ATENTADO EM NICE FAZ BRASIL REVER PLANO DE SEGURANÇA PARA A OLIMPÍADA

Se nos últimos meses a preocupação com o ataque de lobos solitários nos Jogos do Rio vinha crescendo, o atentado em Nice nesta quinta-feira fez a preocupação com a segurança da Olimpíada do Rio subir de vez de patamar. As mortes trágicas na França levaram o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, a convocar uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto, sede da presidência brasileira, nesta sexta, para anunciar que todos os procedimentos de segurança para a Olimpíada serão revistos.

Desde o momento das mortes em Nice, o Ministério da Justiça, o Ministério da Defesa e o GSI estão trabalhando para garantir que continuemos no mesmo nível de segurança nos Jogos Olímpicos. Isso vai exigir revisões, novas providências e muito trabalho intenso daqui para frente para que possamos manter o nível de segurança e identificar eventuais lacunas”, disse Etchegoyen, responsável pelo assessoramento direto do presidente interino, Michel Temer, em temas militares e de segurança. A pedido de Temer, uma reunião foi marcada para às 16h desta sexta com vários órgãos do Governo: Ministérios da Defesa, da Justiça e o próprio GSI para discutir o tema.

Segundo o minisitro do GSI, integrantes da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) se reuniram na manhã desta sexta com representantes do Governo francês, que passaram novas informações para ajudar no novo planejamento que será feito. Além disso, um oficial da ABIN deverá ser enviado a Paris e Nice para coletar dados e “lições aprendidas desta tragédia”, explicou o ministro do GSI. A ABIN avalia a ameaça terrorista aos Jogos no nível 4 da escala que vai de 1 a 5.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, deu mais detalhes sobre a revisão nos planos de segurança e advertiu que o público que acompanhará os eventos será diretamente impactado pelas mudanças e terá que conviver com “inconvenientes necessários”. “Vamos ter que revisar procedimentos, ampliar barreiras, as revistas, vamos ter que ter uma segurança muito mais rígida. Infelizmente isso pode ser uma dificuldade e um transtorno a mais para as pessoas, mas é para o bem e para a segurança delas. É um mal necessário e benéfico”.

O general Luiz Felipe Linhares, coordenador da assessoria especial de grandes eventos do Ministério da Justiça, tentou tranquilizar os brasileiros. Em entrevista à rádio Jovem Pan nesta sexta, ele falou que a probabilidade de um ataque terrorista nos Jogos do Rio é muito pequena. “Existe possibilidade no mundo inteiro de acontecer um evento terrorista? Existe. No nosso caso, pelos vetores considerados por todo o nosso sistema de inteligência e dos 100 países que estão conosco trabalhando, é uma probabilidade muito pequena”.

O discurso foi reforçado pelo general do GSI, que destacou a experiência adquirida pelas entidades brasileiras na organização de grandes eventos esportivos nos últimos 10 anos, como os Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio, e a Copa do Mundo de 2014, entre outros. “Não nos preocupa e nem cabe o alarme sobre isso [possível atentado]. Reitero com muita tranquilidade que temos pela frente um enorme desafio mas temos também um passado de boas práticas, por todos os grandes eventos que fizemos no Brasil e também pelos intercâmbios que foram feitos nesses últimos 10 anos. Vivemos em um país em que não temos experimentado riscos dessa natureza. O que nos preocupa é apenas manter a segurança dos Jogos no nível adequado”.

No mês passado, um relatório da inteligência brasileira, publicado pela revista Veja, avaliou que atentados de grande sofisticação e complexidade logística não eram mais uma ameaça para o Brasil, mas sim o incentivo de grupos extremistas religiosos para que seus simpatizantes atuem por conta própria. “Uma das maiores preocupações governamentais está no acompanhamento da radicalização de indivíduos alinhados ideologicamente ao Estado Islâmico”, dizia o texto.

Além dos cuidados redobrados com o terrorismo, o Rio vem enfrentando deterioração nos índices de segurança pública nos últimos meses. A segurança dos Jogos estará a cargo de 6.000 oficiais da Força Nacional, um grupo formado por policiais de vários Estados do Brasil.

Com EL País

Seja o Primeiro a comentar on "ATENTADO EM NICE FAZ BRASIL REVER PLANO DE SEGURANÇA PARA A OLIMPÍADA"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*