, o INPC, medida da inflação das famílias de renda até cinco salários mínimos, recuou 0,02%. Ótimo. Mas, se o custo da alimentação, em vez de cair, tivesse tido variação zero, o índice total teria subido apenas 0,15%. Projetado para 12 meses, esse número daria uma inflação abaixo de 19%.A melhora do orçamento familiar tem resultado, portanto, de vários fatores além da boa produção de comida. Outros preços têm subido bem menos que nos anos anteriores, graças a uma política monetária bem calibrada (e já com redução de juros), à elevação da confiança na economia e à menor indexação, um desdobramento da inflação em queda. Sem populismo, e sem contenção, portanto, de preços de combustíveis e de tarifas de eletricidade, a política em vigor desde o ano passado reduz o sufoco das famílias.A economia voltou a crescer, lentamente, e o desemprego, embora em queda, ainda é alto. Com realismo e sem jogadas eleitoreiras mudanças positivas poderão acelerar-se de forma segura. O reparo dos danos deixados pelo populismo ainda vai dar muito trabalho
Copel tem aval para retomar operação da termelétrica Araucária

A Copel recebeu autorização nesta segunda-feira para restaurar em caráter temporário a operação comercial da termelétrica Araucária, usina no município paranaense de mesmo nome com 484 megawatts em capacidade instalada. O retorno da geração na usina, que estava com a operação temporariamente suspensa desde agosto, é visto por autoridades do setor elétrico como importante em um momento em que chuvas mais fracas na região das hidrelétricas têm elevado o custo da geração necessária ao atendimento da demanda. As informações são de Luciano Costa na Reuters.

Segundo despacho da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no Diário Oficial da União desta segunda-feira, a autorização para a retomada da usina é “por tempo determinado até 30 de novembro de 2017.” A Copel anunciou na semana passada que aprovou a celebração de contratos de suprimento de combustível para Araucária junto à Petrobras. A Copel tem 80 por cento da termelétrica Araucária, enquanto a Petrobras é acionista minoritária do empreendimento, com 20 por cento, segundo informações do site da usina.

Em Brasília, Richa busca recursos para projetos de habitação e saneamento

Nesta terça-feira, 17, em Brasília, o governador Beto Richa se reuniu com o ministro das Cidades, Bruno Araújo, e tratou de projetos junto ao governo federal como a construção de mais 11 mil moradias rurais que vão se somar às outras 13 mil entregues desde 2011. “Além de mais recursos para construção de moradias populares, na área urbana e rural, também tratamos de projetos de saneamento. São áreas prioritárias para a população, nas quais o Paraná alcançou nos últimos anos avanços históricos. Mas queremos uma expansão ainda maior, para garantir qualidade de vida a população de todas as regiões do Paraná”, afirmou Richa.

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca; o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, e o presidente da Sanepar, Mounir Chaowiche, e o secretário de Estado da Fazenda, Mauro Ricardo Costa,  também participaram do encontro.

 

No encontro, o ministro Bruno Araújo autorizou R$ 100 milhões para obras em Curitiba que serão executadas em uma parceria entre Estado e o governo federal. Segundo Greca, entre as obras estão a autorização para a licitação do fim da Linha Verde, a construção de dois terminais de transporte coletivo – um no Tatuquara e outro na Vila Oficinas – e o projeto de uma nova trincheira na cidade, localizada na Rua Bispo Dom José com Nossa Senhora Aparecida e Mário Tourinho.

O município de Piraquara também vai receber R$ 28,5 milhões para projetos na área de mobilidade urbano.

Paraná fortalece relações com Hungria

O Estado do Paraná e a Hungria avançaram nas conversas para a ampliação das relações comerciais, culturais e educacionais e da cooperação para a revitalização da bacia do Rio Iguaçu. Nesta segunda-feira (16), a vice-governadora Cida Borghetti recebeu no Palácio Iguaçu o embaixador da Hungria Norbert Konkoly.
 
“Esta é a segunda vez neste ano que temos oportunidade em receber representantes do governo húngaro para trocar experiências, discutir parcerias que estimulem o desenvolvimento das duas regiões”, afirmou a vice-governadora. Em março deste ano, o cônsul-geral da Hungria em São Paulo, Teleski Szilard, esteve no Paraná para dar início às tratativas.
 
RIO IGUAÇU – Técnicos do Governo do Paraná detalharam o projeto de revitalização da Bacia do Rio Iguaçu, que abrange 109 cidades que somam cerca de 4,4 milhões de habitantes. O Paraná busca o auxílio de tecnologias inovadoras para despoluição de rios.
 
Recentemente, o Estado firmou uma parceria com a Prefeitura de Curitiba para despoluir o Rio Belém. O rio totalmente urbano é um dos principais afluentes do Rio Iguaçu.
 
O sistema húngaro utiliza nas estações de tratamento de água e esgoto plantas aquáticas capazes de absorver e filtrar as impurezas, transformando o ambiente em jardins. A tecnologia está implantada em mais de 30 países, com tratamento da água em pequenas e grandes cidades.
 
“Estamos com missões específicas aqui no Paraná para buscar investimentos e parcerias em diversas áreas. Temos interesse em projetos concretos e de possível atuação conjunta”, destacou o embaixador.
Placa em frente à Câmara dos Deputados é alterada para ‘formação de quadrilha’

Na véspera da votação da denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), uma placa de sinalização de trânsito em frente à Câmara dos Deputados amanheceu nesta segunda-feira, 16, coberta com um adesivo com os dizeres “Formação de quadrilha. Corrupção Ativa. O grande acordo nacional”. 

 
O autor, desconhecido, teve o cuidado de usar a mesma tipologia e o padrão da cor de fundo das placas de sinalização normalmente utilizados em Brasília. 

 

Armazéns da Família atraem 21,2 mil novas famílias em 10 meses  

Em dez meses, o cadastro de pessoas no programa Armazéns da Família, em Curitiba, aumentou 9% ao longo da atual gestão do prefeito Rafael Greca. O interesse amplificado ao programa se deve a alguns fatores determinantes.

Desde que assumiu a prefeitura, Greca autorizou o aumento da renda familiar de acesso às compras, o crescimento do mix de produtos e a renovação das 33 unidades de atendimento espalhadas pela cidade.

“O Armazém da Família é um programa referência nacional e internacional de acesso à população a alimentos e gêneros de higiene e limpeza com custo, em média, 30% mais barato que no comércio”, disse Greca.

O número de famílias da capital cadastradas saltou de 233,8 mil, em janeiro, para 255 mil em agosto deste ano. No período, 21,2 mil novas famílias curitibanas efetivaram o cadastro no programa desenvolvido pela Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Smab).

Além da oferta de produtos variados, os armazéns também servem como reguladores de preços nas regiões onde estão instalados. “Como o programa trabalha com preços mais em conta que no varejo, o comércio local também precisa rever as margens de lucro e os valores dos produtos”, destacou o prefeito Rafael Greca. 

Lava Jato altera disputas nos Estados
Iniciada em março de 2014, a Lava Jato já impacta no cenário eleitoral de 2018 em pelo menos 14 das 27 unidades da Federação, aponta levantamento do Estadão/Broadcast. O efeito mais comum tem sido a revisão dos planos eleitorais de líderes políticos. Citados em delações, alvo de inquéritos ou ações, nomes antes cotados para cargos majoritários no Executivo agora traçam planos mais modestos nas disputas do ano que vem. O mandato garante a prerrogativa de foro no Supremo Tribunal Federal. As informações são do Estadão.
 
Os políticos envolvidos na Lava Jato negam qualquer irregularidade. A mudança de planos acontece principalmente entre os atuais senadores que desejam renovar seus mandatos em outubro do próximo ano. Um deles é o próprio presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).
 
O peemedebista se movimenta para ser candidato à reeleição em 2018 e não ao governo do Estado, como queria até então. Em 2014, quando ainda tinha mais quatro anos de mandato, ele se candidatou a governador. Acabou em segundo lugar, derrotado pelo petista Camilo Santana. Agora, Eunício não só quer disputar o Senado novamente, como negocia com Santana, seu antigo adversário e atual governador, para estar na mesma chapa que o grupo dele no pleito do próximo ano.
 
No Amazonas, os dois senadores, Eduardo Braga (PMDB) e Vanessa Graziottin (PC do B), também estão revendo os planos para 2018. “O natural é o Senado”, disse o peemedebista, que inicialmente queria se candidatar a governador. Vanessa, por sua vez, disse a aliados que deve tentar uma vaga na Câmara dos Deputados – o mesmo plano dos senadores Gleisi Hoffmann (PR) e Humberto Costa (PE), ambos do PT.
 
Ré na Lava Jato, a presidente nacional da legenda petista desejava inicialmente se eleger governadora do Paraná.
 
As mudanças de planos e cenários nos Estados contribuem agora para a união de antigos adversários. Além do Ceará, essa aproximação vem acontecendo em Estados como Tocantins e Mato Grosso do Sul. No Tocantins, o atual governador, Marcelo Miranda (PMDB), negocia com o senador Ataídes Oliveira (PSDB), seu adversário político histórico no Estado. O acordo desenhado entre os dois prevê que Miranda dispute o Senado e o tucano, o governo do Estado.

Funaro diz que Cunha pediu R$ 1 milhão para ‘comprar’ votos a fim de aprovar impeachment 

m depoimento de delação premiada, o operador financeiro Lúcio Funaro afirmou que, em 2016, repassou R$ 1 milhão ao então presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para que o peemedebista pudesse “comprar” votos a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. As informações são do G1.
 
A declaração está em um dos vídeos dos depoimentos da delação premiada de Funaro, que se tornaram públicos nesta semana depois de aparecerem no site oficial da Câmara dos Deputados.
 
O operador afirmou que o repasse foi feito a pedido de Cunha, para supostamente garantir que a petista fosse afastada da Presidência durante o processo de impeachment.
 
O pedido, segundo Funaro, foi feito via celular, por um aplicativo que não armazena as mensagens no aparelho.
“Ele me pergunta se eu tinha disponibilidade de dinheiro, que ele pudesse ter algum recurso disponível pra comprar algum voto ali favorável ao impeachment da Dilma. E eu falei que ele podia contar com até R$ 1 milhão e que eu liquidaria isso pra ele em até duas semanas, no máximo”, relatou Funaro.
 
Ao ser questionado por uma procuradora sobre se Cunha teria dito expressamente que o dinheiro seria para comprar votos de deputados, Lúcio Funaro respondeu: “Comprar votos. Exatamente”.
 
Em nota, Eduardo Cunha disse desmentir “com veemência” o teor da delação de Funaro e o desafiou a provar as acusações.
“As atividades criminosas do sr. Lúcio Funaro foram feitas por sua conta e risco, não cabendo agora, para obter benefícios, atribuir sem provas a outros a sua cumplicidade”, disse.

Cida Borghetti reforça parceria com motociclistas para arrecadar recursos ao Hospital Erasto Gaetner

A vice-governadora, Cida Borghetti, participou neste sábado, 14, em Curitiba, do desfile de motos em apoio à luta contra o câncer de mama. O evento, com apoio do Governo do Paraná e da loja Rota 277 – Motorcycles de Curitiba, reuniu mais de mil motociclistas vindos de 150 municípios de 11 estados do Brasil.

“É extremamente importante essa parceria da iniciativa privada, pública e o terceiro setor. Toda essa mobilização e esforço destinam recursos a um hospital (Erasto Gaetner) que é referência na dedicação ao tratamento do câncer”, afirmou a vice-governadora, que atua há anos em ações de combate ao câncer de mama e saúde preventiva da mulher.

A iniciativa faz parte do “Outubro Rosa Curitiba” promovido pelos grupos HOG Curitiba e Ladies of  Harley (LOH), formado por proprietários de motos da marca Harley Davidson.

Arrecadação – Nesta edição, as arrecadações com o evento bateram a marca de R$ 2 milhões. Além dos recursos financeiros, o montante incluiu a doação de aproximadamente 23 mil caixas de medicamento, que equivalem a aproximadamente R$ 700 mil.

A vice-governadora, Cida Borghetti, autora da lei que institui o Dia de Luta Contra o Câncer de Mama, destacou a importância do diagnóstico precoce e lembrou que recentemente o Governo do Estado anunciou a compra de um mamógrafo digital para o Hospital das Clínicas. O equipamento vai compor uma rede com unidades também em Maringá, Londrina e Cascavel.

“Com o diagnóstico precoce podemos diminuir o impacto financeiro na saúde e trazer conforto às famílias. Fico grata e emocionada pelo esforço e contribuição de cada um à causa”, disse a vice-governadora.

Gestão eficiente – O ministro da Saúde, Ricardo Barros, também prestigiou o evento, e ressaltou o bom atendimento e a gestão eficiente do Erasto Gaertner. “Acabamos de inaugurar um acelerador linear para tratamento de radioterapia e o robô Leonardo da Vinci para fazer cirurgias delicadas. Estamos aqui para este apoio não apenas ao Erasto, mas a bandeira de prevenção ao câncer de mama”, disse.

Sobre a aplicação dos recursos, o superintendente do Hospital Erasto Gaertner, Adriano Lago, destacou: “Os recursos serão aplicados na criação de um ambulatório novo de especialidades e na modernização do banco de sangue do hospital. A previsão é que os dois projetos sejam inaugurados em 2018”, informou o superintendente do Hospital Erasto Gaertner, Adriano Lago.

Parceria – O Governo do Estado é também parceiro de muitos dos projetos do Erasto Gaertner. Um deles é a construção do primeiro Hospital Oncopediátrico do Paraná. O Governo investirá R$ 12 milhões na obra, que vai melhorar as condições de tratamento do câncer em crianças.

A expectativa é ampliar de 20 para 39 o número de leitos infanto-juvenis, permitindo o atendimento de 300 novos casos por ano. Poderão ser feitas, no local, até 17 mil consultas, 500 cirurgias e mais de 85 mil procedimentos anualmente.

O Estado também faz repasses mensais para garantir o atendimento ambulatorial do hospital. Além disso, a Associação Amigas da Mama (AAMA) é uma das beneficiárias do programa Nota Paraná e recebe, em média, R$ 8 mil em doações por mês.

Cerca de 15 milhões contribuíram para o PIS/Pasep por 20 anos
Criados em 1971, os fundos do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) funcionaram, por quase 20 anos, como uma poupança particular. A cada ano, o trabalhador tinha direito a receber o rendimento das cotas e podia sacar todo o crédito em caso de aposentadoria, doença grave ou ao completar 70 anos.
 
Os fundos vigoraram até 4 de outubro de 1988. Com a promulgação da Constituição, a arrecadação do PIS/Pasep passou a ser destinada ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que paga o seguro-desemprego e o abono salarial, e para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que empresta a empresas do setor produtivo. O PIS é destinado aos trabalhadores da iniciativa privada. O Pasep, aos servidores públicos.
 
No entanto, falhas na comunicação entre o governo, as empresas e os trabalhadores fizeram muitos não sacarem as cotas dos fundos, mesmo cumprindo os requisitos para a retirada. No ano passado, uma auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU) identificou que 15,5 milhões de brasileiros tinham abonos do PIS/Pasep a receber.
 
Desde o ano passado, a promoção de campanhas reduziu pela metade o contingente de brasileiros que ainda não sacaram o benefício. Para zerar o passivo e injetar R$ 15,9 bilhões na economia, o governo publicou, no fim de agosto, a Medida Provisória 797, que reduziu as restrições para o saque e criou um calendário para a retirada.
Nota fiscal eletrônica vai facilitar a vida do produtor rural

Os produtores rurais do Paraná que fazem operações interestaduais poderão em breve ter acesso aos benefícios da emissão da Nota Fiscal do Produtor Eletrônica – NFP-e. A Receita Estadual deve adotar o novo modelo a partir de 1º de janeiro de 2018. Entre as facilidades está a economia de tempo, uma vez que o produtor não precisará mais ir até a prefeitura do município para efetivar a prestação de contas.

 
Com a implantação do processo haverá também redução do consumo de papel, reduzindo o impacto no meio ambiente, além do incentivo do uso de novas tecnologias e diminuição dos gastos públicos.
 
A emissão das notas para vendas fora do Estado será exclusivamente pela internet por meio do Portal Receita PR (receita.pr.gov.br). Antes, o produtor deve fazer um cadastro de acesso no site na Secretaria Estadual da Fazenda (www.fazenda.pr.gov.br). Esse pedido de uso do Receita/PR é obrigatório e todo o processo acontece em ambiente seguro, mediante utilização de uma chave de acesso e senha.
 
A partir da adoção da nota fiscal do produtor eletrônica ficará vedado o uso da Nota Fiscal do Produtor Rural em papel (modelo 4) nas operações com outro Estado. Para as operações dentro do Paraná essa opção continuará válida. Nos últimos dois anos, 35 mil produtores fizeram operações interestaduais e cerca de 470 mil produtores rurais estão ativos nos registros da Receita Estadual.
 
O produtor, após fazer o cadastro, deve encaminhar o Termo de Adesão via Correios no endereço indicado no termo ou, se preferir, pode se dirigir diretamente a qualquer uma das Delegacias ou Agências da Receita Estadual (veja os endereços).
 
O registro é simples e rápido – demora no máximo um dia para ser concluído. Todo o processo é gratuito.
Em vídeo, executivo da Odebrecht relata pagamento de caixa dois a Maduro
A ex-procuradora-geral da Venezuela Luisa Ortega Díaz divulgou nesta quinta-feira em sua conta no Twitter um vídeo da delação premiada da Odebrecht em que o presidente Nicolás Maduro é acusado de receber caixa dois. Nele, o presidente da empresa na Venezuela, Euzenando Azevedo, admite ter pago a Maduro dinheiro para sua campanha por meio de um intermediário, chamado Américo Mata. Ele relata que recebeu um pedido de US$ 50 milhões. As informações são do O’Globo.
 
– Esse senhor Américo Mata me procurou e fechou um encontro comigo. Ele me pediu uma contribuição. Ele sabia de nosso negócio e do tamanho de nossas operações. Ele pediu contribuição para a campanha do presidente Maduro. Ele pediu um valor grande na época. Eu concordei e aceitei pagar a ele em torno de US$ 50 milhões.
 
O conteúdo do depoimento já havia sido publicado em julho pelo GLOBO. A reportagem revelou que Azevedo contou ter sido procurado por Mata em 2013 com o pedido. No entanto, ele afirmou no relato que foram pagos US$ 35 milhões, segundo envolvidos nas tratativas.
 
O trecho do depoimento de Azevedo publicado por Ortega Díaz ainda se encontra sob sigilo. Ele foi vazado menos de uma semana depois de executivos da Odebrecht terem se reunido com autoridades da Venezuela para dar prosseguimento às tratativas do acordo de delação premiada e de leniência que o grupo negocia lá.
 
A empresa entrará com uma petição junto ao Supremo Tribunal Federal para exigir que se apure o vazamento, que pode comprometer as negociações.
 
Segundo pessoas ligadas às investigações, esse material está sob os cuidados da Procuradoria-Geral da República do Brasil. Essa não é a primeira vez que a Odebrecht pede a apuração de vazamentos ligados a temas da área internacional. A empresa já solicitou investigação envolvendo fatos divulgados no México e no Peru.
TRE-DF suspende propaganda do PT que ofendem rollemberg 
O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) suspendeu nesta quarta-feira (11) a veiculação de três propagandas do diretório regional do Partido dos Trabalhadores (PT), por ofensa ao governador Rodrigo Rollemberg (PSB). As informações são do Diário do Poder.
 
O pedido de suspensão foi feito pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), alegando que as peças fogem ao objetivo da propaganda partidária e contém repreensões injuriosas ao governador do DF, “Primeiramente tenta-se ligar o Governador aos fatos criminosos dos quais o Presidente da República tem sido acusado nesses últimos meses”. Outro motivo é a intenção de qualificar Rollemberg como “incompetente e descumpridor da lei”.
 
Diante desses argumentos, a desembargadora Carmelita Brasil determinou a suspensão imediata da veiculação das peças.
Tribunal nega soltura de ex-gerente da Petrobras envolvida na Lava Jato 
      
O Diário do Poder informa que o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) negou, por unanimidade, habeas corpus que pedia a soltura do ex-gerente da área Internacional da Petrobras Pedro Augusto Cortes Xavier Bastos, preso preventivamente em 26 de maio, na Operação Poço Seco, 41.ª fase da Lava Jato, por supostamente ter recebido US$ 4,8 milhões em propinas na conta offshore Sandfield, na Suíça.
Os desembargadores da 8.ª Turma da Corte federal confirmaram decisão liminar tomada no início de setembro pelo relator da Lava Jato, desembargador federal João Pedro Gebran Neto.
 
A defesa classifica nos autos Xavier Bastos como um “homem sério e honrado”. A defesa alegou que as conclusões do Ministério Público Federal sobre valores nas contas Acona e Sandfield não foram as mesmas da Comissão Interna de Apuração da Petrobras, e que as comissões recebidas pelo réu, de US$ 700 mil, “são legítimas e fruto de negócio privado envolvendo a venda do Bloco 4 do Benin” (África).
 
Segundo o relator, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, “há prova idônea de que o réu, gerente na época, teria se envolvido em tratativas espúrias no negócio que envolveu a compra de 50% do campo de exploração do Benin”.
Coren/PR divulga nota pública para reforçar função legal dos profissionais de enfermagem
O Coren/PR em conjunto com entidades representativas dos profissionais de enfermagem e o poder público divulgou, nesta semana, nota de esclarecimento sobre as atribuições legais e a rotina de trabalho dos profissionais de enfermagem. 
 
“Recentemente uma liminar da justiça surpreendeu os órgãos de enfermagem com a suspensão de atividades legítimas dos profissionais no âmbito da Atenção Básica, como solicitação de exames e realização de diagnóstico conforme protocolos institucionais”, disse a assessora executiva do Coren/PR, Maria Goretti David Lopes. 
 
“Estas atividades estão regulamentadas pelo Ministério da Saúde e, portanto, estão em legítima consonância com a legalidade”, explicou. 
 
Para contrapor a liminar, as entidades e instituições reunidas pelo Coren/PR emitiram uma nota pública sobre a legalidade da função dos profissionais de enfermagem. O documento, segundo Maria Goretti pretende dar ampla divulgação às competências do Enfermeiro no âmbito da Atenção Básica.
 
 “A nota pública esclarece ainda que, “com base nos preceitos normativos, a rotina de trabalho dos profissionais de enfermagem deve ser mantida, na medida em que está resguardada pela Lei Federal 7.498/86, a qual não enfrenta questionamento judicial”, destacou.
 
O documento está referendado pelo Conselho Regional de Enfermagem do Paraná (Coren/PR), Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn Paraná), Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Paraná (Cosems/PR), Secretaria Municipal de saúde de Curitiba (SMS/Curitiba) e Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA/PR).
TCU determina bloqueio de bens de Dilma por prejuízo à Petrobras

O plenário do TCU (Tribunal de Contas da União) determinou nesta quarta (11) o bloqueio de bens da ex-presidente Dilma Rousseff e de outros ex-membros do Conselho de Administração da Petrobras para ressarcimento de prejuízo causado à estatal no caso da compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.
 
Além dos de Dilma, foram bloqueados os bens do ex-ministro Antônio Palocci, Claudio Luis da Silva Haddad, Fábio Colletti Barbosa, Gleuber Vieira e do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli.
 
Segundo o tribunal, o dano causado foi de US$ 580 milhões.
 
Ainda é possível recorrer da decisão. O bloqueio tem duração de um ano.
 
Em 2006, quando a compra de Pasadena foi fechada, Dilma era presidente do Conselho de Administração da Petrobras.
 
A estatal comprou 50% da refinaria americana por US$ 360 milhões.
 
PREJUÍZO
 
Em agosto, o plenário do TCU já havia condenado Gabrielli e o ex-diretor da área Internacional Nestor Cerveró pelo envolvimento de ambos na compra da refinaria.
 
O tribunal determinou que ele deveriam ressarcir à estatal o valor de US$ 79,9 milhões (cerca de R$ 250 milhões), além de pagar multa de R$ 10 milhões cada um.
 
O TCU também proibiu que ambos ocupem cargos públicos. 
PT rescinde contrato com agência e contrata publicitário de Jaques Wagner
A direção do PT decidiu rescindir o contrato com sua atual agência de publicidade, a Entrelinhas Comunicação. Para a produção do programa que levará ao ar na próxima quinta-feira (12), o partido contratou o publicitário Sidônio Palmeira, que foi responsável pelas campanhas vitoriosas do ex-governador Jaques Wagner, além de seu sucessor, o governador da Bahia, Rui Costa.
 
Atualmente responsável também pelo site petista –o “Agência PT”– a Entrelinhas prestará serviço ao partido até novembro, até a montagem de nova estrutura de comunicação.
 
Apesar de atribuírem a decisão à necessidade de redução de gastos, dirigentes petistas reclamaram da qualidade do programa partidário exibido no dia 11 de abril. Produzido pela Entrelinhas, o programa apresentou falhas de configuração.
 
Como houve problemas no ajuste de legendas e das imagens na tela, os petistas chegaram a desconfiar de boicote de emissoras de TV, o que foi descartado após constatação de que o problema derivava de falhas na produção do programa.
 
Pela previsão original, o contrato com a Entrelinhas seria encerrado em dezembro e automaticamente renovado. Mas a nova presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, decidiu romper o contrato.
 
Sob o comando de Gleisi, o partido rescindiu também contrato com a agência encarregada pela a assessoria de comunicação do partido, a Analítica.
Richa recebe prefeitos e destaca investimentos nas cidades

O governador Beto Richa recebeu nesta quarta-feira (11), em Guarapuava, prefeitos de 19 municípios do Sul e Centro-Sul do Paraná e destacou os recursos do Estado liberados nos últimos meses para estas cidades, que somam R$ 221,2 milhões. As prefeituras estão usando o dinheiro para investimentos nas áreas de desenvolvimento urbano, habitação, educação, saúde, saneamento, esporte, cultura, segurança.
 
Richa disse que o volume expressivo de recursos atende a demanda dos municípios e tem a participação dos deputados que representam as cidades. Ele também falou da capacidade de investimentos do Estado. “Em que pese medidas duras e impopulares que tivemos que tomar, o Paraná avança fortemente. Enquanto quase a totalidade dos estados reduziu os investimentos, nós ampliamos, prova de uma gestão eficiente, com profissionalismo e planejamento”, afirmou o governador. “Os prefeitos reconhecem a presença do governo em suas cidades com obras, programas e ações que garantem desenvolvimento aos municípios paranaenses e qualidade de vida à população”.
 
CIDADES – Foram contemplados nove municípios do Centro-Sul: Irati, Fernandes Pinheiro, Guamiranga, Imbituva, Mallet, Rebouças, Rio Azul, Teixeira Soares e Inácio Martins, num total de R$ 117,56 milhões.
 
Outros dez são da região central: Guarapuava, Campina do Simão, Candói, Cantagalo, Foz do Jordão, Goioxim, Pinhão, Prudentópolis, Reserva do Iguaçu e Turvo, que somam R$ 103,70 milhões. Os maiores invetimentos foram liberados para Guarapuava, polo da região central, R$ 55,64 milhões, e Irati, no Centro-Sul, R$ 36,14 milhões.
 
“Os recursos são usados para projetos como compra de caminhão para a coleta e equipamentos para reciclar o lixo, asfaltamento de rua, construção de posto de saúde, reforma de hospital”, explicou o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni. “O montante é pulverizado, dentro das necessidades estabelecidas pelo município. O governo libera os recursos, os prefeitos discutem com a comunidade os projetos a serem executados. Isso permite investir bem e gastar menos”, explicou Rossoni. Segundo ele, a grande dos recursos é a fundo perdido. Cerca de R$22,1 milhões são de financiamentos disponibilizados pelo Estado para ampliar os investimentos nas cidades.

Paraná é único estado com aval da União para empréstimo no exterior

A repórter Marta Watanabe, no Valor Econômico desta segunda-feira, 9, aponta que o Paraná em 2017, é o único estado que obteve aval da União, através da Secretaria de Tesouro Nacional, para empréstimo externo, num período em que o Tesouro Nacional vem restringindo a prestação de garantias aos entes federados. A operação com agente do exterior aprovada ao Paraná, contratada com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), foi de US$ 67,2 milhões para o fortalecimento da segurança pública através do programa Paraná Seguro.

Outras operações externas foram liberadas, mas beneficiando municípios, em valores modestos; significando que o governo federal “fechou a torneira” num período de forte restrição fiscal, para o saneamento das contas públicas. Sob essa nova diretriz, a STN só libera avais para Estados classificados com ratings “A” e “B”. O Paraná, situado na classificação “B”, “fez a lição de casa” e aspira subir para o nível “A”.
Carga tributária não pode exceder a 25% do PIB, afirma Kaefer
O deputado Alfredo Kaefer (PSL-PR) voltou a defender nesta sexta-feira, 6, o limite de 25% do PIB na carga tributária e a repactuação dos recursos arrecadados para atender melhor os municípios brasileiros. “Hoje dois terços dos recursos arrecadados ficam com a União”, apontou.
 
Kaefer apresentou medida provisória (MP 511/10) limitando a arrecadação dos tributos a 25% PIB a partir de uma redução gradual em 10 anos.  “Não adianta qualquer reforma, se continuar os 35% de carga tributária sobre o Produto Interno Bruto”, disse. 
 
O teto de 25%, segundo o deputado, é a reforma tributária necessária ao País. Kaefer ressalta que a carga tributária, que chegava a 22% do PIB nos anos 80, pulou para 32% entre 2000 e 2007. “Quanto maior a carga tributária, menos desenvolvimento econômico e menor geração de emprego nós teremos”, afirma. A carga tributária brasileira é uma das maiores do mundo (34,3% em 2009, segundo o Ipea).
 
Ainda pela proposta, a União terá uma parcela de até 50% do total arrecadado. Já estados e municípios receberão, no mínimo, 25% da arrecadação anual. Kaefer acredita que gastos com saúde, segurança pública, educação e administração da Justiça serão “mais do que suficientemente atendidos” com uma carga tributária de 25% do PIB.
 
“Temos a certeza de que esta iniciativa propiciará um maior dinamismo à economia com mais emprego, renda e consequente redução da pobreza”, afirmou. Segundo o parlamentar, a PEC traz o nível de tributação brasileiro para um patamar “decente” e “mais justo com o povo”, além de ampliar a competitividade do País no âmbito internacional.
Indústria do Paraná acumula maior crescimento do País

A indústria de transformação do Paraná cresceu 8,8% em agosto na comparação com o mesmo mês do ano passado, reforçando a tendência de retomada do setor, um dos mais afetados pela crise econômica. No acumulado de 2017, o avanço da produção industrial paranaense foi de 4,6%, a maior do País.

O resultado foi o melhor para o período desde 2011, quando o setor industrial do Paraná havia crescido 9,3%, conforme os dados da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física – Regional, divulgada nesta terça-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O desempenho da indústria paranaense foi puxado pelos setores de máquinas e equipamentos e automotivo, com crescimento de 61,5% e 13,5%, respectivamente. “O setor de máquinas e equipamentos, especialmente na produção tratores e colheitadeiras, foi beneficiado pelo crescimento do agronegócio, com a boa safra agrícola”, afirma Julio Suzuki Júnior, presidente do Ipardes.

Segundo o economista do Ipardes, além do avanço da renda no campo, que permitiu ao produtor investir mais na compra de maquinário, o segmento também vem registrando bons resultados nas exportações. Com relação aos automóveis, os crescimento é atribuído a retomada do mercado interno, aumento das exportações e o lançamento de novos produtos.

Os dois setores são destaque, mas a retomada da indústria no Estado é generalizada. Dos 13 segmentos pesquisados pelo IBGE, nove tiveram resultados positivos. “Isso mostra que a retomada é abrangente e consistente”, diz Suzuki Júnior.

“Tem que tirar o chapéu pro Beto Richa”
 
“Tem que tirar o chapéu pro Beto Richa. O cara piscou e o helicóptero já estava parado aqui. É fora de série. Tem que tirar o chapéu pro homem”, diz testemunha de acidente em Paraíso do Norte sobre o resgate aéreo implantado pelo governador Beto Richa e que hoje está presente em todo o Paraná.
Escolas de samba receberão R$ milhão para o Carnaval 2018

 Representantes de escolas de samba de Curitiba assinaram na sexta-feira, 6, os contratos do edital que prevê o repasse de R$ 1 milhão em investimentos para a promoção do Carnaval de 2018.

 Do valor total, R$ 595 mil serão destinados para as agremiações, R$ 316,7 mil para as despesas de infraestrutura e R$ 88,3 mil para apoio logístico às atividades pré-carnavalescas.

 O valor dobrou em relação ao Carnaval deste ano, que recebeu, no total, R$ 500 mil para promoção da festa. Para o próximo Carnaval em Curitiba, serão contemplados com o recurso do Fundo Municipal de Cultura nove escolas de samba e três blocos carnavalescos da capital. 

Em relatório final, PF incrimina Wesley Batista por lucro indevido da JBS no mercado de câmbio

Sem saída – A Polícia Federal apresenta nesta terça-feira (10) o relatório final sobre a suspeita de que Wesley e Joesley Batista cometeram crime de insider trading ao obter lucro no mercado após a divulgação da delação da J&F. A peça tem mais de 100 páginas e reafirma a posição de Wesley como o mandante das negociações de câmbio. A PF diz que Joesley, à época chefe da FB Participações, controladora da JBS, operou em outras frentes. Ele não será incriminado pela compra de dólares.

Na ponta do lápis – A PF elaborou um cronograma sobre as ações dos Batistas antes e depois de eles fecharem o acordo com a PGR. O relatório virá um dia depois de a Justiça negar o pedido de liberdade de Joesley e Wesley em troca do depósito de uma caução no valor que teria sido obtido ilegalmente.

O x da questão – A corporação refuta a tese da defesa de que não houve crime e de que os Batistas já lucraram valores muito mais altos anteriormente. Dirá que a diferença crucial é que, desta vez, eles tinham informação privilegiada sobre a delação.

Quadrilha olímpica

Mary Zaidan

A compra de votos para que o Rio de Janeiro sediasse os Jogos Olímpicos de 2016 não é novidade – foi detonada em Paris no início do ano. Tampouco o vício do ex-governador Sérgio Cabral pela corrupção ativa. O que espanta na prisão de Carlos Arthur Nuzman, suspenso temporariamente da presidência do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), é o fato de a questão ter se limitado ao noticiário esportivo.

Pouco sobre a Copa do Mundo de 2014 e a Rio-2016 dizia respeito ao esporte. Ambos eventos enriqueceram os amigos do rei, energizaram candidaturas de petistas e aliados, e empobreceram o país.

O delator da trama pró-Rio-2016, Eric Maleson, que presidiu a Confederação Brasileira de Desportos no Gelo, diz que procurou as autoridades francesas depois de o governo da então presidente Dilma Rousseff ter “abafado” as denúncias que ele fizera, em 2013, à Polícia Federal. Ele afirma que a PF trabalhou com afinco e avançou muito, mas teria sido impedida de continuar – “por Brasília”.

Nem Dilma, nem Lula reagiram à acusação. Nenhum pio.

O interesse de trazer os jogos para o Brasil compunha a megalomania do ex-presidente Lula, custassem o que custaram, ou mais. E foi caríssimo. Uma conta a ser paga por várias gerações.

Estima-se que foram gastos em torno de R$ 30 bilhões com a Copa e outros R$ 37 bilhões com a Olimpíada do Rio. Mas a conta é infinita.

No caso do Rio, que até conseguiu acelerar obras do metrô e do BRT, além de concluir uma gigantesca intervenção urbana na área central, os equipamentos construídos para os jogos se deterioraram com rapidez acelerada.

Nada dos prometidos parques populares e áreas de treinamento de modalidades esportivas. O pouco que continua em pé foi salvo pelo investimento privado do Rock in Rio, com a transformação de parte do parque olímpico em Cidade do Rock.

E Deus salve o rock.

Além da amargura dos 7 x 1 sofridos pela seleção canarinho para a Alemanha, o mundial de 2014 deixou estádios moderníssimos e superfaturados, que exigem fortunas mensais dos governos estaduais para evitar que eles sejam ocupados pelas baratas.

A arena Pantanal acumula prejuízo superior a R$ 8 milhões depois de ter consumido R$ 628 milhões para ser construída. A de Pernambuco amarga vermelho semelhante e exige R$ 860 mil por mês em manutenção. E o escândalo maior – o Mané Garrincha, no Distrito Federal –, cuja reforma bateu em R$ 1,8 bilhão, gasta algo em torno R$ 8,4 milhões ao ano para se manter.

Tudo pago com dinheiro do cidadão que trabalha para quitar impostos e que quase nada recebe em troca. Por gente que o fisco insiste em chamar de contribuinte, mas que, certamente, não desejaria contribuir com tamanho desatino.

Nem os bilhões superfaturados com as arenas da Copa e nas obras olímpicas, nem as 16 barras de ouro de Nuzman, encontradas em um depósito de luxo na periferia de Genebra, poderiam ser amealhados apenas a partir da esperteza de uns e outros.

Ao que tudo indica, Nuzman teve sinal verde para comprar juízes olímpicos. Pagou por eles e embolsou sua parte do negócio.

Nada fez de diferente da prática idolatrada pelos governos petistas de que os fins justificam os meios, ainda que se inclua comissão pessoal, embolsada em espécie ou mimos.

É pouco provável que Nuzman tenha agido por conta própria, ou mesmo que seja apenas um dos integrantes do bando de Cabral. Assim como é dificílimo crer que Cabral tenha sido o criminoso mentor para que o Brasil de Lula, em 2009, vencesse a disputa da sede olímpica. Mas isso as investigações vão dizer.

Sabe-se, por ora, que Nuzman é caso de polícia. Mas tudo no entorno dele é política pura. E da pior espécie.

