A FRUSTRAÇÃO DE MÉDICOS CUBANOS POR DEIXAR O BRASIL: “MUITOS VÃO DESERTAR”

A insatisfação é total. Estou cansada de que decidam minha vida sem a minha opinião“, queixa-se H. K., uma das médicas cubanas frustradas pela decisão do Governo de seu país de não prorrogar a permanência dos profissionais que estão no Brasil pelo Mais Médicos desde o início do programa, há três anos. Havana oficializou, por meio dos coordenadores regionais nos últimos dias, que todos que chegaram em 2013 deveriam voltar a Cuba até novembro. A Governo comunista diz que eles devem ser substituídos, mas ainda não há cronograma claro para essa reposição, em meio à petição de Havana para renegociar o valor pago pelo convênio fechado com Brasília.

A quebra de expectativa aconteceu porque boa parte dos profissionais, que são 62% do total dos Mais Médicos, acreditava que conseguiria permanecer no Brasil depois que Dilma Rousseff assinou uma Medida Provisória, em abril deste ano, prorrogando por outros três anos o prazo em que os médicos estrangeiros poderiam trabalhar para o Ministério da Saúde sem a necessidade de fazer o chamado Revalida -exame que valida o diploma obtido no exterior. “O dito é que seria dada preferência aos que já estávamos, porque conhecíamos as comunidades. Só iria embora quem quisesse. Era um pedido também dos gestores das prefeituras e agora isso. Na Venezuela sempre era renovado“, segue a cubana na casa dos 30 anos, que atende em uma cidade do Nordeste e prefere manter o anonimato para evitar represálias.

No Brasil, os médicos recebem 2.700 reais dos 10.000 reais pagos pelo Governo federal -o restante vai para o Governo cubano Ainda com os cortes, a maioria quer permanecer do país pelo contraste em relação à remuneração em Cuba (cerca de 50 dólares) e pelas vantagens na comparação com o trabalho em outros países. Além da verba, ganham das prefeituras moradia e aqui consideram ter mais liberdades. Na Venezuela, por exemplo, precisam voltar para a casa até as 18h e são impedidos até de dirigir.

Estou há quase 20 anos trabalhando para Cuba — só na Venezuela fiquei nove anos — e no Brasil pude comprar meu primeiro carro. Não é só uma questão econômica. Quero decidir minha vida“, diz N.B., 49 anos, um médico cubano que atende na região Sudeste. Como tem um filho brasileiro, ele crê que terá direito à permanência mesmo fora do Mais Médicos, mas teme não conseguir deixar Cuba se for visitar a ilha. É caso parecido com o da profissional no Nordeste, que casou com um local. “Eu sempre soube que Michel Temer ia querer manter o programam, manter o povo contente. Sabia que não podia tocá-lo“, diz ela, que acusa Havana de preferir os novos profissionais por reduzir as chances de permanência definitiva deles e ganhar mais para o Governo cubano em verbas de instalação. “Pode escrever. Muitos vão desertar.”

Os cubanos foram enviados pelo Governo brasileiro para municípios sem médicos que não foram escolhidos pelos profissionais brasileiros, priorizados na primeira etapa do Mais Médicos. A maior parte desses locais tem Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) baixo ou muito baixo e presenciava a falta regular de médicos às vezes por anos seguidos. Eles também formam uma força importante de atendimento nos Distritos Especiais Indígenas, onde, muitas vezes, precisam permanecer por semanas dentro de aldeias isoladas, o que afasta muitos brasileiros do trabalho.

Em um grupo privado de discussão que eles mantêm no Facebook, os cubanos passaram parte da tarde desta segunda protestando e postando memes para ironizar a situação. Alguns afirmaram ter recebido um aviso de parte de seus coordenadores locais informando sobre o fim do prazo de permanência no Brasil. Também circula uma carta, replicada por veículos de imprensa não-oficiais de Cuba e, no Brasil, pelo blog Socialista Morena, em que há detalhes sobre esse retorno .Eles teriam sido acordados na reunião entre Cuba, Brasil e Opas da última sexta-feira -o Governo brasileiro não confirma.

Segundo a carta, que teria sido enviada para os coordenadores dos médicos cubanos no Brasil, entre 1 e 2 de novembro retornariam 347 médicos do grupo dos primeiros 400 que chegaram. E entre 4 e 9 de novembro deixariam o país mais 1.325 médicos do segundo grupo de 2.000. Segundo esses dados, 728 profissionais cubanos já teriam deixado o Mais Médicos, sendo 53 da primeira leva e 675 da segunda. A carta ainda afirma que esses profissionais terão que permanecer ao menos mais cinco anos em Cuba antes de aceitarem participar de outra das missões de saúde do Governo.

A suposta quarenta de cinco anos é a o fato que provocou mais indignação. “Não creio que existe esse veto, porque a situação em Cuba é péssima e eles dependem dessa colaboração. Mas são eles que colocam as regras e nós temos que aceitar por necessidade“, diz M. M., uma médica que trabalha em uma grande cidade brasileira.

O envio de médicos ao estrangeiro é uma tradição do Governo comunista cubano desde os anos 60. Se no passado a maioria da assistência era gratuita, agora Havana tem uma espécie de outsourcing de serviços médicos, um negócio que, em números de 2013, lhe rendia mais dinheiro que o turismo ou a exportação níquel. O país precisa especialmente de divisas, mergulhado em crise crônica, agravada pela derrocada da aliada Venezuela.

Com EL País

Seja o Primeiro a comentar on "A FRUSTRAÇÃO DE MÉDICOS CUBANOS POR DEIXAR O BRASIL: “MUITOS VÃO DESERTAR”"

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.


*