‘Vinte e nove anos atrás…’

 
Cármen Lúcia

Quatro horas da tarde de 5 de outubro de 1988. Brasil festivo. Promulgava-se a Constituição da República. Era chamada de nova, mote adotado na campanha indireta para presidente que precedera a convocação da Assembleia. Envelheceu aquela República? Ou a nova não passou de quimera que se gastou e se mostrou alheia ao batuque cívico das praças?
Vinte e nove anos atrás, aquele dia aparecia como página de uma “história abensonhada” (à maneira de Mia Couto): benção e sonho democrático. Um Brasil desabrochado novo na forma da Constituição promulgada.Naquela tarde, em seu discurso de promulgação da Constituição, Ulysses Guimarães lembrou o início da caminhada constituinte brasileira: “Dois de fevereiro de 1987. Ecoam nesta sala as reivindicações das ruas. A nação quer mudar, a nação deve mudar, a nação vai mudar.Vinte e nove anos depois, a nação brasileira demonstra igual ânsia para mudar. Quer mudar. Precisa mudar. E como naquele atestado democrático da fala do presidente da Assembleia Constituinte, a nação vai mudar. Mais: impõe mudanças ao Estado, à política nele praticada, à justiça (ainda demorada) nele prestada.A vida é feita de mudanças. Algumas mostram-se urgentes. Foi assim antes. É assim agora. Andamos, mas os passos foram cambaleantes, nem sempre numa mesma direção, não tão vigorosos quanto a força e o reclame que a vida exigia.A democracia oferece segurança ao processo transformador. Sem o direito para assegurar a concretização da ideia de justiça, prevaleceria o acervo de compreensões dispersas, impossibilitando-se a convivência entre as pessoas.Todo mundo quer justiça. Mas o que é justo para um não é necessariamente o mesmo para o outro. Por isso é essencial o Direito. A ideia central de justiça para um povo, em determinado momento histórico, expressa-se em sua Constituição, de cumprimento obrigatório e igual para todos. Essa sua importância como fundamento do Estado e garantia do cidadão. Ela assegura que a nação mude na forma que lhe parecer adequado sem que o Estado impeça a transformação, sem ficar atrás da sociedade nem se lhe adiantar os passos.O que socialmente maturado não está, juridicamente legitimado também não.Vinte e nove anos anos depois, nuvens pesadas ensombreiam manhãs e tardes do Brasil. A noite não traz sossego. Tempo de incertezas.Mas a semente de justiça continua, certa, a germinar nas normas constitucionais para permitir que floresça a dignidade e a identidade da cidadania brasileira.A Constituição de 1988 tem o ser humano como seu ponto de partida e de chegada. A dignidade humana é seu centro e sua justificativa.O Supremo Tribunal Federal guarda-a para que se resolvam tensões e turbulências. Para que retornem os tempos dos sonhos possíveis, que somente a democracia propicia. Por isso há que preservá-la. Porque o Brasil vale a pena. O brasileiro mais ainda. Todo ser humano vale. Por isso, zelar pela Constituição é uma benção a garantir os ideais realizáveis. A lembrança daquela tarde vinte e nove anos atrás é alento e desafio. Como a vida. Que poderá ser melhor. Depende de nós!Cármen Lúcia é presidente do Supremo Tribunal Federal
Candidatura avulsa abre caminho para picaretagem em 2018

A confirmação da tendência de os ministros do Supremo Tribunal Federal autorizarem candidaturas avulsas, sem exigência de filiação partidária, deverá provocar muita confusão no processo eleitoral de 2018. A começar pela divisão do bolo bilionário do “fundão eleitoral”.

Afinal, candidatos avulsos também são filhos de deus, ou seja, do STF, e terão direito a financiamento público para suas campanhas. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Entre candidatos avulsos haverá gente séria, mas também aqueles interessados apenas no “fundão eleitoral” (R$1,7 bilhão, por enquanto).

A candidatura avulsa teria acesso ao rateio do “fundão”: pela lei, 50% serão destinados às campanhas de presidente, governador e senador.

Na pior das hipóteses, um candidato avulso a presidente, por exemplo, participaria do rateio de R$34 milhões (2% do fundão) previstos na lei.

Por definição, candidato avulso não tem filiação, e o tempo de TV hoje é definido por critérios como número de deputados federais do partido.

Paraná amplia recursos para equipamentos de urgência e emergência

O secretário estadual da Saúde, Michele  Caputo Neto, anunciou nesta quinta-feira, 5, que o Estado vai ampliar os repasses para urgência e emergência nas cidades do Paraná. Em 2017, serão R$ 5 milhões que vão ampliar a Rede Paraná Urgência através dos serviços de urgência e emergência com a compra de equipamentos, além de avanços na política de remuneração das unidades de suporte avançado do Samu.


Atualmente, a Secretaria da Saúde repassa aos Samus regionais R$ 48,2 mil por ambulância de suporte avançado de vida, equipadas com UTI. A partir de setembro, o incentivo de custeio será ampliado para R$ 72,3 mil, acima do valor repassado pelo Ministério da Saúde. O Paraná conta com 10 Samus regionais e dois municipais, o que atende a 88% da população paranaense em serviços pré-hospitalar de urgência. 
 
O incentivo para aquisição de equipamentos tem como foco prontos-socorros, unidades de pronto-atendimento e hospitais que estejam integrados à fase três do programa estadual Hospsus e Samus regionais. Para as salas de emergência, tanto de UPA quanto de hospitais de pequeno porte, os recursos destinados viram entre R$ 100 mil e R$ 300 mil, para unidades de suporte avançado, R$ 300 mil e hospitais de referência, R$ 800 mil.
Universidades valorizadas devem ter transparência e austeridade, diz Richa
O governador Beto Richa comentou nesta sexta-feira, 6, a decisão da Justiça que determinou às universidades estaduais disponham dados da folha dos servidores ao Estado. “Valorizamos o trabalho das universidades, mas todos precisam se adaptar a estes tempos de transparência e austeridade. É o que reconheceu a Justiça, ao determinar a inclusão das instituições no sistema de gestão da folha salarial do Estado”, disse Richa.
As boas práticas de gestão, segundo Beto Richa, avançaram muito nos últimos sete anos. “Isso com responsabilidade, transparência, prestando contas de todos os atos do governo. Tanto que recentemente o comitê formado pela OAB, economistas, contabilistas, elogiou grande avanço do Paraná na transparência dos seus atos, tanto em despesas, gastos, licitações, compras de material, serviços terceirizados”, disse
Richa disse que tudo o que Estado faz está no portal da transparência. “Só faltavam as universidades. Além do Tribunal de Contas, o Tribunal de Justiça exige agora que em duas semanas as universidades possam aderir ao Meta 4, que é o sistema de informação do estado, onde mostra todos os salários todos os investimentos do Estado do Paraná”, disse.
“As universidades não aceitam a autonomia. Elas têm autonomia para gastar e pagar, e o governo está sempre socorrendo. Quando assumi o governo em 2011, as universidades tinham um orçamento de R$ 780 milhões e hoje o orçamento é de R$ 2,5 bilhões. Então, cada vez mais o processo de transparência é necessário”, completa Richa.
População quer saber onde são investidos os recursos dos seus impostos, diz Richa ao defender Meta 4

O governador Beto Richa e o chefe da Casa Civil Valdir Rossoni comentaram nesta sexta-feira (06) a liminar da 3ª Vara da Fazenda Pública que determina que universidades estaduais forneçam, no prazo de 15 dias, dados das folhas de pagamento das instituições para que sejam inseridos no sistema de gestão de pessoal do Governo do Estado (RH-Paraná – Meta4).

“Já havia uma decisão nesse sentido do órgão fiscalizador da administração pública, que é o Tribunal de Contas do Estado, para que de fato as universidades tenham o dever e a obrigação de prestar contas do uso do dinheiro público. Afinal, o momento exige transparência. A população quer saber onde estão sendo investidos os recursos dos seus impostos”, disse o governador.

A decisão é da última quarta-feira (04) e abrange cinco instituições de ensino superior: Universidade Estadual de Londrina (UEL); Universidade Estadual de Maringá (UEM); Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), que tem sede em Cascavel; Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG); e Universidade Estadual do Centro Oeste (Unioeste), com sede em Guarapuava.

O chefe da Casa Civil explicou que o Meta4 é um programa de vanguarda e que a determinação para que todos os órgãos do governo estejam integrados ao sistema está na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e vai valer para todos a partir de janeiro.

“É o que temos de melhor no cuidado com o servidor público. Está comprovado que o sistema corrigiu distorções e funciona muito bem, especialmente em relação à transparência, fundamental para a boa gestão pública”, afirmou.

“Se Lula for preso, vai ser pior”, diz Doria

A eventual prisão do ex-presidente Lula da Silva (PT) em plena corrida eleitoral seria um “erro histórico”, uma vez que incendiaria o País, disse nesta quarta-feira, 4, o prefeito de São Paulo, João Doria. “Mesmo que Lula não seja candidato, ele vai ter um preposto e serão dois a fazer campanha”, disse o tucano. “Se prenderem o Lula, pior ainda, porque ele vai se vitimizar e aí incendeia o País.” As informações são do Bem Paraná.


“Seria a pior hipótese a Justiça, embora totalmente soberana para decidir, aprisioná-lo em meio ao processo eleitoral. Seria um erro histórico”, prosseguiu. O tucano defendeu também que “a Justiça faça justiça”. “Mas tenha sensibilidade também de não emitir uma sentença durante o processo eleitoral”. “Creio que para o País seria arriscado ter uma liderança como a do ex-presidente preso. Poderia criar uma conturbação muito grande.”
Richa recebe mais 141 médicos que vão atuar em 100 cidades

O governador Beto Richa recepcionou nesta quinta-feira, 5, mais 141 médicos que vão atuar a partir de segunda-feira, em 100 cidades do Paraná. No país, são 1.375 médicos contratados pelo Ministério da Saúde que vão atender na atenção primária e nas equipes de saúde da família. “Os médicos têm a nobre missão de garantir saúde para a nossa população e salvar vidas. O Paraná os recebe de braços abertos e com toda a estrutura que contribui para um trabalho mais eficiente“, afirmou Richa.


A gestão da saúde no Paraná, segundo Richa, é referência no País e o Estado ampliou o investimento na área. Nos dez anos anteriores à atual gestão, foram investidos R$ 6,7 bilhões, enquanto nos últimos sete anos o governo estadual destinou R$ 15 bilhões para a saúde. “Levamos a gestão da saúde com muita seriedade, porque é uma área essencial para a nossa população, principalmente a mais humilde, que precisa de mais cuidado e de um atendimento mais humano”, ressaltou.

 

Atualmente, o Estado conta com 945 médicos do programa em todas as regiões. Em agosto, 34 profissionais cubanos vieram ao Paraná para trabalhar em 18 municípios. “O Paraná sempre apoiou esta iniciativa, que tem um impacto importante nos municípios”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Michele Caputo Neto.

De acordo com ele, o trabalho na atenção básica é o diferencial desses profissionais. “Esperamos conseguir resolver de vez o problema da alocação de médicos nas periferias dos grandes centros, nos pequenos municípios e nas regiões de difícil acesso”.

A vice-governadora Cida Borghetti, ressaltou que os profissionais vão reforçar o atendimento da saúde no Estado. “São médicos que vêm ao Paraná para cuidar e salvar vidas. O Paraná é o estado que mais investe na atenção às pessoas, priorizando a saúde”, afirmou.

Paraná investe R$ 1 bilhão em assistência social, afirma Fernanda Richa

A secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, destacou os avanços e investimentos na assistência social no Paraná nos últimos seis anos; “Desde 2011, aplicamos mais de R$ 1 bilhão em programas e serviços para promover a qualidade de vida das famílias que vivem em extrema pobreza. Os resultados comprovam que estamos no caminho certo”, disse Fernanda na abertura da XII Conferência Estadual de Assistência Social em Curitiba.

 
Como resultado das ações, Fernanda Richa apontou o levantamento do Instituto Econômico de Pesquisas Sociais Aplicadas (Ipea) que indicou a redução em 57% o índice da miséria do Paraná, ressaltou que o Estado, em conjunto com a sociedade civil, desenvolve gestão participativa e democrática, e que as conferências são instrumentos importantes para o aperfeiçoamento das políticas públicas.
Outro avanço do Paraná destacado pela secretária Fernanda Richa é a aprovação do Plano Decenal de Assistência Social, em novembro do ano passado. O Paraná foi o primeiro estado a ter o documento, que planeja a política de assistência social para os próximos dez anos.
 
Redução – O programa Família Paranaense, segundo Fernanda Richa, é a principal estratégia do Paraná para a redução da pobreza e das desigualdades sociais. Lançado em 2012, já atendeu mais de 291 mil famílias com transferência de renda e ações em áreas prioritárias como saúde, educação, habitação e geração de renda.

A conferência, no Expo Unimed Curitiba, reúne 600 participantes entre gestores, beneficiários, trabalhadores e conselheiros, além de representantes da sociedade civil. “É um encontro para troca de informações. Temos mesas de discussão onde os participantes poderão sugerir projetos e mudanças que visam a melhoria na qualidade de vida das pessoas que mais precisam”, afirmou.
 
O encontro segue até esta sexta-feira, 6, com palestras, oficinas e debates sobre o tema Garantia de Direitos no Fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social (Suas). Nos eixos de discussão estão proteção social, gestão democrática, acesso à segurança socioassistencial, articulação entre serviços e legislação.
Câmara garante fundo bilionário para abastecer campanhas em 2018

Apesar de os parlamentares afirmarem que o fundo será de R$ 1,7 bilhão, o texto não estabelece um teto para o valor, e sim um piso, ao dizer que o fundo será “ao menos equivalente” às duas fontes estabelecidas pelo projeto.

A proposta estabelece que pelo menos 30% do valor das emendas de bancadas sejam direcionadas para as campanhas eleitorais. A segunda fonte de recursos virá da transferência dos valores de compensação fiscal cedidos às emissoras de rádio e televisão que transmitem propagandas eleitorais, que serão extintas. O horário eleitoral durante o período de campanha, no entanto, foi mantido.

O fundo público para abastecer as campanhas é uma medida alternativa ao financiamento empresarial de campanha, proibido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2015.

No começo da discussão, o Congresso chegou a cogitar um fundo que chegaria a R$ 3,6 bilhões. A articulação foi encabeçada pelo líder do governo no Senador, Romero Jucá (PMDB-RR), com apoio de partidos da oposição, como o PT, PDT e PCdoB.

Tumulto. A sessão que aprovou a proposta foi tumultuada. O principal protesto dos deputados foi pelo fato de a votação do texto-base do projeto ter sido simbólica. Um dos que protagonizaram a confusão foi o deputado Júlio Delgado (PSB-MG). Ele foi à tribuna e classificou como “vergonha” a votação ter sido nominal. Para ele, os deputados que apoiam o fundo não quiseram deixar a “digital” na aprovação da medida.

O deputado Celso Pansera (PMDB-RJ) criticou os parlamentares que se posicionaram contra a proposta. “Eu quero ver no ano que vem quem vai aceitar dinheiro do fundo para fazer campanha. Vou comparar a prestação de contas e voltarei aqui no final de 2018 para cobrar os senhores”, disse.

A votação de um dos destaques elevou o clima de tensão no plenário. Se fosse aprovado, a criação do fundo seria inviabilizada. Por 223 votos a 209, os deputados mantiveram o texto original. Outras duas propostas de alteração do texto foram rejeitadas.

Vetos. Para acelerar a criação do fundo, os deputados fizeram um acordo para não alterar o texto que veio do Senado com a garantia de que Temer vetasse pontos que desagradaram à Câmara, como o que trata da distribuição dos recursos do fundo entre os partidos e outro que determina que o dinheiro do Fundo Partidário, que já está previsto no Orçamento, somente possa ser usado para financiar campanhas a cargos majoritários (presidente, governador, senador e prefeito).

Uma nova distribuição dos recursos entre os partidos foi proposta no projeto da reforma política relatado pelo deputado Vicente Cândido (PT-SP), mas a aprovação desse texto ainda está pendente tanto na Câmara quanto no Senado e pode não ocorrer até o prazo final, que é sexta-feira, 7.

Segundo deputados, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, já teria sinalizado que, se essa nova regulamentação do fundo não for aprovada esta semana, isso poderá ser feito depois do dia 7 de outubro, sem ferir a lei da anualidade, que determina que qualquer mudança nas regras da eleição aconteçam até um ano antes do pleito.

Propaganda.  O plenário da Câmara aprovou um destaque do PR ao projeto da reforma política e tirou do texto relatado pelo deputado Vicente Cândido a possibilidade do uso de telemarketing durante a campanha.

Em outro destaque, os deputados aprovaram emenda do deputado Arthur Maia (PPS-BA) para proibir o uso generalizado de carros de som e permitir o uso desse instrumento apenas em carreatas, caminhadas e comícios.

Os deputados seguem analisam emendas e destaques ao texto, que, entre outras medidas, regulamenta a distribuição do recém-criado fundo público para financiamento de campanha.

Se a votação for concluída pelos deputados, o projeto ainda precisará ser analisado pelo Senado. Para que as novas regras valham para as eleições de 2018, elas têm de estar sancionadas até sábado, dia 7, um ano antes do pleito do ano que vem.

Fachin acumula 80 inquéritos e seis ações penais da Lava Jato

O gabinete do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), realizou um levantamento e contabilizou o acumulo de 80 inquéritos da Lava Jato na Corte, todos envolvendo políticos no exercício de cargo com prerrogativa de foro no tribunal. A estatística, fechada no final de setembro, aponta diferentes autoridades dos poderes Legislativo e Executivo federais. As informações são do Diário do Poder.

Os casos estão no gabinete do ministro Fachin, relator da Operação Lava Jato desde fevereiro deste ano, após a morte do relator anterior, ministro Teori Zavascki. Com mais de três anos desde o início da operação em Curitiba, apenas seis processos diretamente relacionados aos desvios na Petrobras se tornaram ação penal no STF.

Em condição de réu estão políticos como a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), os senadores Valdir Raupp (PMDB-RO) e Fernando Collor (PTC-AL) e os deputados Aníbal Gomes (PMDB-CE), Nelson Meurer (PP-PR) e Vande Loubet (PT-MS). Seus casos devem ser os primeiros a terem desfecho no Supremo, seja este absolvição ou condenação.

A maioria dos inquéritos abertos no STF é decorrente das 110 delações premiadas homologadas até agora pela Corte, incluindo as 78 colaborações da empresa Odebrecht. Três delações ainda aguardam a homologação de Fachin.

Uma das homologações recentes de Fachin foi à do procurador financeiro Lúcio Funaro, testemunha-chave nas investigações que envolvem políticos do PMDB, entre eles o deputado cassado Eduardo Cunha, os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima e o presidente Michel Temer.

Já passaram pelo gabinete de Fachin mais de 150 inquéritos oriundos das investigações da Lava Jato, embora 74 tenham sofrido redistribuição para outros ministros do STF.

PF prende Nuzman, presidente do COB

Em novo desdobramento da Operação Unfair Play, a força-tarefa da Lava-Jato está nas ruas para prender temporariamente o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Arthur Nuzman, e seu braço-direito Leonardo Gryner. Na segunda-feira, Gryner se reuniu em um hotel em Paris, em 2009, com o empresário Arthur Soares, acusado de pagar milhões em subornos ao ex-governador Sérgio Cabral e atualmente foragido. As informações são de Chico Otávio e Daniel Biasetto n’O Globo.

O “Rei Arthur”, apelido de Soares, é apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como responsável pelo pagamento de US$ 2 milhões (R$ 3,5 milhões, na cotação da época) em propina ao senegalês Papa Massata Diack. Segundo o MP francês, em troca, o pai dele, Lamine Diack, à época presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), votaria na candidatura do Rio durante a eleição realizada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), no dia 2 de outubro de 2009, na Dinamarca.

Movimento separatista do Sul faz plebiscito no sábado

Embalado pela votação pela independência da Catalunha na Espanha, o movimento O Sul é Meu País faz no próximo sábado (7), das 8h às 20h, um plebiscito dos eleitores de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul sobre a separação da região sul do Brasil. Batizada de Plebisul, a consulta espera a participação de um milhão de moradores dos três estados – o equivalente a 5% do eleitorado da região formada por 27,3 milhões de habitantes. No Paraná, 105 cidades terão urnas de votação.


Segundo os organizadores, qualquer eleitor pode participar do plebiscito, até mesmo aqueles que são contrários à separação. “O objetivo desta consulta popular é saber verdadeiramente o que pensam todos os sulistas”, justifica texto do movimento sobre o plebiscito. Em princípio haverá pelo menos uma urna em cada um dos 1.191 municípios dos três estados. Os locais de votação estão divulgados no site de O Sul é Meu País.
O movimento reconhece que o plebiscito não tem valor legal por não ter sido aprovado pelo Congresso Nacional. Aliás, a Constituição proíbe a separação de qualquer unidade da federação. Mas os organizadores afirmam que a consulta não fere a legislação por se tratar de uma manifestação pacífica de opinião, direito assegurado pela Constituição.Durante o plebiscito, os eleitores que quiserem também poderão assinar um projeto de lei de iniciativa popular, para ser apresentado ao Congresso, propondo a realização de um plebiscito oficial em 2018 sobre o assunto. O movimento espera chegar a três milhões de assinaturas.Não é a primeira vez que O Sul é Meu País realiza um plebiscito informal. Em outubro de 2016, outra consulta foi realizada. Á época, participaram 617,5 mil pessoas. E 95,75% disseram ser favoráveis à separação dos três estados do restante do Brasil.No site do Plebisul é possível pesquisar os locais de votação de cada cidade. Basta acessar o endereço www.sulista.org e clicar na opção “ONDE VOTAR”.

Prefeitos melhoram infraestrutura urbana com apoio do governo do Estado

Mais de 90 prefeitos estiveram nesta terça-feira (3), no Palácio Iguaçu, para receber autorizações do governo do Estado para investimentos nos municípios. O encontro com o governador Beto Richa para assinatura de convênios tem acontecido quase todas as semanas. Desta vez, foram liberados R$ 38 milhões para 98 municípios. Os prefeitos vão aplicar na aquisição de caminhões para coleta seletiva de lixo, recape asfáltico, equipamentos de infraestrutura, arenas multiuso, kits material esportivo além de equipamentos agrícolas e compra de veículos.


O chefe da Casa Civil Valdir Rossoni  cobrou novamente dos prefeitos agilidade na elaboração e acompanhamento dos projetos junto aos órgãos estaduais. “Não queremos deixar o dinheiro parado e temos pressa em realizar obras”, afirmou.

Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba, recebeu a liberação para implantar cinco mini arenas multiuso, no valor total de R$ 1,5 milhão, e empréstimo de R$ 2,5 milhões através do Sistema de Financiamento aos Municípios para obras de pavimentação e infraestrutura urbana. O prefeito Gerson Colodel disse que o apoio do governo é um reforço fundamental para que as obras aconteçam. “Hoje, com a crise econômica do Pais, os municípios têm dificuldades de atender as demandas do dia-a-dia, esses recursos que vêm do governo do Estado são fundamentais”, disse Colodel, que representou  os prefeitos na solenidade,

Santa Isabel do Oeste, no Sudoeste do Estado, está recebendo R$ 200 mil para recape asfáltico. Segundo o prefeito Moacir Fiamoncini, os recursos serão empregados na recuperação do bairro Santo Antônio. “Fará um diferença e tanto porque sem a ajuda do governo a prefeitura não teria como realizar a obra”, disse.

Outro município da região que foi beneficiado é Vitorino, com R$ 400 mil para recape. “Vamos conseguir fazer a recuperação do Centro da cidade, uma obra há muito tempo esperada pela população”, disse o prefeito Juarez Votri.

General Carneiro, na região Centro-Sul, assinou convênios no valor de R$ 825 mil para a aquisição de duas retroescavadeiras e um britador. “Recebemos a prefeitura no começo do ano com o parque de máquinas em péssimo estado. E os novos equipamentos vão nos ajudar a manter as estradas do interior do município e assim beneficiar os agricultores”, explicou o prefeito Luiz Otávio Saraiva.

Candidaturas avulsas comprometem segurança da eleição brasileira, diz TSE ao Supremo

Um dia antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) discutir a possibilidade de candidaturas avulsas, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) encaminhou nesta terça-feira, 3, à presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, um estudo em que alerta para os riscos do lançamento de candidatos sem vinculação partidária nas próximas eleições. As informações são de Breno Pires e Rafael Moraes Moura no Estadão.

Para o TSE, a possibilidade de candidaturas avulsas “compromete totalmente a segurança da eleição brasileira, especialmente a eleição proporcional”.  A ação que trata deste tema, de relatoria do ministro Luís Roberto Barroso, está pautada para julgamento nesta quarta-feira, 4.

“A regulamentação do nosso sistema eleitoral está baseada na obrigatoriedade de que as candidaturas estejam vinculadas a partidos”, diz a nota técnica do TSE, ressaltando que o horário eleitoral na TV e no rádio é calculado a partir do tamanho da bancada de cada partido na Câmara dos Deputados.

“A permissão de coligações partidárias nas eleições proporcionais também impõe que os cálculos sejam feitos tomando-se por base os partidos”, observa o TSE.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou nesta segunda-feira parecer ao STF no qual defende a possibilidade de que haja candidaturas avulsas nas campanhas eleitorais no Brasil. Em parecer, Raquel sustentou que, com base no Pacto de São José da Costa Rica e por ausência de proibição constitucional, é possível haver candidaturas avulsas no sistema eleitoral brasileiro.

O relator, Luís Roberto Barroso, não abriu para conhecimento público a proposta que apresentará em relação a esta ação, que é de autoria de um advogado que tentou se candidatar à prefeitura do Rio de Janeiro em 2016 mas teve o registro negado. No entanto, a expectativa no Supremo é que Barroso apresente uma tese que permite as candidaturas avulsas, como são chamadas as de pessoas não ligadas a partidos.

O presidente do TSE, Gilmar Mendes, criticou o que interpreta como de tentativas de reescrever a constituição, algo que ele costuma dizer que ministros da Corte estão fazendo. Embora não cite nomes, a referência, no caso, é ao relator da ação, Luís Roberto Barroso.

“Queremos reescrever a Constituição? Ótimo. Podemos fazê-lo? Em que sentido? Podemos fazê-lo aqui? Todas essas perguntas nós temos de fazer. Do contrário, viramos uns tipos assanhados, engraçados, vamos acabar nos Trapalhões”, disse Gilmar.

Dados. O TSE alega que os dados de um candidato nas urnas eletrônicas estão associados a um partido e que qualquer alteração demandaria o desenvolvimento de um novo software para as máquinas, “o que também comprometeria a segurança do processo de votação e da totalização dos votos, sem falar no retrabalho e no imenso aumento de custos”.

“Ressalte-se que mais de 80% dos softwares que serão utilizados nas eleições já estão prontos e sendo testados, visando apenas corrigir eventuais falhas”, alerta a nota técnica do TSE.

Pesquisas apontam perfil de Ratinho Junior como preferido dos eleitores 
As duas pesquisas de âmbito nacional divulgadas neste final de semana apontam para o perfil do deputado Ratinho Junior (PSD) como o preferido do eleitor na disputa ao Governo do Estado em outubro de 2018. O Paraná Pesquisas mostra que 59,4% preferem votar em um candidato novo e o Datafolha adianta que 87% avaliam como muito importante escolher um candidato que nunca tenha se envolvido em casos de corrupção e para 79%, a experiência do candidato é muito importante.
“Sou de uma geração de políticos novos que tem a experiência da iniciativa privada e na gestão dos serviços públicos. É uma geração que considera essencial a austeridade e o uso racional dos recursos públicos. E que também defende o rigor na punição de qualquer desvio no âmbito da administração pública. Acredito que o Paraná só poderá alcançar um novo patamar através de um modelo de gestão moderna e dinâmica”, disse Ratinho Junior em recente entrevista à imprensa.
O Paraná Pesquisas mostra ainda que 73% dos brasileiros garantem que não votariam em um candidato mencionado na Lava Jato. No Datafolha, 65% consideram muito importante que o candidato tenha passado político conhecido, 31% preferem um novato na política e para 59%, é muito importante que o candidato a presidente tenha experiência no meio empresarial.
 
Compliance – Ratinho Junior já apresentou projeto de lei que amplia as práticas de combate à corrução no Paraná. O compliance, no termo usado para definir essas práticas, estabelece regras claras e processos transparentes para evitar a corrupção no setor público.
Como fundamento ao projeto, Ratinho Junior citou as ações executadas pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedu) entre 2013 e 2107.
“Nós fizemos 3.2 mil operações financeiras na Sedu e nenhuma foi questionada pelo Ministério Público e nem pelo Tribunal de Contas do Estado. Isso demonstra a maneira transparente de que como foi conduzido o processo e que queremos levar esse experiência para todas as demais secretarias, inclusive para as prefeituras e para os demais órgãos do Estado”,  reforçou Ratinho Junior.
A referência de gestão pública vem da atuação de Ratinho Junior à frente da Sedu. Entre março de 2013 e agosto de 2017, seu período à frente da pasta, as 3,2 mil obras urbanas no Paraná somaram R$ 1,7 bilhão de investimentos a atenderam 392 cidades. “Estabelecemos
o uso racional dos recursos, evitando desperdícios, cobrando agilidade na execução das obras que trouxeram qualidade de vida para os paranaenses porque se traduzem em mais desenvolvimento e bem estar social às cidades atendidas”, disse Ratinho Junior.
Richa empossa novo conselho da juventude
O governador Beto Richa empossou nesta segunda-feira (2) os novos membros do Conselho Estadual da Juventude. O colegiado estava inativo desde 1988 e foi reativado em maio deste ano, é composto por 25 conselheiros titulares e cinco suplentes de todas as regiões, Os conselheiros foram escolhidos por eleição e representam o poder público, a sociedade civil de diversos segmentos: juventude urbana e rural, entidades esportivas, de representação da mulher, do jovem negro, partidos políticos.


A formação do conselho, afirmou Richa, retrata o diálogo do Estado com todos os setores da sociedade. “Todas as regiões e segmentos estão representados no Conselho da Juventude. Seus conselheiros foram eleitos de forma democrática e transparente”, disse. “Deste órgão sairão ideias e propostas que ajudarão a desenvolver melhores políticas públicas para os jovens paranaenses, para garantir-lhes uma vida e um futuro melhor”, afirmou.

Richa também destacou os projetos já desenvolvido pelo Estado, como o Território da Juventude (espaços de convivência e referência para a população jovem e suas famílias), Geração Atitude (de apoio à formação cidadã de estudantes paranaenses), e a Rede Jovem (busca a emancipação e proteção de jovens de 15 a 29 anos que se encontram em situação de alta vulnerabilidade social no Paraná).

A política do governo estadual para garantir o primeiro emprego também merece destaque, segundo Richa. Todas as empresas instaladas no Estado com o apoio do programa Paraná Competitivo devem empregar jovens aprendizes. “O Paraná foi um dos estados brasileiros que mais contratou jovens neste ano”, disse Richa.

PLANO ESTADUAL 
– Vinculado à Casa Civil, por meio da Assessoria Especial de Juventude, o conselho é um órgão colegiado de caráter consultivo. De acordo com o assessor especial de Juventude, Edson Lau Filho, o principal objetivo do órgão é reestruturar o Plano Estadual da Juventude. O plano é da década de 1990 e está defasado em relação às demandas de hoje.

“O Conselho será um espaço de diálogo, de promoção de direitos e também de fiscalização. O conselho tem o dever de ajudar o governo a fazer políticas públicas”, explicou Edson Lau. “Cada deliberação poderá orientar várias ações do governo, além do desenvolvimento de campanhas e outras pautas relacionadas à juventude”, disse.

O órgão também dará suporte à criação de conselhos municipais e articulará, junto ao Governo do Estado, para oficializar por lei o Conselho da Juventude, que hoje é oficializado por decreto. “Foram mais de 20 anos sem o conselho, uma demanda muito grande das entidades que representam a juventude, e que só foi possível com o decreto do governador Beto Richa”, destacou Lau.

Lava Jato está no fim, diz Moro


O juiz federal Sérgio Moro disse nesta segunda-feira, 2, que a Operação Lava Jato em Curitiba – base e origem da grande investigação – ‘está indo para o final’. “Em Curitiba a investigação sempre foi sobre os contratos da Petrobrás que geraram valores e as pessoas que pagavam (propinas). Grande parte já foi processada. As que recebiam e não tinham foro privilegiado, igualmente. Daí a minha afirmação de que acredito que está indo para o final em Curitiba.” As informações são de Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fausto Macedo no Estadão.
Moro é o magistrado símbolo da Operação Lava Jato. Há mais de três anos e meio, o juiz da 13.ª Vara Federal, de Curitiba, autoriza os avanços da maior investigação contra a corrupção já aberta no País.Nesta segunda, 2, ele foi homenageado em São Paulo pela Universidade Notre Damecom a mesma láurea já concedida à madre Teresa de Calcutá. A universidade definiu Sérgio Moro como alguém ‘comprometido em nada mais que a preservação da integridade de sua nação através de sua aplicação firme e imparcial da lei’.“Ao abordar os problemas perniciosos da corrupção pública de forma judiciosa, porém diligente, o Dr. Moro fez uma acentuada diferença para todos os brasileiros, e para a humanidade em geral, no que se refere a nossa sede universal de Justiça. A Universidade também reconhece e elogia o serviço público do Dr. Moro como o “juiz dos velhinhos”, cujas decisões refletiram empatia e compreensão aos idosos”, afirma a Notre Dame.Além de madre Teresa de Calcutá, já foram premiados os humanitários Jimmy e Rosalyn Carter, dos Estados Unidos, o historiados e ativista Andrea Riccardi, da Itália, e o membro parlamentar Helen Suzman, da África do Sul.“Os homenageados previamente com o Prêmio Notre Dame, cada um à sua maneira, atuaram como pilares de consciência e integridade, suas ações beneficiando seus compatriotas e, através de seus exemplos, o mundo inteiro, quando se comprometeram com a fé, a justiça, a paz, a verdade e a solidariedade com os mais vulneráveis”, informa a Universidade.
 
Francischini quer punir artista pedófilo
O deputado Delegado Francischini (DS-PR) apresentou projeto de lei que  tornar crime de pedofila a atuação de supostos artistas que com órgãos genitais expostos ou com obras pornográficas, expõe ou contracenam com crianças ou adolescentes!
Cida Borghetti ressalta apoio  a Foz do Iguaçu

A vice-governadora do Paraná, Cida Borghetti, reafirmou, neste sábado (30), o apoio do Governo do Estado a Foz do Iguaçu. Durante a inauguração da nova UPA 24 horas da cidade, Cida reforçou o compromisso de trabalhar em parceria com a prefeitura e a união para ampliar os investimentos em Foz. A cerimônia com a presença do prefeito Chico Brasileiro e do ministro da Saúde, Ricardo Barros.
“Recentemente liberamos mais R$ 20 milhões para o Hospital Municipal de Foz. Ao todo o Governo do Estado aplica mais de R$ 60 milhões na unidade. Também já realizamos seis mil cirurgias de catarata pelo mutirão. Investimentos que são resultados dessa eficiente parceria entre Município, Estado e União e que, tenho certeza, não vão parar por aí”, disse.Cida destacou ainda que articula novos investimentos na cidade, a exemplo da ampliação do aeroporto com a consolidação de um voo internacional direto para Foz do Iguaçu e atração de eventos turísticos inéditos no Brasil.“Foz do Iguaçu será sede em setembro do ano que  vem da Termatalia, maior feira mundial de águas termais. Mais uma conquista da cidade construída com a união da prefeitura, Itaipu, Governo do Estado, Governo Federal e diversos órgãos. Uma excelente oportunidade que vai gerar investimentos, empregos e renda”, salientou Cida Borghetti.UPA 24h – Batizada de Dr. Walter Cavalcanti Barbosa, a UPA foi reformada e ampliada pela prefeitura com investimentos de R$ 2 milhões. A unidade, que antes funcionava como pronto atendimento, conta agora com 21 leitos, equipamento de raio-x, farmácia e central de epidemiologia funcionando 24 horas.

Cesar Silvestre e Marcelo Rangel confirmam pré-candidaturas ao Governo do Estado em 2018
Em dois encontros nesta sexta-feira, 29, e sábado, 30, o PPS lançou as pré-candidaturas de Cesar Silvestre Filho (prefeito de Guarapuava) e Marcelo Rangel (prefeito de Ponta Grossa) à disputa do governo do Estado em 2018. No primeiro, em Guarapuava, Cesar Filho foi saudado como o pré-candidato e o mesmo aconteceu no encontro de Ponta Grossa, com Marcelo Rangel.
“Estamos quase completando o nosso roteiro e visitando todas as regiões do Paraná. Este projeto busca chamar as lideranças para o debate, que se torna ainda mais necessário devido o momento delicado que vive o nosso país. O PPS sempre busca apresentar boas opções para a comunidade e desta forma tentar mudar este cenário político. O nosso projeto para 2018 com as pré-candidaturas de Marcelo Rangel e Cesar Silvestri Filho para o Governo do Paraná e o nosso apoio para que o senador Cristovam Buarque dispute a eleição presidencial são partes deste processo”, afirmou o deputado Rubens Bueno, presidente estadual do PPS, ao Blog do Johnny.

Rangel defende a presença do PPS na disputa majoritária, destacando que o partido foi o único a reeleger prefeitos de cidades importantes do Estado como Ponta Grossa e Guarapuava, além de ter vencido a eleição em diversas outras cidades, como Campo Mourão, por exemplo. Para ele, esse fortalecimento credencia o partido a disputar a eleição majoritária no Estado no ano que vem. “Quero levar o sucesso de projetos de Ponta Grossa, como a educação integral e a industrialização, para todo o Estado do Paraná”, afirma o prefeito de Ponta Grossa, planejando a construção de um Plano de Governo caso o seu nome seja confirmado na disputa.
“O Paraná e o Brasil estão buscando alternativas para a política. Mas alternativas que comprovem capacidade de realização e transformação. E nós, do PPS, não vamos nos omitir e deixar de nos apresentar como opção concreta para mudança. Fiz aqui em Guarapuava um modelo de gestão transformador e inovador. Comprometido com metas e resultados, que foi capaz de regatar a confiança das pessoas. Quero levar essa experiência adiante e por isso aceito o desafio de colocar meu nome na disputa ao governo do Paraná”, disse Cesar Filho.

Evandro Roman defende novas ações de apoio às cooperativas do Paraná


O deputado Evandro Roman (PSD-PR) 
defendeu nesta semana novas ações de apoio ao cooperativismo no Paraná e no Brasil. “Precisamos discutir medidas estruturantes que reconheçam o cooperativismo como modelo de geração de emprego e renda, de inclusão produtiva e financeira e de acesso a mercados para milhões de brasileiros”, disse Roman no encontro da Organização das Cooperativas Brasileiras e da Frente Parlamentar do Cooperativismo realizado na Câmara dos Deputados.
Roman destacou ainda a importância das ações parlamentares para o setor cooperativista, considerado de grande representatividade no Paraná. “Só no oeste paranaense, por exemplo, temos 14 cooperativas agropecuárias, sendo que 10 delas figuram entre as maiores do país e juntas representam quase metade do PIB do cooperativismo paranaense gerando milhares dos postos de trabalho regionais”, disse.
 
Para isto, o parlamentar espera agilidade na votação no plenário do projeto de lei que permite que as cooperativas de crédito possam administrar recursos de prefeituras e de outros entes públicos municipais. A matéria restringe esta gestão às disponibilidades de caixa dos municípios, ou seja, os recursos não carimbados de prefeituras, como a folha de pagamentos de servidores públicos e recursos arrecadados de IPTU, IPVA e ISS, dentre outros.
Segundo Evandro Roman, o projeto incentiva a livre concorrência e promove, por meio das cooperativas de crédito, a utilização dos recursos arrecadados pelos municípios na própria comunidade. “Dessa forma, evitamos a evasão de divisas de pequenos e médios municípios para grandes centros urbanos e todos ganham: prefeituras, cooperativas e a comunidade”, defendeu o deputado.
Também foram apresentados outros pontos de atenção ao cooperativismo como a reforma tributária e projetos que preveem a desoneração da folha de pagamentos, descontos para cooperativas de eletrificação rural na compra de energia elétrica, ratamento diferenciado para pequenas cooperativas nas exigências de segurança bancária e o marco regulatório do transporte de cargas.

No Paraná – Hoje, no Paraná, são 220 cooperativas, distribuídas em dez diferentes ramos. Dessas, 48 – de todos os segmentos – estão localizadas no Oeste do Paraná.

O cooperativismo paranaense alcançou R$ 60.4 bilhões de faturamento em 2015, e gerou 2.6 milhões de empregos. Em 2016 as 200 cooperativas paranaenses alcançaram faturamento superior a R$ 70 bilhões, valor que representa um aumento de 16,24% em relação a 2015. 

O cooperativismo paranaense congrega 1,4 milhão de cooperados, 84 mil empregados e gera 2,6 milhões de postos de trabalho, estando presente em 100 dos 399 municípios.
Orçamento do Paraná de 2018 chega a Assembleia

Foi entregue a Assembleia Legislativa, nesta sexta-feira, 29, o Projeto de Lei Orçamentária de 2018 do Paraná. O documento foi entregue, pelo representante da Casa Civil, Wellington Dalmaz ao diretor Legislativo da Assembleia, Dylliardi Alessi. O documento será lido em Plenário na próxima semana, sendo depois encaminhado para a Comissão de Orçamento.
O total de receita corrente líquida para a fixação de despesa é de R$ 59.753.281.572,00. O Orçamento Fiscal de R$ 47.093.358.840,00 e o Orçamento do Regime Próprio de Previdência do Estado de R$ 9.574.820.000,00. O Orçamento de Investimentos é de R$ 3.085.102.732,00. Para o Ensino o documento estabelece uma vinculação de 30% – R$ 8.502.746.640,00. Para a Saúde é destinado 12% – R$ 3.401.098.717,00 e para a Segurança Pública R$ 3.795.343.062,00.
Paraná terá maior crescimento entre as principais economias do País

A economia paranaense deve crescer 1,7% em 2017, bem acima do Brasil, que deve ter um avanço bem mais tímido, de 0,5%. O Paraná também deve registrar o maior percentual de crescimento entre as maiores economias do País. Os dados são de um estudo do banco Santander, que projeta o desempenho econômico das 27 unidades da federação em 2017.
São Paulo, maior economia do País, deve seguir a média brasileira, com alta de 0,5% no Produto Interno Bruto (PIB). Minas Gerais deve ter aumento de 0,8%, Rio Grande do Sul de 1,5% e Rio de Janeiro deve ter queda de 1,4%.De acordo com o estudo, os maiores crescimentos econômicos devem vir de Estados com economias menores e fortemente influenciados pelo agronegócio, como Mato Grosso (5,1%), Maranhão (3,1%), Mato Grosso do Sul (2,4%) e Goiás (2,2%).Em valores absolutos, a soma de riquezas dos quatro estados chega a R$ 421 bilhões, de acordo com a última edição do caderno Contas Regionais, divulgado no final do ano passado pelo IBGE em parceria com institutos estaduais de estatística. O Paraná sozinho soma R$ 348 bilhões.Quinta maior economia do País, o Paraná vem, desde o ano passado se saindo melhor que a média brasileira e dos Estados que ocupam o topo do ranking econômico do País. Em 2016, a economia paranaense teve queda de 2,4%, uma retração menor do que a média nacional, que foi de 3,3%.FIM DA RECESSÃO – No primeiro semestre de 2017, a economia do Paraná confirmou a tendência de retomada e apurou crescimento de 1,6% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).O PIB do Brasil teve variação nula no primeiro semestre, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Richa assina aumento de abono aos policiais militares

O governador Beto Richa sancionou a lei que institui o pagamento de diária por atividade extrajornada e aumenta o abono aos policias militares. Nos dois casos, a adesão será voluntária. Richa destacou que as medidas permitem que policiais sigam em atividade por mais tempo. “É uma forma de valorizar o efetivo e manter na ativa profissionais que já dão grande contribuição à segurança do nosso Estado”, disse.

O chefe da Casa Civil Valdir Rossoni destacou que a elaboração das propostas foi feita em conjunto com as entidades que representam os policiais. “Hoje os policiais se aposentam com apenas 25 anos de trabalho, quando muitos estão no auge. Queremos criar a possibilidade para que eles continuem um pouco mais no efetivo e tenham uma renda melhor”, explicou.

 
Lei do Serraglio e o toma lá da cá com Temer

O deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) ressurgiu do ostracismo e está a postos para a votação, na Câmara Federal, sobre a segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer. Ao mesmo tempo, aguarda que Temer sancione a lei que devolve aos antigos donos os cartórios conquistados de pai pra filho, sem concurso, entre 1988 e 1994, intervalo entre a promulgação da Constituição Federal e o início da vigência da Lei dos Cartórios.  

 
É o famoso troca-troca que era autorizado pelos Tribunais de Justiça de cada Estado. A Lei Serraglio vai mexer na titularidade obtida por concurso público de mais de 4.000 cartórios.  Segundo a OAB, a lei é inconstitucional e protege o sistema antigo e ilegal. Se for sancionada, a entidade promete entrar com Adin.
 Corregedoria absolve vereador Thiago Ferro


A Corregedoria da Câmara de Curitiba absolveu o vereador Thiago Ferro (PSDB) que respondia a uma denúncia de apropriação indevida de salários do seu gabinete. O relatório do corregedor, vereador Wolmir Aguiar (PSC) concluiu que não havia provas contra o colega. As informações são da Gazeta do Povo.
A denúncia contra Thiago Ferro, diz o jornalista Rogério Galindo, “de fato não trazia nenhum elemento que parecesse dar base à acusação”. “O caso agora será levado para a Mesa Diretora da Câmara de Curitiba. A tendência é de que o relatório seja aprovado e o caso contra Thiago Ferro seja arquivado”, destaca a nota.

Mutirão em Foz já fez mais de 6.300 cirurgias oftalmológicas

Mais de 6,3 mil cirurgias oftalmológicas já foram realizadas em Foz do Iguaçu através do mutirão paranaense de cirurgias eletivas. O destaque para as cirurgias de catarata com quase seis mil procedimentos. O secretário de Saúde, Michele Caputo Neto, acompanhou nesta terça-feira, 26, mais uma etapa do mutirão na cidade e disse que o aumento significativo na oferta de cirurgias se deve ao aporte extra de recursos. “O Governo do Paraná é um dos poucos do País que aloca recursos próprios em cirurgias eletivas. Isso demonstra a preocupação com a qualidade de vida das pessoas, que muitas vezes ficam anos na fila de espera do SUS”, disse Caputo Neto.

O próximo passo agora é avançar em outras áreas. “A partir do mês que vem, o Poliambulatório de Foz deve iniciar as cirurgias para o tratamento do glaucoma. Com isso, estamos contribuindo para que mais paranaenses voltem a enxergar após um tratamento adequado”, destacou Caputo Neto.

Em todo o Paraná, já são mais de 35 mil cirurgias oftalmológicas pelo Mutirão do Governo do Estado. A maior parte dos pacientes é formada por idosos, mas também há casos de crianças, jovens e adultos.

Paraná reduz despesas e aumenta investimentos

Os números do fechamento do segundo quadrimestre de 2017 mostram que as despesas totais do Governo do Paraná tiveram queda real (descontada a inflação) de 2,19% de janeiro a agosto, na comparação com igual período do ano passado. Já os investimentos do poder executivo tiveram crescimento real de 9,84%.


Os dados foram apresentados pelo secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, em audiência realizada na Assembleia Legislativa do Paraná, nesta quarta-feira (27). “Os números mostram que as ações de controle das despesas estão dando resultados, o que permitiu o aumento nos investimentos, sem atrasar pagamentos a fornecedores de bens e serviços e, ainda, destinando R$ 1,4 bilhão para promoções e progressões de servidores”, ressaltou Costa.

As despesas totais do governo somaram R$ 27,9 bilhões até agosto. Os investimentos do poder executivo chegaram a R$ 1,2 bilhão e, somados os realizados por estatais, o valor alcançou R$ 2,9 bilhões no acumulado do ano.

Na área de segurança, por exemplo, foram investidos R$ 151 milhões, com crescimento de 122% sobre o mesmo período do exercício anterior. O investimento em educação foi 31% maior, saúde registrou crescimento de 17% e o segmento de transporte teve incremento de 6,7%, para R$ 589 milhões. Nas estatais, só a Copel investiu R$ 1,15 bilhão e a Sanepar, R$ 434 milhões.

O ritmo de realização de obras deve continuar crescendo no Estado, segundo o secretário. Até setembro, do orçamento inicial de R$ 3,9 bilhões previsto para investimentos pelo poder executivo, foram liberados para gastos R$ 2,5 bilhões e estão empenhados R$ 1,3 bilhão. “Até o fim do exercício há a expectativa de que sejam liberados e empenhados os R$ 3,9 bilhões”, diz Costa.

RECEITAS – As receitas totais registraram crescimento real de 3,26% e somaram R$ 30,1 bilhões nos oito meses. Elas foram puxadas pelo aumento de 0,82% nas receitas tributárias, que respondem por quase 70% do total. A arrecadação do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cresceu 0,97%.

Outros destaques apresentados aos deputados foram o crescimento real de 0,39% nas despesas com pessoal e encargos, que somaram R$ 14,6 bilhões até agosto. “Ainda preocupa o Estado os gastos com pessoal e encargos, por causa do crescimento vegetativo da folha, em virtude dos planos de cargos e salários, bem como as despesas com inativos e pensionistas”, comentou o secretário.

MUNICÍPIOS – Até agosto houve aumento nominal de 3,29% nas transferências de ICMS aos municípios paranaenses, que receberam R$ 4,46 bilhões, e o acréscimo de 2,92% nas transferências de IPVA, que somaram R$ 1,5 bilhão nos oito meses. “Além disso, em janeiro, o Governo do Paraná fez repasse extra de R$ 431 milhões em ICMS, o que impactou positivamente as contas municipais”, acrescentou Mário Ricardo Costa. Somados os valores de IPVA, ICMS e a cota extra, os 399 municípios receberam R$ 630 milhões a mais no período.

UNIÃO – O secretário mostrou que, em 2017, o Paraná contribuiu com 4,44% da arrecadação nacional e recebeu como transferência da União apenas 1,6% dessa arrecadação. De janeiro de 2013 a agosto de 2017, de cada R$ 100 de tributos federais arrecadados no Paraná, a União retornou para o Estado R$ 37,47, ficando com R$ 62,53.

EDUCAÇÃO E SAÚDE – De janeiro a agosto, o Paraná aplicou 34,49% da Receita Líquida de Impostos (RLI) em educação, ou R$ 6,63 bilhões – R$ 281 milhões a mais que em igual período de 2016. Em saúde foram aplicados 12,13% da RLI, ou R$ 2,33 bilhões. Nos dois casos, o Estado ficou acima das porcentagens mínimas estabelecidas para as duas áreas – 30% e 12%, respectivamente – sem considerar a receita extraordinária de janeiro.

Paraná e Mato Grosso do Sul querem ligação ferroviária

A construção de um novo traçado ferroviário que ligue o Paraná e Mato Grosso Sul foi tema de reunião nesta terça-feira (27), no Palácio Iguaçu, em Curitiba. O governador Beto Richa recebeu a comitiva do estado vizinho, liderada pela prefeita de Dourados, Délia Godoy Razuk, para discutir o projeto do ramal, que ampliaria o escoamento da produção agrícola do Centro-Oeste pelo Porto de Paranaguá.


A prefeita salientou a importância do projeto porque os produtores rurais de Dourados e de outras cidades do Mato Grosso do Sul já exportam boa parte da safra pelo porto paranaense, mas a única via de escoamento é a malha rodoviária. Também participaram do encontro o presidente da Ferroeste, João Vicente Bresolin Araújo, e o secretário adjunto da Infraestrutura do Mato Grosso do Sul, Helianey Paulo da Silva.

O projeto de uma nova estrada de ferro já vem sendo avaliado pelo Governo do Estado. Ele prevê mil quilômetros de trilhos, saindo de Paranaguá e passando pelas cidades de Guaíra, Cascavel e Guarapuava, no Paraná, Dourados e também Maracaju (MS). “Nunca estivemos tão próximos de efetivar este projeto quanto agora”, afirmou o governador Beto Richa. Ele disse que já se busca parcerias com investidores internacionais na área de infraestrutura para o empreendimento.

CONSULTAS PÚBLICAS – João Vicente Bresolin Araújo, da Ferroeste, explicou que a partir de outubro o Estado iniciará uma série de consultas públicas e deverá abrir um Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) para tentar atrair investidores. Além disso, já estão em andamento estudos de viabilidade técnica e ambiental. “Estamos determinando as diretrizes do projeto”, disse o presidente.

Dourados receberá uma das audiências públicas na segunda quinzena de outubro. “O governador Beto Richa mostrou que não visa só o desenvolvimento do Paraná, mas de todo o Brasil, pela sua disposição em ajudar o Mato Grosso do Sul neste momento”, afirmou a prefeita Délia Godoy Razuk. “Consideramos um dos grandes projetos do Mato Grosso do Sul a construção desta ferrovia e estamos muito satisfeitos com a conversa”, garantiu o secretário adjunto da Infraestrutura.

A prefeita disse que seu estado iniciou a discussão da criação de uma rota bi-oceânica e que, com isso, o escoamento da produção de Dourados e dos 23 municípios da região seria feito pelo porto de Guayaquil, no Equador. “Entendemos que o Porto de Paranaguá é mais interessante para nossa região, e a estrada de ferro se tornou uma necessidade, pois como o escoamento é feito por rodovias o custo aumentou”, disse.

PRESENÇAS – Também participaram da reunião os deputados estaduais Luiz Cláudio Romanelli e Alexandre Cury, a diretora da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística, Andréa Abrão, e os empresários do Mato Grosso do Sul, Roberto Razuk e Sílvio Name.

 
 TRF aumenta pena e Dirceu é condenado a 30 anos de cadeia

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região acaba de decidir pelo aumento em 10 anos da pena de José Dirceu. Com a revisão da condenação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, a pena passará de 20 anos e 10 meses para 30 anos, 9 meses e 10 dias. As informações são de Ernesto Neves na Veja.
Já o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores João Vaccari Neto, que havia sido condenado a 9 anos de cadeia por corrupção passiva, foi absolvido por insuficiência de prova.Condenado também por corrupção, o ex-diretor da Petrobras Renato Duque teve a pena foi aumentada de 10 anos para 21 anos e 4 meses.O ex-diretor da Engevix, Gerson de Mello Almada, por sua vez, viu sua pena passar de 15 anos para 29 anos.A ação criminal diz respeito ao cartel formado pela empreiteira Engevix. A empresa participou de esquema de alteração de preços, fraudando licitações da Petrobras a partir de 2005.O julgamento da apelação teve início no dia 13 de setembro, e acabou interrompida após pedido de vista do desembargador federal Victor Luiz dos Santos Laus.Essa é a 18 ª apelação criminal da Lava-Jato julgada pelo tribunal.
No interior, aprovação de Richa chega até 44,5%
A aprovação do governo Beto Richa (PSDB) é bem maior no interior, conforme o levantamento do Instituto Paraná Pesquisas. A maior aprovação de Richa está no Norte Pioneiro (44,5%) seguido do Centro Oriental (44,1%), Sudeste (43,5%), Sudoeste (43,1%), Oeste (42,5%), Centro Ocidental (42,1%), Norte Central (41,3%), Centrro Sul (408%) e Noroeste (40,8%). 
 
Os números da região mostra o crescimento paulatino de Richa desde 2015. No geral, o tucano cresceu de 24,5% (em setembro  de 2015) para 37,8%. O Paraná Pesquisas entrevistou 2.515 eleitores de 91 cidades entre os dias 7 e 11 de setembro. A margem de erro é de 2% e o grau de confiança, de 95%.
Pauliki luta na Justiça para ser reconhecido pelo apelido “Beijoca”

O deputado estadual Márcio Pauliki (PDT) entrou na Justiça contra o blogueiro Johnny Willian Soares, do Blog do Johnny, de Ponta Grossa, pelo compartilhamento de um vídeo na sua página no Facebook, o qual de acordo com o parlamentar faz referências à ele. O vídeo é uma paródia à música Tic Tic Nervoso, de Kid Vinil, e no início e no final o cantor fala as frases: “Vai que é tua Beijoca” e “Chupa Beijoca”. 


Segundo Pauliki, “Beijoca” era seu apelido e o trecho parodiado “deputado chilique” no refrão, rima com o seu nome, além de outras expressões da paródia como “playboyzão”, “XR3” e “filhinho de papai”, as quais lhe identificariam, segundo ele, porque “sua família gozava de boa situação financeira, fundadora do Grupo Mercado Móveis”, e por ter possuído um veículo Escort XR3.

Johnny rebate e diz que compartilhou o vídeo por ser uma sátira à atual situação da política e dos políticos no país, afirmando que não sabe quem fez a paródia. “Eu sinto vergonha alheia do deputado. Movimentar o Judiciário porque vestiu a carapuça de um vídeo de humor sátiro é falta de ter o que fazer”, declarou o blogueiro.

A audiência preliminar está marcada para a próxima terça-feira, 05, no 1º Juizado Especial de Ponta Grossa.

Sem quórum, Câmara adia novamente leitura da segunda denúncia contra Temer
Pela segunda vez, Câmara dos Deputados adiou, nesta segunda-feira (25), a leitura da nova denúncia contra o presidente Michel Temer, apresentada pela Procuradoria Geral da República. Não houve presença suficiente de parlamentares para a abertura da sessão de plenário. A leitura é uma formalidade para o processo ter andamento na Casa.
 
A sessão de plenário havia sido agendada para iniciar às 14h. Era necessário que, dos 513 deputados, pelo menos 51 deputados estivessem presentes para que ela fosse aberta. No entanto, 30 minutos depois, com apenas 23 parlamentares na Casa, dos quais nove presentes no plenário, a reunião foi cancelada. Uma nova sessão foi marcada para a manhã de terça-feira (26).
 
A denúncia contra Temer foi entregue pelo Supremo Tribunal Federal (STF) à Câmara na quinta-feira (21). Na sexta-feira (22), a leitura já havia sido adiada, depois que a sessão do plenário foi cancelada, também por falta de quórum.
 
Um dos deputados presentes nesta segunda, Chico Alencar (Psol-RJ) afirmou que acreditava que o quórum seria alcançado e trouxe a denúncia impressa para acompanhar a leitura. Segundo ele, a demora do governo em concluir essa etapa já é vista como uma estratégia para angariar apoio.
 
“A indagação que fica é: tendo pressa em enterrar logo essa denúncia, por que governistas não se mobilizam para dar o quórum aqui? Parece que isso tudo, na verdade, faz parte do jogo. É uma sinalização que eles vão vender carinho esse apoio ao governo, como toda e qualquer matéria”, criticou”, criticou.
Denúncia
 
Temer foi denunciado ao STF pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. Mas a Corte só poderá analisar a acusação se a Câmara autorizar.
 
A votação pode acontecer em outubro, segundo estimou o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
Nesta quinta, o Supremo rejeitou, por 10 votos a 1, pedido da defesa de Temer para suspender o envio da denúncia à Câmara.
Os advogados do presidente queriam que a Corte aguardasse a conclusão das investigações sobre se executivos da J&F omitiram informações nas delações premiadas. As provas apresentadas por eles compõem parte da denúncia contra Temer.
Análise na Câmara
 
Assim como na primeira denúncia oferecida contra Temer, por corrupção passiva, caberá à Câmara dos Deputados decidir se autoriza ou não a continuidade do processo ao Supremo.
 
Se a denúncia seguir para o STF e os ministros decidirem aceitá-la, Temer se tornará réu e será afastado do mandato por até 180 dias.
 
Mas, para a acusação da PGR contra o presidente seguir para a Corte, são necessários os votos de, no mínimo, 2/3 dos deputados, ou seja, 342 dos 513.
 
Se a Câmara não der aval ao prosseguimento do processo, a denúncia ficará parada até o fim do mandato de Temer, em 31 de dezembro de 2018.
Advogado de Joesley faz festa luxuosa na Europa: “Não havia clima no Brasil”
Já era meia-noite e meia quando os versos de “Falador Passa Mal”, na versão cantada por Jorge Ben Jor escolhida pelo DJ, ecoaram pelos salões do Palácio Xabregas, em Lisboa, espaço suntuoso alugado pelo criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, para celebrar seus 60 anos em terras portuguesas, na noite de sexta-feira (22). As informações são da Gazeta do Povo.
 
“Que malandro é você?/ Que não sabe o que diz/ Cuidado que muita mentira, você pode perder o nariz!” “É o melô do delator”, definiu um jovem advogado, enquanto repetia o refrão: “Falador passa mal, rapaz”, uma ode que cabe bem na boca de críticos da delação premiada.
 
O benefício, previsto na legislação brasileira desde 2013 e combustível para a cruzada anticorrupção no país, passa por uma prova de fogo após ter sido concedido a Joesley e Wesley Batista, donos da JBS e clientes do aniversariante.
 
Os irmãos delatores que haviam saído ilesos após a espetacular “delação do fim do mundo”, com direito até a grampear o presidente Michel Temer, agora “passam mal” desde a prisão ordenada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
 
Na tentativa de desfazer a reviravolta entrou em cena Kakay, um dos personagens mais famosos da crônica jurídico-policial-política do país ao longo das últimas décadas. Um dia antes de comemorar a chegada dos 60 em Lisboa, o advogado subiu à tribuna do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para sustentação oral do pedido de liberdade dos Batista.
 
A audiência às vésperas da festança custou ao defensor um bate e volta Lisboa-Brasília-Lisboa em jatinho particular. Ossos de um ofício mais do que bem remunerado. A viagem de última hora interrompeu por 24 horas a intensa programação dos festejos ao longo da semana passada na terrinha.
 
Um dos pontos altos foi o show privé de Carminho, a mais famosa cantora de fado da nova geração, cujo cachê não sai por menos de 20 mil euros (R$ 75 mil). A apresentação foi seguida de jantar que teve como prato principal bacalhau meia cura braseado, cebola caramelizada com balsâmico, purê de batata e ervilha torta salteada.
 
A cantora portuguesa brindou os convidados com fados tradicionais e também com “Sabiá”, de Tom Jobim. Mas o hit da noite foi mesmo “Falador Passa Mal, a canção do Originais do Samba. “É nossa homenagem ao Janot e ao Moro”, divertiu-se duplamente o dono da festa, ao lado da mulher, Valéria Vieira, 56, no salão convertido em pista de dança depois da meia-noite.
 
Nem sequer convidados, o juiz Sergio Moro, protagonista-mor da Operação Lava Jato, e o ex-procurador-geral Rodrigo Janot, titular do posto de acusador-mor da República até 17 de setembro, eram onipresentes nas rodinhas de conversas em torno de criminalistas, grupo mais numeroso entre os 220 convidados.
 
“Só fiz a festa em Portugal porque não pude fazer em casa. O Brasil virou um país punitivo, esquisito”, diz Kakay. “Quando fiz 50 anos, convidei todos os amigos, gente do Executivo, do Legislativo, do Judiciário. Tinha vários senadores, governadores, ministros de tribunais superiores, ex-presidente. Hoje não dá para fazer isso.”
 
Do universo político, a ex-governadora Roseana Sarney foi estrela solitária no Palácio Xabregas, ao lado do marido, Jorge Murad. Kakay foi advogado de Roseana no episódio da apreensão de R$ 1 milhão no escritório da pré-candidata à Presidência da República em 2002. Outro nome conhecido que viajou a Lisboa para prestigiar Kakay foi o consultor de imagem Mario Rosa, autor de “Entre a Glória e a Vergonha”, livro em que narra a experiência como investigado na Operação Acrônimo.
 
 
“Com a espetacularização das denúncias, os criminalistas viraram celebridades. E o Kakay é o mais célebre deles”, define Rosa. Além de políticos e empresários encrencados em escândalos nacionais, o aniversariante advogou para o cantor Roberto Carlos e a atriz Carolina Dieckmann.
Câmara concluirá reforma política e discutirá denúncia contra Temer esta semana
O recebimento da denúncia contra o presidente Michel Temer pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça e a conclusão dos debates da reforma política dominarão a pauta da Câmara dos Deputados nesta semana. As sessões do plenário estão marcadas para começar a partir das 11h30 de terça-feira (26).
 
Até o momento, não há definição se a Câmara dividirá a denúncia e fará análises separadas. Isso porque a acusação do Ministério Público Federal também envolve os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco.
 
“O entendimento, a Secretaria-Geral da Mesa trará com solidez. A primeira impressão é de que é sim possível haver essa análise conjunta, e a solução que for dada pela Câmara dos Deputados terá acompanhada a questão dos ministros. A autorização da Câmara, é focada, no meu entender, na responsabilidade do presidente. Os ministros já podem ser investigados pelo Supremo Tribunal Federal”, disse o líder do DEM, deputado Efraim Filho.
 
Para começar a tramitação na Câmara, a denúncia entregue na noite da quinta-feira (21) precisa ser lida no plenário em sessão com quórum de pelo menos 51 deputados. Segundo o regimento interno, lida a denúncia, cabe ao primeiro-secretário da Câmara, deputado Giacobo (PR-PR) comunicar ao presidente Temer sobre o recebimento da denúncia. Paralelamente, a peça segue para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).
 
A expectativa do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) é de que a votação no plenário aconteça no início de outubro. A expectativa do parlamentar é decidir sobre a denúncia “o mais rápido possível, mas respeitado o regimento”.
 
Prazo
 
O presidente Michel Temer tem até dez sessões para apresentar a defesa na CCJ. Enquanto apresenta a defesa, o presidente da CCJ, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), deverá definir o relator da proposição. Após apresentação da defesa, a CCJ tem até cinco sessões para elaborar e votar o parecer, que poderá ser pela aceitação ou pelo arquivamento da denúncia. Independentemente da decisão da Comissão, a decisão final sobre a abertura de investigação contra o presidente da República cabe ao plenário da Câmara.
 
Para que seja autorizada a abertura da investigação, são necessários os votos favoráveis de pelo menos 342 deputados. Se esse placar não for atingido, a denúncia será arquivada até o final do mandato do presidente Temer. A necessidade de autorização prévia para processar o presidente da República está prevista no artigo 86 da Constituição.
 
Essa é a segunda vez que o presidente Temer é denunciado. Em agosto, o plenário da Câmara rejeitou a denúncia por corrupção passiva. Nessa situação, o processo é suspenso e só pode ser retomado depois que Temer deixar a Presidência da República.
 
Reforma Política
 
Além da denúncia contra Michel Temer, a Câmara pretende concluir as análises sobre reforma eleitoral. Após uma sessão tumultuada, deputados não conseguiram concluir a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 282/16, que prevê a proibição das coligações em eleições proporcionais (de deputados e vereadores) a partir de 2020, além de estabelecer critérios para acesso ao Fundo Partidário e ao tempo para propaganda em rádio e TV. A matéria está pautada para análise do plenário na quarta-feira (27).
 
A PEC 282/16 já foi aprovada em dois turnos na Casa, mas ainda depende da apreciação de três destaques para que a tramitação da proposta seja concluída na Câmara. Em seguida, a matéria segue para apreciação do Senado, onde também precisará ser discutida em dois turnos. Para que as alterações sejam válidas nas eleições de 2018, a PEC precisa ser aprovada até 7 de outubro.
 
A PEC estabelece adoção de uma cláusula de desempenho para que os partidos só tenham acesso aos recursos do Fundo Partidário e ao tempo de propaganda na rádio e na TV se atingirem um patamar mínimo de candidatos eleitos em todo o país. Os pontos já foram aprovados nos dois turnos de votação e não poderão ser novamente discutidos na próxima sessão sobre o tema.
 
A cláusula de desempenho prevê que, a partir de 2030, somente os partidos que obtiverem no mínimo 3% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos um terço dos estados, terão direito aos recursos do Fundo Partidário. Para terem acesso ao benefício, os partidos também deverão ter elegido pelo menos 15 deputados federais distribuídos em pelo menos um terço dos estados.
 
O mesmo critério será adotado para definir o acesso dos partidos à propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão. A mudança, no entanto, será gradual, começando pelo piso de 1,5% dos votos válidos e 9 deputados federais eleitos nas eleições de 2018, chegando a 2% e 11 deputados eleitos em 2022, a 2,5% e 13 eleitos em 2026, até alcançar o índice permanente de 3% e 15 eleitos em 2030.
 
Financiamento de Campanhas
 
A Câmara pode voltar a discutir, além da PEC, a criação de um fundo público para o financiamento de campanhas. O tema polêmico já foi rejeitado em votação de outra PEC (77/03). No entanto, outro dispositivo pode resgatar o instrumento para debate nesta semana. O Projeto de Lei 8612/17 teve requerimento de urgência aprovado e, portanto, não precisará cumprir os prazos regimentais para análise do plenário.
 
Além de reabrir a possibilidade de criação de um fundo público para financiamento, o PL 8612/17 regulamenta a forma de arrecadação de doação de pessoas físicas e os limites para gastos com campanha já nas eleições em 2018, para cada cargo em disputa. Além de definir regras como horário de divulgação de propaganda eleitoral, campanha na internet, incorporação no texto legal da proibição de doações de pessoas jurídicas, criação de outras formas de arrecadação de doações de pessoas físicas, pesquisas eleitorais e participações em debates.
 
Em meio às dificuldades de avançar o tema na Câmara, os senadores também discutem mecanismos de alterar o sistema de financiamento de campanhas. No Senado, os parlamentares discutem a construção de um novo texto substituindo o Projeto de Lei do Senado 206/2017, que cria um fundo eleitoral.
 
Ainda sem consenso quanto à fonte dos recursos, a matéria prevê o fim da propaganda partidária de rádio e televisão em anos ímpares (quando não há eleições) e o repasse de 50% das emendas impositivas de bancadas para a constituição do fundo. A discussão do assunto também estará na pauta da semana do Senado.
No  camarote VIP do Rock in Rio, Dória nega Ida para o DEM
Uma das personalidades mais assediadas no camarote VIP do Rock in Rio, o prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), disse que a ida para a possibilidade de ir para o DEM não está sendo tratada neste momento. Contudo, ele destacou que o tema pode sim ser discutido no futuro.
Bastidores da Política
 
“Tivemos um jantar na minha casa em que recebi a direção do DEM na última quintafeira. Foi uma boa conversa, de bons amigos. Aliás, amigos que eu fiz fora da política. Esse não foi um tema (ida para o DEM) discutido e debatido.
 
Falamos sobre o Brasil, de proteger o Brasil, proteger as reformas. O Brasil está melhorando e há boas perspectivas de o país seguir nesse passo. Temos que ter um olhar menos partidário. E a partir do ano que vem, aí sim, vamos pensar em campanha, pensar em eleição e pensar o Brasil a partir de 2018.
 
Perguntado novamente sobre a possibilidade de mudar de legenda, Dória comentou que a ida para o DEM pode ser discutida no futuro. “Esse assunto não foi discutido até por uma questão de prudência. Não é”.
 
“O DEM é nosso aliado, como é aliado do governador Geraldo Alckmin. Temos uma boa aliança. Não era o tema e não foi objeto de discussão. Poderá ser até no futuro, mas neste momento não”.

PRB promove Encontro Estadual  dia 6 em Curitiba 

O PRB Paraná promoverá, no próximo dia 6, às 19 horas, no Hotel Nacional In, em Curitiba, Encontro Estadual com as principais lideranças e apoiadores da legenda nos municípios paranaenses. 
 
“Vamos tratar das eleições 2018, conversar de maneira mais próxima com as novas lideranças e fortalecer nossas bases”, disse o vereador Osias Moraes, presidente do PRB, em Curitiba.  
 
O evento reunirá cerca de 200 pessoas e terá a presença do presidente nacional do PRB, senador Eduardo Lopes, e do presidente estadual da sigla, Aroldo Martins.

Hospital da Providência agradece Ratinho Junior

Nesta sexta-feira, 22, a direção do Hospital da Providência, de Apucarana, agradeceu Ratinho Junior pelos cinco aparelhos adquiridos com recursos de emenda parlamentar do deputado no valor de R$ 500 mil. Com os recursos, o hospital comprou um aparelho de arco cirúrgico, dois carrinhos de anestesia e dois monitores multiparamétricos. “Aparelhos são essenciais para o acompanhamento e o tratamento pleno dos moradores de Apucarana e região que procuram o hospital”, disse Ratinho Junior.

A Irmã Geovana Aparecida Ramos, diretora geral do hospital, disse que a aquisição dos equipamentos é mais um avanço na busca constante pela melhora das instalações e serviços da Instituição. “Nosso objetivo é proporcionar aos pacientes assistência segura e eficaz. Esses equipamentos vão otimizar o trabalho de nossas equipes e garantir aprimoramento no atendimento prestado”, afirma.

Dudu, da Construtora Valor, já aprontou outras


Não é de agora que o dono da Construtora Valor, empresa investigada por desvio de verbas de obras de escolas, Eduardo Lopes de Souza, afetuosamente conhecido como Dudu no PMDB, teve contratos com o governo do Paraná através de outra empresa, a EGC Construtora e Obras, que abandonou serviços de esgoto que prestava em Curitiba e região na metade do contrato, firmado com a Sanepar. O contrato de R$ 2,8 milhões era de um ano, mas a empresa prestou serviços apenas durante quatro meses.
Agra, pasmem. Uma das empresas emergencialmente chamadas pela Sanepar para assumir parte dos serviços abandonados foi a Valor Construtora, na época Valor Locação de Máquinas e Equipamentos. Conforme registro na Junta Comercial do Paraná, a Valor Construtora, aberta em setembro de 2010, tinha apenas uma proprietária, Vanessa Domingues de Oliveira, que afirmou em depoimento à Polícia Civil que era laranja de Souza. Já no registro da EGC, cuja falência foi decretada em 2014, Souza consta de fato como sócio.Pelo contrato firmado em julho de 2010, no governo de Roberto Requião, com a Sanepar, a EGC ficaria responsável, pelo período de um ano, pelos serviços de manutenção e conservação periódica das estações de tratamento de esgoto em 25 cidades, incluída Curitiba. Mas, em janeiro de 2011, o contrato foi rescindido a pedido da empresa, alegando que não tinha como realizar os serviços contratados.A EGC recebeu cerca de R$ 500 mil por serviços prestados entre julho e outubro de 2010. Na sequência, a Sanepar fez contratos diretos com empresas, para compensar os serviços abandonados, e a Valor Construtora foi uma das contratadas. De acordo com a companhia, foram cinco pequenos contratos, entre julho de 2011 e fevereiro de 2012, e a Valor Construtora recebeu R$ 68,8 mil por eles. “Todas as contratações foram regulares e certificadas pela área gestora dos contratos que, neste caso, foi a Unidade de Serviço Esgoto”, informou, em nota, a Sanepar.

Fábio Campana

Não é de agora que o dono da Construtora Valor, empresa investigada por desvio de verbas de obras de escolas, Eduardo Lopes de Souza, afetuosamente conhecido como Dudu no PMDB, teve contratos com o governo do Paraná através de outra empresa, a EGC Construtora e Obras, que abandonou serviços de esgoto que prestava em Curitiba e região na metade do contrato, firmado com a Sanepar. O contrato de R$ 2,8 milhões era de um ano, mas a empresa prestou serviços apenas durante quatro meses.

Agra, pasmem. Uma das empresas emergencialmente chamadas pela Sanepar para assumir parte dos serviços abandonados foi a Valor Construtora, na época Valor Locação de Máquinas e Equipamentos. Conforme registro na Junta Comercial do Paraná, a Valor Construtora, aberta em setembro de 2010, tinha apenas uma proprietária, Vanessa Domingues de Oliveira, que afirmou em depoimento à Polícia Civil que era laranja de Souza. Já no registro da EGC, cuja falência foi decretada em 2014, Souza consta de fato como sócio.

Pelo contrato firmado em julho de 2010, no governo de Roberto Requião, com a Sanepar, a EGC ficaria responsável, pelo período de um ano, pelos serviços de manutenção e conservação periódica das estações de tratamento de esgoto em 25 cidades, incluída Curitiba. Mas, em janeiro de 2011, o contrato foi rescindido a pedido da empresa, alegando que não tinha como realizar os serviços contratados.

A EGC recebeu cerca de R$ 500 mil por serviços prestados entre julho e outubro de 2010. Na sequência, a Sanepar fez contratos diretos com empresas, para compensar os serviços abandonados, e a Valor Construtora foi uma das contratadas. De acordo com a companhia, foram cinco pequenos contratos, entre julho de 2011 e fevereiro de 2012, e a Valor Construtora recebeu R$ 68,8 mil por eles. “Todas as contratações foram regulares e certificadas pela área gestora dos contratos que, neste caso, foi a Unidade de Serviço Esgoto”, informou, em nota, a Sanepar.

Gleisi tenta explicar boicotedo PT as eleições de 2018 e sinaliza que Lula pode ser candidato mesmo na cadeia
 
Em entrevista ao repórter Bernardo Barbosa do UOL, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse nesta quinta-feira (21) que o partido ainda não discute formalmente um boicote à eleição de 2018 porque acredita que o ex-presidente Lula será candidato. “Nunca dissemos que vamos boicotar ou não participar de eleição. O que nós dissemos é que tinham setores do partido que chegaram a defender essa ideia, que de fato é muito forte uma eleição em que o Lula seja proibido de participar’.
“O Lula é o nosso candidato. Nós vamos lutar pela candidatura do Lula, politicamente, judicialmente. “[Lula será candidato] Mesmo tendo sua sentença confirmada pelo TRF [Tribunal Regional Federal]. Nós já tivemos casos de candidatos julgados em segunda instância que tiveram autorização para participar do processo eleitoral. Tem precedente”, completou a senadora petista.
Lula está para ser julgado no Tribunal Regional Federal de Porto Alegre. Em caso do TRF manter a sentença do juiz Sérgio Moro, a legislação atual já prevê a prisão de condenado em segunda instância. Gleisi afirmou que ainda aposta na candidatura do ex-presidente mesmo se ele for condenado em segunda instância, o que em teoria vetaria sua candidatura pela Lei da Ficha Limpa.
Esta semana, a BBC Brasil noticiou que a possibilidade de boicote do PT ao pleito de 2018 passou a ser ventilada no partido diante da chance de que Lula não possa ser candidato. Ele já foi condenado em primeira instância pelo juiz Sergio Moro em processo da Operação Lava Jato. Ainda não há previsão para seu julgamento em segunda instância.
Outras lideranças do PT disseram ao UOL, sob condição de anonimato, que inexiste a possibilidade de boicote ao pleito de 2018. “Você acha que governadores vão abrir mão de tentar a reeleição?”, disse uma delas.

Temer é aprovado por 15,4% no Paraná


Em direção oposta ao crescimento constante da aprovação do governo Beto Richa (PSDB), o governo do presidente Michel Temer (PMDB) vem numa desaprovação crescente em 13 meses. Neste setembro de 2017, Temer é reprovado por 81,3% dos paranaenses contra 15,4% que o aprovam. Em agosto de de 2016, a aprovação do peemedebista era de 46,4% e desaprovação batia em 45,6%. 
 
Os números, do Parana Pesquisas, foram divulgados nesta quinta-feira, 21. O instituto entrevistou 2.515 eleitores entre os 7 e 11 de setembro em 91 cidades. O grau de confiança é de 95% e a margem de erro de 2%.
 
Para 8,1% dos entrevistados, a situação do governo Temer melhorou. Outros 29,6% afirmaram estar igual e para 60%, o governo do PMDB piorou. A situação financeira dos paranaenses melhorou para 5,6%, piorou para 39,2% e permanece como estava para 53,9%.

Paranaguá aumentará 57% capacidade de carregamentos, diz Richa Filho 


O secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, destacou nesta quinta-feira, 21, a ampliação da capacidade de carregamentos no Porto de Paranaguá. “Os novos projetos de arrendamentos previstos para o Porto de Paranaguá aumentarão em 57% a capacidade de carregamento diário de grãos no terminal paranaense”, disse. 

Atualmente, explicou Richa Filho, estão interligados ao corredor de exportação do terminal dez empresas e uma outra está em fase de implantação. Segundo Richa, a capacidade estática do corredor gira, hoje, em torno de 1,5 milhão de toneladas, com capacidade de embarque estimada de 140 mil toneladas/dia, utilizando seis shiploaders.

“Com a implantação de dois novos armazéns e a inclusão de dois novos berços de atracação no corredor de exportação, a capacidade estática passará para 1,8 milhão de toneladas, ou seja, 20% a mais do que a capacidade atual”, disse. “Já a capacidade de carregamento diária terá um aumento de 57%, chegando a 220 mil toneladas”, completou José Richa Filho.
Casas entregues em Cascavel são modelos para o Brasil, diz ministro das Cidades

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, que acompanhou o governador Beto Richa a entrega de casas 2.089 famílias em Cascavel, disse que o novo conjunto habitacional serve como modelo no Brasil em planejamento e execução. “Foi construído de forma muito diferenciada, com muito planejamento e, sobretudo, com qualidade. Temos combatido muito a baixa qualidade de empreendimentos habitacionais e este Jardim Riviera serve de modelo, vem ao encontro do que estamos buscando”, ressaltou.
Cidades do Paraná têm R$ 5 milhões para acolhimento familiar

A secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, avisa as prefeituras que o Estado dispõe de R$ 5 milhões para ações de acolhimento familiar. Hoje, em Curitiba, 480 gestores participaram de encontro onde foram orientados sobre como acessar recursos. O dinheiro para os serviços deve ser solicitado até 30 de outubro. “O acolhimento familiar traz vantagens porque ele promove vínculos com as famílias que acolhem, além de personalizar o atendimento. O que nós pretendemos é ter um Paraná com cidadãos de pleno direito. Isso começa na infância”, disse Fernanda Richa.

Campus da UEPG em Telêmaco Borba ofertará curso de Direito

O chefe da Casa Civil Valdir Rossoni e o secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes, oficializaram nesta terça-feira (19) o funcionamento do curso de Bacharelado em Direito no Câmpus de Telêmaco Borba, região dos Campos Gerais, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Rossoni entregou o decreto nº 7673, de agosto de 2017, assinado pelo governador Beto Richa, que autoriza o funcionamento do curso. “O governador ouviu os apelos das lideranças locais e entendeu a importância do curso para o desenvolvimento da cidade e dos municípios vizinhos e, também, que era necessário oferecer mais essa oportunidade para os jovens”, explicou Rossoni.


Serão três turmas consecutivas, com 50 vagas, duração de cinco anos, no período noturno, a partir de 2018. As inscrições para a primeira turma já estão abertas e podem ser feitas através do site portal.uepg.br. As provas serão aplicadas em 10 e 11 de dezembro.

“O Governo do Paraná tem feito um grande esforço para honrar o compromisso de colaborar com educação dos nossos jovens. Proporcionalmente, somos o estado que mais investe em ensino superior no Brasil, com 90 mil alunos em sete instituições estaduais gratuitas”, destacou o secretário João Carlos Gomes.

O Campus de Telêmaco Borba foi criado em 1985, pelo então governador José Richa, e foi a primeira extensão da UEPG. Formou cerca de 1,5 mil alunos e hoje oferece dez cursos de graduação. “É uma reivindicação antiga de todas as lideranças da cidade que está sendo atendida pelo governo estadual. Será um passo importante no progresso de toda a nossa região”, disse o prefeito Márcio Matos.

O deputado estadual Alexandre Curi também participou da solenidade.
Mansur confirma R$ 5 milhões para escolas estaduais de Foz e região 
O coordenador geral da Casa Civil no oeste do Paraná, Phelipe Mansur, vai anunciar, oficialmente, nesta sexta-feira, 22, o repasse de quase R$ 5 milhões para contemplar 35 escolas estaduais situadas em Foz do Iguaçu e região. 
 
 “Os recursos serão transferidos pelo Governo do Estado para investimentos em melhorias estruturais e reparos nos estabelecimentos de ensino, qualificando, cada vez mais, o atendimento aos estudantes”, disse Mansur ao participar, nesta quarta-feira, 20, de reuniões, em Curitiba, no Palácio Iguaçu e na Fundação de Educação do Paraná. 
 
Mansur adiantou ainda que o secretário Valdir Rossoni enviará quatro engenheiros do Governo do Paraná para ajudar no estudo técnico para a execução dos trabalhos de reparo nas escolas da região. “A ideia é acelerar o processo para que os serviços sejam realizados até o final do ano”, destacou Mansur. 
 
Segundo Mansur, cada escola receberá recursos entre R$ 100 mil e R$ 500 mil para as obras de reparos nos estabelecimentos de ensino. Phelipe destacou ainda que serão contempladas com o repasse apenas as escolas estaduais da região que não foram beneficiadas pelo programa antecessor Escola 1000. “Essa será a única condição para o estabelecimento receber o recurso” destacou. 
 
A inclusão das escolas no repasse dos recursos, explica Mansur, tem ainda caráter democrático e de descentralização administrativa. “Esse programa irá valorizar a gestão dos diretores sobre os recursos. Ou seja, quem define onde vai ser gasto esse dinheiro será o diretor ou a diretora de cada escola. Caberá a cada escola contemplada saber onde aplicar os recursos, demonstrando o modelo de gestão aberta e transparente adotado pelo governo do Paraná”, disse.
Estado repassa R$ 10,7 milhões para saúde de mais 62 cidades

O Estado repassou mais R$ 10,7 milhões para reforçar a estrutura de atendimento de saúde em 62 municípios paranaenses. Os recursos liberados pelo governador Beto Richa nesta semana já estão na conta das prefeituras e podem ser utilizados na compra de veículos para o transporte de pacientes, além de equipamentos de fisioterapia.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, os investimentos demonstram a atenção do Governo do Paraná aos municípios. “Somos um governo municipalista, que mantém diálogo aberto com os prefeitos e secretários municipais de saúde. Por isso, sabemos das necessidades de cada município e priorizamos os investimentos nas áreas em que a população mais precisa”, disse.

Este é mais um lote dos repasses fundo a fundo, sem a necessidade de convênio. Nesta modalidade de transferência de recursos fica a cargo das prefeituras a realização do processo licitatório. “Com isso, o gestor municipal tem a liberdade de adquirir o veículo ou tipo de equipamento que mais se adéqua a sua realidade”, detalha o secretário.

Ampliação da frota – 
Na área de transporte de pacientes, há repasses de R$ 120 mil, R$ 240 mil ou R$ 450 mil, dependendo da demanda apresentada. Desta forma, é possível que a prefeitura compre ambulâncias, automóveis, caminhonetes, vans, micro-ônibus e até ônibus grandes, de 40 lugares.

Caputo Neto explica ainda que este tipo de iniciativa contribui para a renovação e ampliação da frota de uso exclusivo da saúde nos municípios. “O objetivo é garantir mais conforto e segurança aos pacientes. Muitos precisam se deslocar em busca de consultas, exames, cirurgias e tratamento especializado fora de seus municípios de origem. Por isso, temos o dever de oferecer um transporte digno a eles”, relatou.

Nesta etapa, pelo menos 56 prefeituras foram contempladas com recursos do incentivo para melhorar a qualidade do transporte sanitário. Ao todo, R$ 10,4 milhões foram destinados para este fim. Além disso, foi repassado também mais R$ 360 mil para aquisição de equipamentos de fisioterapia, beneficiando nove cidades.

Meu filho é candidato a governador, diz Ratinho
O comunicador Carlos Roberto Massa, o Ratinho, disse nesta terça-feira, 19, que seu filho, o deputado Ratinho Junior (PSD), é candidato ao Governo do Paraná em 2018.  “Ele (Ratinho Junior) estudou, se preparou, buscou experiências bem sucedidas de gestão no exterior e pelo Brasil, está construindo uma agenda que prioriza o desenvolvimento de todas as regiões do Paraná. É um ótimo gestor público, provou isso na Secretaria de Desenvolvimento Urbano, e traz sua experiência como administrador na iniciativa privada. Reúne todas as qualidades para ser o próximo governador do Paraná, é candidato a governador e eu, como pai, estou muito feliz por mais esse desafio que o Junior enfrenta”, disse Ratinho.
Rossoni destaca mais R$ 50 milhões repassados por Richa para obras em 173 municípios do Paraná

O governador Beto Richa assinou nesta terça-feira (19), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, 229 contratos de convênios e de financiamentos com 173 dos 399 municípios paranaenses que, juntos, somam pouco mais de R$ 50 milhões. “Essa é uma demonstração clara do apreço que o nosso governo tem com  todos os municípios. Queremos caminhar ao lado deles porque é nas  cidades que as pessoas vivem e é lá que temos que investir”, disse Richa.


Só em caminhões para o reforço na coleta de lixo e em equipamentos para  a separação de resíduos orgânicos de recicláveis estão sendo investidos  pouco mais de R$ 23,2 milhões.

Dezenove municípios receberão caminhões com valor unitário de R$ 250 mil  e que, juntos, somam R$ 4,7 milhões em investimentos. Outros doze receberão caminhões maiores e que custam R$ 290 mil cada. Para esse  segmento foram destinados R$ 3,4 milhões. Além disso, R$ 13,7 milhões serão aplicados na compra de equipamentos e  na instalação de barracões de reciclagem em 55 cidades. E R$ 1,4 milhão  está sendo investido na compra de carrinhos e lixeiras para equipar os centros urbanos.

“Esse é um dos maiores investimentos feitos pelo governo do Paraná no setor. Lixo é um problema em qualquer cidade do Brasil e do mundo, mas  aqui no Paraná nós estamos, em parceria com os prefeitos, construindo  uma solução”, disse o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni.

O secretário também voltou a pedir que os prefeitos acompanhem os projetos em trâmite no governo e afirmou que o governo tem recursos  disponíveis para financiá-los.

Cascavel, no Oeste do Estado, recebeu recursos para obras na Avenida Tito Muffato, importante via de ligação do Centro da cidade com a região  Norte e as faculdades instaladas no município. “Tenho comemorado todos os dias nos últimos nove meses porque todas as
semanas temos boas notícias vindas do governo. No Paraná o Brasil está dando certo”, disse o prefeito Leonaldo Paranhos, que na cerimônia representou todos os chefes de executivos municipais.

Sedu – 
O governador também assinou financiamentos e convênios, através  da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano, no valor de R$ 24,4 milhões. Os recursos serão empregados no recape asfáltico de ruas e avenidas e outras obras de infraestrutura, na compra de equipamentos máquinas para a manutenção de estradas.

Uma das cidades beneficiadas é Balsa Nova, na Região Metropolitana de Curitiba. O município está recebendo R$ 1,6 milhão referente à terceira parcela de um financiamento de R$ 6 milhões para asfaltamento de via que vai beneficiar os agricultores. “Vai facilitar o escoamento da produção e evitar doenças”, explicou o prefeito Luiz Cláudio Costa.

Esporte – Através da Secretaria Estadual de Esporte e Turismo, o governador também repassou R$ 1,3 milhão para investimento em mini arenas e kits de materiais esportivos para 48 cidades.  Casa kit custa R$ 15 mil e as cidades de Agudos do Sul, Imbaú e Mandirituba receberam dois conjuntos cada. Já nas duas quadras poliesportiva, que serão instaladas em Laranjeiras do Sul, foi investido R$ 1,2 milhão.

Agrícolas – Também foram assinados convênios no valor de R$ 834 mil para a compra de veículos e equipamentos agrícolas através da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab). Os municípios beneficiados são Barbosa Ferraz, Cambira, Chopinzinho, Coronel Domingos Soares, Mariluz. Marumbi e Santa Terezinha de Itaipu.
 
Richa também homologou autorizações para licitação de obras, compra de veículos e equipamentos para treze municípios. O valor total é de R$ 7,9 milhões.
 
Lei de Ratinho Junior proíbe mutilações de animais no Paraná
O deputado Ratinho Junior (PSD) comentou nesta segunda-feira, 18, a decisão da justiça que ordenou dono de cães num bairro de Curitiba a cortar as cordas vocais dos animais porque incomodavam os vizinhos com latidos altos. “Muita polêmica sobre uma decisão que obrigou os donos de uns cachorrinhos a terem as cordas vocais cortadas, depois de uma denúncia de vizinhos que estavam “incomodados” com o barulho dos latidos. Quero lembrar que sou o autor da lei que proíbe esse tipo de mutilação no Paraná. O latido é a forma do cãozinho se comunicar com a gente. É lei, tem que cumprir”, lembrou na Ratinho Junior no seu perfil no Facebook.
A lei de autoria de Ratinho Junior proíbe cirurgias de cordotomia nos animais. “Cordotomia é uma técnica utilizada para reduzir latidos e miados estridentes por meio da extração das cordas vocais dos animais. Os veterinários consideram a operação uma mutilação. Além disso, durante a cirurgia, o animal corre o risco de sofrer edema da glote, parada respiratória e paralisia da laringe”.

A polêmica tomou conta das redes sociais e até abaixo-assinado virtual corre nas redes sociais contra a decisão da justiça.

Lula convida Requião
Na sua passagem por Curitiba no depoimento ao juiz Sérgio Moro na quarta-feira, 13, o ex-presidente Lula reforçou o convite ao senador Roberto Requião para ingressar ao PT em caso de expulsão/suspensão no PMDB. O convite tem incentivo da senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, e que o comando também o petismo no Estado.
 
Requião gostou da conversa de Lula e espera uma aliança do PMDB/PT/PCdoB/Rede/PV/PPL para disputar o Governo do Estado em 2018. O PT integrou os dois últimos governos (2003-2010) de Requião no Paraná. 
 
Em outra hipótese, Requião se colocou à disposição para substituir Lula na chapa do PT na disputa presidencial de 2018. Requião disse que pode liderar uma frente de esquerda e barrar o entreguismo do governo Temer ao capital estrangeiro. Lula achou graça da proposta. Requião fez cara de sério.
Agronegócio e a vocação do Paraná, diz Ratinho Jr

O deputado Ratinho Junior (PSD) voltou a defender o agronegócio como principal indutor da economia paranaense e do país. “A vocação do Brasil é produzir alimento para o mundo. Uma produção que respeita o meio ambiente e a agricultura sustentável, produzindo alimento para todo o planeta”, disse Ratinho Junior que destacou ainda a aprovação do novo código florestal em 2012.
“O código florestal colocou novas regras e deu a possibilidade para que o país possa crescer em cima do agronegócio, respeitando o meio-ambiente, fazendo a delimitação de áreas, dando oportunidade para que o agricultor tenha tranquilidade para trabalhar e produzir o alimento”, completou.
Segundo Ratinho Junior, os países que conseguiram dar um salto em qualidade, o fizeram quando acharam sua vocação econômica. ” É o caso da Alemanha que entendeu que sua vocação é a engenharia. É o caso da Coreia e do Japão que entenderam que a sua vocação econômica era a produção de tecnologia. Os EUA se profissionalizou em engenharia, produção bélica e também no agronegócio”, disse.

“Eu tive a oportunidade de estar na China por três vezes e em uma dessas oportunidades, conversei om uma equipe de comércio exterior da China e eles estão fazendo um estudo para que em 2050. Hoje a China já tem 240 milhões de idosos, a população do Brasil, e eles estão preocupados porque em 2050 terão meio bilhão de idosos, essas pessoas terão que ser alimentadas e não vão estar no mercado produtivo. Então o mundo precisa do Brasil e para isso nós precisamos estar organizados”, completou.

Palocci confirma que entregou R$ 13 milhões em dinheiro vivo a Lula

A história do relacionamento do ex-ministro Antonio Palocci com o ex-presidente Lula é digna de um filme de amor que termina em tragédia, com ódio mortal no final. Palocci entrou na história do PT como um médico de periferia, militante do movimento de esquerda Liberdade e Luta (Libelu), que logo ascendeu no partido, muito respeitado por Lula, mas que hoje se transformou num monstro para os petistas. Lula passou a nutrir uma admiração especial por Palocci quando ele ainda era prefeito de Ribeirão Preto. Foi o escolhido para substituir o prefeito de Santo André Celso Daniel, assassinado em janeiro de 2002, na coordenação de sua vitoriosa campanha para presidente naquele ano. Eleito, Lula foi a Ribeirão Preto e fez um apelo em praça pública para que Palocci largasse a prefeitura e assumisse o Ministério da Fazenda de seu governo. 
 

Confiança máxima. O que não se sabia, e agora a delação desnuda, é que Palocci, a partir dali, passaria a ser o homem da mala de Lula, arrecadando recursos junto a empresários paulistas e até entregando dinheiro vivo ao ex-presidente. Na negociação de sua delação premiada com o Ministério Público Federal em Curitiba, onde está preso, Palocci já disse o que a ISTOÉ antecipou em maio: a Odebrecht disponibilizou R$ 300 milhões para o PT e Lula em 2010 e que seu assessor Branislav Kontiac, o Brani, chegou a entregar a Lula em 2012 mais de R$ 13 milhões em dinheiro vivo. Pessoalmente, Palocci diz que repassava pacotes com até R$ 50 mil para o ex-presidente. Quando alguém, que era carne e unha de Lula, dá detalhes como os fornecidos por Palocci, poucos duvidam da veracidade dos fatos.

Desvios no Instituto Lula

Na sua delação, Palocci conta como ajudou a gastar os R$ 300 milhões de Lula e do PT contabilizados no “departamento de propina” da Odebrecht. Lula, que tinha a alcunha de “amigo”, chegou a ter em um saldo de R$ 40 milhões em 2012 só para suas despesas pessoais. Mas só Palocci tinha autorização para sacar o dinheiro, como revelou o empresário Marcelo Odebrecht em depoimento ao juiz Sergio Moro. Palocci disse também aos procuradores que o ex-presidente desviou dinheiro doado ao Instituto Lula para custear despesas pessoais e de membros de sua família. De acordo com o ex-ministro, o caixa paralelo do instituto era administrado por Paulo Okamoto, presidente da entidade. Ainda no acordo de colaboração premiada, Palocci afirmou também que a atual presidente do PT, Gleisi Hofmann (PT-PT), se beneficiou das maracutaias do partido para ajudar empreiteiras. Segundo o ex-ministro, o PT ganhou R$ 50 milhões da Camargo Corrêa em 2009 para ajudar na anulação da Operação Castelo de Areia. Parte do montante foi repassada para a campanha de Gleisi em 2010.

Mauro Moraes apoia Ratinho Junior

O deputado Mauro Moraes, 1º secretário do PSDB do Paraná, acompanhou o deputado Ratinho Junior (PSD) nos encontros suprapartidários realizados neste final de semana em Santo Antonio da Platina. Mauro Moraes, que tem base eleitoral em Curitiba e região metropolitana, antecipou o apoio tucano ao projeto de Ratinho Júnior para 2018. “Vamos fazer o Ratinho Júnior o próximo governador do Paraná”, disse o deputado.

 

Requião deve ser suspenso ou expulso do PMDB até outubro

A expectativa dos desafetos do senador Roberto Requião no PMDB estadual e nacional. Como o partido fará seu congresso nacional no dia 4 de outubro, em Brasília, até esperam que Requião, no mínimo, seja suspenso das atividades partidárias por 60 dias.
 
No encontro, o presidente Michel Temer e o ex-presidente José Sarney serão homenageados. Ulysses Guimarães, fundador do PMDB, também será lembrado. “Guimarães será o ícone da resistência democrática, José Sarney aparecerá como o agente que consolidou a democracia e Temer como o que liderou a reconstrução do país pós-Dilma”, adianta a coluna Painel da Folha de S. Paulo deste domingo, 16.

BRDE capta R$ 185 milhões para investimentos no setor produtivo do PR, SC e RS

Nesta quinta-feira, 14, em Curitiba, a vice-governadora Cida Borgfhetti e o vice-presidente do BRDE, Orlando Pessuti, assinam acordo de cooperação financeira com o diretor-geral da Agência Francesa de Desenvolvimento, Rémy Rioux. O BRDE está captando €$ 50 milhões (R$ 185 milhões) junto à AFD para investimentos no setor produtivo do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
Cida confirma presença no Outubro Rosa

A vice-governadora do Paraná, Cida Borghetti, recebeu nesta quarta-feira (13), o grupo H.O.G. Curitiba, formado por harleyros e que todos os anos promovem ações para a campanha do Outubro Rosa de combate ao câncer. A ação que está na sua quarta edição tem como meta arrecadar neste ano R$ 1 milhão para o Hospital Erasto Gaertner, referência em diagnóstico e tratamento do câncer no Sul do Brasil.
A vice-governadora confirmou presença nos eventos e reafirmou seu compromisso no combate ao câncer. “O apoio e o trabalho voluntário de todos é que vai fazer a diferença no combate a essa doença. Precisamos avançar cada vez mais na busca da cura através do diagnóstico precoce”, afirmou a vice-governadora, que ainda como deputada estadual, foi autora da lei estadual de combate ao câncer de mama.“Sempre busquei desenvolver políticas públicas voltadas a saúde preventiva e ao bem estar das famílias. Nada mais simbólico do que apoiarmos mais vez uma este evento”, afirmou Cida.As ações para arrecadar fundos serão realizadas entre 12 e 15 de outubro, com shows, passeios de moto e outras atividades culturais e de lazer. Cerca de 1.000 motociclistas são esperados na capital.

Lula e a simulação


Difícil imaginar como aquele senhor crispado, irritadiço, poderia se dirigir ao eleitorado na disputa de 2018 ao Palácio do Planalto.
Nos vídeos do depoimento de duas horas ao juiz Sergio Moro, nesta quarta-feira (13), viu-se Luiz Inácio Lula da Silva em posição defensiva rara na impressionante carreira do cacique petista.Ali estava um ex-presidente já condenado, em julho, a nove anos e seis meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro —Moro o considerou culpado de receber propina da construtora OAS, na forma do célebre apartamento tríplex no litoral paulista.Respondendo desta feita à acusação de ter sido beneficiado de modo ilícito com outros mimos imobiliários, pela Odebrecht, Lula teve de contestar, pela primeira vez, um relato feito à Justiça por um nome da cúpula do partido.Abriu-se, dessa forma, fissura de dimensões até então nunca vistas no PT, sempre fiel a seu líder máximo e ao discurso de que as alegações de corrupção não passam de conspirata das elites nacionais.O ex-ministro Antonio Palocci, segundo o qual Lula e Odebrecht pactuaram em 2010 propinas de R$ 300 milhões, foi descrito como “um simulador”: “Ele é capaz de simular uma mentira mais verdadeira que a verdade”. Na réplica da defesa de Palocci, “dissimulado” seria o ex-presidente.Ambos têm boa dose de razão. Cada um a seu modo, os dois personagens já deram fartas demonstrações de habilidade no manejo das afirmativas ambíguas, enganosas ou contraditórias.Exemplo clássico é o da “Carta ao Povo Brasileiro”, publicada sob influência de Palocci na primeira campanha presidencial vitoriosa de Lula —o documento prometia preservar a política econômica tucana, sem desautorizar de forma explícita as teses de oposição.A parceria entre o simulador e o dissimulado permitiu ao primeiro governo lulista conciliar retórica de ruptura e prática ortodoxa, vital em um momento de crise. Trata-se de feito de reprodução muito improvável nos dias de hoje.Por falta de alternativas, os petistas retornaram à pregação sectária contra as reformas e os inadiáveis ajustes no Orçamento. Rejeitam a responsabilidade não só pelos desvios bilionários mas também pela recessão brutal, decorrente de seus erros clamorosos na administração do país.Com ou sem Lula, que corre o risco de ficar inelegível se condenado em segunda instância, o caminho para o centro —quase inevitável em um pleito de dois turnos— estreitou-se sobremaneira. Há tempo até 2018, mas hoje o partido parece refém de uma candidatura de negação e enfrentamento.
Richa recebe Alex
O governador Beto Richa recebeu nesta quarta-feira, o jogador Alex de Souza  foi convidado para a pré-estreia do documentário Alex Câmera 10 na próxima segunda-feira (18) em Curitiba. “A obra retrata um pouco da carreira desse grande atleta, que tanto orgulha o Paraná”, adianta Beto Richa que assistiu trechos do documentário.
Governo propõe criar programa de desenvolvimento para o Oeste
O Governo do Estado promoveu nesta quarta-feira (13), em Foz do Iguaçu (Oeste), o encontro Paraná Investment Meeting para mostrar o potencial de investimentos do Estado para empresários e investidores. O evento ocorreu durante a Conferência Latino Americana de Investimentos (Clain) e reuniu cerca de 100 convidados, quase metade desse público formada por presidentes e vice-presidentes de empresas.
 
Entre as propostas discutidas está a criação de um programa de desenvolvimento para a região Oeste, envolvendo governo, Itaipu, municípios lindeiros (diretamente ligados ao reservatório da usina) e agências de desenvolvimento.
 
“A intenção é criar um projeto para atração de investimentos e desenvolvimento da região”, disse Adalberto Netto, presidente da Agência Paraná Desenvolvimento (APD), instituição ligada à Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral, e responsável pela realização do encontro.
 
De acordo com ele, o governo estadual vai lançar uma versão regional do Programa Municipal para Atração de Investimentos (PMAI), que já prepara municípios para atrair investimentos. “O nosso foco é fazer duas versões do programa com atuação regional. Um no Oeste, na região de Itaipu, e outro na região de Telêmaco Borba, para atração de empresas no polo criado pela Klabin”, explicou.
 
O secretário do Planejamento e Coordenação Geral, Juraci Barbosa Sobrinho, disse que o evento realizado em Foz foi importante para demonstrar a situação econômica e de infraestrutura no Estado. “Tivemos a participação de investidores e mostramos porque o Paraná vem crescendo”, enfatizou.
 
ENERGIA – Durante o encontro também foi realizado um painel sobre energia, competitividade e sustentabilidade, com a presença dos presidentes de Itaipu Binacional, Luiz Fernando Vianna; da Copel, Antonio Guetter; da Sanepar, Mounir Chaowiche, e da Compagas, Jonel Iurk.
 
“O Paraná é o Estado mais competitivo do Brasil depois de São Paulo. A infraestrutura de energia oferecida pela Copel é um grande fator de atração de empresas e investimentos, o que gera empregos e desenvolvimento”, destacou Guetter.
 
Uma das discussões em curso é a de como aumentar o uso de energias alternativas, como solar e biomassa, de forma confiável e competitiva e atrair investimentos no setor.
Michele Caputo destaca importância da atenção primária no setor da saúde pública
O secretário estadual de Saúde, Michele Caputo Neto, em visita a ”mostra de vivências de Territórios”, realizada pela Escola de Saúde Pública (ESPP), destacou a atenção primária como contato inicial do cidadão com a saúde pública e onde mais de 90% das demandas das pessoas podem ser resolvidas. “Esse espaço de relato de experiências pode influenciar equipes locais a implantar soluções desenvolvidas em outras regiões, o que impacta diretamente na qualidade dos serviços”, ressaltou o secretário.
Realizada nestas terça e quarta-feira (12 e 13) a etapa Sul da ‘Mostra de Vivências nos Territórios’, evento que reúne as experiências compartilhadas na plataforma on-line ‘Saúde é o Meu Lugar’, uma parceria da Secretaria de Estado de Saúde com o Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz e Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública para compartilhar histórias dos profissionais que atuam na atenção primária.
O objetivo do evento é estimular o debate sobre os temas apresentados pelos profissionais na plataforma e compartilhar as experiências das equipes municipais. A diretora-geral da Escola, Ana Fonseca, salienta que estas histórias são verdadeiros exemplos de superação, que não necessariamente estão vinculados à necessidade de recursos financeiros. Segundo ela, muitas vezes o que impacta na saúde do paranaense é uma visão diferente de fazer e agir que os profissionais encontram.
 
Além de expor as histórias que estão na plataforma, o evento conta também oficinas sobre saúde pública, rodas de conversas e apresentações culturais.
Criado em 2014, o Saúde é o Meu Lugar é uma plataforma de compartilhamento de informação voltada para o profissional de saúde que atua na atenção básica. Nela, o usuário pode contar suas experiências, sejam bem ou mal sucedidas. Através de textos, vídeos, fotos ou áudios, é criado um banco de dados que pode ajudar agentes comunitários, técnicos de enfermagem, médicos e enfermeiros de todo o país.
PIB só cresce no Paraná e Estado sai da recessão

Impulsionada pela agropecuária, a economia do Paraná fechou o primeiro semestre com crescimento de 1,6% em relação ao mesmo período do ano passado. No fim do primeiro semestre, o Produto Interno Bruto do estado somava R$ 233,86 bilhões. “Com dois trimestres seguidos de crescimento, pode se dizer que o Paraná tecnicamente saiu da recessão”, diz Julio Suzuki Júnior, presidente do Ipardes. No primeiro trimestre de 2017, a economia do Estado cresceu 2,5% e, no segundo, 0,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior.


O resultado dos dois primeiros trimestres marca a retomada do crescimento da economia do Estado, depois de oito trimestres de queda. O PIB do ano de 2016 fechou com retração de 2,6%. O desempenho paranaense, fortemente influenciado pelo crescimento da agropecuária, ficou acima da média da economia brasileira. O PIB do Brasil teve variação nula no primeiro semestre, de acordo com o IBGE.

São Paulo, maior economia do País, por sua vez, registrou uma retração de 1,2% no PIB no primeiro semestre. “O Paraná vem consolidando a retomada do crescimento, enquanto que no Brasil esse movimento ainda é marcado por muita oscilação”, diz Suzuki Júnior.

Quem quer ser um deputado? As inscrições estão abertas

O que você faria se você fosse um deputado estadual? Pois a oportunidade de colocar esse projeto em prática pode estar mais próxima do que se imagina. O Parlamento Universitário, uma parceria entre a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Paraná e universidades de Curitiba, oferece a chance de ocupar as cadeiras dos deputados, as dependências da Assembleia, com direito a apresentar projetos e fazer debates no Plenário da Alep.
A iniciativa faz parte das ações adotadas pela Presidência e pela Mesa Executiva da Assembleia para aproximar a população do Parlamento. “É nossa preocupação constante trazer a população, em especial os jovens, para participar do dia a dia da Assembleia. Desejamos aproximar os paranaenses das atividades políticas. Queremos ajudar a formar novas gerações de líderes que vão comandar o estado amanhã”, diz o presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB).Para Dylliardi Alessi, diretor Legislativo da Assembleia, a experiência, já realizada no ano passado, mostrou ser extremamente bem-sucedida. “As pessoas que participaram são unânimes em afirmar que passaram a ter uma outra visão do parlamento e da atividade política. Algumas disseram ter descoberto uma vocação, todas entenderam que fazer política é uma atividade mais complexa e mais interessante do que imaginavam”.Podem participar do projeto aqueles que cursam graduação em alguma dessas Universidades: UFPR, PUC, Unibrasil, Uninter, Unicuritiba, FAE, Opet ou Universidade Positivo. Quem preencher esse requisito pode se inscrever para participar do Parlamento Universitário. As inscrições podem ser feitas até dia 22 de setembro. As atividades de Parlamento Universitário acontecerão entre os dias 30 de outubro e 10 de novembro.

Mais informações sobre o projeto podem ser encontradas nos banners e links disponíveis na página. Mais Informações pelo e-mailescoladolegislativo@alep.pr.gov.br ou pelo fone 3350-4138.

Ratinho Junior prepara agenda para 2018
 
O deputado Ratinho Junior (PSD) reassumiu nesta terça-feira, 12, o mandato na Assembleia Legislativa e já adiantou que vai se dedicar na construção de uma agenda política para as eleições de 2018. “É  um novo tempo marcado pela intensidade da ação, modernidade e inteligência coletiva. Isto com muito diálogo e determinação de continuar trabalhando para promover o desenvolvimento do Paraná. A determinação de fazer mais e melhor”, disse Ratinho Junior que passa a liderar os 13 deputados do PSD e PSC, a maior bancada do legislativo.
Ratinho Junior disse ainda que alia a capacidade do gestor público, ficou quatro anos à frente da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, com aexperiência no setor privado. “Tenho o compromisso de oferecer uma nova opção. Minha geração tem a obrigação de assumir e participar de forma ativa na gestão pública em todas as áreas e de apresentar uma alternativa que se baseia na eficiência e um modelo de estado mais enxuto, porém mais presente”, adiantou em conversa com a imprensa.
“Vamos planejar as ações de forma coletiva, sem os ventos do atraso, e com a clara opção pelo conhecimento, inovação e a valorização das boas práticas e das boas causas pelas quais valem trabalhar”, completou.
 
3,2 mil obras – Nos quatro anos na Sedu, Ratinho Junior afirmou que deixa como legado o resultado de uma gestão focada na melhoria da qualidade de vida dos moradores de cada um dos 399 municípios paranaenses. “Entre março de 2013 a agosto de 2017 foram 3,2 mil obras urbanas realizadas pela Sedu, o maior acervo da história do Paraná, e investimentos de R$1,7 bilhão”.

O deputado sustenta que nestes quatro anos, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano tornou-se referência em gestão e sinônimo de eficiência no desenvolvimento de projetos para os municípios. “Junto com uma equipe qualificada, intensificamos a parceria com as prefeituras e os prefeitos, diminuindo o prazo entre a compreensão da demanda e a ação transformadora. Reduzimos a burocracia e trouxemos agilidade na definição de prioridades e na busca e entrega de recursos”, disse.

Referência – O trabalho realizado pela Sedu nos quatro anos, segundo Ratinho Junior, colocou o Paraná á frente de outros estados na aprovação de financiamentos junto à Secretaria do Tesouro Nacional. “No ano passado, o Paraná ficou com 40% dos recursos liberados pela STN. E neste ano, já alcançamos R$ 110 milhões em financiamentos para vários municípios. Esta marca representa 35% dos recursos em todo o Brasil e confirma a eficiência da Sedu e do Paranacidade”.

Ratinho Junior disse que a “expertise” da Sedu tornou-se referência para países, municípios e estados como Santa Catarina, Amazonas, a prefeitura de Porto Velho e até mesmo outros países como Panamá, Peru e Angola. “O 
mais importante deste legado é o significado prático dos investimentos e a cultura de valorização desses recursos. São recursos para obras que impactam diretamente na vida dos paranaenses porque se traduzem em mais desenvolvimento e bem estar social às cidades atendidas”.

“Estas demandas não podem esperar. Tem que ser atendidas com eficiência e agilidade e devem se estender ao maior número possível de municípios. Sem distinção. Porque este é a missão e o fundamento do serviço público”, completou.
Gilmar Mendes diz estar convicto de que foi gravado por Joesley

Os executivos da J&F nunca desmentiram, de forma cabal, que gravaram o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), no período em que negociavam delação premiada com o Ministério Público Federal.

AVESSO
Questionados por mais de um interlocutor nos últimos meses, os delatores da empresa sempre deixaram a questão no ar. Não desmentiam e no máximo afirmavam que isso não teria maior importância já que no diálogo não haveria crime. Nenhuma fita com o magistrado tinha vindo a público até o começo da noite de segunda (11).
AGORA EU SEI
Mendes está seguro de que foi gravado pelo empresário Joesley Batista. “Eu hoje estou convicto disso”, diz. Ele se encontrou com Francisco de Assis, advogado da J&F, em abril, a pedido do profissional, e sem saber que eles já negociavam acordo de delação. No meio da conversa, Joesley apareceu, de surpresa. Na época, o magistrado não deu importância ao fato.

COLEIRA

“O grave é que eles estavam sendo pilotados pela PGR [Procuradoria-Geral da República], mais especificamente pelo [ex-procurador] Marcelo Miller, que não era o braço direito e sim o cérebro do [procurador-geral] Rodrigo Janot”, diz Mendes. “Os próprios delatores dizem em suas conversas que tinham a tarefa de destruir o STF. Eles não investigavam mas sim tinham um projeto de poder.”
Campanha de multivacinação segue até dia 22

A Campanha Nacional de Multivacinação começou nesta segunda-feira (11) em todo o Paraná. Até o dia 22 de setembro todas as unidades de saúde do Estado vão receber crianças e adolescentes até 14 anos 11 meses e 29 dias para atualização das carteiras de vacinação. No dia 16 acontece o Dia D da campanha, com unidades de saúde abertas durante todo o sábado para facilitar o acesso da população à campanha.

“As vacinas são umas das principais formas de prevenção de diversas doenças. Esta campanha é uma importante ferramenta para manter a carteira de vacinação atualizada e garantir a proteção necessária para que nossas crianças e jovens cresçam saudáveis”, afirma o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto.

 

Os 30 municípios do Paraná que fazem parte da campanha de vacinação contra a dengue devem seguir orientações especiais. Quem tomar alguma vacina deve informar a unidade de saúde para que seja respeitado o intervalo de 30 dias para a aplicação da vacina da dengue.

Esquema de segurança de Lula terá mil policiais

O secretário de Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita, afirmou nesta segunda-feira, 11, que o esquema de segurança para o ex-presidente Lula (PT) terá mil policiais. Nesta quarta-feira, 13, Lula depõe ao juiz Sérgio Moro em Curitiba. “O planejamento operacional é basicamente o mesmo. Agora com um volume de policiais um pouco menor, cerca de mil policiais. Dois perímetros serão interditados, o primeiro é a praça em frente a Justiça Federal e o outro é próximo ao local, cerca de duas quadras dali” disse Mesquita.
No primeiro depoimento de Lula a Moro em 10 de maio, o aparato de segurança montado pela Polícia Militar e Guarda Municipal, o que inclui bloqueio de ruas, uso de helicópteros, viaturas e mais de três mil policiais, custou mais de R$ 150 mil segundo dados da PM e GM.
Mesquita justificou que o número do efetivo é menor porque a quantidade de manifestantes a favor do ex presidentes desta vez é inferior. Ele ressaltou ainda que serão feitas fiscalizações nas rodovias para verificar a regularidade dos veículos bem como materiais ilegais. “Da última vez, apreendemos foices e facas, já solicitamos aos movimentos de apoio ao ex presidente Lula que não tragam este tipo de material. Não abrimos mão da fiscalização” enfatizou Mesquita.

Estima-se que os investimentos nesta operação sejam menores. “Nós vamos investir em segurança para garantir uma manifestação tranquila, democrática e um ato de justiça sendo feito sem maior constrangimento” completou Mesquita sem prever o montante gasto na nova operação.

 

Pelo PT, Requião fustiga Palocci: “cãozinho amestrado”

De olho no apoio do PT em 18, o senador Roberro Requião (PMDB) passou a fustigar o ex-ministro Antônio Palocci (PT) depois do depoimento do petista ao juiz Sérgio Moro. Palocci afirmou que o ex-presidente Lula (PT) recebeu R$ 300 milhões em propinas da Odebrecht. “A expressão corporal de Paloci na delação se assemelhava a um cãozinho amestrado agradando o dono para ganhar um osso. Humilhado e servil!”, disse Requião no twitter.

“Paloci fez seu depoimento com a submissão e postura de um verdadeiro Bichon Frisé diante de seu dono. Que coisa triste é a delação premiada! A que limite de subserviência e degradação pode descer um homem depois de alguns meses de confinamento? Deus! que coisa assustadora!”, completou Requião em mais dois posts.

Requião chama Podemos de ‘partideco’

Em série de posts no twitter, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) chama o Podemos de “partideco” e sugere o caminho da forca ao partido do senador Alvaro Dias no Paraná. O Podemos também será o destino do ex-senador Osmar Dias, atualmente no PDT, na disputa ao Governo do Estado em 2018. “Partideco de aluguel tenta montar altar com supostos Santos para simular veneração de prostitutas da política? Outra vez não Paraná!”, disse Requião.
Embora também faça troça – “Palanque do Phodemos e seus candidatos no Paraná?”, diz no twitter ao sugerir a forca aos candidatos do partido de Alvaro Dias em 2018 -, Requião já usa o nome do Podemos como mote de campanha. “Podemos reconstruir o nosso estado outra vez”, diz post do peemedebista em site e redes sociais.
Hospitais de pequeno e médio porte recebem R$ 2,6 milhões por mês do Estado no Paraná
Os 106 hospitais de pequeno e médio porte do Paraná recebem R$ 2,6 milhões mensais da Secretaria Estadual da Saúde para custeio de serviços prestados à população. Eles integraram à terceira fase do Hospsus, programa de apoio aos hospitais públicos e filantrópicos. 
 
“Este investimento amplia o atendimento hospitalar em todo Paraná”, destacou o secretário Michele Caputo Neto. Segundo ele, desde a implantação do Hospsus em 2011, o Estado já destinou mais de R$ 700 milhões ao custeio de hospitais deste porte, o que tem garantido resultados expressivos, como a ampliação de leitos gerais e de UTI.
 
“Os incentivos criados pelo Estado têm regras e metas. Não se trata de mesada, mas de recursos públicos aplicados para custear e ampliar serviços aos nossos cidadãos”, disse Caputo Neto. A Secretaria de Saúde identificou mais 76 hospitais que podem receber recursos estaduais, mas precisam aderir ao Hopsus. Com a adesão deles, o aporte mensal pode subir para R$ 4,5 milhões mensais.
 
Três fases – Dos 106 hospitais já credenciados na terceira fase do programa, 86 são públicos municipais e 20 filantrópicos. Os valores repassados variam de R$ 10 mil a R$ 60 mil mensais. Hospitais até 15 leitos recebem R$ 10 mil por mês; de 16 a 30 leitos, R$ 20 mil; de 31 a 50 leitos, R$ 30 mil. As unidades que possuem entre 51 e 100 leitos só podem participar do programa caso estejam em localizados em cidades com até 50 mil habitantes.
 
A primeira fase do programa, em 2011, foi dirigida a hospitais de alta complexidade e maternidades que atendem gestantes de alto risco. A segunda fase foi lançada no início de 2013 com a estratégia de qualificação do parto, voltada a hospitais e maternidades que atendem gestantes de risco habitual e intermediário.
 
A terceira fase entrou em funcionamento no final de 2013 para atender aos pequenos hospitais, na maioria públicos municipais. O apoio estadual oferece uma solução a estas instituições que, muitas vezes, possuem dificuldades em se manter, dando a elas uma nova vocação. Além do repasse de recursos, o Estado oferece apoio e consultoria para que os hospitais se adaptem às regras do programa e garantam a contrapartida à sociedade.
 
Linhas de atuação – Cada hospital pode optar por uma das três linhas de atuação: priorizar a atenção materno-infantil, aderindo à Rede Mãe Paranaense; atuar como Centro de Atenção Psico-Social, na área de atendimento de saúde mental; ou fortalecer seu atendimento de urgência e emergência.
 
“Aumentar a capacidade de atendimento dos pequenos hospitais é uma forma de evitar a sobrecarga das instituições de maior complexidade, que estão concentradas nos grandes centros. Esse apoio fortalece toda rede hospitalar”, afirmou o diretor do Paraná Urgência, Vinícius Filipak.
 
Um dos municípios atendidos pelo repasse é Prado Ferreira, no norte do estado. Segundo o prefeito e também presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paranapanema (Cismepar), Sílvio Antônio Damasceno, desde o começo do governo Beto Richa o repasse de recursos para os hospitais da região aumentou mais de seis vezes.
 
“Este recurso do Estado ajuda muito a equilibrarmos as contas. Os hospitais públicos representam cerca de 80% dos gastos com saúde que temos na região. Graças a esta e outras iniciativas da Secretaria de Saúde e do Governo do Estado vamos poder ajudar muito mais a população”, enfatizou Damasceno.
Palocci entrega Lula

O mito Lula foi, definitivamente, destruído. Primeiro petista a delatar o ex-presidente, o ex-ministro Antonio Palocci revelou que Lula fez um “pacto de sangue” com o empreiteiro Emilio Odebrecht para continuar a receber propinas da empreiteira mesmo depois de deixar o governo. Em depoimento de duas horas ao juiz Sergio Moro, Palocci foi demolidor ao revelar que no dia 30 de dezembro de 2010, no apagar das luzes de seu governo, Emílio pediu que Lula garantisse que Dilma Rousseff manteria as benesses para sua empresa no novo governo petista. “Emílio Odebrecht abordou Lula no final de 2010. Não foi para oferecer alguma coisa. Foi para fazer um pacto, que eu chamei de pacto de sangue, que envolvia um presente pessoal, que era o sítio de Atibaia. Envolvia o prédio do Instituto Lula pago pela empresa. Envolvia palestras pagas a R$ 200 mil, fora impostos. E envolvia mais R$ 300 milhões à disposição do ex-presidente para atividades futuras. E poderia ser até mais se fosse preciso”, afirmou Palocci. Até petistas que tiveram acesso ao depoimento de Palocci comentaram estupefatos: foi a pá de cal sobre Lula.

Crimes em série
Palocci, que está preso em Curitiba desde setembro do ano passado, foi intimado por Moro para depor no caso em que ele e Lula são réus pelo recebimento de R$ 75 milhões da Odebrecht em oito contratos com a Petrobras. Nesse valor, segundo a Força Tarefa da Lava Jato, estão incluídos R$ 12,5 milhões gastos na compra do terreno para o Instituto Lula na Vila Mariana, em São Paulo, e R$ 504 mil usados na aquisição de uma cobertura para Lula em São Bernardo do Campo, localizada ao lado de sua atual residência. O ex-ministro chegou à audiência com Moro disposto a entregar Lula e suas relações ilícitas com a Odebrecht. Falando pausadamente e aparentando calma, Palocci detonou o ex-presidente já ao responder a primeira pergunta feita por Moro sobre a compra do terreno para o Instituto Lula. “As acusações são verdadeiras doutor Moro”. Ele disse que chegou a alertar Lula de que esse negócio daria dor de cabeça. Confirmou que ele foi o intermediário de uma doação de R$ 4 milhões da Odebrecht para o Instituto Lula entre em 2013 e 2014, “para cobrir um buraco nas contas do instituto”.O ex-ministro confessou ter participado dos crimes atribuídos a Lula e detalhou a relação ilícita existente entre a Odebrecht e os governos Lula e Dilma. O ex-ministro se colocou como um interlocutor dos interesses da empresa junto ao governo, tratando de todos os temas, inclusive ilícitos. “A relação da Odebrecht com os Governos Lula e Dilma sempre foi intensa, movida a vantagens e propinas”, disse. “Os fatos narrados nesta denúncia dizem respeito a um capítulo de um livro um pouco maior do relacionamento da Odebrecht com o governo do presidente Lula e da presidente Dilma. Foi uma relação bastante intensa, bastantes vantagens dirigidas à empresa, propinas pagas em forma de doação de campanha, caixa 1 e 2, benefícios pessoais”, relatou Palocci. Pela primeira vez, o ex-ministro reconheceu que a alcunha “italiano” nas planilhas da Odebrecht se referia a ele. Por meio da conta “italiano”, Palocci movimentou R$ 128 milhões. Ele garantiu, também, que Lula era o “amigo” das planilhas, que chegaram a registrar, em 2012, um saldo de R$ 40 milhões em nome do ex-presidente.Em fase de negociação de acordo de delação premiada, Palocci confessou também outro crime: que ele e Lula tramaram para obstruir as investigações da Lava Jato. “Em algumas oportunidades, eu me reuni com o ex-presidente Lula no sentido de buscar, vamos dizer, criar obstáculos à evolução da Lava Jato”.O homem que sabe demais

Palocci está preparando delação premiada e vai contar que:> Ele é o “italiano” das planilhas da Odebrecht, que atribuíram a ele um total de R$ 128 milhões

> Lula é o “amigo” citado nas planilhas e chegou a ter uma conta corrente no departamento de propinas da empreiteira com R$ 300 milhões

> Em 2012, o saldo dessa conta de Lula era de R$ 40 milhões

> Em 2009, a Odebrecht deu R$ 50 milhões em propinas para o PT em troca de benefícios fiscais para a Brasken, pertencente ao grupo

> Em 2010, com a criação da Sete Brasil, destinada a fabricar as sondas para a exploração de petróleo, Lula ganhou R$ 51 milhões

> A Projeto, empresa de consultoria de sua propriedade, foi usada para o recebimento de propinas das empreiteiras. De 2006 a 2015, a empresa movimentou R$ 107 milhões

Richa entrega segunda etapa das obras de ampliação de saneamento em Matinhos e Pontal do Paraná

O governador Beto Richa entregou nesta quinta-feira , 7, a segunda etapa das obras de ampliação da rede de coleta e tratamento do esgoto em Matinhos e Pontal do Paraná, no Litoral do Estado. Richa visitou a residência do casal de aposentados Enio Reis e Suzete Reis, que já está com seu imóvel ligado à rede. Depois, Richa inaugurou uma das 29 novas estações elevatórias de esgoto que compõem o sistema. 

 

A segunda etapa das obras, que faz parte do maior programa de saneamento já feito no Litoral, foi entregue três meses antes da previsão inicial. “Fazemos o maior investimento em saneamentoue o Paraná já viu e isso se traduz em qualidade de vida e saúde à população. Hoje as águas do nosso Litoral são consideradas as mais limpas do Brasil”, afirmou disse Richa. A secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, acompanhou a visita.

As obras de esgoto nos dois municípios representam um investimento de R$ 250 milhões e envolvem a construção de 29 estações elevatórias de esgoto, 500 mil metros de rede coletora e 25 mil ligações de esgoto. A previsão é que tudo esteja pronto em julho de 2018. Na primeira etapa das obras, entregue em janeiro deste ano, 6 mil novas ligações de esgoto foram liberadas. Nesta etapa são 7,5 mil novas ligações. A previsão de entrega era dezembro, mas a construtora adiantou em três meses.

Quando concluídas as obras, a cobertura de saneamento de Matinhos vai pular de 52% para 85% da população, e a de Pontal vai triplicar, de 26% para 75%. No País, 42% do esgoto é tratado enquanto a Sanepar trata todo o esgoto que coleta, ou seja, 70% do volume gerado. O governador disse que melhorar o saneamento faz parte do compromisso que ele assumiu de mudar a história do Litoral.

“Aqui no Litoral moram famílias que merecem respeito e atenção por parte do governo nos doze meses do ano e é isso que estamos fazendo. Além de melhorar o saneamento, com um trabalho conjunto outras obras importantes foram realizadas, como a revitalização da orla e do ginásio, investimento em asfalto, escolas e na área social. Isso reflete num desenvolvimento vigoroso e sustentável do Litoral e na qualidade de vida do nosso povo”, afirmou Richa.

Kaefer libera R$ 7 milhões para saúde do Paraná

O deputado Alfredo Kaefer teve mais de R$ 7,5 milhões em emendas liberadas desde o início deste ano para investimentos na saúde dos municípios paranaenses. “Vou continuar cobrando, junto ao ministro Ricardo Barros, a liberação de mais dinheiro para a saúde da população paranaense. Essa sempre foi minha prioridade”, disse Kaefer.
Os R$ 7 milhões pagos entre janeiro e agosto de 2017 foram investidos na aquisição de equipamentos hospitalares, reforma de postos de saúde e hospitais municipais, compra de medicamentos e custeio.O parlamentar paranaense fez questão de destacar sua preocupação com a saúde. “No curto prazo, estamos empenhados em buscar recursos para os municípios, mas a médio e longo prazo, temos que nos preocupar de uma forma institucional com a área da saúde”, afirmou.Segundo Kaefer, com a renda da população sendo cada vez menor, e o dinheiro disponibilizado para saúde também, é importante a criação de um novo modelo de financiamento da saúde. “Alguma coisa haverá de ser feita”, concluiu.
Lula depõe no dia 13 em Curitiba
Depois do bombástico depoimento do ex-ministro Antônio Palocci (PT) nesta quarta-feira, 6, em Curitiba, ao juiz Sergio Moro, a expectativa é maior ainda com o novo depoimento do ex-presidente Lula (PT) marcada para esta quarta-feira, 13, também na capital paranaense.

Neste processo, segundo a denúncia do Ministério Público Federal, Lula é acusado de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro em razão de contratos firmados entre a Petrobras e a Odebrecht.

A acusação aponta que parte das propinas pagas pela Odebrecht foi lavada mediante a aquisição, em benefício do ex-presidente, do imóvel localizado na Rua Dr. Haberbeck Brandão, 178, em São Paulo, em setembro de 2010, que seria usado para a instalação do Instituto Lula.

A força-tarefa da Lava Jato afirma que o acerto do pagamento da propina supostamente destinada ao ex-presidente foi intermediado por Palocci (ex-ministro de Lula e Dilma) com o auxílio do assessor Branislav Kontic, que “mantinham contato direto com Marcelo Odebrecht, auxiliado por Paulo Melo, a respeito da instalação do espaço institucional pretendido pelo petista”.

De acordo com os procuradores do Ministério Público Federal, valores destinados a Glaucos da Costamarques – primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula -, por sua atuação na compra do terreno para o Instituto Lula, foram repassados para o ex-presidente na forma da aquisição da cobertura contígua à sua residência em São Bernardo de Campo.

A denúncia aponta que R$ 504 mil foram usados para comprar o apartamento vizinho à cobertura de Lula, em São Bernardo. A nova cobertura, utilizada pelo ex-presidente, foi adquirida no nome de Costamarques, “que atuou como testa de ferro de Luiz Inácio Lula da Silva”.

Requião em pré-campanha com Ferrari

O bolivarismo e carta de puebla deram um descanso para o senador Roberto Requião (PMDB). Nesta quinta-feira, 7 de setembro, Requião foi flagrado em Curitiba no bólido de uma Ferrari vermelha – mimo que pode custar até R$ 2,5 milhões. “A aposentadoria e salário no Senado se justificam. Ele está em campanha para 2018”, disse um deputado do PMDB que vive às turras com Requião.
Escondido do pai, Requião Filho se reúne com Osmar Dias
Não era para vazar, mas alguém o delatou. O deputado Requião Filho (PMDB), sem avisar o pai (senador Roberto Requião), conversou com ex-senador Osmar Dias nesta terça-feira, 6, em Curitiba. Soube que no dia anterior, Osmar Dias se reuniu com 16 prefeitos do PMDB. O encontro foi articulado pela bancada federal do partido e por ex-deputados que ainda controlam muitos diretórios municipais do PMDB.
 
Ao saber que a conversa com Osmar vazou, Requião Filho tratou de espalhar que o encontro foi à luz do dia e passou a desancar deputados e ex-deputados do PMDB. “Estive falando com Osmar. Eu não faço nada escondido. Diferente de outros”, disse o deputado-filho.
Ao saber do encontro, Requião, o pai, castigou o filho. Não o levou para passear de Ferrari nesta quinta-feira, 7, em Curitiba e o proibiu de usar a caranga por um mês.

Richa repassa materiais esportivos às Apaes de 34 cidades do Paraná

O governador Beto Richa entregou nesta quarta-feira (6), materiais esportivos para instituições sociais de 34 cidades paranaenses. Nesta etapa, 75 Apaes e instituições parceiras de Curitiba, RMC e litoral receberam os conjuntos de materiais esportivos adaptados para o paraesporte, como brinquedos que desenvolvem a sensibilidade, além de bolas, jogos de camisa, redes e apitos para árbitro. 


“Acredito no poder transformador do esporte, pois ele disciplina e socializa”, disse Richa. “As Apaes têm o reconhecimento do Governo do Estado por oportunizarem uma vida com mais qualidade para as pessoas. O Governo do Estado está de portas abertas para melhorar a vida dos paranaenses”, afirmou.
Richa lembrou que o ensino especial no Paraná está assegurado pelo Estado. “O governo federal criou uma proposta para acabar com a educação especial promovendo uma inclusão radical. Mas, aqui no Paraná criamos uma lei que inclui a educação especial na rede estadual de ensino”. O Paraná, afirmou o governador, foi o primeiro estado a criar legislação que garante os direitos da pessoa com deficiência. Ele também mencionou o Paraná Inclusivo, que assegura a redução da carga horária para servidores públicos que precisam cuidar de familiares com deficiência.

Brasil já se divide sobre a Lava Jato

A eficácia da Operação Lava jato já divide os brasileiros. O Instituto Paraná Pesquisas perguntou para 2.452 eleitores se a Lava Jato vai conseguir limpar a corrupção do Brasil: 54% responderam não e 40,7%, sim. A pesquisa foi feira entre 4 e 6 de setembro.

 

 

“Gleisi foi uma das mais beneficiadas”, afirma Janot


A senadora paranaense Gleisi Hofmann (PT-PR) foi “uma das mais beneficiadas nos esquemas ilícitos mantidos pela organização criminosa na Petrobras, no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e junto à Odebrecht e à J&F”, afirmou o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na denúncia feita ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira (6). As informações são de Jordana Martinez no Paraná Portal.
O procurador-geral da República acusa a ex-presidenta Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, os ex-ministros da Fazenda Guido Mantega e Antonio Palocci, além da senadora e do ex-ministro Paulo Bernardo, marido dela, de formaram uma organização criminosa no Partido dos Trabalhadores para receber propina desviada da Petrobras durante as investigações da Operação Lava Jato.R$ 15 milhões nas três campanhas

De acordo com o procurador, a senadora teria recebido cerca de R$ 15 milhões em recursos “ilícitos” para as campanhas de 2008, para a prefeitura de Curitiba, 2010, quando foi eleita senadora, e 2014, na disputa pelo governo do Paraná. Em nenhuma das campanhas há registro de doações da Odebrecht nas declarações feitas ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).Segundo a Procuradoria Geral da República (PGR), na disputa pela prefeitura de Curitiba, em 2008, Gleisi teria recebido R$ 150 mil da Odebrecht. Já na campanha de 2010, quando Gleisi foi eleita senadora, ela teria recebido R$ 1 milhão da Petrobras, além de R$ 300 mil da Odebrecht. Para a campanha ao governo do Paraná, em 2014, a doação chegaria a R$ 13,5 milhões;   R$ 3,5 milhões da Odebrecht e R$ 10 milhões da JBS.R$ 7 mi do Ministério do PlanejamentoA denúncia acusa ainda Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo de movimentar um esquema de cerca de R$ 7 milhões em propina que seriam cobradas dentro do Ministério do Planejamento.De acordo com a PGR, Gleisi e Paulo atuaram no Ministério do Planejamento entre os anos de 2009 e 2015 junto ao ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Durante a gestão de Bernardo na pasta, a empresa de informática Consist era contratada anualmente sem licitação para criar programas de controle de créditos consignados a servidores públicos. Segundo a denúncia, a Consist teria negociado o pagamento mensal de vantagens indevidas a agentes públicos da pasta e a terceiros indicados pelo núcleo político do PT.As propinas eram calculadas sobre percentuais do faturamento da empresa em decorrência dos serviços e superaram, entre 2010 e 2015, os R$ 100 milhões. A PGR afirma que o esquema só encerrou com a deflagração das fases da Lava Jato, a Pixuleco 1 e 2, nos meses de julho e agosto de 2015.

Congresso instala CPI da JBSCongresso instala CPI da JBS

O Congresso Nacional instalou nesta terça-feira, 5, a CPMI da JBS. Os alvos são os empréstimos feitos pelo BNDES ao grupo e as delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista. “Alertei sobre minha preocupação de trabalharmos tecnicamente com isenção e sem disputas partidárias para não acabar em “pizza”!”, disse o deputado Fernando Francischini (SD-PR), autor do requerimento para criação da comissão parlamentar.

Projeto organiza memória da Saúde Pública no Estado


A Rede Paranaense de Preservação da Memória da Saúde Pública do Paraná foi lançada nesta terça-feira (5), em Curitiba. O projeto organiza objetos históricos e outras fontes de memória relacionados à saúde paranaense com o objetivo de preservar, registrar e contribuir para o desenvolvimento de pesquisas e produção de conhecimento.

A iniciativa é da Secretaria de Saúde em parceria com a Secretaria da Administração e Secretaria da Cultura. “Esse é um importante esforço coletivo que vai preservar a memória da saúde em nosso Estado e também servir como uma importante ferramenta para obtenção de informações e definição de políticas e programas no futuro”, destaca o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto.

A ideia é promover uma cultura de preservação e ter um espaço de memória em todas as unidades da Secretaria da Saúde. “Pode ser uma pequena sala, um arquivo ou até mesmo um simples armário. O que importa é ter esses objetos e documentos bem armazenados e disponíveis para consulta de quem tiver interesse”, explica o idealizador do projeto e coordenador da Rede Memória Saúde Pública, Márcio Almeida.

“Nos últimos quatro meses fizemos visitas técnicas às unidades da Secretaria de Estado da Saúde para fazer um levantamento dos documentos com valor histórico que estão nesses locais. Alguns foram transferidos para o Arquivo Público e podem ser acessados e outros ainda vão passar por restauro”, explica a coordenadora do projeto e da Divisão de Documentação Permanente do Deap, Marina Braga Carneiro.

São arquivos referentes a campanhas de vacinação e a serviços de combate a doenças, como a raiva. “Conforme o pesquisador tenha necessidade, é possível vir até o arquivo público e, cumprindo os requisitos como o uso de luvas para manuseio e fotografia sem flash, acessá-los e ainda encomendar a digitalização de partes específicas do documento, se necessário”, complementa Marina.

PF encontra ‘bunker’ com malas de dinheiro em imóvel ligado a Geddel

A Polícia Federal encontrou nesta terça-feira (5) um “bunker” com milhares de notas em reais que, segundo a investigação, é usado por Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Michel Temer. A operação, nomeada de Tesouro Perdido, foi autorizada pela 10ª Vara Federal de Brasilia. Os valores apreendidos serão transportados a um banco onde será contabilizado e depositado em conta judicial. As informações são de Camila Mattoso na Folha de S. Paulo.

Segundo a PF, após as últimas fases da Operação Cui Bono, foi possível chegar a um endereço, em Salvador, que seria utilizado para armazenagem de dinheiro. Geddel foi preso no dia 3 de julho, mas conseguiu um habeas corpus para cumprir prisão domiciliar em sua casa, na capital baiana, situação em que se encontra ainda hoje.

Bolsonaro ultrapassa Lula no Rio Grande do Sul

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) ultrapassou o ex-presidente Lula (PT) nas intenções de voto no Rio Grande Sul. É o que indica um levantamento exclusivo do Instituto Paraná Pesquisas. Em um cenário com João Doria (PSDB), Bolsonaro aparece com 21,9% das intenções, contra 18,1% de Lula e 13,1% do tucano. As informações são de Veja.

Já se Geraldo Alckmin (PSDB) for o escolhido do partido, a vantagem do deputado cresce um pouco mais: 23,5% contra 18,3% do ex-presidente. O governador paulista aparece em terceiro com 8,8%. O mesmo levantamento traz a aprovação do presidente Michel Temer entre os gaúchos. Difícil estar pior: 86,1% desaprovam o peemedebista.

Ratinho Junior encontra reitor da Unioeste



O secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, se reuniu nesta segunda-feira, 4, com o reitor da Unioeste, Paulo Sérgio Wolff. Os dois conversaram sobre a modernização das universidades e a importância das instituições no desenvolvimento do Estado. “As universidades são parceiras estratégicas no desenvolvimento do Estado. O 
Paraná é um estado da cooperação, está no nosso DNA. E o modelo de inovação que queremos exige a cooperação de todos”, disse Ratinho Junior.

 

 

Terminal de Contêineres de Paranaguá é vendido por R$ 2,9 bilhões


Após mais de um ano de negociações, a estatal chinesa China Merchants Port Holding (CMPorts) anunciou neste domingo, 3, a compra de 90% do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) e a empresa de serviços logísticos TCP Log, por R$ 2,9 bilhões (US$ 925 milhões). A transação envolve 90% dos ativos portuários. O fundo americano Advent, que tinha 50% da TCP, vendeu toda sua fatia. Os acionistas restantes – as empresas espanholas Galigrain e TCB –, também saem do negócio. Já os três sócios fundadores: Pattac, Soifer Participações e TUC Participações Portuárias vendem parte das ações, mas ficam, juntos, com 10% restantes dos ativos. As informações são de 
Mônica Scaramuzzo no Estadão.

A transação avalia o TCP em cerca de R$ 3,2 bilhões e a conclusão da operação está prevista para até o fim de 2017, após passar por crivo regulatório e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Fundado em 1998, o terminal brasileiro é considerado um dos mais modernos no País e tem bom potencial de crescimento.

Nos últimos anos, recebeu altos investimentos na renovação de equipamentos e na infraestrutura local, o que melhorou de forma expressiva a produtividade da empresa. O terminal tem capacidade para movimentar 1,5 milhão de TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés).

Tamanho. Hoje, o TCP é o terceiro maior terminal de contêineres do País, atrás apenas de Santos Brasil e Brasil Terminal Portuário (BTP), ambos no Porto de Santos. O terminal também detém o maior número de tomadas refeer – infraestrutura exigida para a manutenção de contêineres de produtos refrigerados, como carnes – do País.

Nos últimos meses, o TCP estava sendo alvo de cobiça de vários investidores. Além da estatal chinesa, o grupo árabe Dubai Port World (DP World) estava no páreo. A ideia original dos acionistas era abrir o capital do TCP ou vender apenas uma fatia a investidores privados. No entanto, a boa demanda pelo negócio levou os controladores a rever essa estratégia. No ano passado, o TCP contratou os bancos BTG Pactual e Morgan Stanley para assessorá-lo nas negociações. O grupo China Merchants contratou o banco Santander.

Em comunicado ao mercado, a China Merchants informou que “a entrada na América Latina, especialmente no Brasil, é crucial para a expansão global de sua rede de terminais”. A CMPort é uma das maiores operadoras globais de terminais de contêineres, com movimentação total de mais de 95 milhões de TEUs em 2016.

A gigante chinesa possui operações na Ásia e detém, ainda, terminais de contêineres em países como Estados Unidos, África e Europa.

O presidente da TCP, Luiz Antonio Alves, vai permanecer na empresa, de acordo com o comunicado ao mercado. Em nota, Alves disse que a entrada do novo controlador contribuirá para a nova fase de crescimento da TCP. “O Advent e os sócios-fundadores tiveram um papel fundamental, suportando a transformação operacional da empresa.”

Diversificação. O fundo Advent, que tem feito importantes aquisições no Brasil entre o fim do ano passado e este ano, decidiu vender sua participação para investir em novos negócios dentro e fora do Brasil. A gestora comprou o controle do TCP em 2011, por R$ 650 milhões. Com essa transação, vende o negócio por R$ 1,6 bilhão.

A gestora comprou recentemente participação relevante na Estácio para voltar a ser uma consolidadora no setor de educação, a exemplo do que fez na Kroton Educacional há alguns anos. No fim do ano passado, o Advent comprou uma faculdade no Rio Grande do Sul. O fundo também tem sido atuante em operações financeiras, com a aquisição da Easynvest.

A crise fiscal dos municípios


O desajuste das contas públicas da União atrai a maior parcela de atenção dos que estão preocupados com a situação fiscal do País, seja por seu volume, seja pela repercussão que as decisões tomadas pela equipe econômica do governo central tem sobre os demais entes federativos. Mas o equilíbrio fiscal dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios, especialmente destes últimos, deve despertar igual interesse. Para a maioria dos prefeitos, por exemplo, hoje não há desafio maior do que sanear as finanças sob sua responsabilidade.
De acordo com um levantamento feito pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é letra morta em mais de 2 mil municípios.Publicado desde 2006, o Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF) registrou o pior resultado da série histórica no ano passado. A instituição fluminense analisou as contas de 4.544 das 5.570 prefeituras. A diferença na base de avaliação deve-se ao número de prefeitos que não apresentaram os balanços de suas gestões à Secretaria do Tesouro Nacional (STN) ou os apresentaram com dados inconsistentes.Do total de municípios avaliados, 87% encerraram 2016 em situação fiscal difícil ou crítica. Apenas 13,8% das prefeituras foram consideradas de boa gestão. Um número ínfimo, somente os municípios de Gavião Peixoto (SP), São Gonçalo do Amarante (CE), Bombinhas (SC), São Pedro (SP) e Balneário Camboriú (SC) – 0,3% do total –, obteve grau de excelência em gestão fiscal.A pior recessão econômica da história recente do País ajuda a explicar a situação de penúria em que se encontra a esmagadora maioria dos municípios. Mas reduzir o foco da análise das causas dessa debacle a um único fator significa limitar a capacidade de diagnóstico e, consequentemente, retardar a adoção de medidas capazes de dar um fim, ou ao menos mitigar, a crise da municipalidade.Tome-se, por exemplo, o gasto com a folha de pagamento do funcionalismo público. De acordo com o IFGF, 575 municípios – 12% dos que apresentaram seus balanços à STN – violam o artigo 19 da Lei de Responsabilidade Fiscal, que determina que as despesas com pessoal não podem exceder o limite de 60% da receita corrente líquida das prefeituras. Esse número seria ainda pior não fossem os recursos extraordinários obtidos por alguns municípios por meio da repatriação de recursos financeiros aprovada no curso do último exercício fiscal.A LRF não vem sendo desrespeitada apenas no limite imposto à folha de pagamento do funcionalismo público, em relação ao total da receita municipal. De acordo com o levantamento da Firjan, mais de 700 prefeitos encerraram seus mandatos no vermelho e deixaram um rombo de R$ 6,3 bilhões de restos a pagar para seus sucessores. É importante ressaltar que tal prática é considerada crime fiscal punível com prisão.Números alarmantes como os apresentados no relatório da Firjan jogam luz sobre uma questão central da crise dos municípios: muitos deles nem sequer deveriam existir. Não são capazes de gerar nem 20% de suas receitas, situação particularmente preocupante na Região Nordeste, onde 93,2% das prefeituras dependem de recursos externos para compor seus orçamentos, um patamar ainda mais elevado do que a já preocupante média nacional de 82%.Uma boa parte da responsabilidade pela crise fiscal das prefeituras recai também sobre os chamados órgãos de controle, como os Tribunais de Contas e as Câmaras Municipais, responsáveis por fiscalizar os atos do Poder Executivo. Quando não realizam a contento suas obrigações constitucionais, a conta da prevaricação – somada à da irresponsabilidade dos prefeitos – passa a ser paga por quem não deveria: o conjunto dos contribuintes dos Estados e da União.Enquanto a Lei de Responsabilidade Fiscal continuar sendo desrespeitada impunemente pelos prefeitos, os efeitos nocivos de suas gestões criminosas serão cada vez mais sentidos pelos munícipes.
Lava Jato pede que Promotoria de SP assuma investigação contra Rose, Vagner da CUT, Vaccari e Gabas


A força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná defendeu junto ao juiz federal Sérgio Moro que a investigação contra a ex-chefe regional da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Noronha, o presidente da CUT, Vagner Freitas, o ex-ministro da Previdência e da Aviação Civil Carlos Gabas (Governos Lula e Dilma), o ex-tesoureiro João Vaccari Neto e outros nove citados fique a cargo do Ministério Público de São Paulo. Um Procedimento Investigatório Criminal (PIC) apura supostos crimes de lavagem de dinheiro envolvendo imóveis ligados à OAS Empreendimentos, que assumiu obras da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop). As informações são de 

Julia Affonso e Ricardo Brandt no Estadão.O procedimento havia sido instaurado pelo Ministério Público de São Paulo. A força-tarefa narrou a Moro que a Promotoria paulista declinou da competência sobre a apuração por considerar que os fatos teriam conexão com a investigação da Lava Jato, em Curitiba.Ainda são citados na apuração Mirele Novoa de Noronha Oshiro, Edson Lara Novoa, Marice Correia de Lima, Freud Godoy, Simone Messeguer, Ana Maria Ernica, José Carlos Spinoza, Rogerio Aurelio Pimentel e Osvaldo Bargas. A apuração mira em ‘possíveis irregularidades envolvendo condomínio de constrição e ligação com a OAS no residencial Jardim Anália Franco entre outros’.“O Parquet estadual declinou da competência de apurar parte do feito em comento, vez que conexa com os fatos investigados no bojo da Operação Lava Jato, na medida em que envolveria a aquisição de unidades do Condomínio Solaris em condições idênticas àquelas observadas quanto ao triplex 164-A do mesmo condomínio, relacionado ao ex-presidente Lula, caracterizando uma possível situação de recebimento de propina decorrente do esquema que vitimou a Petrobrás”, relatou.Lula foi condenado a nove anos e seis meses de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso triplex. Na sentença, o juiz da Lava Jato decretou o confisco do imóvel do Guarujá e impôs multa de R$ 16 milhões ao petista e a outros dois réus, o empreiteiro Léo Pinheiro e o executivo Agenor Franklin Medeiros, ambos da OAS.A Lava Jato afirmou a Moro que analisou os ‘argumentos apresentados pelo representante do Ministério Público do Estado de São Paulo’, mas não viu conexão entre os casos para ‘atrair’ a competência da Justiça Federal.“De igual forma, não restaram identificados, prima facie, fatos criminosos que estejam sob a atribuição da 13.ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Curitiba/PR e desta força-tarefa do Ministério Público, porquanto inexistentes elementos de prova que evidenciem a relação dos possíveis delitos investigados no bojo do presente procedimento e aqueles perpetrados no âmbito e em desfavor da Petrobrás, que, de outro canto, ensejariam a atuação do Parquet federal”, justificou o Ministério Público Federal.“O Ministério Público Federal manifesta-se pela remessa do presente feito ao Ministério Público do Estado de São Paulo, sem prejuízo de nova manifestação por este órgão ministerial em sendo identificados elementos concretos que atraiam a sua competência.”


Todos os citados no caso negam irregularidades.
Alckmin em Curitiba

No próximo dia 15, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, estará em Curitiba para palestrar na Associação Comercial do Paraná e no Instituto Democracia e Liberdade. No encontro, o Alckmin também receberá os títulos de “Cidadania ACP” e “Defensores da Liberdade”.

Municípios do Família Paranaense têm R$ 6,9 milhões para assistência social

A Secretaria da Família e Desenvolvimento Social (Seds) tem R$ 6,9 milhões em recursos para municípios que aderiram espontaneamente ao programa Família Paranaense. As prefeituras devem enviar os documentos necessários ao escritório da Seds de suas regiões, até 15 de setembro.
 
A iniciativa faz parte dos Incentivos Família Paranaense que disponibiliza recursos para cofinanciamento de ações socioassistenciais nas cidades onde o programa é desenvolvido. Os recursos podem ser usados para o desenvolvimento de serviços de proteção social básica e especial, nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e nos Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas).
 
“Os recursos liberados pelo Governo do Estado servem para os municípios melhorarem a estrutura da assistência social, adquirirem equipamentos ou pagarem profissionais diretamente ligados a essa atividade. Dessa forma aprimoramos o atendimento em todo o Paraná”, declarou a secretária, Fernanda Richa.
 
FAMÍLIA PARANAENSE – Lançado pelo em 2012, o Família Paranaense é a principal estratégia do Governo do Paraná para erradicação da pobreza. O programa está presente nos 399 municípios do Estado, e já atendeu mais de 286 mil famílias, 38 mil delas com acompanhamento familiar. O investimento total nas ações do programa chega ao montante de R$ 181,1 milhões.
 
Essa é a primeira vez que municípios que aderiram espontaneamente ao programa Família Paranaense têm recursos específicos. Poderão acessar de R$ 30 mil a R$ 60 mil, dependendo da intensidade das ações desenvolvidas dentro do programa – índice de aderência –. Até agora, 207 prefeituras escolheram aderir ao Família Paranaense.(confira a lista aqui)
 
O direcionamento do recurso foi aprovado no plano de ação do Fundo Estadual de Assistência Social (Feas) elaborado pelo Conselho Estadual de Assistência Social (Ceas). Parte do dinheiro vem do Tesouro Estadual e do Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID.
 
ADESÃO – Os municípios que aderiram espontaneamente ao programa Família Paranaense apresentaram Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) superior aos classificados como prioritários. As prefeituras optaram pela adesão por acreditarem que o atendimento e o acompanhamento realizados pelo programa beneficia famílias em situação de vulnerabilidade e risco social.
 
SERVIÇO – Para pleitear esse valor, os municípios devem apresentar plano de ação a ser aprovado pelo Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS). As restrições para o uso da verba são pagamento de comissionados ou ações que não sejam da Política de Assistência Social.
 
As prefeituras interessadas podem ter mais informações sobre as resoluções e como acessar os recursos AQUI
 
Os 22 escritórios regionais da Secretaria da Família também orientam os municípios por meio de sua equipe técnica.
Richa assina promoções de 75 oficiais e 210 praças militares
 
O governador Beto Richa assinou nesta sexta-feira (01.09), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, decreto que efetiva a promoção de oficiais e praças da Polícia Militar do Paraná. O ato contou com a presença da vice-governadora Cida Borghetti; do chefe da Casa Militar, coronel Elio de Oliveira Manoel; o comandante da PM, coronel Mauricio Tortato, e o comandante do Corpo de Bombeiros do Paraná, coronel Fábio Mariano de Oliveira.
 
O decreto beneficia 75 oficiais e 210 praças que vão ocupar novas funções dentro dos quadros da PM e do Corpo de Bombeiros. “Meus cumprimentos a esses profissionais, que têm todas as condições de exercer com dignidade e honradez o trabalho de servir as famílias paranaenses”, disse Richa.
 
O governador também ressaltou os investimentos em segurança pública. Desde 2011, o Estado contratou 11 mil policiais e ampliou a frota de veículos em 3 mil viaturas. “Graças a isso, nossos policiais passaram a ter uma estrutura melhor para combater crimes praticados no Paraná”, afirmou.
 
Segundo o coronel Maurício Tortato, os oficias e praças promovidos assumirão funções de maior responsabilidade dentro da corporação. “São profissionais mais preparados, que agora ocupam novas posições em todas regiões do Paraná, buscando melhorar e preservar a ordem pública”, disse. Na solenidade, cinco tenentes-coronéis que passaram ao posto de coronel receberam a platina que representa a patente, composta por três estrelas douradas.
 
O deputado estadual Pedro Lupion e o secretário do Cerimonial e Relações Internacionais, Ezequias Moreira, acompanharam a assinatura das promoções.
Oito cidades do Oeste terão novas unidades de saúde, diz Caputo Neto

O secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, destacou nesta quinta-feira, 31, o andamento das 11 novas obras na área de saúde que serão entregues no Oeste do Paraná, num investimento de R$ 20,7 milhões.”São construções, reformas e ampliações de unidades de saúde, hospitais, alas e pronto atendimentos previstos para serem entregues em oito cidades da região até o segundo semestre de 2018. É mais saúde de qualidade à serviço da população da região”, disse Caputo Neto.

 A obra com maior volume de investimentos da região fica em Cascavel. O Hospital Universitário do Oeste do Paraná terá uma nova ala de queimados no valor de R$ 6 milhões. As obras chegaram a 87,15% dos trabalhos concluídos. A cidade de Palotina vai receber até o final do ano duas novas unidades de saúde e ganhará dez novas vagas de UTI com a ampliação do Hospital Municipal Prefeito Quinto Abrão Delázari. O Governo do Estado investe nestas três obras cerca de R$ 2 milhões, recursos próprios da Secretaria de Saúde.

Em Terra Roxa, a nova unidade de saúde funcionará ao lado do hospital da cidade. O investimento é de R$ 1,09 milhão e as obras estão 90,8% concluídas. São Miguel do Iguaçu também receberá em breve um novo pronto atendimento. A obra de R$ 4,4 milhões está com 97,52% dos trabalhos concluídos.
Em Assis Chateaubriand há duas obras em andamento: uma unidade de saúde, com investimento R$ 538 mil, e a reforma e ampliação do hospital do município, com destinação de R$ 4,67 milhões. A unidade de saúde está com 91% das obras finalizadas e o hospital tem 76,6% do projeto executados, com a ampliação do centro cirúrgico já concluída.Em Toledo, uma Unidade de Saúde de Família já foi entregue em julho, com orçamento de R$ 721 mil. Corbélia e Boa Vista da Aparecida também terão novas unidades. Os investimentos somam de R$ 1,24 milhão e, em média, 84% dos trabalhos já foram realizados.
Sou candidato ao Senado, diz Pessuti
O ex-governador Orlando Pessuti já adiantou que será candidato ao Senado em 2018 pelo PMDB e que tem apoio da direção nacional do partido. Pessuti espera a expulsão do seu desafeto, o senador Roberto Requião (PM|DB) que deve disputar a reeleição pelo PT ou Rede. “O Paraná precisa de uma representação qualificada no Senado, que defenda os interesses do Estado e não jogue no quanto pior, melhor. Eu tenho apoio dos prefeitos e vereadores do PMDB de todo o Paraná”, alfinetou Pessuti.
Cida libera R$ 847,5 mil para UEL e Uenp

A governadora Cida Borghetti autorizou nesta quinta-feira, 31, o repasse de R$ 847,5 mil para investimentos na UEL (Universidade Estadual de Londrina) e na Uenp (Universidade Estadual de Norte do Paraná). A Uenp vai usar R$ 497,5 mil para obras e para o hospital universitário da UEL são R$ 350 mil para a aquisição de equipamentos. “Mais um investimento para fortalecer e melhorar as condições de trabalho e dos serviços prestados pelas universidades do Paraná”, disse Cida.


Cida lembrou que recente ranking publicado pela Times Higher Education, da Inglaterra, colocou as universidades estaduais paraenses entre as melhores do país. O levantamento posicionou a UEL em primeiro lugar entre as instituições estaduais de ensino superior do Sul do país, seguida pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).
A tolice do cobre

O governo de Michel Temer (PMDB), em seu afã de fabricar boas novas para estimular a economia, cometeu erros primários na extinção da Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca). Como dividendos, colheu apenas uma enorme —e exagerada— reação negativa na opinião pública.
Com a ajuda de celebridades, espalhou-se o rastilho de indignação com o suposto “leilão” da Amazônia para a iniciativa privada. Um juiz federal se apressou a suspender o decreto presidencial, nesta quarta-feira (30), por entender que faltou ouvir o Congresso.O Planalto se viu acusado de liberar para destruição uma área preservada de floresta amazônica do tamanho do Espírito Santo.A Renca nunca foi uma reserva ambiental, mas sim mineral. Criada por decreto em 1984, no período militar, objetivava manter controle estatal sobre depósitos de cobre, tântalo, ouro e outros metais.Pode ter ajudado a coibir o desmatamento na região, mas não foi tão eficiente: há nela cerca de mil garimpeiros ilegais e 28 pistas de pouso clandestinas, segundo o Ministério de Minas e Energia.A área coincide com a de nove unidades de conservação (UCs), criadas após a declaração da Renca. O decreto original de Temer ressalvava que prevaleceria a legislação ambiental incidente, mas não cuidou de consultar, antes de baixá-lo, a pasta do Meio Ambiente.Uma secretaria do ministério havia preparado, em 2016, nota técnica contrária ao fim da Renca, por considerar que estimularia influxo populacional e desmatamento. Só após a onda de protestos o ministro Sarney Filho (PV) foi chamado para ajudar a apagar o incêndio.O Planalto produziu então outro decreto, explicitando salvaguardas ambientais. O texto esclarece, por exemplo, que por ora não estarão previstas novas atividades de pesquisa e lavra dentro das UCs.Em termos formais, a extinção não parece tão ameaçadora quanto se alardeou. Seria ingênuo, contudo, considerar inócua a medida.O governo Temer tem patrocinado vários retrocessos na regulamentação ambiental. Além disso, a crise orçamentária no setor público reduziu sobremaneira sua capacidade de fiscalizar abusos.O Planalto reincide no equívoco palmar de lançar medidas controversas sobre questões complexas, de afogadilho e sem os devidos esclarecimentos à sociedade.
O maior déficit é político

O Brasil está sendo consumido pelas despesas obrigatórias do governo, puxadas principalmente pela Previdência

Com muito esforço, muito aperto e algum vento a favor, o governo fechará suas contas, neste ano, dentro do limite de R$ 159 bilhões de déficit primário, nova meta proposta ao Congresso. O objetivo inicial, de um saldo negativo de R$ 139 bilhões, tornou-se inalcançável por causa da economia ainda fraca, da frustração de receitas extraordinárias e também de um fato positivo, uma inflação bem abaixo da esperada. Mas o quadro seria complicado mesmo com um crescimento econômico pouco maior. O Brasil está sendo consumido pelas despesas obrigatórias do governo, puxadas principalmente pela Previdência. Em 2008, os gastos incontornáveis corresponderam a 74,2% da receita líquida do governo central. Em 2016, chegaram a 101,3%, ultrapassando, portanto, o montante de recursos disponíveis depois das transferências constitucionais. Nos 12 meses terminados em julho, a relação chegou a 105%.

O aumento das despesas obrigatórias independe do estado geral da economia e das condições de arrecadação do governo. Essa distorção é particularmente grave no caso da Previdência. Pelos cálculos do governo, com a reforma proposta este ano os gastos com benefícios e pensões chegarão a 10,52% do Produto Interno Bruto em 2060. Sem reforma, chegarão a 18,9%, uma barbaridade. Se alguém achar inútil pensar em problemas das próximas décadas, poderá mudar de ideia, facilmente, se examinar a assustadora evolução recente das contas federais.

Pelos cálculos do Banco Central (BC), de janeiro a julho o governo central teve um déficit primário, isto é, sem juros, de R$ 68,7 bilhões. O governo central, para efeito contábil, inclui o Tesouro, o BC e a Previdência. Nesse período, o Tesouro acumulou um superávit de R$ 28,1 bilhões. O BC teve um pequeno déficit de R$ 466 milhões, de quase nenhum peso no conjunto. Mas a Previdência acumulou um resultado negativo de R$ 96,4 bilhões. Esse buraco engoliu todo o saldo positivo do Tesouro e ainda sobrou um enorme déficit.

Governos estaduais e municipais somaram um superávit de R$ 16,3 bilhões. As estatais também ficaram no azul, com um saldo de R$ 1,1 bilhão. Feita a soma geral, o setor público consolidado fechou o balanço de sete meses com um saldo negativo de R$ 51,3 bilhões. O desastre da Seguridade Social (INSS) foi muito mais que suficiente para anular os saldos positivos conseguidos pelo Tesouro Nacional, pelos governos de Estados e municípios e pelas estatais.

Para negar a existência de um déficit previdenciário é preciso muito mais que otimismo. É indispensável uma disposição incomum para negar os fatos mais evidentes – se essa negação, é claro, for sustentada com alguma boa-fé. Mas, apesar do enorme problema visível para todos, ou quase todos, políticos experientes, até da base do governo, dizem duvidar da aprovação da reforma nos próximos meses ou mesmo neste ano. Essa pode ser uma opinião realista. Mas pode ser algo muito mais preocupante.

Mesmo aliados do governo parecem, com frequência, incapazes de perceber a gravidade do problema previdenciário e a necessidade, portanto, de batalhar por uma solução eficiente no menor prazo possível. O problema inclui, além da Previdência, outros desarranjos tipicamente brasileiros, como a rigidez orçamentária, mas pouquíssima gente, em Brasília, tem mostrado alguma preocupação com esse tipo de desafio.

Enquanto a estrutura orçamentária permanece engessada pelos gastos obrigatórios e pelas vinculações, as despesas continuam crescendo em ritmo independente das condições econômicas e das possibilidades financeiras do setor público. Como resultado, a cada mês o endividamento se torna cada mais pesado.

Em julho, a dívida bruta do governo geral chegou a R$ 4,7 bilhões, soma equivalente a 73,8% do PIB, com aumento, em um mês, de 0,6 ponto porcentual. O próximo governo deverá encontrar uma dívida em torno de 80% do PIB e em crescimento, uma das maiores do mundo e provavelmente muito maior que a dos demais países emergentes. Avançar na pauta de reformas poderá evitar essa herança maldita.

Gilmar Mendes diz que Janot é ‘um sindicalista’ alçado a chefe da PGR

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes disse nesta quarta-feira que Rodrigo Janot, que pede sua suspeição no caso do empresário de ônibus Jacob Barata Filho, é “um sindicalista” alçado ao cargo de procurador-geral da República, “um legado do petismo” cujo objetivo é fazer “patrulhamento da concessão de habeas corpus”. Em entrevista ao blog do Josias, no UOL, Gilmar também acusou o Ministério Público de tentar “inibir o Supremo” e disse que a ele “não vão inibir”. As informações são d’O Globo.
Gilmar Mendes voltou a dizer que não vê motivo para se declarar impedido no caso de Jacob Barata e considera normal ter recebido flores do empresário em função dos relacionamentos mantidos na vida pública, mas não por proximidade que o torne suspeito para julgar.— Se fosse adotado esse critério, ninguém poderia julgar ninguém. Você sabe como é a relação em Brasília — disse.O ministro também afirmou desconhecer, até ler no jornal, que um cunhado dele, irmão de Guiomar, sua esposa, é sócio de Jacob Barata.— O pai da Guiomar teve 20 filhos — 11 com a mãe dela e nove com outra. Você já imaginou se eu tiver que sair perscrutando negócios de cunhados meus? Até a relação de parentes tem de ser delimitada — declarou.Em mais uma troca de farpas públicas com Janot, Gilmar questionou a capacidade técnica do procurador.— Qual é a especialidade do Janot? Você não sabe. É direito constitucional? Não. É direito penal? Não. O maior ponto do currículo dele é ter sido presidente da Associação dos Procuradores — afirmou, concluindo com uma ironia: — Podiam ter entregue a Procuradoria-Geral ao Vicentinho [deputado federal do PT, ex-sindalista da CUT]”.O ministro afirmou que se manifestará no pedido de suspeição no caso de Jacob Barata assim que voltar de Bucareste, onde está em visita oficial, e que não se importa se o caso for ao plenário da Corte.Gilmar reafirmou a posição de se mudar a jurisprudência do Supremo que hoje prevê prisão para condenados em segunda instância e disse que as movimentações do Ministério Público tem o real objetivo de “inibir o Supremo”. Ao estilo Gilmar, avisou: “A mim não vão inibir coisa nenhuma. Você acha que vou deixar de adotar as minhas posições? Também não vão inibir a Segunda Turma, que tem liberado as pessoas. Mas toda vez que você toma uma posição dessas aparece alguma coisa. No dia em que íamos deliberar sobre José Dirceu, eles ofereceram uma nova denúncia contra ele. Esse tipo de prática é autoritária”, afirmou Gilmar.

Governo vai descontar falta dos servidores que aderirem à paralisação
O chefe da Casa Civil Valdir Rossoni adiantou nesta terça-feira (29) que o Governo do Estado vai descontar da folha de pagamento o dia de todos os servidores públicos que faltarem ao trabalho para aderir à paralisação programada para amanhã (30). 
 
O secretário informou que a decisão foi tomada pelo Comitê de Política Salarial (CPS) do governo, órgão presidido pelo chefe da Casa Civil e composto por representantes de cinco secretarias e a Procuradoria Geral do Estado. E é uma determinação do Supremo Tribunal Federal, que em outubro do ano passado determinou que  a administração pública deve descontar os dias parados em greves
Ratinho Junior conversa com lideranças municipais
 
O secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, participou nesta terça-feira, 29, de um café da manhã com prefeitos e lideranças dos municípios de Nova Cantu e Pitanga. 
 
“Conversa boa para discutir as prioridades de investimentos para a região para melhorarmos cada vez mais a qualidade de vida da população”, disse Ratinho. 
Richa destaca o bom ambiente para negócios no Paraná
O governador Beto Richa apresentou nesta terça-feira (29), em Nova York, os potenciais do Paraná a investidores internacionais. Em reunião na sede do Grupo Itaú nos Estados Unidos, Richa destacou que o Estado vive seu maior ciclo de industrialização e relatou o processo de ajuste fiscal, que permite ao Estado programar investimentos públicos de quase R$ 8 bilhões neste ano.
 
“Em razão das medidas de ajuste, iniciadas no final de 2014, o Paraná está de pé hoje”, afirmou. “Nós fomos o primeiro estado a fazer o ajuste fiscal. Com as decisões que tomamos, temos a melhor situação financeira e fiscal do País”, reforçou o governador ao citar que as medidas permitiram um incremento de receitas de R$ 900 milhões e uma economia de R$ 2,2 bilhões nas despesas do Estado.
 
Richa ressaltou que o Paraná é a quinta maior economia brasileira, concentrando 6% do PIB nacional, e conta com a segunda indústria automotiva, terceira indústria de transformação e o quarto maior parque de processamento de petróleo do País, além de um exemplar sistema agrícola. Ele destacou que no primeiro semestre deste ano, o Estado cresceu 2,5%, frente a uma redução de 0,4% no PIB nacional. As exportações paranaenses também tiveram alta de 14% no período.
O governador também relatou que a melhora do diálogo do Executivo com o setor produtivo e a atração de investimentos pelo programa de Paraná Competitivo, que somam quase R$ 43 bilhões, fazem com que o Estado se destaque no cenário internacional. “O Paraná Competitivo foi apontado pelo jornal Financial Times como um dos programas de incentivos fiscais mais efetivos do mundo”, disse.
 
Ele também salientou que a mesma publicação coloca o Paraná como o Estado que tem a melhor estratégia de investimentos na América Latina. Além disso, o grupo britânico The Economist apontou o Paraná como o segundo estado mais competitivo do País, atrás apenas de São Paulo.
 
“Quando assumimos, o Paraná era o quinto estado mais competitivo do País, segundo o The Economist. Em 2013 saltamos para o terceiro lugar e em 2015 e 2016, nos tornamos o segundo estado mais competitivo do Brasil”, disse Richa.
 
Outro destaque foi a melhora na classificação na agência Fitch, uma das maiores do setor, que elevou o rating nacional do Paraná de AA (bra) para AA+ (bra). Com o aumento da nota de crédito, o Paraná fica a um degrau do nível AAA, que é o máximo de avaliação de risco da agência.
 
INFRAESTRUTURA – Além das estratégias e incentivos para a atração e ampliação de negócios privados, o governador afirmou que o Governo do Estado investe fortemente na melhoria da infraestrutura. Ele citou os investimentos recordes da Copel, de R$ 13 bilhões, e da Sanepar, de R$ 4 bilhões, nos últimos anos. As duas companhias estatais são consideradas as melhores do País em seus setores.
 
O sistema rodoviário também passa por melhorias, reforçou o governador Beto Richa. Ele demonstrou que centenas de quilômetros de rodovia estão em duplicação no Paraná. Além disso, o governo estadual programou R$ 2,3 bilhões para a conservação e manutenção das rodovias estaduais.
 
Outro tema do encontro foi o Porto de Paranaguá, que se destaca pela gestão e modernização. O Estado investiu R$ 600 milhões em melhorias na estrutura do porto, além de R$ 1,2 bilhão investidos pela iniciativa privada no sistema portuário paranaense. Desde 2011, foram feitas três operações de dragagem para aumentar a capacidade de atracação. “Os maiores navios do mundo atracam em Paranaguá”, afirmou Richa.
 
Estado confirma quase R$ 11 milhões para 37 municípios
Melhoria da infraestrutura e aquisição de máquinas e equipamentos para as prefeituras são investimentos que 37 municípios paranaenses farão com recursos repassados pelo Governo do Estado. O montante soma R$ 10,7 milhões. Os convênios com os municípios foram assinados pela governadora em exercício Cida Borghetti, durante audiência com os prefeitos nesta segunda-feira (28), no Palácio do Iguaçu, em Curitiba.
 
Além dos novos convênios, foram entregues os editais homologados dos convênios e financiamentos já firmados com outros 13 municípios, no valor cerca de R$ 24 milhões.
 
Cida Borghetti destacou que os recursos são a fundo perdido e demonstram o caráter municipalista do Governo do Estado. “O Governo entende a importância de apoiar os municípios para garantir melhores de condições de vida e bem servir a população do Paraná”, disse. Ela ressaltou que a soma total de convênios já firmados somente neste ano entre o Estado e prefeituras ultrapassa R$ 32 milhões e que isto só é possível pela solidez fiscal do Estado.
 
De acordo com o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, novos convênios deverão ser firmados nas próximas semanas. “Os recursos já estão garantidos, mas precisamos que as prefeituras deem agilidade aos projetos”, declarou.
 
“O Paraná tem uma economia diferenciada dos demais estados. Somos o segundo mais competitivo do país, atrás apenas de São Paulo. Isso prova que estamos em crescimento e atraindo novos investimentos”, disse Cida Borghetti.
 
APLICAÇÃO – Os recursos dos convênios assinados nesta segunda-feira são provenientes da Secretaria de Desenvolvimento Urbano. Os municípios poderão usar a verba para compra de veículos e equipamentos como retroescavadeiras, caminhões basculantes, pás carregadeiras e escavadeiras hidráulicas.
 
Pato Bragado (Oeste) firmou convênio de R$ 150 mil para aquisição de uma pá carregadeira, que será destinada aos projetos de agricultura. “Se não fosse este recurso teríamos que cortar gastos das secretárias para conseguir comprar o equipamento”, afirmou o prefeito Leomar Rohden.
 
Já Cornélio Procópio aplicará R$ 700 mil em pavimentação e melhorias na avenida principal da cidade. “A necessidade de pavimentação na avenida que liga a Br-369 à Universidade Federal Tecnológica é antiga e o município não dispunha deste recurso. Como é uma avenida de acesso ao centro da cidade praticamente toda a população erá beneficiada”, afirmou o prefeito Amin Hannouche.
 
PRESENÇAS: Acompanharam a solenidade o ministro da saúde, Ricardo Barros; o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano; os secretários de Estado da Administração, Fernando Ghignone; do Esporte e Turismo, Douglas Fabrício, e de Assuntos Estratégicos, Edgar Bueno, e os deputados estaduais Luiz Cláudio Riomanelli, Alexandre Curi, Alexandre Guimarães, Andre Bueno, Bernardo Carli, Cantona Mara Lima,. Cobra Repórter, DR Batista, Elio Rusch, Evandro Junior, Gilson de Souza, Hussein Bakri, Márcio Nunes, Maria Victória, Nelson Justus e Tião Medeiros.
 
Confira os municípios contemplados com convênios:
 
Amaporã – R$ 48.900,00
 
Arapuã – R$ 247.000,00
 
Boa Vista da Aparecida – R$ 40.000,00
 
Campina Grande do Sul – R$ 2.649.312,00
 
Capanema – R$ 505.000,00
 
Cornélio Procópio – R$ 688.151,39
 
Diamante do Norte – R$ 345.000,00
 
Doutor Camargo – R$ 42.688,80
 
Esperança Nova – R$ 80.000,00
 
Faxinal – R$ 41.890,00
 
Figueira – R$ 319.280,00
 
Foz do Jordão – R$ 120.000,00
 
Francisco Beltrão – R$ 47.990,00
 
Guaraniaçú – R$ 450.000,00
 
Ibiporã – R$ 404.629,00
 
Inácio Martins – R$ 260.000,00
 
Irati – R$ 508.800,00
 
Jacarezinho – R$ 54.750,00
 
Japira – R$ 180.000,00
 
Jussara– R$ 45.990,00
 
Loanda -R$ 51.900,00
 
Manoel Ribas – R$ 68.990,00
 
Mariluz – R$ 51.000,00
 
Palmital – R$ 47.900,00
 
Pato Bragado – R$ 480.000,00
 
Piên – R$ 100.000,00
 
Pontal Do Paraná – R$ 107.000,00
 
Quatro Pontes – R$ 150.000,00
 
Rio Azul – R$ 49.000,00
 
Rio Negro – R$ 100.671,00
 
Rolândia – R$ 855.000,00
 
São Carlos do Ivaí – R$ 47.740,00
 
São João Triunfo – R$ 250.000,00
 
São José da Boa Vista – R$ 365.200,00
 
São Miguel do Iguaçú – R$ 150.000,00
 
Teixeira Soares – R$ 265.000,00
 
Toledo – R$ 250.000,00
TOTAL – R$ 10.776.782,19
 
Municípios que tiveram editais de licitação homologados
GUARATUBA
R$ 50.810,50
01 Veículo de Passeio
Plano de Apoio aos Municípios (PAM)
 
INÁCIO MARTINS
R$ 285.000,00
1 Caminhão Basculante
PAM
 
LAPA
R$ 161.500,00
1 Caminhão Caçamba Basculante
(PAM)
 
NOVA AURORA
R$ 154.764,51
Pavimentação de ruas
PAM
 
REALEZA
R$ 48.985,00
01 Veículo
PAM
 
SANTA TEREZINHA DE ITAIPU
R$ 1.004.404,45
Recape asfáltico em via urbana
PAM
 
SÃO JORGE DO IVAÍ
R$ 350.000,00
1 Caminhão Lixo
PAM
 
SÃO JOSÉ DAS PALMEIRAS
R$ 350.000,00
1 Pá Carregadeira Sobre Rodas
PAM
 
CAMPO BONITO
R$ 310.400,00
1 Escavadeira Hidráulica
SFM
 
CAMPO MAGRO
R$ 3.031.942,11
PAVIMENTAÇÃO
SFM
 
CAMPO MOURÃO
R$ 5.884.964,64
Recape vias urbanas da área central
SFM
 
CAMPO MOURÃO
R$ 2.286.227,84
Pavimentação asfáltica e drenagem em vias
SFM
 
NOVA TEBAS
R$ 1.000.000,00
Recape asfáltico, revitalização de Canteiro
SFM
 
FOZ DO IGUAÇU
R$ 8.927.987,88
Pavimentação e ciclovia em 3 avenidas
SFM / FGTS
 
VALOR TOTAL R$ 23.846.986,93
Cida destaca parceria enconômica entre Japão e o Paraná
O bom ambiente de negócios, diálogo com os empreendedores, segurança jurídica, e o programa Paraná Competitivo contribuem para o aumento dos investimentos de empresas japonesas no Paraná, segundo a governadora Cida Borghetti. “O Estado alterou o perfil de sua economia e trouxe indústrias do Japão  para cá”, afirmou Cida na abertura da 20ª reunião do comitê de cooperação econômica Brasil-Japão nesta segunda-feira (28) em Curitiba.
Cida citou como exemplo a Sumitomo Rubber do Brasil. “É uma empresa japonesa que confiou em nosso governo e com o apoio do programa Paraná Competitivo se instalou em Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba”, lembrou.

O encontro organizado pela CNI e a Fiep, em parceria com a sua congênere japonesa a Keidanren, reúne cerca de 300 lideranças empresariais dos dois países, e busca definir estratégias para o fortalecimento do comércio e a atração de investimentos entre as duas nações.

 
“Ano passado, o Japão foi o nono principal destino das nossas exportações e o fluxo de comércio com a nação oriental totalizou quase US$ 500 milhões. Temos condições de ampliar ainda mais essas oportunidades com eventos como o de hoje”, disse o presidente da Fiep, Edson Campagnolo.
Gleisi depõe ao STF, nega acusações e se diz ‘vítima de perseguição política’
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) prestou depoimento nesta segunda-feira (28) ao Supremo Tribunal Federal (STF) e negou as acusações contra ela na Operação Lava Jato, afirmando que não há provas. Gleisi também se disse “vítima de perseguição política”.
 
O depoimento da senadora durou pouco mais de uma hora e foi prestado na ação penal no STF na qual Gleisi é ré pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
 
A petista falou a um juiz auxiliar do ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo.
 
“Neguei o que estão me acusando, corrupção passiva e lavagem. Nunca tive relação com Paulo Roberto Costa [ex-diretor da Petrobras]. Foi a segunda vez que pude falar. Primeiro, na PF [Polícia Federal] e, agora, além de responder ao juiz, pedi para fazer a narrativa”, declarou a senadora ao deixar o Supremo.
 
“Não tem nenhuma prova e estou sendo julgada e condenada. Não precisava pedir dinheiro para minha campanha de 2010. Sou vítima de perseguição política em razão de Alberto Youssef e seu advogado […]. Não tem prova desse dinheiro chegando a mim. Acho que tem alto grau de politização [na denúncia]. Quando fui denunciada, havia muita influência do Judiciário e do MP”, acrescentou.
 
A ação em que Gleisi é ré entrará, a partir de agora, na fase de alegações finais por parte da defesa e da acusação. O processo deverá ser julgado pela Segunda Turma do Supremo ainda neste ano.
 
Após o depoimento da senadora, o marido de Gleisi, o ex-ministro Paulo Bernardo, também negou ter atuado para pedir dinheiro para campanha da petista.
 
“Basicamente, deixei claro que não pedi dinheiro nenhum. Eu vou esperar com toda tranquilidade e, com certeza, vai dar certo”, disse o ex-ministro.
 
As denúncias
Segundo a acusação do Ministério Público, Gleisi, Paulo Bernardo e o empresário Ernesto Kugler Rodrigues pediram e receberam R$ 1 milhão desviados do esquema de corrupção que atuou na Petrobras. Todos negam.
 
O dinheiro, conforme a PGR, teria sido direcionado para campanha eleitoral de Gleisi, em quatro parcelas de R$ 250 mil.
O repasse teria sido realizado, segundo a procuradoria, por meio de empresas de fachada do doleiro Alberto Youssef contratadas pela Petrobras.
 
Ainda segundo a PGR, os recursos foram liberados pelo ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa, cujo objetivo seria obter apoio político de Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo para se manter no cargo.
 
Depoimento de Dilma
No último dia 28 de julho, a ex-presidente Dilma Rousseff prestou depoimento nesta ação como testemunha de defesa de Gleisi Hoffmann.
Aurante o depoimento, Dilma foi indagada sobre se recordava de alguma tentativa de Gleisi de manter Paulo Roberto Costa no cargo de diretor da Petrobras. “Não. E ela [Gleisi] não participava dessa decisão, não era do âmbito dela”, respondeu a ex-presidente.
 
Em seguida, o representante do Ministério Público questionou Dilma sobre se ela sabia de algum “fato irregular” cometido por Gleisi no período em que a senadora esteve à frente da Casa Civil.
 
Dilma, então, respondeu que “pelo contrário”, porque Gleisi Hoffmann é uma pessoa “bastante séria e extremamente rígida”. Segundo a ex-presidente, a petista era “bastante competente” ao tocar as tarefas da Casa Civil.
 
Na sequência do depoimento, Dilma foi perguntada sobre se tinha conhecido de que o PP indicou Paulo Roberto Costa para a Diretoria de Abastecimento. Ela disse que não.
 
“E esse assunto nunca chegou, a senhora nunca tratou desse assunto com a senadora Gleisi Hoffmann?”, indagou o representante do MP.
 
“Não, porque ela [Gleisi] não tinha nem conhecimento de quem ele era”, respondeu a ex-presidente.
 
Segundo Dilma, ninguém “ousaria chegar perto” para pedir a ela que não demitisse Paulo Roberto Costa da Petrobras.
Amparados por decisões da Corte, servidores do STF receberam em um único mês até R$ 226,8 mil


No momento em que o Conselho Nacional de Justiça entrou em alerta por causa de pagamentos superiores ao teto constitucional nos tribunais estaduais, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a servidores da Corte remunerações que superam o limite de R$ 33,7 mil. Apenas neste ano, nove técnicos e analistas judiciários lotados no tribunal receberam líquido, no contracheque, valores entre R$ 37,8 mil e R$ 226,8 mil. A justificativa para os pagamentos aparece em termos jurídicos de tradução não muito simples. A principal delas é a “conversão de licença-prêmio em pecuniária”, que significa o mesmo que transformar em dinheiro o direito a descanso remunerado, premiação prevista depois de determinado tempo de serviço. As informações são de Thiago Herdy n’O Globo.
Também são citadas como justificativas indenizações por férias não usufruídas e decisões judiciais que determinam pagamentos retroativos. Os pagamentos extras ocorrem ao mesmo tempo em que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) cobra a reavaliação de valores pagos no Judiciário.A presidente do CNJ e do próprio Supremo, ministra Cármen Lúcia, afirma ser necessário “acabar com privilégios” e transformar o país “numa República verdadeira, não apenas de papel”. Os beneficiados são servidores que constam da folha de pagamentos do Supremo como inativos. A assessoria de Cármen informou que os pagamentos são legais.Os repasses acima do teto são fruto de duas decisões de próprio tribunal: a ata da sessão administrativa de 21 de setembro de 2011, que decidiu por acatar sugestão do ministro Dias Toffoli sobre pagamento por licença-prêmio; e a resolução 555 de 2015, sob a presidência do ministro Ricardo Lewandowski, que tratou da indenização por férias não usufruídas. As duas decisões estabeleceram jurisprudência e são citadas com frequência em pedidos de outros servidores do funcionalismo público, incluindo setores do Judiciário e do Ministério Público, que recorrem a tribunais para solicitar as mesmas condições oferecidas na Suprema Corte.
Meurer também será interrogado no STF

A senadora Gleisi Hoffmann (PT) e o ex-ministro Paulo Bernardo (PT) não são os únicos políticos interrogados na Lava Jato nesta segunda-feira (28) no STF. O ministro Edson Fachin também agendou o interrogatório do deputado Nelson Meurer (PP), para às 15 horas. As informações são de Kelli Kadanus na Gazeta do Povo.

 

Segundo a denúncia da PGR, Meurer atuou para a manutenção de Paulo Roberto Costa na Diretoria de Abastecimento da Petrobras. Segundo o MPF, entre 2006 e 2014 teriam sido feitos pelo menos 161 repasses ao PP no valor de R$ 357,9 milhões, em contrapartida à sustentação de Costa no cargo, estratégico para o recebimento da propina.

De acordo com a PGR, Meurer teria recebido pelo menos R$ 29,7 milhões, correspondentes a 99 repasses mensais de R$ 300 mil. Para ocultar e dissimular a natureza, origem, localização, movimentação e propriedade desses valores recebidos ilicitamente, o parlamentar teria adotado diversas estratégias, segundo a PGR: dinheiro em espécie recebido diretamente por ele ou seus filhos de funcionários de Alberto Youssef; recebimento por meio do Posto da Torre, em Brasília, pertencente ao doleiro Carlos Habib Chater; e depósitos em dinheiro, de forma pulverizada em 130 dias distintos, no total de R$ 1,4 milhão.

Estado já investiu R$ 4,6 bilhões em obras nas cidades do Paraná

O secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, destacou neste domingo, 27, que o Estado já investiu R$ 4,6 milhões em obras que atendem todas as 399 cidades Paraná.

“Em 2015 e em 2016, o Paraná chegou a fazer 35% de todas as operações de liberações de investimentos para os municípios do Brasil, disse Ratinho Junior ao apontar que pelo segundo ano, o Paraná lidera o volume de investimentos nos municípios entre todos os estados brasileiros.

Segundo Ratinho Junior, para quantificar, somente a projeção para este ano chega a cerca de R$ 800 milhões para investimentos nos municípios paranaenses através de financiamentos e outras modalidades de transferência do Estado.

Nos últimos quatro anos, Ratinho destaca também que o Estado executou 3,2 mil obras em todos os municípios. “Obras que melhoraram as rodovias, portos, aeroportos, ferrovia e a infraestrutura dos municípios, além da construção, ampliação e reforma de prédios públicos”, disse.

Projeção – Ratinho indicou também que até 2018 serão aplicados R$ 9,8 bilhões em obras rodoviárias e urbanas. Os recursos são do Estado, da União, de financiamentos do Banco Interamericano de Desenvolvimento e de parcerias público-privada. “De todos os municípios do Brasil, comparados aos outros estados, 35% dos  investimentos foram no estado do Paraná”, completou.

O porcentual, na opinião de Ratinho Junior, representa um alto patamar de investimentos. “Então esse é um número muito alto, um índice assim que nos deixa muito honrados em saber que a gente tem conseguido atender uma demanda dos municípios”, destacou.

Calçadas Paraná – Ratinho Junior destacou ainda o programa Calçadas Paraná, desenvolvido pela Sedu. O programa de padronização e acessibilidade das calcadas, em menos dois anos, já atingiu 20% dos municípios do Paraná.

“Atendemos às prefeituras em forma de financiamento para as cidades implantarem os projetos. O programa vem crescendo gradualmente para atender todos os municípios e conforme os projetos vão chegando, vamos fazendo um cronograma de investimentos para atender o máximo de cidades possíveis”, ressaltou.

Meu Campinho 
– Ratinho Junior destacou ainda, entre os projetos desenvolvidos pela Sedu, o “Meu Campinho”, inspirado em programa similar social e esportivo desenvolvido na Alemanha.

No Paraná, o Meu Campinho foi implantado em 10 cidades, segundo Ratinho. “A gente quer chegar aí num prazo rápido a 60 municípios ainda esse ano, e claro a meta é também buscar implantar isso em todo estado do Paraná”, disse.

O programa oferece, gratuitamente, acesso à pratica esportiva em quadras de campo sintético instaladas nas cidades em atividades no contraturno escolar. “O município poder usar essa cancha no momento em que a criança está fora da sala de aula, para poder treinar, ter a cultura da prática esportiva, ter uma vida saudável”, disse Ratinho.

E completou: “A demanda dos prefeitos é grande porque demonstra que o projeto tem dado bons resultados e que em breve, vamos atender o máximo de cidades possível”.

Paraná sem Lixões 
– Ratinho Junior adiantou que na Conferencia Estadual das Cidades, realizada em Foz do Iguaçu, lançou o programa Paraná sem Lixões. “Nós vamos ser o primeiro Estado do Brasil a não ter mais lixões, em respeito ao meio ambiente, a tratar esses resíduos sólidos que todos nós geramos hoje no dia a dia, e ter um ambiente que não suje os nossos mananciais, não polua a nossa terra, e tudo isso nós estamos fazendo um trabalho com um estudo de quase dois anos”.

Giacobo confirma licitação para Perimetral Leste em Foz 

O deputado Fernando Giacobo (PR) disse nesta semana que a abertura da licitação paras as obras da Perimetral Leste em Foz do Iguaçu serão ainda neste ano.  “O prazo final para que estas obras sejam devidamente licitadas é 31 de dezembro. Os R$ 20 milhões são recursos que irão custear a fase inicial de todo o projeto, que gira em torno de R$ 100 milhões ao todo. O importante é que o certame seja concluído ainda neste ano para que em 2018 os trabalhos iniciem”, disse.
Giacobo destacou que, por iniciativa do seu mandato, estão destacados ao orçamento da União deste ano R$ 20 milhões para a execução do empreendimento, a partir de 2018.
FHC diz que PSDB tem mais de um candidato à Presidência para 2018


Horas após a reunião entre os senadores Tasso Jereissati (CE) e Aécio Neves (MG) para discutir a conciliação entre alas do PSDB, o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, defendeu a união entre os tucanos e pediu atenção às eleições de 2018. Em nota publicada nesta quinta-feira, ele admitiu que o partido tem mais de um candidato viável à presidência — em São Paulo, o prefeito João Doria e o governador Geraldo Alckmin travam disputa velada pela candidatura. Na noite de quinta, ele teve um encontro com Doria. As informações são d’O Globo.

“Preparemos uma candidatura aglutinadora para 2018. Chances de vitória existem, temos candidatos viáveis – escrevo no plural – enquanto os demais partidos, quando os têm, têm um só, nem sempre inspirador de confiança para os propósitos que desenhei”, observa o presidente de honra da sigla em texto publicado no site do PSDB.
O encontro com Doria foi divulgado pelo prefeito em rede social na manhã desta sexta, embora o teor da conversa não tenha sido revelado. “Essa noite tive uma ótima conversa com Presidente FHC. Nós acreditamos no Brasil”, diz o prefeito paulista, que cumpre agenda de presidenciável em viagens pelo país.

FH publicou a nota após o presidente afastado do partido, Aécio Neves, divulgar que Tasso Jereissati continuará na presidência interina até o fim do ano. A reunião entre os senadores ocorreu para “apaziguar” a sigla após o racha provocado pelo programa de TV e o encontro fora da agenda entre Aécio e o presidente Michel Temer. Para o ex-presidente, as discussões internas só resultariam no “esfacelamento” do partido.

“As críticas ao presidencialismo de cooptação não são críticas aos membros do PSDB que ocupam posições governamentais, nem podem constituir ataques aos líderes partidários que sofrem acusações ainda a serem comprovadas”, escreveu.

Assim como em outras oportunidades, ele ressaltou que o compromisso da sigla não é com o governo Temer e sim com as reformas econômica, previdênciária e política. Em relação à última, se manifestou contra o fundo partidário e questionou a forma como doações empresariais podem ser realizadas caso sejam aprovadas novamente.

“Se for aceita a doação de empresas, por que não doar ao Tribunal Eleitoral, que abriria contas em nome dos partidos cujas despesas de campanha seriam apresentadas diretamente a ele?”, sugeriu.

O ex-presidente também defendeu a implementação da distritalização para as eleições municipais de 2020 e um governo semipresidencialista após o fim das reformas.

“O programa de TV mostrou que o partido dá ouvidos à voz das ruas e não pode ser condenado por isso. Tampouco pode ser condenado por reafirmar os compromissos do PSDB com o voto distrital misto e, no futuro – depois de sua implantação e do saneamento dos partidos — com uma nova forma de governo, na minha preferência, semipresidencialista.”

Delação de ex-governador do PMDB é ‘monstruosa’, afirma ministro do STF


O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, qualificou nesta sexta-feira de monstruosa a delação do ex-governador do Mato Grosso Silval Barbosa (PMDB) e mais quatro pessoas ligadas a ele. Fux detrminou hoje a a abertura de um inquérito para apurar as suspeitas de que uma organização criminosa atuou no governo do Mato Grosso entre 2006 e 201, com base na delação de Silval. As informações são de Carolina Brígido n’O Globo.
— A delação é monstruosa pelo número de anexos, pelo número de crimes delatados e pelo número de autoridades envolvidas — avaliou Fux.O inquérito foi pedido pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Não há indicação de investigados no inquérito. Entre os suspeitos de terem cometido crimes está o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Também a pedido de Janot, Fux determinou nesta sexta-feira o fim do sigilo que pairava sobre as delações.As investigações estão distribuídas em quatro volumes e 15 apensos. Ao todo, são cinco delatores: Silval Barbosa; a mulher dele, Roseli de Fátima Meira Barbosa; o ex-chefe de gabinete dele, Silvio Cezar Correa Araujo; além dos parentes Rodrigo da Cunha Barbosa e Antonio da Cunha Barbosa.No acordo firmado com o Ministério Público, o ex-governador concordou em cumprir pena de 20 anos de reclusão, sendo 3 anos e 6 meses em regime domiciliar diferenciado, com uso de tornozeleira; 2 anos e seis meses no regime semiaberto, com tornozeleira e recolhimento em casa das 22h às 6h; e o restante da pena em regime aberto, sem tornozeleira, mas com a obrigação de comparecer todo mês diante de um juiz. Durante o cumprimento de toda a pena, ele ficará impedido de ocupar cargo público. Ele também em pagar uma indenização de mais de R$ 70 milhões.
Richa é favor de distrital misto e fim das coligações
Antes de viajar nesta quinta-feira, 24, o governador Beto Richa foi entrevistado pela imprensa e se colocou a favor do voto distrital misto e pelo fim das coligações, duas propostas da reforma política em discussão no Congresso Nacional. “Eu sou a favor da reforma política que acabe com as coligações partidárias. Daí cada dirigente partidário, cada político, vai cuidar do fortalecimento do seu partido. Sou a favor também do voto distrital misto, uma proposta defendida desde a fundação do PSDB”, disse Richa, ressaltando ser contra também ao financiamento público de campanha.
O tucano avalia que há tempos o país vive, lamentavelmente, a instabilidade política em função da legislação que muda sistematicamente à cada eleição. “Não tem uma regra clara, duradoura. Temos que admitir que os partidos e muitos políticos estão pensando na próxima eleição. Temos que ter um sistema mais claro que possa trazer, inclusive, a confiança dos eleitores em relação as legendas partidárias”, disse
“Mas, lamentavelmente, os interesses pessoais e partidários têm prevalecido sobre a questão de um sistema mais sólido e que contribua com a democracia”, completou.
 
Campanhas – O governador paranaense disse também que a população não aceita o financiamento público das campanhas – outro tema em discussão na reforma política no Congresso Nacional. “A população não aceita (o financiamento público). É uma questão polêmica. Não se sabe ainda o que fazer, como é que se vai financiar as campanhas. Talvez através das pessoas físicas, como é hoje, ou com limites estabelecidos para financiamento privado. Mas tudo isso ainda tem que evoluir, embora o tempo já está se apresenta exíguo”.
Richa avalia também a proposta do distritão defendida para as eleições proporcionais. “Por um lado é bom e por outro lado é ruim. Bom no seguinte aspecto. Atualmente, a população dá 40 mil votos para um deputado e acaba elegendo outro de 5 mil votos. O Tiririca se elegeu com mais de um milhão de votos e puxou 3 ou 4 deputados. O Enéias, com uma extraordinária votação, puxou mais uns 3 ou 4 deputados. Se por um lado não é justo, por outro lado, se tira os votos de legenda. Só o deputado mais votado é eleito e isto acaba enfraquecendo os partidos”.

Para Richa, o voto distrital misto aproxima os eleitos da população. “No voto distrital misto, o deputado é mais próximo do eleitor. Hoje, por exemplo, a maioria dos eleitores não sabe em quem votou. Com voto distrital misto, o deputado estará mais presente no distrito, na região que representa, vai saber das demandas e das necessidades. O eleitor vai poder cobrar os compromissos assumidos no período eleitoral”, disse.
Vídeo mostra fiasco da caravana de Lula no Nordeste

Desafetos do ex-presidente Lula e do PT gravaram e narraram o fiasco da caravana do petista pelo Nordeste.

Cida repassa R$ 500 mil e mais 10 viaturas para Maringá

A governadora Cida Borghetti confirmou, nesta quinta-feira (24), a liberação de cerca de R$ 500 mil para aquisição de viaturas para a Guarda Municipal de Maringá. “São recursos já garantidos para melhorar e ampliar a atuação da Guarda Municipal. Investimentos que se somam a diversas obras e repasses realizados nos últimos anos. O Governo do Estado apoia todos os municípios com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos paranaenses”, disse Cida.

Além dos recursos para viaturas da guarda, a segurança pública de Maringá receberá mais um reforço nos próximos meses. A governadora adiantou que a cidade terá mais 10 viaturas da Polícia Militar. Será a segunda remessa de viaturas policiais para o município neste ano, que também já recebeu três veículos para o Corpo de Bombeiro e dois para a Defesa Civil.

Cida também lembrou que neste ano o Estado autorizou R$ 10 milhões para financiar a construção de 20 novas áreas de convivência, com academia da terceira idade, áreas de lazer e parque infantil, a pedido da Prefeitura de Maringá. A documentação do município passa por análise, inclusive da Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

Na audiência em que recebeu autorização de financiamento, em maio, o prefeito Ulisses Maia destacou outras medidas do Estado em favor do município. “O governo mostra grande responsabilidade e respeito com Maringá. Neste ano recebemos 120 policiais, R$ 10 milhões do recurso extra do ICMS, e ainda recursos de cerca de R$ 600 mil para uma unidade de saúde”, disse.

 

A governadora afirmou que Maringá vai receber também R$ 320 mil para aquisição de duas ambulâncias e equipamento de raio x. Também na área de saúde, a cidade terá um novo Centro de Especialidades do Paraná que deve beneficiar 800 mil moradores da região Noroeste. A unidade será gerida pelo Consórcio Público Intermunicipal de Saúde do Setentrião Paranaense (Cisamusep).

Cida destacou o investimento do Governo do Estado nas obras do Centro de Especialidades, que chega a R$ 13 milhões. Além disso, outros R$ 4 milhões estão liberados para a compra de equipamentos. “A nova unidade vai ampliar em 60% o número de atendimentos especializados”, destaca a governadora em exercício.

Para evitar problemas no abastecimento de Maringá, o Estado já anunciou R$ 16 milhões para a estação de coleta de água do Rio Pirapó. “É muito importante para evitar crise de abastecimento, como a que a cidade viveu há dois anos”, afirmou o prefeito Ulisses Maia. Além disso, o investimento da Sanepar vai resolver um problema no distrito de Floriano, com a construção de uma nova adutora.

Paraná lidera volume de recursos repassados pela União, diz Ratinho Junior

O secretário de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, destacou nesta quarta-feira, 23, o volume de recursos federais recebidos neste ano pelos municípios paranaenses. “Com o trabalho que estamos fazendo na Sedu, o Paraná lidera repasse de recursos do Tesouro Nacional para os municípios”, disse.
Ratinho destacou que, em 2017, já são R$ 111,6 milhões – liberados via Fomento Paraná – que representam oportunidade de executar mais obras. “E com mais investimentos, mais qualidade de vida no estado. Os municípios do Paraná são maioria no ranking de financiamentos do Brasil em 2017”, disse.Segundo dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), das 125 operações autorizadas neste ano, 44 atende os municípios paranaenses – 35,2% do total. “São operações de crédito que representam uma oportunidade de executar obras e investimentos em meio à crise econômica que assola o país”.Ratinho Junior destacou ainda que, por meio de escritórios descentralizados, a Sedu e o Paranacidade conseguem auxiliar municípios na elaboração de projetos, especificações técnicas e editais de licitação. “Ajudamos na questão dos projetos e em toda a orientação técnica e legal para a apresentação das certidões para os municípios terem situação fiscal legalizada para obterem os investimentos”, disse.
Ajuste fiscal ampliou investimentos no Paraná, diz Richa
 

O governador Beto Richa disse nesta quarta-feira, 23, que graças ao ajuste fiscal, o Paraná tem hoje condições de ampliar investimentos. “Hoje vivemos o maior ciclo de investimentos da nossa história”, disse. Os recursos aplicados passaram de R$ 2,8 bilhões, em 2015, para R$ 5,8 bilhões em 2016 e para R$ 7,6 bilhões em 2017. “Estamos investindo 11% da nossa receita corrente líquida, enquanto a maioria dos Estados não investe nem 5%”, disse.


Richa ressaltou que o governo não planeja aumentar impostos e que a recomposição das alíquotas de tributos estaduais, realizada na primeira fase do ajuste, adequou as taxas praticadas no Paraná às de outros Estados. Ele também relembrou outras medidas que já tinham sido adotadas para diminuir despesas. “Reduzimos gastos com custeio em 15%, extinguimos secretarias e cortamos cargos em comissão”, lembrou.

Edson Lau defende adoção do parlamentarismo no Brasil 

O secretário geral do PSDB de Curitiba, Edson Lau Filho, apoia o parlamentarismo como opção para restaurar a credibilidade e renovar o processo político no Brasil. “O presidencialismo de cooptação que vigora no Brasil faliu, tendo gerado crises sucessivas e muita instabilidade política”, disse.
Por conta disso, analisa Lau Filho, uma das soluções apresentadas pelo PSDB, é a adoção do parlamentarismo. “Esta é uma bandeira histórica do PSDB que eu também defendo e apoio com muita consciência e firmeza”, destacou o dirigente.Segundo Lau, a direção tucana deverá ainda promover uma revisão do programa em conjunto com a sociedade “para que, assim, seja possível renovar a própria política”.“É hora de pensar no Brasil. É isso que o PSDB propõe no seu programa partidário de ideias e propostas para a sociedade”, destacou Edson Lau.

Santin recupera cinco pontes na comunidade rural

O prefeito Santin Roveda destacou nesta terça-feira, 22, a recuperação de cinco pontes na área rural de União da Vitória em oito meses do novo governo da cidade. “As pontes ligam pontos estratégicos da cidade com as comunidades do interior e simbolizam a ligação com o futuro da cidade”, disse.
“São oito meses de governo, cinco pontes recuperadas, o interior tendo a atenção que merece e a nossa gestão trabalhando com gosto e com ânimo para você”, completou em vídeo gravado nas redes sociais.

 

Na gravação, Santin destacou o trabalho realizado, por exemplo, em São Gabriel. “Essa reivindicação histórica da comunidade. Antes, a ponte era feita de tempos em tempos. E agora, definitivamente. É uma ponte longa de longo prazo que vai trazer mais qualidade de vida para a comunidade”, disse Santin.

E destacou ainda: “No Rio Vermelho, que liga a linha São José a linha São João. É um processo trabalhoso da Secretaria de Obras. Era uma ponte que estava caída desde 2016 e agora revitalizada. É lógico que a intenção é a de levar mais revitalizações ao interior para que melhorem a vida das comunidades rurais e ande sempre para frente em União da Vitória”, completou. Santin Roveda ressaltou ainda os trabalhos da prefeitura na ponte Flor da Serra, na chamada Serra do Leão.

Richa recebe nova diretoria da Fomento Paraná

O governador Beto Richa recebeu nesta terça-feira (22), a nova diretoria da Fomento Paraná, financeira de desenvolvimento do Estado. O novo presidente, Vilson Andrade, reafirmou o compromisso da agência com o desenvolvimento do Estado. “A Fomento consolidou-se como importante instrumento de indução do desenvolvimento econômico do Paraná, com a oferta de crédito acessível”, disse Richa. 

 

“E continuará desempenhando papel central na economia paranaense, financiando a produção, apoiando os empreendedores individuais e dando suporte à pequena e média empresa”, acrescentou.

 

Vilson Andrade adiantou que a Fomento Paraná seguirá a política de integração dos municípios. “A filosofia é consolidar a economia dentro dos municípios, principalmente dos menos assistidos. Precisamos integrar as ações para levar o desenvolvimento a todas as regiões”, disse. Ele afirmou que 72% das operações da empresa são voltadas ao setor público como financiamento de obras nos municípios principalmente nas áreas de saneamento e desenvolvimento urbano.

Formam a diretoria executiva da Fomento Paraná Cláudio Massaru Shigueoka (administrativo e financeiro), Luiz Malucelli Neto (mercado), Samuel Ieger Suss (jurídico), Omar Sabbag Filho (operações setor público) e Clemenceau Merheb Calixto (operações setor privado).

Casa Civil fecha atendimento aos 399 municípios do Paraná

Em abril do ano passado o então deputado federal Valdir Rossoni se licenciou do mandato para, a convite do governador Beto Richa, assumir a chefia da Casa Civil do Governo do Paraná.Nesta terça-feira (22), Rossoni conseguiu fechar atendimento aos 399 municípios ao autorizar o repasse de quase R$ 1 milhão para a prefeitura de Cruzeiro do Iguaçu, região Sudoeste.“E nenhum saiu da Casa Civil sem bom atendimento. Tenho feito um esforço grande para cumprir bem a determinação do governador, que é ouvir e atender os prefeitos sem distinção de partidos ou ideologias. São jornadas diárias de trabalho de até 12 horas em Curitiba e viagens pelo interior, inclusive nos finais de semana”, explicou Rossoni.Melhorias – Segundo o prefeito de Cruzeiro do Iguaçu (PDT), Dilmar Turmina, explicou que os financiamentos liberados pelo chefe da Casa Civil, a pedido do governador, serão empregados em melhorias urbanas e no setor de saúde.“Quero agradecer ao governador Beto Richa e ao Valdir Rossoni pelo atendimento e pelos recursos, que beneficiarão muito a minha população. É desse tipo gestor que precisamos”, disse.
Moro condena Duque e impõe multa de R$ 115 milhões

Já condenado a 40 anos de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-diretor da Petrobras Renato Duque recebeu nova sentença nesta segunda (21). O juiz Sergio Moro condenou Duque a mais dez anos de cadeia por corrupção ativa e lavagem de dinheiro em contratos da Petrobras com a Andrade Gutierrez.   O magistrado, entretanto, permitiu a progressão de regime após o cumprimento de 5 anos em regime fechado. Isso porque Duque colaborou com a Justiça. As informações são de Ernesto Neves na Veja.O ex-diretor da Petrobras terá também de ressarcir a empreiteira em R$ 115,9 milhões pelos desvios em contratos ilícitos.  Na mesma ação penal, Moro condenou os ex-executivos da Andrade Gutierrez Antônio Pedro Campello de Souza Dias, Elton Negrão de Azevedo Júnior, Flávio Gomes Machado Filho, Paulo Roberto Dalmazzo por corrupção ativa.|
TJ-PR mantém nova jornada da hora-atividade de professores

O Tribunal de Justiça manteve nesta segunda-feira, 21, a determinação do Estado que redimensionou a jornada dos professores estaduais do preparo de aulas e correção de trabalhos e provas de sete para cinco horas semanais para 20 horas semanais. A Secretaria Estadual de Educação 
leva em conta que os professores são contratados para cargas de “20 horas no relógio” e não “20 horas/aula”.

“Está mantida a resolução da Secretaria de Educação, que fez uma interpretação da lei sobre o assunto”, disse o procurador-geral do Paraná, Paulo Sérgio Rosso à Gazeta do Povo. Rosso destaca que, do ponto de vista do governo, o importante era não causar alterações consideráveis na jornada de trabalho no meio do ano letivo, o que poderia interferir na vida dos estudantes. Caso não haja decisão judicial em contrário, o governo estadual pretende manter o mesmo modelo de distribuição de aulas para o ano que vem.
Richa repasse R$ 3 milhões para academia ao ar livre e mini-arenas para 16 cidades
Nesta terça-feira, 22, o governador Beto Richa repasse mais R$ 3 milhões para 16 cidades implantar academias ao ar livre e mini-arenas.
87,4% são contra financiamento público de campanha
O Instituto Paraná Pesquisas perguntou a 2.802 brasileiros a opinião sobre o financiamento público de campanha:
87,4% responderam contra e somente 8,9%, a favor, outros 3,7% não souberam responder ou não opinaram. A pergunta foi feita entre os dias 15 e 17 de agosto.
“Se o PMDB do Paraná só der dinheiro ao Requião Filho, aí não tem como dar certo”, alfineta Sérgio Souza

A favor da criação de um fundo eleitoral público para abastecer as campanhas de 2018, em discussão em Brasília, o deputado federal Sérgio Souza (PMDB-PR) faz apenas uma ressalva: ele quer regras também para a distribuição do dinheiro no âmbito dos partidos políticos. “Eu sou a favor do fundo eleitoral desde que [o dinheiro] chegue a todos aqueles que pretendem ser candidatos. Porque se for para concentrar só no dirigente do partido político, aí fica injusto. Se no PMDB do Paraná tiver dez candidatos e o Requião for dar dinheiro só para o filho dele, aí não resolve”, alfineta Sérgio Souza, durante entrevista ao blog de Catarina Scortecci na Gazeta do Povo.
Ele se refere ao atual presidente da legenda no Paraná, o senador Roberto Requião, e a polêmica em torno das campanhas do PMDB nas eleições do ano passado, quando o deputado estadual Requião Filho estava entre os concorrentes à Prefeitura de Curitiba e se beneficiou com quase a totalidade dos recursos da sigla.O chamado Fundo Especial de Financiamento da Democracia, que contaria com mais de R$ 3,5 bilhões do orçamento da União para as siglas distribuírem entre seus candidatos, ainda precisa ser aprovado no plenário da Câmara dos Deputados para entrar em vigor nas eleições de 2018. “A sociedade precisa saber que o financiamento das campanhas eleitorais já é público. O governo federal já paga Fundo Partidário, já paga tempo de TV para os partidos”, defende Sérgio Souza, que integra a comissão especial da reforma política na Câmara dos Deputados.Para o paranaense, o melhor modelo era o anterior, com a possibilidade de doação de empresas. Agora, com o veto ao financiamento privado, a criação de um fundo eleitoral seria a única alternativa. “O que nos sobra hoje? Doação de pessoa física. Mas o cidadão não vai doar. Não existe isso. Nunca existiu. Então aquele que tem muito dinheiro vai bancar a sua própria campanha. Aquele que tem uma exposição midiática, aquele que já está no mandato, todos esses terão vantagens numa eleição sem financiamento público. O cidadão comum jamais vai conseguir chegar ao poder”, argumenta ele.
Para 74,3% Janot não persegue Temer
Para 74,3% dos 2.802 entrevistados pelo Instituto Paraná Pesquisas, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não persegue o presidente Michel Temer (PMDB). Outros 22,7 afirmaram que Janot persegue Temer e 3% não responderam ou não sabem. A pesquisa foi feita entre os dias 15 e 17 de agosto.
Moro e deputados debatem nesta segunda novo código de processo penal em Curitiba
 
O deputado Fernando Francischini (SD-PR) convida para um encontro com o juiz Sérgio Moro nesta segunda- feira, 21, às 19h30, na Assembleia Legislativa, em Curitiba, para discutir o projeto de lei que institui o novo Código de Processo Penal. “Nós ouviremos os maiores especialistas do país neste tema, como o juiz Sérgio Moro, procuradores, delegados da Lava Jato (Operação) e advogados”, disse.
 
Francischini pediu o apoio e a presença da população na audiência. “Mas precisamos novamente do seu ativismo digital, compartilhando e da presença de quem puder para que a pressão lícita do cidadão afete a decisão de votar contra esse absurdo (reforma do dos deputados e senadores”.
 
Poder de investigação – O parlamentar avalia ainda que a reforma do novo código de processo penal afeta diretamente os poderes de investigação do Ministério Público e da Polícia Federal. “A reforma do código de processo penal que nós queremos é para melhorar a segurança pública e diminuir a criminalidade e não para proteger bandidos e retirar poderes de investigação do Ministério Público e da Polícia”, destacou.
 
Mudanças – Entre as alterações negativas indicadas pela atual reforma do código, Francischini alertou: “A nova arma política contra a Operação Lava Jato é a reforma do código de processo penal. A votação deve ocorrer em setembro e temas extremamente importantes  devem destruir ferramentas utilizadas nas investigações e operações da Polícia Federal como a delação premiada, que ela só possa ser realizada com o investigado solto”.
 
“A condução coercitiva, que só possa ser realizada com uma negativa formal do próprio investigado; a prisão preventiva, querem prazo fixado em lei para soltar os bandidos,  independente da manutenção da motivação da sua prisão”, disse
 
E completou: “A sua prisão, em segunda instância, que apesar de ser tema constitucional, querem que o início do cumprimento de pena, volte a ocorrer somente  com o trânsito em julgado na Justiça, muitos anos depois”.
 
Organização – Promovido pela Comissão Especial Código de Processo Penal, o evento será realizado das 19h30 às 21h30, no plenário da Assembleia Legislativa, em Curitiba. O encontro terá a presença de várias autoridades da área de segurança. Dentre os convidados, participam o procurador da República e integrante da Operação Lava Jato, Roberson Henrique Pozzobon e o delegado da Polícia Civil e professor da Escola do Ministério Público, Henrique Hoffman Monteiro de Castro.
 
Palestram ainda no seminário de segurança o procurador de Justiça e coordenador do Gaeco, Leonir Batisti; o delegado federal e chefe de investigação e combate ao crime organizado do DRCOR-PR, Igor Romário de Paula; e o juiz de Direito e professor de Direito Processo penal na EMAP, ITP e Fae, Daniel Ribeiro Surdi.
Ratinho Junior entrega mais um “Meu Campinho” em São João do Ivaí
 
O secretário do Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, inaugurou nesta sexta-feira, 18, mais um espaço do programa “Meu Campinho”, em São João do Ivaí, município situado na região do norte-central do Paraná. “Mais uma quadra de esportes inaugurada pra criançada! Inovação é promover inclusão social com modelos de primeiro mundo”, disse.
 
Para a implantação do programa em São João do Ivaí, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, investiu R$ 349.076, 89 mil. O prazo de execução das obras foi de 120 dias e a área instalada alcança uma extensão de 1937,00 metros quadrados. “O Projeto Meu Campinho é uma experiência bem sucedida, que fomos buscar na Alemanha e que já começa a virar referência no Paraná”, destacou Ratinho Junior.
 
O projeto contempla campo de futebol com grama sintética, academia para a terceira idade, parque com equipamentos de brinquedos para as crianças, instalações elétricas e hidros sanitárias, placas de comunicação e urbanismo, além de alambrados cercando o local. “Pioneiro no Brasil, o projeto social e esportivo Meu Campinho abre espaços nas cidades para crianças e adolescentes praticarem esportes em horários de contra turno escolar”, completou Ratinho Junior.

“Farmácia do Paraná comemora 200 mil atendimentos”, destaca Caputo Neto

O secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, destacou nesta sexta-feira, 18, o número expressivo de atendimento registrado pela Farmácia do Paraná em Curitiba. “Inaugurada nesta semana, a nova sede da Farmácia do Paraná em Curitiba comemorou o atendimento número 200 mil deste ano”, disse.

Segundo Caputo Neto, são 29.462 pessoas cadastradas na Farmácia, dentre os quais  mais de 20 mil usuários são da capital e o restante dos 28 municípios da região metropolitana. “O número aumenta todos os meses em uma média 1100 novos pacientes”.

“Temos aqui uma das maiores farmácias públicas do país. O Governo do Estado investiu R$ 4,6 milhões para tornar o atendimento mais qualificado e em um espaço maior e muito mais organizado”, destacou Michele Caputo Neto.

“R$ 4,2 milhões foram aplicados na reforma do espaço, R$ 192 mil na estruturação da rede de frio e R$ 284 mil em mobiliário e equipamentos”, completou

A Farmácia do Paraná em Curitiba funciona na Avenida Marechal Floriano Peixoto, no Centro de Curitiba. A unidade é responsável por distribuir 232 tipos de medicamentos para o tratamento de 82 doenças, como diabetes tipo 1, hepatites, Alzheimer, Parkinson, doenças renais, entre outras.

Paraná prioriza as cidades, diz Richa
O governador Beto Richa abriu na noite desta quarta-feira (16), em Foz do Iguaçu, a 6a. Conferência Estadual das Cidades, e disse que o encontro deve ser um indicador de ações a serem adotadas para que as cidades cumpram a sua função social, tornando-se entes mais inclusivos e participativos, conciliando desenvolvimento econômico com igualdade social e preservação do ambiente.


Mais de mil pessoas participaram da abertura do encontro que vai debater e propor políticas e soluções para os problemas urbanos dos municípios paranaenses. “Nosso compromisso deve ser o de melhorar o ambiente onde as pessoas vivem, que são as cidades”, disse, reforçando que a conferência se consolida como mecanismo de aperfeiçoamento das políticas públicas de desenvolvimento urbano e gestão dos municípios.

O governador falou sobre o apoio do Governo do Estado para garantir investimentos que melhorem as condições de vida da população. Somente para obras e equipamentos urbanos já foram disponibilizados R$ 2,3 bilhões para prefeituras. “Nossa gestão prioriza as cidades, os bairros, os distritos rurais e as pequenas comunidades”, afirmou. “Vamos continuar agindo em parceria, em sintonia com os interesses e demandas das comunidades”.

Richa salientou ainda a redução da extrema pobreza no Paraná em 57,4%. “Número alcançado graças a programas que atendem emergencialmente as pessoas, como o nosso Família Paranaense, que é modelo nacional. O programa visa a emancipação do pai e da mãe da família, que recebem auxílio do governo, mas têm obrigação de participar de projetos de mão de obra e qualificação profissional”, salientou.

Inovadoras –
 Organizado pelo Conselho das Cidades do Paraná (Concidades), da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano, o encontro estadual vai aprovar propostas que serão levadas para a Conferência Nacional das Cidades, que acontecerá em Brasília, em data ainda não definida. O evento foi precedido por plenárias municipais, promovidas no ano passado, que aprovaram proposições e elegeram delegados.

Richa lembrou que o Paraná foi um dos primeiros estados a cumprir o Estatuto das Cidades no que se refere à organização das conferências. “As conferências municipais apresentam contribuições inovadoras para problemas prementes ligados à saúde, meio ambiente, saneamento, segurança, habitação e transporte público”, disse.

De acordo com o secretário de Estado de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, a conferência dá sequência ao trabalho do governo estadual junto aos municípios. “Nós tomamos cuidado no planejamento das cidades, tanto que o Paraná é o único Estado do Brasil em que todos os municípios têm plano diretor. Acho que esta conferência consolida ainda mais nosso projeto”, disse.

Taxa de desemprego cai para 8,9% no Paraná

A taxa de desocupação no Paraná caiu de 10,3% para 8,9% entre o primeiro e segundo trimestre de 2017, mostram a pesquisa nacional divulgada nesta quinta-feira (17) pelo IBGE. Para Julio Suzuki Júnior, presidente do Ipardes, os dados confirmam a retomada do mercado de trabalho no Estado, já verificada pelos dados de emprego formal medidos pelo Caged/Ministério do Trabalho.


A taxa de desocupação, segundo o IBGE, caiu em 11 das 27 unidades da federação. As maiores taxas de desemprego estão em Pernambuco (18,8%), Alagoas (17,8%), Bahia (17,5%). As menores são Santa Catarina (7,5%), Rio Grande do Sul (8,4%), e Mato Grosso (8,6%). O Paraná tem o quarto menor índice de desemprego do Brasil, empatado com Rondônia e Mato Grosso do Sul. No Brasil, a taxa média de desocupação passou de 13,7% para 13%.

Proporcionalmente, o Paraná teve uma das maiores quedas na taxa de desemprego do País. “Além de o Paraná ter uma taxa menor do que a média brasileira, a queda do índice foi o dobro da do País. No Estado caiu 1.4 ponto porcentual, quando o Brasil registrou uma queda de 0,7 ponto porcentual. O Paraná registrou tanto um aumento do número de pessoas ocupadas quanto uma queda no volume de desocupadas”, diz Suzuki Júnior.

A massa real de rendimentos no Estado passou de R$ 11,831 bilhões para R$ 11,858 bilhões, variação de 0,2%. “Por enquanto a retomada do mercado de trabalho está quantitativa. Se mantida, teremos também reflexo na melhora da renda e na qualidade do emprego nos próximos meses”, diz Suzuki Júnior.

“É preciso controlar a dívida pública”, diz Jeferson Fusaro 

O empresário Jeferson Fusaro analisou nesta quinta-feira, 17, que a dívida pública deve prejudicar o desenvolvimento social e econômico do Brasil, caso não seja sanada ou controlada nos próximos anos pelos governos. “Será um pesadelo para o futuro do país se o Congresso Nacional travar a Reforma da Previdência e falhar em outras medidas para reconstruir as contas públicas, principalmente no que se refere ao cortes de despesas e enxugamento da máquina pública”, disse.

Para Fusaro, a mudança das metas fiscais tornará ainda mais extensa à contenção do endividamento. “O  governo obteve apenas um ou dois anos de espaços, mas a partir de 2019, quando assume o próximo presidente, a dívida bruta deverá ser bem superior a 80% do Produto Interno Bruto”.

“Será muito difícil mudar essa tendência, se a economia continuar em ritmo lento, a inflação permanecer em torno de 4% e os gastos previdenciários ainda estiverem avançando sem freio”, completou.

O empresário acredita que para reverter este movimento negativo é preciso dinamizar a economia e equilibrar a base de tributação. “Apressar as concessões e as parcerias em programas de investimento é um caminho interessante”, analisa Fusaro. “Também se deve acelerar as reformas, como o caso da Previdência Social e a própria tributação”, destacou.

PMDB abre processo de expulsão de Requião

O senador Roberto Requião (PR) recebeu nesta quarta-feira (16), intimação da abertura de processo de sua expulsão do PMDB. O pedido foi formalizado pela Secretaria Nacional da Juventude do partido e encaminhado a comissão de ética do PMDB. Há ainda outros dois pedidos de expulsão de Requião na sigla.
 
“Acabo de receber uma intimação do partido para eu responder em 15 dias, um pedido de expulsão formulado pela Juventude do PMDB. Meu Deus, que juventude temos nós agora?”, questionou Requião no facebook.

PSDB é o partido que mais criou empregos no Brasil


Entre 1994 e 2014, o PSDB foi o partido que mais criou empregos no Brasil, considerando as gestões estaduais. Pelo menos é o que afirma um levantamento exclusivo da consultoria Cambridge Analitycs Ponte. Em 20 anos, os tucanos criaram 9 007 328 novas vagas de empregos formais, somando todos os estados que governaram. Em seguida aparece o PMDB, com 4 192 589 novos empregos. O PT é o terceiro partido que mais gerou empregos no país, com 1 697 118 novas vagas. Na lanterna, o PTB. Em 20 anos, o partido criou apenas 4 341 novos empregos. As informações são de Veja.

Juiz de Mato Grosso ganhou em um mês o valor de 7 casas populares

Enquanto o salário médio do trabalhador brasileiro não chega a R$ 2 mil mensais, um único juiz de Direito recebeu em julho R$ 503.928,79. O ganhador da bolada foi Mirko Vincenzo Giannotte, titular da 6ª Vara de Sinop (MT), cidade localizada a 477 quilômetros de Cuiabá. O valor é R$ 467.228,79 superior ao teto constitucional de R$ 36.700 determinado pela remuneração dos ministros do Supremo Tribunal Federal. As informações são de Branca Nunes na Veja.

Em vez de desculpar-se pelo equívoco, a Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam) justificou este e outros super-salários recebidos no estado, como informou o site O Livre. Segundo a associação, o montante se refere a direitos trabalhistas acumulados há 13 anos por “diferenças de entrância”: “Durante um longo período de tempo foram designados pela Administração da Justiça para trabalharem em comarcas de classificação superior à sua na carreira da magistratura”, explicou a nota enviada pela Amam.

No caso de Giannotte, o rendimento inclui remuneração de R$ 300.200,27, indenização de R$ 137.522,61, mais R$ 40.342,96 a título de ‘vantagens eventuais’ e R$ 25.779 em gratificações. Descontados R$ 88.235,77 da Previdência e do imposto de renda, a remuneração líquida foi de R$ 415.693,02.

De acordo com a Amam, 84 magistrados mato-grossenses embolsaram pagamentos relativos a “diferenças de entrância” em julho. Só com o dinheiro recebido por Giannotte, equivalente a mais de 530 salários mínimos, seria possível comprar 6.300 cestas básicas, 100.600 pães na chapa — acompanhados de cafezinho — na padaria da esquina, mais de 132 mil passagens de ônibus em São Paulo (139 mil em Cuiabá), 167 mil iPhones de última geração ou construir quase sete casas populares.

Questionado sobre a exorbitância do contracheque, o magistrado disse “não estar nem aí” com a polêmica. “Estou dentro da lei e estava recebendo a menos. Eu cumpro a lei e quero que cumpram comigo”, disse.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), entretanto, divulgou um comunicadonegando que tenha autorizado o Tribunal de Justiça de Mato Grosso a pagar os “valores vultuosos” e lembrou que, em 2009, editou uma portaria suspendendo esse tipo de remuneração. “O ministro Corregedor, João Otávio de Noronha, determinou a abertura de Pedido de Providências para suspender qualquer pagamento de passivos aos magistrados até que os fatos sejam esclarecidos”, determinou o CNJ.

Enquanto isso, o governo federal anuncia um rombo de R$ 360 bilhões nas contas públicas deste e do próximo ano que terá que ser coberto por todos os brasileiros. Poderia começar acabando com as centenas de Mirkos espalhados pelo Judiciário, pelo Legislativo e pelo Executivo.

PF aprende R$ 400 mil em casa de câmbio em Foz do Iguaçu

A Policia Federal deflagrou a Operação Hammer-On e apreendeu R$ 400 mil em uma casa de câmbio de Foz do Iguaçu. De acordo com a PF, os valores eram lavados por uma organização criminosa transnacional, que movimentou mais de R$ 5,7 bilhões. Foram cumpridos mandados no Paraná, Santa Catarina, Espírito Santo, São Paulo e Minas Gerais.

Nota Paraná: CPF na nota pode reduzir ou até zerar IPVA


Durante as transmissões ao vivo pelo Facebook aos domingos, sempre às 19 horas, o chefe da Casa Civil Valdir Rossoni tem repetido que é possível diminuir ou até zerar o valor IPVA.  “Sempre que o consumidor fizer uma compra nos estabelecimentos do Paraná e colocar o CPF na nota, ele poderá juntar créditos para abater do IPVA, inclusive de mais de um automóvel ou moto. Tem também a opção de sacar o valor dos créditos”, explicou.
O Nota Paraná devolve aos contribuintes 30% do ICMS recolhido pelo estabelecimento onde fez suas compras. A partir de R$ 25 em créditos, é possível transferir o valor para conta corrente ou deixar acumular para descontar do IPVA. O procedimento é simples: basta fazer o cadastro no site do Nota Paraná (www.notaparana.pr.gov.br) ou pelo celular com o aplicativo do programa. Lá, o contribuinte vai encontrar o extrato dos seus créditos e o passo a passo para optar por transferir o valor acumulado para pagar o IPVA. Esta opção estará disponível em novembro.Os consumidores podem também optar por fazer doação a uma instituição social. Além da devolução, todos os meses são sorteados 250 mil prêmios entre os contribuintes que participam do programa.
Fernanda Richa apresenta diretrizes da assistência social do Paraná

A secretária Fernanda Richa (Família e Desenvolvimento Social) apresentou mesta terça-feira, 15, aos gestores municipais da área, os planos decenal e estadual da assistência social que estão sendo compartilhados com todos municípios do Paraná. Para Fernanda, o compromisso nas ações gera resultados como a redução da pobreza em 57,4% no Paraná. “Sozinhos não fazemos nada. O Estado presta apoio, mas é o município que executa as políticas de assistência social e dá voz àqueles que não são vistos nem ouvidos”, disse.

“O Paraná mostra mais uma vez seu protagonismo na assistência social. Este plano é resultado do esforço da equipe técnica da secretaria e foi referendado pela sociedade civil”, completou.
Há mais de R$ 80 milhões que podem ser pleiteados pelos municípios para a política de assistência social e de garantias de direitos. A Secretaria da Família co-financia programas direcionados para a proteção e ao desenvolvimento das famílias. Para saber mais, acesse o link

O presidente do colegiado de gestores, José Roberto Zanchi, destacou o apoio da Secretaria da Família e Desenvolvimento Social às prefeituras. “A visão de desenvolvimento local, com suas especificidades, é essencial para fazer a diferença para o cidadão”, disse Zanchi.
Cida Borghetti abre encontro sobre qualidade da água em Foz


A vice-governadora Cida Borghetti abre nesta terça-feira (15), em Foz do Iguaçu, o 3º Seminário de Qualidade de Água. O evento, realizado pela Funasa e Itaipu, reunirá técnicos de todo o país para debater ações, promover a troca de experiências e apresentar tecnologias para garantir a qualidade da água voltada ao consumo humano. Cida Borghetti coordena o grupo de trabalho responsável pelas ações de revitalização do Rio Iguaçu. Também participam da abertura o diretor-geral brasileiro da Itaipu, Luiz Fernando Vianna, e o presidente da Funasa, Rodrigo Sérgio Dias.

Santin quer agilizar conclusão da Avenida Manoel Ribas junto ao Dnit-PR
 
Na última semana, o prefeito de União da Vitória, Santin Roveda, se reuniu com o coordenador de Engenharia Max Cancian, e o superintendente do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura do Transporte) o Paraná, José da Silva Tiago. “No encontro conversamos sobre a conclusão da Avenida Manoel Ribas e projetos de infraestrutura para o município”, disse.
Bye, bye Brasil: 34% dos brasileiros querem deixar o país, diz pesquisa


Se você pudesse escolher, continuaria a morar no Brasil ou se mudaria daqui? O Instituto Paraná Pesquisas fez essa pergunta para 2.468 brasileiros entre terça e sexta-feira da semana passada e constatou que um terço já se imagina em outro país. Aos números: 34,6% disseram que morariam no exterior, enquanto 62,8% não desistiriam do Brasil (2,6% não opinaram). As informações são de Lauro Jardim n’O Globo.
Tribunal quer contratar especialistas para aulas de caminhada a juízes

O Tribunal Regional do Trabalho da 5.ª Região (TRT5), sediado em Salvador, vai gastar parte de seu orçamento com uma atividade fora dos autos: aulas de caminhada e corrida a servidores e magistrados. A Corte está empenhada na preparação de seu pessoal para a Olimpíada da Justiça do Trabalho, que promove corrida anual. As informações são de Luís Vassallo no Estadão.
O contrato vai custar até R$ 196 mil por ano e pode ser prorrogado por mais cinco.O TRT5 abriu licitação eletrônica chamando ’empresa especializada’ para assessorar juízes e funcionários. Os organizadores querem uma ’empresa com qualificação profissional e experiência’ para conduzir os exercícios da equipe.“Contratação de empresa com qualificação profissional e com experiência para assessorar magistrados e servidores em aulas de corrida e caminhada, com a inclusão de guia para pessoa com deficiência visual; orientar os magistrados e servidores que participarão da Olimpíada da Justiça do Trabalho, na modalidade de atletismo e realizar uma corrida e caminhada ecológica anual”, diz o edital, que não especifica preços.No exercício de 2017, entre março e julho, segundo dados oficiais, o Tribunal gastou R$ 652,1 milhões com despesas que incluem obras, salários, e benefícios.Só a remuneração dos servidores custou 578 milhões do total de despesas, dentre os quais R$ 5 milhões foram desembolsados para cobrir auxílio-alimentação.Entre os benefícios, como diárias pagas a servidores, foram empregados R$ 1,7 milhão. O auxílio-moradia e as despesas de transporte custaram R$ 2,2 milhões somente no âmbito do TRT5.Além dessas despesas, mais um item será adicionado à lista: as aulas de caminhada e corrida aos juízes e servidores. O pregão será aberto no dia 22 de agosto às empresas interessadas.Os dados estão todos registrados no portal da Transparência da Corte.
Richa visita Festa Nacional do Feijão e destaca os investimentos em Prudentópolis

O governador Beto Richa participou neste sábado (12) da Festa Nacional do Feijão Preto em Prudentópolis. Nesta edição, a tradicional festa comemora os 111 anos da cidade que é a maior produtora nacional de feijão preto. “É uma das grandes festas do calendário do Paraná”, disse Richa.

 

Com o prefeito de Prudentópolis, Adelmo Klosowski, o governador destacou a iniciativa que valoriza os agricultores, agroindústria, gastronomia e o turismo. Beto Richa lembrou dos investimentos do Estado em Prudentópolis e região. “Temos uma parceria muito produtiva com a prefeitura, com importantes resultados em favor de Prudentópolis. Realizamos investimentos na área de infraestrutura urbana, viária, e estamos construindo o mirante Salto São João, que em breve será inaugurado e deverá atrair ainda mais visitantes, riquezas e oportunidades de emprego para a região”, ressaltou o governador.

De acordo com o prefeito Adelmo Klosowski, o  Estado está presente nas ações e necessidades de Prudentópolis. “Beto Richa faz uma gestão municipalista. Nós estamos obtendo vários investimentos, tanto a fundo perdido quanto de financiamentos. E, a presença do governador no município é fundamental para que possamos, cada vez mais, solidificar o desenvolvimento local”.

Investimentos – 
De 2011 para cá, Prudentópolis recebeu do Estado R$ 150 milhões para investimentos – R$ 127 milhões realizados e R$ 23 milhões em execução. São destaques os aportes para educação (R$ 10,8 milhões para o transporte escolar), saúde (construção de unidade de saúde, repasse de quatro ambulâncias), energia (R$ 51 milhões de investimentos da Copel), saneamento (R$ 8 milhões em ampliação dos sistemas de água e esgoto).

Além disso, foram construídas casas populares para 241 famílias, das quais 129 de pequenos agricultores. Também foram financiadas 61 unidades do programa Trator Solidário. O município também obteve financiamento, de R$ 4 milhões, para pavimentação, recape e veículos escolares. Há outros R$ 8 milhões em obras em andamento. Beto Richa informou que o Governo do Estado deve, em breve, ter autorização junto ao BID de financiamento no valor de US$ 235 milhões, que serão investidos em infraestrutura. Entre as estradas beneficiadas está a PR-364, no trecho que liga Irati a São Mateus do Sul.

Paraná lança aplicativo para escolas estaduais
As 2,1 mil escolas da rede estadual de ensino ganharam nessa sexta-feira (11) uma ferramenta que vai aproximar a comunidade do cotidiano escolar de mais de um milhão de estudantes. É o aplicativo Escola Paraná para consultas e acompanhamento escolar, que foi lançado pelo governador Beto Richa e a secretária da Educação, professora Ana Seres.

Pelo smartphone, estudantes, pais e familiares poderão fazer consulta de notas, grade de aulas, eventos escolares (jogos, palestras, reuniões) e até interação com professores e colegas, via mensagens. A novidade foi desenvolvida pela Celepar e já está disponível para sistemas Android e iOS.

“Esse aplicativo vai ajudar na interação entre os estudantes, vai melhorar o aprendizado e ajudará de todas as formas a rotina escolar. E também os pais poderão acompanhar mais de perto o desenvolvimento e o desempenho de seus filhos”, afirmou Beto Richa.

Para acessar o aplicativo, basta entrar com o número da matrícula (estudantes) ou CPF (caso dos pais ou responsáveis). Na plataforma é possível fazer consultas de notas, calendário de avaliações, entrega de trabalhos, eventos da unidade (jogos, reuniões da APMF).

Os pais ou responsáveis podem fazer o acompanhando do desempenho do aluno por matérias e períodos, acessar a resumos dos horários de aulas, além de consultar quais matérias e até professores o aluno terá no dia.

Copel investe R$ 1,2 bilhão no semestre
A Copel investiu R$ 1,23 bilhão no primeiro semestre de 2017. Os investimentos foram em obras para melhorar  fornecimento de energia em todo o Estado. Já ficaram prontas as subestações Hauer (Curitiba), Colombo, Rio Branco do Sul e São Valentim. “É um investimento expressivo, que melhora a infraestrutura de energia no Estado e o atendimento à população”, disse o presidente da Copel, Antonio Guetter.

Construída em Dois Vizinhos, no sudoeste do Estado, a nova Subestação São Valentim foi inaugurada nesta quinta-feira (10). A unidade recebeu investimentos de R$ 4 milhões e opera na tensão 34,5 kV. A Subestação São Valentim faz parte do programa Mais Clic Rural, que moderniza a rede em áreas rurais do Estado.
Estão em obras as subestações São Pedro do Ivaí, Catanduvas do Sul, Cambé, Cafelândia e Sítio Cercado (Curitiba). Também foram finalizadas as linhas de transmissão Ponta Grossa Norte/Klacel/Figueira e Londrina/Assis.Na área de geração, avançam as obras da Usina Baixo Iguaçu e da reconstrução da Usina Térmica de Figueira. A Copel Telecom, que está ampliando a sua rede de fibra ótica no Estado, investiu R$ 103 milhões no semestre.A receita operacional líquida da Copel foi de R$ 6,47 bilhões no semestre. O lucro líquido foi de R$ 568 milhões.
Requião patrocina cavalo no facebook

O senador Roberto Requião (PMDB) adora cavalos. Tanto que foi denunciado por usar estrutura do Estado para cuidar dos seus 88 cavalos 
entre os anos de 2003 e 2010. Considerando o custo mensal de cada cavalo, em torno de R$ 1 mil, o gasto com os cavalos de Requião pode ter ultrapassado R$ 8 milhões. Agora Requião está patrocinando um post do facebook montando em dos seus cavalos.
Em Brasília, Richa apresenta potencial do Paraná para embaixadores de nove países

Nesta quinta-feira, 10, em Brasília, o governador Beto Richa apresentou o potencial do Paraná para investimentos externos a um grupo de nove embaixadores. A reunião teve a participação de representantes dos EUA, China, Japão, França, Espanha, Itália, Ucrânia, Alemanha e Suécia. Juntas – países que somam 58,63% do Produto Interno Bruto mundial.
“Temos a segunda maior indústria automotiva, a terceira indústria de transformação, o quarto maior parque petrolífero, a segunda indústria de alimentos. Somos o segundo maior produtor de grãos e a quinta maior economia do País”, disse Richa. Forte no agronegócio, o Paraná é o maior produtor de frango, trigo e feijão, o segundo em soja e milho e o terceiro em carne de suínos.O encontro resultou em novas agendas de conversas com representações diplomáticas, ainda em agosto, em Curitiba. As áreas que geraram interesse dos países que estiveram no encontro são o agronegócio, o polo automotivo, o setor florestal, de papel e celulose.Richa destacou que o Paraná foi eleito, por duas vezes consecutivas, o segundo Estado mais competitivo do País, atrás apenas de São Paulo, pela Revista The Economist. “Quando assumimos, não havia um bom ambiente de negócios e ocupávamos o quinto lugar entre os Estados mais competitivos. Em 2013 passamos para terceiro lugar e em 2015 e 2016 ficamos em segundo lugar”, disse.O governador, que estava acompanhado do prefeito de Curitiba, Rafael Greca, disse que o Paraná vive o maior ciclo de investimentos de sua história em razão dos programas de incentivo, das melhorias da infraestrutura e ao bom diálogo entre o governo e setor privado.Richa destacou que o programa Paraná Competitivo foi eleito pelo Financial Times um dos oito melhores do mundo e já atraiu mais de R$ 42 bilhões de novos investimentos, com destaque para projetos como da Klabin, Renault, Volkswagen, Volvo e Paccar, da indústria de pneus japonesa Sumitomo e de indústrias cimenteiras.
Ratinho Junior destaca deputados do PSD entre os melhores do País


O secretário de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, destacou nesta quinta-feira, 1’0, o trabalho dos dois deputados paranaenses – Evandro Roman (PSD) e Sandro Alex (PSD) – classificados entre os 15 melhores do país conforme o Ranking de Políticos que avalia o mandato dos parlamentares no Congresso Nacional. “O Evandro Roman e Sandro Alex têm perfis diferenciados e se dedicam de forma incansável em representar bem o Paraná, buscando recursos e, principalmente, na formulação de leis, projetos e na discussão de um país novo que está saindo desta crise”, disse Ratinho Junior.

 
Evandro Roman está 13.º lugar no ranking de deputados federais e primeiro lugar no ranking de deputados federais que representam o Paraná. Já Sandro Alex ocupa a e 15.º na colocação entre os parlamentares do legislativo federal. “Já fui deputado federal e sei o quão difícil e árduo o trabalho de um mandato parlamentar. Estou muito feliz com essa classificação e parabéns aos nossos dois deputados do PSD”, disse.
Para a classificação, ranking cruza dados com base na presença nas sessões, o uso da cota parlamentar, o cumprimento de suas promessas de campanha, processos judiciais, formação, filiações partidárias e qualidade legislativa, que inclui votos, projetos e revisão de leis. Os dados são obtidos a partir de informações governamentais, portal da transparência e de reportagens veiculadas na imprensa. O ranking também monitora as votações das quais cada político participa e o grau de importância das leis criadas por cada um.
“O povo do Paraná respeita e reconhece o trabalho da Polícia Militar”, diz Rossoni

O chefe da Casa Civil Valdir Rossoni representou o governador Beto Richa, nesta quinta-feira (10), na solenidade em homenagem aos 163 anos de fundação da Polícia Militar do Paraná.Durante a cerimônia, realizada na Academia do Guatupê, em São José dos Pinhais, Região Metropolitana, Rossoni elogiou o trabalho dos policiais militares e disse que a corporação está entre as mais respeitadas do país.“Neste momento de crise social e muito desemprego, o trabalho da polícia militar se destaca. O povo do Paraná respeita e reconhece o trabalho de todos”, afirmou.O secretário explicou que a ausência do governador ocorreu por causa de um encontro dele com embaixadores de vários países, em Brasília, para discutir interesses do Paraná.  E leu a mensagem enviada por Richa aos policiais militares.“A Polícia Militar do Estado Paraná completa 163 anos de fundação como instituição modelo na manutenção da segurança pública e do bem estar do cidadão paranaense. E a redução dos índices de criminalidade no Estado é a evidência mais consistem do êxito de suas ações”, diz a nota do governador.Placa – Rossoni também recebeu uma placa em homenagem ao seu trabalho na defesa da corporação.  “O atual chefe da Casa Civil sempre foi um defensor e um amigo da polícia militar”, garantiu o comandante-geral da PMPR, coronel Maurício Tortato.
Richa lança programa Rede Jovem

Nesta quarta-feira, 9, em Almirante Tamandaré, o governador Beto Richa lançou o programa Rede Jovem de parcerias entre o Estado, municípios e a sociedade civil para a proteção de adolescentes em situação de alta vulnerabilidade social. “O Rede Jovem abre mais possibilidades para os adolescentes do Paraná. Com esta nova iniciativa, eles terão ainda mais chances de atingir todo o seu potencial social, econômico e intelectual para se tornarem protagonistas de seus destinos”, disse Richa.


Almirante Tamandaré vai abrigar o projeto-piloto do novo programa que se soma a uma série de outras iniciativas do Estado voltadas à juventude. O assessor especial da Juventude, Edson Lau, explicou que na rede jovem serão elencados, em cada município, indicadores como evasão escolar, distorção idade-série, violência e mortes evitáveis.

“Com esses dados buscaremos melhorar os índices, por meio de um trabalho conjunto entre governo, prefeituras e sociedade civil”, disse. “É a primeira vez na história do Brasil que um governo tem uma política pública efetiva com foco na juventude”, afirmou Lau.
PMDB bancou 83% da campanha de filho de Requião

A denúncia de malversação do dinheiro do PMDB sobre o senador Roberto Requião se sustenta na prestação de contas da campanha do filho do senador. O deputado Requião Filho disputou a prefeitura de Curitiba em 2016 e fez míseros 52.017 votos. O senador Romero Juca (RR), presidente nacional do PMDB, acusa Requião de usar o dinheiro do fundo partidário na campanha do filho e tripudiou ainda o pífio resultado nas urnas – Requião Filho ficou em 5º lugar no primeiro turno.

 
Uma rápida pesquisa no TSE se constata que o PMDB bancou 83% da campanha do primogênito de Requião. As receitas da campanha de Requião Filho somaram R$ 622.325,97 e o PMDB repassou R$ 517.100,00 para o deputado. A família Requião também colocou a mão no bolso, mas só um pouco. O próprio deputado doou R$ 45 mil, Requião (R$ 6.644,82), a prima Danielle (R$ 1.491,15) e mãe Maristela (R$ 1,4 mil).
Pessuti se encontra com Temer e sela destino de Requião
O ex-governador Orlando Pessuti (PMDB) se encontrou nesta quarta-feira, 9, com o presidente Michel Temer (PMDB) no Palácio do Planalto em Brasília. Pessuti estava acompanhado pelo deputado Sergio Souza (PMDB). Os dois são desafetos de Roberto Requião e devem ter selado o destino do senador no PMDB do Paraná. Requião já tem três pedidos de expulsão na executiva nacional do partido e o grupo de Pessuti já entregou à direção nacional um dossiê com os desmandos do senador no comando do diretório estadual. Além do uso de recursos do fundo partidário para cobrir despesas de campanhas, multas eleitorais e outros gastos de interesse pessoal, Requião está sendo acusado de desmilinguir o PMDB que teve um pífio resultado nas eleições municipais de 2016.
Richa reforça o empenho do Paraná com os objetivos do milênio

O governador Beto Richa reforçou nesta terça-feira (8) o empenho do Paraná para o cumprimento dos objetivos do desenvolvimento sustentável – a agenda global criada pela ONU a ser atingida até 2030. “Fomos o primeiro Estado e desde então temos dado bons exemplos ao Brasil”, disse Richa lembrando que Estado aderiu à agenda em agosto de 2016.

 
“Estamos trabalhando na recuperação de rios, em especial do Rio Iguaçu, na diminuição da quantidade de resíduos, por meio de programas como o Lixão Zero, e no aumento de áreas de Mata Atlântica, como fizemos no Parque Estadual do Palmito, no Litoral do Paraná”, completou Richa.

Os avanços do Paraná foram mencionados por Richa na adesão da Itaipu Binacional à agenda. “A Itaipu se soma às ações que o Paraná vem fazendo para cumprir os objetivos estabelecidos pela ONU”, disse Richa.

Para o presidente da Itaipu, Luiz Fernando Vianna, todo o trabalho da hidrelétrica é voltado para os objetivos do milênio e a adesão vai intensificar ainda mais essas ações. “Após 2014, quando a Itaipu teve a sua missão alterada, passou também a trabalhar incorporando os objetivos, principalmente na questão do desenvolvimento econômico sustentável, responsabilidade social e turismo”, disse.

Os ODS compreendem 17 objetivos e 169 metas, como erradicação da pobreza, educação de qualidade, agricultura sustentável, consumo e produção responsáveis, gestão sustentável da água e paz e justiça. Já estão comprometidos com eles líderes mundiais de 193 Estados-Membros da ONU, inclusive o Brasil.

Moro condena 16 pessoas por desvios de dinheiro em contratos de educação a distância no IFPR

Dezesseis pessoas foram condenadas por desvio de dinheiro no Instituto Federal do Paraná (IFPR) que foi investigado pela Operação Sinapse. As irregularidades ocorreram em contratos para Educação a Distância (EaD) de 2009 a 2013, e o juiz Sergio Moro, que julgou o caso, determinou que os cofres públicos sejam reparados em, pelo menos, R$ 6,6 milhões.
Ao todo, a ação tem 28 réus entre servidores públicos e pessoas ligadas a Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscips). Eles foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) por crimes como peculato, corrupção passiva, falsidade ideológica, fraude em licitações e associação criminosa. *Veja a lista dos condenados mais abaixo.A sentença foi publicada na segunda-feira (7), quatro anos após a deflagração da operação, em 8 de agosto de 2013. Moro afirmou que “infelizmente” não foi possível sentenciar antes em virtude da complexidade do caso e do acúmulo de trabalho causado pela Operação Lava Jato.De acordo com a denúncia do MPF, os crimes ocorreram em cinco termos de parceria celebrados pelas Oscips Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas para Otimização da Tecnologia e da Qualidade Aplicadas (Ibepoteq) e Agência Brasileiras de Desenvolvimento Econômico e Social (Abdes) com o IFPR.O dinheiro público, conforme a acusação, foi desviado por meio de contratos simulados.”A opção pela utilização de Oscips para a execução dos cursos de EaD do IFPR foi o meio empregado pela organização criminosa para burlar as exigências de licitação e concursos públicos, o que propiciou a manutenção do esquema criminoso de desvios de recursos públicos por aproximadamente quatro anos”, afirmou Moro.Os pagamentos, conforme a sentença, eram feitos por serviços inexistentes parcial ou totalmente ou ainda superfaturados, com pagamento de vantagem indevida a agentes do IFPR.A denúncia destacou como líderes do esquema, pelo IFPR, José Carlos Ciccarino, que foi diretor da instituição, e Ricardo Herrera, que foi diretor administrativo de EaD; pela OSCIP Ibepoteq, Gilson Amâncio e Alexandre de Souza Azambuja; pela Abdes, José Bernardoni Filho; e pela empresa Obra Impressa: Arnaldo Suhr.O G1 tenta contato com os advogados dos condenados. O IFPR afirma que ainda não foi notificada da sentença e, na condição de interessada, deverá se manifestar nos autos do processo no momento oportuno.Para o juiz, a investigação não deixou dúvidas sobre as práticas criminosas no IFPR via as Oscips.”Licitações foram fraudadas, despesas de prestação de serviços foram simuladas para viabilizar peculato, recursos criminosos foram lavados e, não bastando isso, foram falsificadas provas para a sua apresentação à fiscalização da Controladoria-Geral da União – CGU, ainda no curso da investigação”, diz trecho da sentença de Moro.Segundo o juiz, diante da fiscalização da Controladoria-Geral da União (CGU), foram constatadas fraudes na elaboração de contratos, de prestações de contas e de documentos apresentados.
Exclusivo: o relatório da PF sobre a propina da “amante”


O Antagonista obteve com exclusividade o relatório da Polícia Federal, apresentado ontem ao STF, que imputa crimes de corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro à senadora Gleisi Hoffmann.
O documento reúne planilhas, registros telefônicos e laudos técnicos, além das delações de executivos da Odebrecht e depoimentos dos sócios da Sotaque Brasil, agência de publicidade usada pela petista, segundo a Polícia Federal,para receber propina em sua campanha.À PF, o publicitário Bruno Gonçalves Ferreira narrou a visita que fez à Braskem, em 2014, acompanhando Leones Dall Agnol, chefe de gabinete da senadora. Segundo ele, Leones e Fernando Migliaccio conversaram sobre “verbas para a campanha” e que se tratava de “muito dinheiro”.Em sua delação, Marcelo Odebrecht explicou que os R$ 4 milhões pagos a Gleisi saíram de um montante de propina de R$ 64 milhões, solicitado por Paulo Bernardo e Antonio Palocci.
Conferência das Cidades vai reunir três mil pessoas em Foz do Iguaçu

A 6a Conferência Estadual das Cidades vai reunir mais de 3 mil pessoas em Foz do Iguaçu de 16 a 18 de agosto. Estão inscritos 2.547 delegados, 87 observadores, assessores e secretários municipais. na quarta-feira, 16, o arquiteto Orlando Pinto Ribeiro palestra na abertura com o tema da conferência: função social da propriedade, cidades inclusivas, participativas e socialmente justas.


Na quinta-feira, 17, terá a reunião dos segmentos para discussão da eleição dos delegados para a 6a Conferência Nacional em Brasília e para a 4ª Gestão do Conselho Estadual das Cidades. Simultaneamente serão realizados os seminários do Estatuto da Metrópole e de Fracking.
Na sexta-feira, 18, no último dia de conferência, serão apresentadas na plenária as propostas e moções dos grupos temáticos. Em seguida, a leitura das propostas aprovadas. A eleição dos delegados dos segmentos para a 6a Conferência Nacional das Cidades será a partir das 14 horas. Depois haverá eleição das entidades representantes dos segmentos para a 4a gestão do Conselho Estadual das Cidades 2018/2020.
Rossoni participa da abertura de Mutirão e destaca parceria entre governo e prefeitura

O chefe da Casa Civil Valdir Rossoni participou nesta segunda-feira (07) da abertura do Mutirão da Cidadania, evento organizado pelo Governo do Estado e a Prefeitura de Curitiba na Regional Bairro Novo, região Sul da capital.
Rossoni, que foi um dos organizadores do evento a pedido do governador Beto Richa, destacou a parceria entre o Executivo Estadual e a Prefeitura para ofertar serviços aos cerca de 200 mil  habitantes da localidade. “Foram várias reuniões e muito trabalho para que essa grande feira de serviços ocorresse. E é uma prova da excelente parceria entre as equipes do governo e da prefeitura”, disse.O governador Beto Richa destacou a retomada do bom entrosamento com a administração municipal. “Vamos fazer um grande trabalho de cidadania e vamos realizar muitas obras na região. Queremos recuperar o tempo perdido e tudo que foi destruído em Curitiba”, garantiu Richa.Mutirão – Entre os dias 7 e 12, os moradores da regional Bairro Novo terão acesso a diversos serviços gratuitos nas áreas da saúde, educação, segurança, trabalho, assistência social, meio ambiente, além de atendimento da Copel, Sanepar, Detran e Procon.Entre os serviços estão a emissão de carteiras de identidade e de trabalho, consulta a oportunidades de emprego, atualização de cadastro, inclusão em serviços sociais, entre outros. Na área de saúde, será instalado um hospital de campanha e os cidadãos também vão poder realizar testes rápidos, como o para detectar doenças sexualmente transmissíveis, e fazer a aferição de pressão.Outras edições do Mutirão da Cidadania vão acontecer na sequência em outras regionais para atender, na totalidade, Curitiba e Região Metropolitana.
Paranhos assina convênios para saúde e assistência social

O prefeito Leonaldo Paranhos assina nesta terça-feira, 8, convênio com o Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste (Consamu) para gestão compartilhada na UPA Tancredo Neves e a cessão de terreno para uso da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) em Cascavel.
“O convênio com o Consamu faz parte de um planejamento para readequar o atendimento nas unidades de saúde, incluindo as unidades de pronto atendimento e vai permitir que equipes do Consamu assumam o atendimento na UPA da Tancrdo Neves”, disse.

“Com isso, deixa de ser exclusivamente pediátrica para atender a todos os tipos de pacientes, sendo oferecido também nas demais Upas e algumas unidades de saúde”, completou.

Paranhos assina também a cessão de um terreno, pelo prazo de 20 anos, para que a Apac construa sua unidade em Cascavel. O terreno, de 48 mil m2, está localizado no lote 104 da Fazenda Piquiri, à margem da BR 369, saída para Corbélia.

Bolsa-empresário: R$ 1 trilhão. Programas sociais: R$ 372 bilhões
Uma expansão de gastos do governo nos últimos 14 anos premiou grandes empresas com subsídios que superaram os destinados a programas sociais, informa a Folha.
“Conhecidos como ‘bolsa empresário’, esses recursos serviram para conceder crédito mais barato, prover garantias e até socorrer empresas ou setores inteiros.
 
Segundo o Ministério da Fazenda, de 2003 a 2016 os subsídios embutidos em operações de crédito e financeiras somaram quase R$ 1 trilhão – R$ 420 bilhões do total foram para o setor produtivo.
 
O valor superou o que o governo destinou a programas sociais (R$ 372 bilhões) no mesmo período e também àqueles ligados à agropecuária e que cumprem as duas funções (econômica e social).”
Alguém ainda acredita que o PT é o partido dos pobres?

Fachin suspende depoimento de Rodrigo Maia à PF

O Supremo Tribunal Federal suspendeu o depoimento do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à Polícia Federal. Ele seria ouvido na próxima terça-feira, dia 8, mas o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, atendeu a um pedido da defesa para que Maia não fosse interrogado por enquanto.

 

O ministro escreveu que “emerge prudente que a autoridade policial não realize atos de investigação” enquanto não for decidido se Maia seguirá sendo investigado no mesmo inquérito que os senadores peemedebistas Romero Jucá (RR), líder do governo, Renan Calheiros (AL) e Eunício Oliveira (CE), presidente do Senado, e o deputado Lúcio Vieira Lima (BA).

Reforma política deve ser prioridade nas próximas semanas, diz Rodrigo Maia
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que, após a decisão de negar autorização ao prosseguimento da denúncia contra Michel Temer, os deputados devem retomar os trabalhos tendo a reforma política como prioridade nas próximas duas semanas. Maia, que se reuniu com investidores em São Paulo, defendeu ainda o debate sobre sugestões para reforma tributária.
 
A proposta do relator da reforma política, deputado Vicente Candido (PT-SP), ainda precisa ser aprovada em comissão especial. Uma das mudanças é a criação do fundo público para financiamento das campanhas eleitorais. Para valer nas eleições de 2018, a reforma política precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado até o final de setembro.
Nova delação da ‘Carne Fraca’ pode atingir PMDB de Requião
A nova delação dos envolvidos na Operação Carne Fraca pode atingir diretamente lideranças do PMDB do Paraná, entre eles, o senador Roberto Requião e os deputados João Arruda, Osmar Serraglio e Sergio Souza. A defesa de Wesley Batista, dono da JBS, entregou à Procuradoria-Geral da República nesta quarta-feira (2) o relato sobre esquema de pagamento de propina para fiscais do SIF (Sistema de Inspeção Federal). Com informações de Wálter Nunes na Folha de S. Paulo.


O SIF é um órgão vinculado ao Ministério da Agricultura e é responsável por assegurar a qualidade de produtos de origem animal. Ainda falta que os advogados do executivos entreguem aos procuradores a lista com os nomes dos fiscais que teriam recebido suborno e os documentos que comprovariam essas transações ilícitas.

O relato de Wesley Batista aponta um esquema de corrupção generalizada no SIF. O empresário diz que todas as empresas do ramo tinham que pagar propina aos funcionários do órgão. Os fatos narrados pelo empresário coincidem com o foco da Operação Carne Fraca que investiga corrupção no setor de produção de proteína animal.

Até o dia 3 de setembro serão entregues novos documentos e relatos dos outros três delatores que preparam anexos da delação premiada. Joesley Batista, irmão de Wesley, e Ricardo Saud, diretor do grupo, estão concentrados em detalhar as planilhas em que foram contabilizadas as propinas e as doações em caixa dois pagas a quase 2.000 políticos que defendiam interesses das empresas do grupo J&F.

Ratinho Junior no Norte Pioneiro


O secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, tem extensa agenda nesta sexta-feira, 4, no Norte Pioneiro do Paraná. 
As 15h, Ratinho Junior visita o prefeito Dr. Antonely na prefeitura de Ibaiti. Às 16h15, a visita será ao prefeito Sérgio Rodrigues em Pinhalão. Na cidade, Ratinho Junior vai vistoriar a  obra do trevo de acesso e duplicação na entrada de Pinhalão.
As 17h30 o prefeito Flavio Zan recebe Ratinho Junior na prefeitura de Tomazina. A agenda se completa na cidade de Siqueira Campos as 20h na Festa do Bom Jesus da Cana Verde.

Projeto da Assembleia do Paraná ganha prêmio nacional em Brasília

O projeto Geração Atitude, desenvolvido pela Assembleia Legislativa do Paraná, recebeu ontem (2) o Prêmio CNMP 2017, durante o 8º Congresso Brasileiro de Gestão do Ministério Público em Brasília. O Geração Atitude foi premiado na categoria “Redução da Corrupção”, e foi classificado em segundo lugar, disputando com projetos de todo o país.

A Assembleia se empenhou para transformar o Geração Atitude, que estimula a participação dos jovens na política e motiva a cidadania, em uma iniciativa de apelo popular. A TV Assembleia percorreu municípios do Paraná inteiro promovendo a Gincana da Cidadania, através do Guia do Cidadão. A Assembleia também produziu e distribuiu 40 mil exemplares do Guia do Cidadão, material com informações sobre os conceitos de democracia, política e cidadania.

O presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB), introduziu uma novidade no evento. Determinou que o melhor projeto confeccionado por alunos de escolas públicas da rede estadual de todo o Paraná fosse transformado em Projeto de Lei e tivesse tramitação na Assembleia. Foram selecionados para participar da disputa 31 proposições de alunos de escolas de todo o Estado. Foi escolhido o projeto da aluna de Cianorte, Ingrid Ribeiro Serafim de Souza, de 16 anos.

O Geração Atitude concorreu ao prêmio com 1.077 iniciativas de todo o país. O Prêmio CNMP foi criado com o objetivo de dar visibilidade aos programas de estímulo à cidadania desenvolvidos em todo o país. O Geração Atitude foi criado contribuir para a formação e cidadania dos estudantes de rede pública estadual de ensino. O projeto envolveu a participação de mais de 50 mil estudantes em todo o Paraná.

O projeto contou com a parceria do Ministério Público do Paraná, da Secretaria do Estado da Educação, Tribunal de Justiça do Paraná e Assessoria Especial da Juventude do Governo do Estado.

Seja o Primeiro a comentar on "Blogsfera"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*